História Sentenced to Love - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Once Upon a Time, Supergirl
Personagens Alex Danvers, August Wayne Booth (Pinóquio), Capitão Killian "Gancho" Jones, David Nolan (Príncipe Encantado), Dr. Whale (Dr. Victor Frankenstein), Emma Swan, Henry Mills, Lacey (Belle), Lilith "Lily" Page, Maggie Sawyer, Mary Margaret Blanchard (Branca de Neve), Neal Cassidy (Baelfire), Regina Mills (Rainha Malvada), Robin Hood, Ruby (Chapeuzinho Vermelho)
Tags Ouat, Supergirl, Swanqueen
Visualizações 107
Palavras 2.551
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Crossover, Romance e Novela
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


3/3
Gente, espero de verdade que vocês tenham gostado, desde já, desculpem os erros.
Até semana que vem

Capítulo 14 - Homecoming


Fanfic / Fanfiction Sentenced to Love - Capítulo 14 - Homecoming

Point Of View Emma

- Hei – falo parando o carro no acostamento – o que houve? Falei algo? – ela balança a cabeça em negativa – sente dor?

- Quando eu era mais jovem – ela fala com dificuldade – meu pai me dizia que é importante você tirar um tempo para dizer para as pessoas o quanto você as ama enquanto elas ainda podem te ouvir – ela vira para mim – eu passei o final de semana pensando nisso... Eu tinha uma família, amigos, uma vida... Eu perdi tudo – ela volta a chorar e coloca uma de suas mãos sobre o rosto

- Hei – falo pegando em sua mão

- Faz tempo que não sei o que é ser cuidada como fui esse fim de semana – ela sorrir ainda chorando – ouvir os conselhos e histórias do seu pai, receber um carinho materno ao pé da cama, ter alguém que não dormiu bem porque passou a noite velando meu sono, sentar a mesa e ter alguém perguntando como estou... Eu sei que tenho as meninas e elas se tornaram minha família, eu as amo – diz enxugando o rosto – mas foi tão bom me lembrar de como é ter um pai e uma mãe – ela sorrir ainda encarando suas mãos – sentir de novo como é ter o amor puro de uma criança dentro de casa, ouvir o nome Henry novamente... Às vezes é tão difícil, Emma, me sinto tão só apesar de está rodeada de pessoas...

- Eu sei que existem coisas que você não pode falar – digo interrompendo-a – posso estar longe, a rotina às vezes atrapalha, mas prometo que não vou embora – ela passa a me olhar nos olhos e seguro novamente sua mão – Regina, você nunca estará sozinha

Ela me lança um sorriso radiante e nos olhamos por um tempo, com um carinho que me fascina. Naquele momento eu pude perceber que consegui a resposta que procurava para o que Zelena me disse, eu não queria só um jogo de sedução ou uma transa, eu queria Regina na minha vida.

- É melhor irmos, as meninas e David vão achar que você me sequestrou – ela diz sorrindo e faço o mesmo

Nos acomodamos e volto a dirigir. A viagem voltou a ser tranquila, entre conversas ou apenas ouvindo as músicas que tocavam no rádio, comemos um pouco da comida que minha mãe nos entregou e Regina me serviu um pouco de suco. Enfim chegamos a Seattle, antes de deixá-la na firma eu paro na farmácia e compro a vitamina passada por Chase, mando Regina tomar a primeira cápsula, já que deveria ser ingerida após o café da manhã. Combinamos que sua mala ficaria em meu carro e a noite eu a entregaria. Descemos do carro e caminhamos até a entrada da firma, mal entramos e já somos bombardeadas.

- Você está bem mesmo? David me disse que você teve febre! – Mary começou

- E você não teve nem consideração de ligar – Ruby diz batendo no braço de Regina

- A gente pode falar com Nolan e adiantamos o seu trabalho pra você descansar – Alex prosseguia

- Gente, calma! Eu tô bem, foi só uma queda – ela diz sorrindo – tirando algumas manchas roxas nas minhas costas...

- E no bumbum – complemento e ela vira para mim me repreendendo

- Enfim... Estou bem meninas – Regina conclui

- A casa tá sem teia? – Ruby pergunta espantada e não entendo nada

- Ruby está falando demais – Regina diz sem graça e sai empurrando as meninas – obrigada pela armadilha – diz voltando e beijando minha bochecha

- Disponha srta Mills – falo com malícia – vou pedir a Chase uma indicação e vamos fazer o possível para você ir logo ao médico

- Médico? – Mary volta para perto de nós

- Nada demais, só uma anemia – Regina diz empurrando Mary novamente

- Anemia que deve ser cuidada, certo Mills? – falo repreendendo-a com o olhar – Mary, ela tem um medicamento que ela deve tomar pra concluir um tratamento de cinco dias – Regina continua empurrando com dificuldade a srta Blanchard e decido gritar – e deve tomar uma vitamina por dia

- Shiii – ela me pede para fazer silêncio e a vejo ir embora com suas amigas

 

Point Of View Regina

 

- Me conta tudo... Que negócio é esse da Swan está de olho na sua retaguarda? – Ruby fala logo após sairmos da vista de Emma

- Não tem ninguém de olho em nada meu – digo arqueando a sobrancelha em observação

- E o que você falou no ouvido dela? – Ruby pergunta curiosa

- Nada – respondo

- Regina... Você está muito contente pra alguém que caiu e descobriu que tem anemia – Ruby me encurrala na parede – fala a verdade... Swan limpou a casa, num foi?

- Ruby, você vai machucá-la – Mary me defende de Ruby enquanto bate em seus braços

- Meninas – Robin fala e causa um susto em todas – poderia falar com você, Mills?

- É claro – sigo Robin e faço uma expressão vitoriosa para Ruby

Seguimos para sua sala e Robin me colocou a par da preparação com a cliente, ocorrida no sábado. Locksley me mostra as perguntas elaboradas e me pede a lista assinada pelos funcionários prejudicados pela firma, aviso que está em meu cubículo e ele me pede para ir buscar. Ao sair da sala dele vejo Alex ao telefone, parecia preocupada e de certa forma exaltada, decido me aproximar sem que ela me note.

- Isso não pode ter acontecido – ela falava brava em um tom baixo – eu não vou conseguir ser liberada daqui, posso colocar tudo a perder se sair sem motivos – parou de falar e parecia escutar algo que não gostou de ouvir – Ok, Winn... Vou ver o que consigo inventar, muito obrigada pela sinuca de bico que me colocou.

A vejo desligar o telefone com uma raiva que nunca vi na Alex, era incomum vê-la brava, mas acho que daquele jeito eu nunca vi. Ela chama pelo Nolan que passa no momento e diz que recebeu uma ligação da sua irmã dizendo que sua mãe está internada, David parece se compadecer com sua dor.

- Em quais casos você está? – ele pergunta preocupado

- Estou em dois casos com o Neal, mas são casos pequenos e acho que nem vai a julgamento – ela responde

- Falo com o Cassidy e coloco alguém para te substituir – ele fala com serenidade – mas sua irmã falou se é algo sério?

- Acredito que não, mas só vou saber quando chegar lá – ela dizia com voz falha

- Quando souber o estado dela, me ligue e se for necessário eu vejo o que posso fazer para você pegar alguns dias de folga e cuidar da sua mãe – David dizia compreensivo e segue para sua sala

Vejo a expressão brava da Alex voltar depois que o David sai, não demora muita e ela pega seu celular e digita algo.

- Alex – falo fazendo minha presença ser notada – tudo bem?

- Sim, tive um problema de família e vou precisar viajar... Você avisa as meninas e lá na faculdade? – ela pergunta

- Claro, mas o que houve? – pergunto desconfiada

- Minha mãe precisou ser levada para o hospital – ela diz enquanto ainda mexe no celular

- Já faz um tempo que nos conhecemos e é interessante... Você não fala da sua mãe com frequência, nem sequer a conheço – digo a encarando e ela me olha

- Pois é... Preciso ir – ela diz desconcertada – vou pegar minha bolsa e depois a gente se fala

O que exatamente a Alex estava aprontando... Quem é Winn? Até onde sei, o nome da mãe dela é Eliza e a irmã é Kara, ela nunca falou de um Winn, além disso, ela deixou claro que inventaria algo para sair, então a mãe dela deve estar bem. Me lembro que Robin ainda me espera e vou até meu cubículo para pegar a papelada. Não encontro as meninas e nem Alex, faço o que fui fazer e sigo para a sala do Robin novamente.

- Desculpa a demora – digo batendo à porta e ele faz sinal para que eu entre – aqui está – digo entregando a lista com as assinaturas – só falta aqueles dois funcionários que te falei, mas alguns trabalhadores ficaram de conversar com eles e me dá uma resposta até amanhã

- Ok, quero isso sem falta amanhã preciso mostrar tudo pronto para o sindicato e entregar isso como prova para a promotoria – ele diz analisando o que entreguei – eu estava vendo aqui e falta o resto dos arquivos sobre o caso, arquivos mais antigos.

- Sim, você pediu que eu arquivasse – falo – não usaríamos

- Você lembra se nesses arquivos estava o contrato da cliente com o bar? – ele pergunta confuso – acho que coloquei lá por engano, me desculpe – diz sem jeito

- Posso olhar – digo sorrindo da sua expressão

- Você pode? – diz espantado – pergunto por que soube que não passou bem no fim de semana

- Estou bem, vou olhar isso e já te dou uma resposta – digo saindo da sala e escuto o seu agradecimento

Sigo para o elevador, ao entrar dou de cara com a Swan que me olha dos pés a cabeça com desejo.

- Você não deveria ter ido para a empresa a pelo menos meia hora atrás? – arqueio a sobrancelha e pergunto curiosa

- Deveria, mas fiquei conversando com David, depois com Ariel, fui falar com Mary e passar as recomendações sobre você... Essas coisas – ela responde de forma natural

- Recomendações sobre mim? Sério Swan? – pergunto sorrindo

De repente ouvimos um barulho estranho e o elevador para rapidamente me fazendo perder o equilíbrio, por sorte sou amparada pela Emma que me segura pela cintura. Tentamos nos comunicar com alguém do lado de fora mais não conseguimos, Emma aperta o botão de emergência e torce para que alguém perceba, enquanto isso, faço a única coisa que posso, começo a gritar. Em alguns minutos ouço a voz do Neal e aviso que eu e Emma ficamos presas. Me viro e vejo Swan tirando sua jaqueta e a olho curiosa.

- Já que estamos presas e você não pode fugir... – ela fala com malicia se aproximando a medida que essas palavras saem da sua boca

- Nada disso Swan, dois passos para trás – digo colocando minhas mãos entre nós

- Prefiro dois passos para frente – fala segurando meus punhos e dando os dois passos restantes para selar nosso contato

- Meninas, os técnicos estão a caminho, isso não vai demorar – escuto a voz do David

- Avisa ao Robin que fiquei presa aqui, ele está esperando um documento – digo enquanto afasto a Swan e escuto sua afirmativa quanto a meu pedido

- Você já teve algo com esse Robin não é? – ela pergunta trocando a malícia por um olhar diferente

- Está com ciúmes, Swan? – pergunto provocando

- Não, só curiosidade – ela diz fazendo os seus olhos fugirem dos meus – namorou com ele?

- Não Emma... Saímos, mas não era pra ser... Mais alguma coisa? – pergunto tentando conter meu riso

- Saíram tipo... Uma vez – ela diz desconfortável – ou saíram tipo... Dez vezes?

- Por que isso é tão importante? Faz tempo e hoje somos amigos – explico me aproximando – temos uma relação profissional e nos damos bem assim e não como casal – toco em seus braços com carinho

- Tudo bem, só era curiosidade, você fala como se eu tivesse ciúmes – ela resmungava enquanto se afastava

- Acredito em você – digo me aproximando novamente – vai ficar fazendo bico? – me aproximo mais e entrelaço meus dedos em seus cabelos

- Eu não tô fazendo bico – diz tentando se esquivar

- Se vai ficar assim eu não vou atrás – levanto os braços em rendição e dou as costas me afastando

- Droga, Mills – diz me abraçando por trás, me fazendo sorrir

Sinto um beijo seu em meu pescoço e me aconchego em seus braços que me abraçam com força, mas sem machucar.

- Podemos sair de novo, o que acha? – ela me pergunta

Me desvencilho de seus braços delicadamente, ela se aproxima parecendo não entender e me faz olhar em seus olhos buscando explicação.

- Minha vida é muito confusa, Swan – começo – não quero meter você e sua família nisso tudo, não seria justo com vocês e...

- Do que exatamente você tem tanto medo? – ela me interrompe

- Emma... – falo com pesar

- Fala comigo... Eu tô aqui, na sua frente, se abre comigo – ela diz insistindo

- Você prometeu que não me forçaria a nada – digo indo para o outro lado do elevador

- Desculpa – respira fundo tentando relaxar a mente – eu... Vamos mudar de assunto

- Você tem seus demônios e eu tenho os meus, ainda não estou pronta para falar dos meus da mesma forma que você não me falou sobre seu pesadelo – ao dizer isso ela muda sua expressão, entendendo o que eu quis dizer

- É que queria tanto realizar seu sonho – fala fazendo bico novamente e me aproximo

- De que sonho você fala? – pergunto curiosa

- Um certo sonho erótico que soube que você teve – ela diz descarada e me faz sorrir

- Ah, esse sonho – digo ainda sorrindo – Swan...

- Eu sei... Confusão, complicado, amigas... Sou paciente srta Mills – ela interrompe

Ao terminar sua interrupção Emma abraça minha cintura e me beija delicadamente, sua língua pede passagem e nosso beijo é intensificado. Deus, como queria ficar longe dessa mulher, mas a cada dia que se passa isso parece mais difícil.

- Meninas – diz alguém nos atrapalhando

- Oi – falo me distanciando da Swan

- Estamos acabando aqui, tá tudo bem? – um desconhecido falava

- Sim, estamos bem – respondo e sinto Emma me abraçar por trás novamente

- Já que não teremos um encontro... Se sente bem para correr comigo amanhã de manhã? – ela diz me virando e ficando cara a cara comigo

- Correr? – pergunto desconfiada

- Sim, correr – ela diz com jeito inocente – se não conseguir correr ou sentir dor... Podemos caminhar! Não é um encontro, duas amigas podem sair e praticar atividade física

O elevador volta a funcionar e sinto que ao invés de descer estamos subindo. Swan agarra a gola do meu vestido e me puxa para um beijo faminto e desesperado a ponto de me deixar sem reação. Chegamos no andar do qual saímos e nos separamos, saiu do elevador e escuto o técnico falando que vai interditar aquele elevador para manutenção, olho para trás e vejo Emma com sua jaqueta na mão e um sorriso sacana no rosto. Pergunto se o outro elevador está funcionando e o técnico assente com a cabeça, entro nele para ir até os arquivos e a loira faz o mesmo.

- Você não desiste fácil não é? – digo sorrindo

- Só quando vejo que não vale a pena, o que não é o caso – diz querendo algum tipo de contato

- Ok, Swan – me rendo – não sei se consigo correr, mas podemos caminhar

- Passo as seis? – ela pergunta

- Seis o que? – sei que ela se refere a hora, mas estou pasma

- E você pretende correr de que hora? – me encara confusa – sem preguiça srta Mills e as primeiras horas do sol te fará muito bem

- Até as seis – falo ao ver a porta do elevador abrir onde eu ficaria

- Até a noite, ainda estou com sua mala – diz jogando um beijo para mim


Notas Finais


Obrigada por terem lido e pelos comentários *-*

PS.: Twitter da fic @sentencedtolove
grupo no whatsapp: https://chat.whatsapp.com/7u8xGyqye31CbW2ODnWDy9


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...