História Série Sombras: Descobrindo Sion - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Romance, Série Humanos, Sombras, Vampiros
Visualizações 20
Palavras 1.828
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Romance e Novela, Sobrenatural
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Oi gente, acabei o capítulo mais cedo e tô postando hoje, mas sábado vai sair outro

Capítulo 12 - Distância


Fanfic / Fanfiction Série Sombras: Descobrindo Sion - Capítulo 12 - Distância

O cheiro de baunilha foi a primeira coisa que eu senti quando acordei. Sentia algo morno contra meu corpo e um roçar suave contra meu nariz.

Abri os olhos vendo pequenos cachos bagunçando a minha frente. Rebeca dormia tranquila com um pequeno sorriso nos lábios que a deixava incondicionalmente mais bonita. Nunca pensei que ficaria tão animado por acordar com uma mulher em meus braços, mas ca estava eu babando pela humana que dormia em minha cama como se estivesse no lugar mais seguro do mundo.

Me levantei da cama com o máximo de cuidado pra que Rebeca não acordasse e me vesti antes de me desmaterializar pra cozinha, com todas as companheiras humanas a cozinha já oferecia comidas mais elaboradas contando com algumas refeições estrangeiras.

Peguei limonada, bratzel, rosquinhas e alguns bolinhos. Quando voltei pro quarto o cheiro cítrico da raiva de Rebeca me surpreendeu, mas sumiu assim que me viu então resolvi deixar de lado.

- bom dia, achei que voltaria antes de você acordar - coloquei a bandeja sobre a cama e me sentei na ponta a observando. Haviam duas marcas de dentes em seu pescoço e perto do seio me fazendo relembrar o dia anterior, senti minhas presas se alargarem assim como meu caro amigo de baixo se contrair pronto pra ação

- essa é a sua versão de "me desculpe por ter sido um imbecil?"

- me desculpe por ter sido um imbecil - disse fazendo a melhor cara de cachorro perdido que pude. Normalmente eu não fazia isso nem em um milhão de anos, mas Rebeca achava fofo e o cheiro da sua excitação era um presente e uma tentação

- assim não dá, não tem como eu dizer não desse jeito - disse bagunçando meu cabelo, mas até que eu gostava de ter suas mãos sobre mim - está tudo bem?

- só estou, feliz. Vou tomar banho - me levantei da cama indo pro banheiro, mas como se por vontade própria meu corpo me fez voltar e a beijei. Não a jogue na cama, ela precisa se alimentar, va pro maldito chuveiro.

- tava falando sozinha?- perguntei saindo do banheiro minutos mais tarde

- não, Mary ligou, ela quer te ver, pra ontem - senhoras e senhores, é com grande pesar que anúncio hoje que eu me fodi de um jeito nem um pouco satisfatório

- puta merda, to atrasado. Beca, toma banho e se veste, estamos de saída- foi estranho chama-la assim? Talvez. Bem eu ja a chamei de meu coração mesmo que por impulso, Beca é o sub mínimo - acorda mulher. Se eu não chegar na alcateia logo vou ter alguém muito puto pra me matar, literalmente.

**********

No final a minha morte foi adiada pra uma tortura infindável de longas uma semana. Ate tentei argumantar com Mary, mas aquela mulher era tão dura quanto o escudo do capitão América. Voltei pro quarto ouvindo o Rael falando mais do que devia, como sempre aliás. Não queria forçar a garota a nada, quer dizer a um tempo atrás a idéia de ter um humano me fazia rir, ja fiz piadas com todos os vampiros que se apaixonaram por humanos e agora, adivinha quem ta de quatro por uma mortal, abanando o rabo como um fodido cachorro.

- Rebeca - ela se virou para mim e pude sentir que algo tinha mudado desde essa manhã, era como se ela tivesse se fechado pra mim

- pra onde vamos-ela se levantou e passou por mim olhando direto pro chão e eu a segui.

- pra casa, a não ser que queira ir pra algum outro lugar

- casa me parece bom

- ok

- minha casa, Sion

- entendido - mesmo não querendo voltar aquele lugar eu a levei. A ouvir cantar era um sonho, mas o lamento em sua voz partiu meu coração. Tinha prometido que não usaria meus poderes nela, mas quando dei por mim ela ja estava a meio caminho de desmaiar.

- não me abandona Rebeca

*************

Acordei com a luz batendo na minha cara. Rebeca não estava na cama, mas me sentia pesado demais pra levantar, com um rápido comando as cortinas fecharam e eu me agarrei ao travesseiro voltando a dormir, ou pelo menos tentei.

Sai da cama depois de uma hora me batendo de um lado ao outro e desci. Rebeca não estava na cozinha, nem na sala, dei uma olhada no quarto de Marta e no quintal, mas a garota tinha simplesmente desaparecido.

Não pode ser, ela realmente foi embora. Se for pelo que o boca grande do Rael disse eu juro que esfolo aquele imbecil da forma mais lenta e dolorosa possível.

- tá rosnando pro nada? - me virei vendo Rebeca entrar com uma sacola na mão e não contive o impulso de correr até ela - que você tá fazendo?

- pensei que tinha ido embora - disse a abraçando

- eu fui ao mercado. Se você puder me soltar eu tô morrendo de fome

- roubando minhas falas?

- vamos ver se ainda vai ter fome quando provar minha comida

- já provei e é deliciosa - disse raspando os dentes sobre a jugular, seu coração acelerou, mas não havia a mesma excitação de antes, na verdade, ela não estava nem um pouco como antes, parecia tão distante. - deixa que eu faço a comida, pelo menos eu sei cozinhar

- okay - peguei a sacola e fui para cozinha e ela sentou no sofá. Às vezes sentia seu olhar em minhas costas, mas sempre que eu me virava ela estava olhando pra televisão, se tinha uma coisa que eu odiava era ser ignorado.

- aqui está- disse lhe dando o prato e me sentei do seu lado- você está bem?

- urrum - se seu cheiro não estivesse denunciado sua cara com certeza teria entregado ela.

- eu vou ter que sair mais tarde, quer ficar aqui ou voltar para casa, minha casa quero dizer.

- prefiro ficar

- está bem, eu volto antes do amanhecer

- tranquilo - disse ela se levantando

-Rebeca- chamei segurando seu braço-posso te beijar?

Vi a surpresa em seu olhar pelo meu pedido e por um momento achei que ela recusaria, mas quando ela me beijou senti que talvez aquele palerma não tivesse estragado tudo, exceto que um minuto depois ela se afastou.

- bom trabalho- Rebeca subiu as escadas e pude ouvir a porta do quarto fechando antes do dedilhar desapaixonado do violão.

- parece que eu tenho que tem uma grande conversa com um certo vampiro linguarudo e depois, vou ter que dar meu jeito nesse problema da Rebeca - terminei de arrumar a sala, lavei os pratos antes de me desmaterializar até o ninho, a essa hora Deborah estaria com as crianças então o maldito filho da puta estaria em casa

-quem é?- perguntou Rael quando bati na sua porta

- abre logo inferno

- meu nome não é inferno e a julgar pelo seu tom de voz não é nem um pouco seguro, adeus -antes que eu pudesse entrar e pegá-lo ele se desmaterializou do quarto. Se bem conheço aquele garoto, não o veria até o próximo século. Seu instinto de proteção era grande demais o que o fazia bom em se manter fora do radar.

- Sion - me virei quando ouvi a voz de Blake atrás de mim.

- que foi?

- eu tava procurando a Rebeca, mas ela não tá por aqui e não tá atendendo

- ela tá na casa dela, vou te dar o endereço

- valeu - deu o que ela queria e segui em direção ao salão principal, me faria bem um pouco de trabalho pra aliviar o estresse

- olha só quem resolveu aparecer - disse Darius quando entrei na sala

- achei que diria, quem é vivo sempre aparece

- você está morto e está pra nascer alguém que se aparece mais que você

- claro, eu sou lindo demais pra ficar escondido meu amor

- sempre cheio das gracinhas - disse Flint sentando em uma das cadeiras, o que me fazia lembrar, a quanto tempo aquelas cadeiras estavam vazias?

- enfim, vamos começar de uma vez. Antes de dividir as tarefas da noite tenho um pequeno comunicado/proposta pra vocês

- tenho até medo - disse Eleonor tirando a cara do celular.

- queria que vocês escolham sete entre vocês pra ocupar as cadeiras dessa sala. Sei que tínhamos um concelho antes do FDP maior tomar o cargo, queria isso de volta. Então, a decisão é de vocês

- essa cadeira tem o meu nome, não acham? - disse Flint deitando sobre a coisa

- uma já é do Beast, então sobram cinco - disse Eleonor- eu voto no Sion

- nossa, achei que seu voto era meu? - disse Nathaniel fazendo bico

- e que tempo você vai ter pra mim? - rebateu ela

- ok, voto no Darius

- vocês sabem que já viraram em três caras comprometidos né?- perguntou Darius, outro que não larga o celular. Desde que deu um pra Penélope o cara simplesmente virou um viciado no pequeno aparelho - votem no Rael

- ele é muito novo - disse Drake

- eu vou votar na Tyler, querem dar todo o trabalho aos homens só pra ficar de boas por aí - disse Flint apontando o dedo pra Ty que parecia estar dormindo contra a parede

- não sou eu que está deitado na cadeira - rebateu ela - Nathanael, pode sentar o seu traseiro aí, é difícil controlar o mau humor desse povo só com o Sion e eu

- droga

- espera, eu contei oito - disse contando os nomes

- eu conto sete, vocês contaram o Beast, mas ele já tinha a cadeira dele - disse Ângela brincando com o cabelo multicolorido do lobisomem que estava quase dormindo com a cabeça no seu colo.

- mil vezes droga - resmungou Nathanael - espera, nem todo mundo votou. Não devia ser voto da maioria

- quem não deu seu voto? - dez vampiros levantaram a mão - alguém tem outro nome que deseja pra votação

- eu acho que está bom desse jeito, são os vampiros mais respeitados daqui, não acho que algum vampiro vá se opor - disse Kassius

- eu concordo com o cara - disse Thrio se apoiando em Dara recebendo um olhar mortal da pequena imortal, até mesmo Tyler com toda a sua ferocidade evitava briga com ela, seus 1,58m não impediam em nada que ela arranca-se sua cabeça se a irrita-se - foi mal maninha

- quero bolo

- certo

- de sorvete

- sério?

- conhece meu preço - Thrio deu um suspiro derrotado e concordou com o bendito bolo, só queria saber onde ele vai encontrar um.

- se mais ninguém quer falar, vamos encerrar por aqui - disse Ângela - pra hoje só temos o de praxe, patrulha

- ahhhhh Deus não- disse sentindo uma súbita preguiça

- pelo amor você não fez nada nos últimos dias- reclamou Selena

- e daí? Eu tenho direito de sentir preguiça sabia?

- você é uma vergonha pra raça - disse ela com uma cara reprovadora

- não fale assim de mim, vai magoar meu coraçãozinho- disse fazendo manha tirando um riso de todos. Modo palhaço sem vergonha, ativado.


Notas Finais


Iai o que vai acontecer agora?
Deixa seu comentário não esquece


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...