História Seja Minha!! - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Boku no Hero Academia (My Hero Academia), Tokyo Ghoul
Personagens Aizawa Shouta, Asui Tsuyu, Bakugo Katsuki, Hideyoshi Nagachika, Ken Kaneki, Lida Tenya, Midoriya Izuku, Mineta Minoru, Personagens Originais, Todoroki Shouto, Uraraka Ochako, Yagi "All Might" Toshinori
Tags Apaixonado, Explosivo, Katsuki Bakugou, Kawai
Visualizações 52
Palavras 2.085
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Fantasia, Festa, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Muito bem gente, aí está o capitulo de hoje.
-aproveitem bem e boa leitura
:3 ^~^

Capítulo 10 - Uma conversa séria



P.O.V'S on BAKUGOU KATSUKI

-Bakugou...

Não respondi.

-Bakugou - chamou mais alto

Continuei em silêncio fingindo estar completamente absorto no estudo.

-Bakugou! - jogou um travesseiro em mim, que pra sorte dela não me acertou

-Que foi? - Me virei fingindo não ter notado o que ela acabou de fazer

- Ta chato ficar aqui sem fazer nada... - reclamou se jogando na minha cama

Não tirei os olhos do livro que estava lendo.

-Estude então.

- Ah.. Mas estudar assim direto cansa, viu?! - percebi ela se virando de um lado pro outro na cama - Não tá cansado?

-Não. Agora cala a boca.

Sei que ela tá fazendo bico nesse exato momento, sei também que ela não vai aguentar ficar calada por muito tempo. Ela não fechou a boca nem por cinco minutos desde que chegamos aqui em casa.

-Aposto que tá cansado..

Nao disse? Ela não consegue.

Minha mãe quase teve um infarto quando a viu. Ficou surtando la, dizendo que ela era bonita demais e meiga demais pra mim.

Meiga num sei aonde. Boba, seria a palavra certa. Fala sério, aquela velha reclama que eu não pego ninguém e quando eu trago uma garota aqui em casa, ela faz esses vexames.

-Ei bakugou.. Você disse que íamos conversar hoje a tarde não foi? Pois então... Vamos conversar?

Bufei. Ela não ia me deixar em paz. Arrastei minha cadeira até a cama, ficando de frente pra ela, cruzei os braços sério.

-Tudo bem. Vamos conversar então.

Ela piscou algumas vezes.

-Ta bom.. conversar sobre o que?

-Sei lá... Me fala de você ue.

Depois do que aconteceu ontem percebi que eu não sei quase nada sobre ela. Até a relação que tem com o todoroki começou a me incomodar. Não que eu me importe com a vida dela, nem nada do tipo.

Só quero saber. Somente isso.

-Hmm tenho que começar desde o dia em que nasci? - inclinou a cabeça

-Claro que não idiota! - dei risada dela - Só me fala as coisas importantes.

-Tipo? - sentou na beirada da cama.

Ficamos algum tempo em silêncio. Até que decidi perguntar o que estava me incomodando a algum tempo.

-O que aconteceu com a sua mãe?

-Morreu - Deu de ombros.

Engasguei. Exatamente o que eu tinha imaginado. Olhei pra ela com canto dos olhos. Sua expressão não era triste e muito menos distante. Era a mesma de sempre, o mesmo sorriso infantil que sempre teve.

-E você diz isso assim? - Me inclinei em sua direção - Não se importa?

Akane aquiesceu um pouco e desviou o olhar.

-Não é que eu não me importe, é só... - Suspirou - Eu nem ao menos cheguei a conhecê-la. Ela morreu assim que eu nasci, e bom.. eu nunca nem vi uma foto dela pra saber como era o seu rosto - percebi ela tentando forçar um sorriso - Meu pai e meu irmão nunca falam sobre isso. Só dizem que não vale a pena me fazer pensar nesse assunto, e que se eu quiser saber mais sobre minha mãe, basta eu me olhar no espelho.

Era a mãe dela. Como assim não valia a pena pensar assunto ?

-Você não sabe como ela era?

Negou com a cabeça. Ela não estava séria e nem parecia triste.. Droga, como um assunto assim não a incomodava?

Me ajeitei na cadeira. Estava ficando desconfortável.

-Não tem nenhuma foto, um registro dela.. alguma cois..

-Não tem nada bakugou. Eu já procurei. Eles fizeram questão de se livrar de tudo.. - sacudiu os ombros - Acho que eles só não querem que eu me magoe.. sei lá..

-Se magoar? Magoar com oque? Por querer saber um pouco sobre sua mãe? - Não deu pra evitar o desprezo na minha voz - Isso é ridículo, Akane.

Ela concordou.

-É mas.. Sem conhecê-la.. ou saber algo que ela gostasse.. Não tem como eu sentir falta dela. Então...

Ficou em silêncio. Mas que droga de família ela tem, afinal?! É direito dela saber disso. Eles não podem esconder só porque acham ser o melhor. Esfreguei o pescoço suspirando, acabei de me lembrar de uma coisa.

-E aquele retrato que eu quebrei? Todoroki disse que era como uma lembrança pra você...

-O Nii disse isso? - conteve uma risada baixa - Na verdade ate era mas... Bem aquela foto foi a única que foi tirada pouco tempo depois que eu nasci..

-Mas o Ken e o Hide estava rindo nela...

-Meu pai não conseguiu contar pra eles sobre a mamãe. Disse que ela tinha ido viajar pra comprar um presente especial pra eles.. e como os dois eram tão pequenos...

-Acreditaram. - completei sem perceber.

-Demorou quase um ano até que o papai tomasse coragem..

Isso é tão cruel. Esse pai da Akane... Mentir assim pra duas crianças... Merda, porque tô ficando com pena dela?

Melhor falar sobre outra coisa.

-E o todoroki?

-Já disse, meu pai cuida da mae dele... Eu sempre visitava a casa dele com meu pai, daí ficamos amigos.. Depois ele sempre vinha aqui e praticamente não nos desgrudamos mais.

Isso explica muita coisa. Mas essa proximidade deles ainda me irrita. A encarei por alguns segundos.. Akane parecia tão fácil de se ler e agora ouvindo isso, da a impressão de que tem tanto por trás dessa infantilidade toda.

-Bakugou.... Eu tô com fome... Você não tá com fome?

Não respondi. Acabamos de falar de uma pessoa que deveria ser importante na vida dela e que ta morta, e ela vem me dizer que ta com fome? Três minutos depois e lá vem ela de novo.

-Ai que fome... - disse com voz dramática - Sabia que algumas pessoas passam mal quando não se alimentam na hora certa?

Oque? Ainda não são nem três da tarde!

-Já está com fome a essa hora?

-Muita! - juntou os punhos em frente o rosto

-Tch. Fica quieta Akane - Não quero ter que gritar com ela, mas a verdade é que meu estomago também tá pedindo por um lanche - Mais tarde eu busco algo pra nos.

-Mais tarde vai demorar muito... - choramingou de onde estava.

Bufei. Pior é que ela tem razão. Levantei esticando os braços e me espreguiçando.

-Tá legal... Deve ter alguma coisa lá na cozinha - Abri a porta do quarto e me virei pra ela - Espera aqui

-Claro que vou esperar! Agora vai logo bakugou! - levantou nun pulo e me empurrou pra fora

Que dramatica.

Fechei a porta, desci as escadas meio pensativo. Ela se acomoda rápido, até demais. Ainda tem isso agora. Sei que não tem nada a ver comigo mas...

Ela deve ter sofrido quando era criança... Merda, essa droga de pai que ela tem ainda diz que cuida dela!

Não é justo com ela. Por mais que ela sorria sempre... Deve querer chorar as vezes... Deve precisar de alguém que cuide dela de verdade, e não esse monte de gente que ela vive chamado de "irmãos e amigos".

Achei o bolo que estava dentro da geladeira, cortei duas fatias. Grandes. Uma pra cada, então pensei um pouco. Aquela garota é uma tarada por doces, e tá se descabelando por comida lá em cima.

Melhor levar o bolo todo mesmo, só pra garantir.

Abri a porta do meu quarto e...

-Akane? - olhei em volta - Porra garota, não tô com paciência pra brincar não!

Ela sumiu.

Simplesmente isso. Sumiu. Que saco, eu que não vou bancar a babá procurando ela... Se ela quer dar uma de idiota problema dela, eu tô nem aí.

Pus a bandeja com o bolo sobre o criado mudo. Voltei pra minha escrivaninha e peguei minha caneta.

Não vou me preocupar. Não tenho nem porque fazer isso. Ela deve tá lá com a minha mãe. . As duas se deram bem..

Suspirei, mas e se tiver acontecido alguma coisa?

-Merda.. - resmunguei pra mim mesmo - Oe Akane, se isso for uma dessas suas piadas sem graça, você vai se arrepender ouviu? Eu tô falando sério!

Esperei um pouco. Nada.

A janela tá fechada, não tem como ela ter saído, se tivesse descido atrás de mim eu teria percebido. Porcaria.

Desci pra cozinha.

-Akane? - Chamei-a. Também não estava lá.

Abri a porta da frente de casa e olhei pra rua, nem sinal dela. Voltei pra dentro e subi as escadas correndo.

-MÃE!! - esmurrei com força a porta do quarto dos meus pais. Ela devia estar lá - MÃE, PORRA! - essa velha nunca responde quando eu preciso! - A AKANE TÁ AÍ COM VOCÊ?! MAEEE!

Que desgraça. Ela deve ter saído. O que eu faço agora? A Akane não tá em lugar nenhum!

-Maldição... Se alguma coisa acontecer eu vou.. - Voltei pro meu quarto sentindo um nó estranho na minha garganta. Travei no mesmo lugar ao abrir a porta.

Sentada em cima da escrivaninha, com a bandeja de bolo sobre as pernas, um garfo a meio caminha da boca, estava ela...

Essa pirralha.

-Buuu? - disse sorrindo

Respirei fundo tentando me controlar, franzi a testa.

-... OE, DESGRAÇADA ONDE É QUE VOCÊ ESTAVA?? - Vou matar esse pirralha. Andei até ela sentindo os nervos estourando a cada passo

-Me escondi debaixo da cama ue - apontou pra lá com o pé - Eu ia te dar um susto, mas você desceu todo nervoso. Pensei que estivesse procurando alguma coisa..

-CLARO QUE ESTAVA! VOCÊ. - agarrei ela pelos braços - NÃO FAÇA ISSO DE NOVO ENTENDEU?!

Ela assentiu devagar.

-Posso comer agora? - ergueu o garfo - Eu ainda nem provei.

-Não. - tomei a bandeja dela - Você não merece.

-Bakugou! Me dá! - pediu quase chorando. Só por ruindade levantei a bandeja pra cima, ela não vai alcançar - Você é muito mal!!

Eu sou mal? Ela tem noção do que acabou de dizer?

-Entao eu sou mal? Sério? - ergui mais ainda.

Akane pulou tentando pegar, esticava os braços ficando nas pontas dos pés mas ainda não estava nem perto.

-Que maldade...

Realmente, muita maldade.

-Tá então eu te dou - Baixei um pouco - Mas vai ter que me deixar fazer uma coisa..

-Tanto faz. Me dá isso... - deixei ela pegar o que queria.

Akane sentou-se na cadeira enchendo a boca com o bolo, sem ligar a mínima pro que havia acabado de dizer. Sorri de canto.

Ela acabou de se ferrar comigo.

Assim que se sentiu satisfeita recostou-se na cadeira em que estava. Respirei fundo tomando fôlego. Ela comeu feito uma desesperada.

-Melhor? - Cheguei perto dela aumentado o sorriso

-É tava muito bom - Sorriu de volta

-Lembra que tá me devendo uma coisa agora né?

Ela levou a mão ao peito como se eu tivesse acabado de golpea-lá.

-Ah não bakugou... - reclamou inflando as bochechas - Você sempre me cobrando alguma coisa.

-Você concordou... - Puxei ela fazendo-a se levantar, encostei minha testa na dela - Agora já era.

Akane pôs as mãos sobre meus ombros, piscando algumas vezes.

-Ta muito perto...

-Tenho que ficar perto pra fazer isso - Dei-lhe um sorriso de canto cheio de maldade

Passei os braços em volta de sua cintura apertando seu corpo contra o meu, rocei meu nariz pela face dela que pouco a pouco ia adquirindo uma tonalidade mais corada.

É Akane. Hoje você não me escapa de jeito nenhum.

-B-Bakugou! O q-que tá fazendo??! - protestou quando mordi seu queixo

-Shiii. Quieta... - os olhos dela são tão lindos vistos desse ângulo e sua boca tão próxima... - Tem que fechar os olhos sabia? Não gosto que fique me encarando, pirralha...

Nao me obedeceu, mas nao me importei. Naquele momento estava mais concentrado em outra coisa.

Aproximei nossas bocas e a beijei com intensidade, apertando seu quadril com uma mão e a outra subindo por suas costas até segurar seu pescoço puxando-a pra mais perto.

Ela tremia. Tentei não rir quando pressionei seus lábios com a lingua e ela os trancou.

-Que foi? - Mordi seu nariz - Não quer?... ou não sabe nem o que é um beijo?

-Eu sei o que é um beijo! - murmurou me encarando - Mas,

Beijei sua bochecha, trilhando um caminho de carinho com o queixo até sua orelha.

-Mas nunca beijou né? - provoquei ela sussurrando em seu ouvido. Ela estremeceu um pouco.

-J-ja sim... - mal pude ouvir ela falando.

Que mentirosa.

-Ah é? - Mordisquei seus lábios - Você é uma mentirosa garota... Mas não faz mal. Vou te ensinar como se faz..





Notas Finais


*Pigarrea* Que tal? Ficou bom? Mau? Ruim? Péssimo?
Me digam se gostaram ok? '-'
Acho que o próximo sai hoje ainda. Não vou aguentar esperar
Kissus minna! 😙😙


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...