História Sexo Com Amor - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Chouji Akimichi, Deidara, Fugaku Uchiha, Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hanabi Hyuuga, Hinata Hyuuga, Hizashi Hyuuga, Ino Yamanaka, Inochi Yamanaka, Iruka Umino, Itachi Uchiha, Jiraiya, Kakashi Hatake, Karin, Kiba Inuzuka, Kizashi Haruno, Konohamaru, Kurenai Yuuhi, Kushina Uzumaki, Matsuri, Mebuki Haruno, Mikoto Uchiha, Minato "Yondaime" Namikaze, Naruto Uzumaki, Neji Hyuuga, Obito Uchiha (Tobi), Personagens Originais, Rin Nohara, Rock Lee, Sai, Sakura Haruno, Samui, Sasori, Sasuke Uchiha, Shikamaru Nara, Shino Aburame, Shion, Shizune, Suigetsu Hozuki, Tayuya, Temari, TenTen Mitsashi, Tsunade Senju, Yahiko, Yamato
Tags Hentai, Naruto, Romance, Sakura, Sasuke, Sasusaku
Visualizações 119
Palavras 6.069
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Ecchi, Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi meus amores!! Aí está mais um capítulo para vocês!! Espero que gostem!! Boa leitura!!

Capítulo 4 - Sonho.


Fanfic / Fanfiction Sexo Com Amor - Capítulo 4 - Sonho.

"Sonhei que você sonhava comigo, parece simples, mas me deixou inquieto." 

-Caio Fernando de Abreu.-

 

 

Sasuke preparou um café da manhã com o que havia encontrado na geladeira, e após se alimentarem, Sakura pôs sua roupa e as sandálias preferiu levar nas mãos. Estava cansada demais para usar saltos às dez e meia da manhã. Sasuke a levaria até seu apartamento e logo depois seguiria para o trabalho.

 

-Você vai assim, descalça? -Ele indagou quando entraram no elevador.

 

-Sim. -Ela deu de ombros. -Estou cansada demais para usar isso! -Balançou as sandálias na frente dele. -Só espero não encontrar com o Sasori-nii... -Falou consigo mesma, mas o moreno também escutou.

 

-Ele não dever estar em casa... -Falou calmo. -Mas... você deveria ir se preparando. -Ela o olhou e estreitou as sobrancelhas róseas. -Mais cedo ou mais tarde ele vai te ver aqui, querida.

 

-Isso quer dizer que?... -Fez-se de desentendida.

 

-Não se faça de boba... -A enlaçou pela cintura e depositou um selinho nos lábios rosados. -Gostosa...

 

Ela sorriu de canto. 

 

-Vamos? -Saiu a passos largos quando as portas do elevador se abriram. -Vêm! -Falou impaciente quando notou que ele ainda estava lá, parado.

 

-Estou te admirando, querida... -Seguiu-a, devagar, sorrindo desnecessariamente, sedutor.

 

-Pensei que já tinha admirado o suficiente por hoje... -Ela parou ao lado do sedã preto. Estavam no estacionamento.

 

-Oh não... -Destravou o veículo. -Você é tão linda que eu não me canso... -Novamente, como um cavalheiro, que a propósito nunca foi, ele abriu a porta para que ela entrasse. -Tenho que entregar o carro ao meu pai. -Disse quando sentou-se no banco do motorista.

 

-Você pegou o carro com seu pai Sasuke? -Ela riu. -Sério?

 

-Sim, oras! Mas ele dever estar uma pilha porque eu ainda não devolvi e nem atendi as onze ligações.

 

-Poxa, Sasuke! Poderia ter atendido seu pai! É o seu pai! -Falou brava. 

 

-Eu vou passar lá daqui a pouco... não se preocupe. -Disse sem tirar os olhos da estrada. -Vai trabalhar hoje? -Alisou a coxa dela.

 

-Sim. A noite inteira. -Ele franziu o cenho.

 

-E amanhã?

 

-Não. -Disse enquanto fitava para a paisagem pela janela. 

 

-Então você poderia ir lá para meu apartamento... poderíamos repetir a dose... -Falou sensualmente.

 

-Pode ser... -Ele estreitou os olhos. -Eu te ligo.

 

E o silêncio se formou até chegarem ao prédio onde a rosada mora. 

 

Sakura permaneceu calada e pensativa. E isso estava incomodando o Uchiha.

 

Ele estacionou o carro próximo a garagem. Ela não queria correr o risco de cruzar com algum vizinho fofoqueiro naquele estado. Então preferiu entrar pelos fundos.

 

-Aconteceu alguma coisa? -Perguntou enquanto retirava o cinto.

 

-Oh não... -Suas bochechas ganharam um tom avermelhado. -Bem... na verdade, eu me lembrei que uma prima vira visitar a família... e não nos damos muito bem... -Sorriu sem humor. -Mas não se preocupe... não tem nada haver com você... -Retirou o cinto e se aproximou dele devagar. -Aliás, amei a noite. -Sussurrou no seu ouvido. -Você ultrapassou minhas expectativas.

 

-Não faça isso... desse jeito eu vou ir trabalhar de pau duro... -Ele a puxou pela cintura e a beijou. -Saiba que amanhã eu vou te punir por isso... -Mordeu-lhe o queixo. -Você está sendo muito má comigo.

 

-Bobo. -Ela riu contra os lábios dele. -Tenha um bom dia. -Apanhou a bolsa e calçou as sandálias.

 

-Obrigado, você também. -A beijou novamente. -Até amanhã.

 

Ela sorriu e saiu do carro. Com o vestido amarrotado, calcinha suja e sandálias nas mãos, Sakura estava se sentindo como uma adolescente chegando de uma balada. Riu de si mesma quando se olhou no espelho do elevador.

 

-Estou exausta... -Sussurrou com a cabeça encostada no metal. -Só quero dormir!

 

****

 

Quando Sasuke mal chegou na Interpol, já estava sendo designado para um trabalho. Investigar um suspeito de envolvimento com tráfico de pessoas. O homem era da Europa e conseguiu entrar no Japão.

 

Ele, Naruto e Kakashi, um outro agente, trabalharam durante o dia todo, mas obtiveram sucesso. 

 

-Enviem os dados para a Rússia. -Kakashi ordenou. -Conto com vocês!

 

-Okay, Kakashi-san! -Naruto respondeu educadamente. 

 

-Sasuke, eu preciso que você colete dados sobre os suspeitos de envolvimento com crimes financeiros. -O grisalho falou já na porta. Sasuke anuiu e e esperou que o seu superior saísse.

 

-Eu estou cansado pra caramba! -Se espreguiçou. Naruto o encarou com uma expressão sarcástica.

 

-Cansado de que? Você não faz nada! -Voltou a fitar a tela do computador.

 

-Você que pensa! -Sorriu malicioso. -Minha noite foi longa...

 

-Você e Karin se acertaram? -O moreno franziu o cenho.

 

-Não! Karin é passado! -Alargou o sorriso.

 

-E quem é a vítima da vez?

 

-Não vou te contar. -Disse enquanto digitava algo no notebook.

 

Naruto deu de ombros e continuou fazendo seu trabalho. Sasuke também não disse mais nada. Não iria falar sobre Sakura. Afinal era um homem e não um moleque! Não via necessidade de sair por aí falando sobre suas intimidades. Não mesmo!

 

O restante do dia passou rápido e logo estavam liberados. O Uchiha se despediu dos colegas e seguiu para seu apartamento. O táxi que tinha pedido já estava o esperando.

 

Não havia cruzado com Karin e estava imensamente feliz por isso. A ruiva estava trabalhando em outro setor e por isso não se viram.

 

Sasuke já tinha deixado claro para ela que eles não teriam mais nada. Só que Karin pareceu não entender.

 

Ele a considerava boa de cama, mas Sakura era diferente. Mais bonita, mais gostosa, mais receptiva, mais quente! Na verdade ele não conseguiu parar de pensar nela e na noite que passaram juntos. Estava contando as horas para ter o corpo delicioso dela sobre sua cama novamente.

 

Pensou em ligar, mas lembrou-se que ela provavelmente já estaria no hospital, e então decidiu que ligaria de manhã. 

 

Em poucos minutos o taxista parou na frente do prédio. Ele pagou a corrida e desceu do veículo. Passou pela portaria e cumprimentou todos que estavam lá. Apanhou o elevador e rapidamente chegou no seu andar.

 

Entrou, tirou os coturnos e o uniforme. Tomou um banho morno e vestiu-se apenas com uma cueca box azul. A noite estava quente.

 

Comeu alguma coisa, e lamentou-se quando se lembrou que tinha dito a Gina que não viesse trabalhar naquele dia. Droga! Agora estava comendo uma porcaria qualquer, quando poderia estar degustando a deliciosa comida da sua empregada e amiga de longa data também.

 

Depois que escovou os dentes, ele deitou-se na sua cama, ainda bagunçada, e procurou alguma coisa interessante para assistir no notebook. 

 

Estava cansado e com sono, mas ainda eram nove horas da noite. Provavelmente estava assim pelo fato de quase não ter dormido na noite anterior, e pelo estresse, inevitável, do trabalho.

 

O tempo foi passando e no quarto episódio da série que escolheu, seus olhos foram-se fechando e acabou dormindo...

 

                             .

 

-Uau, que delícia você é. -Falou com a voz manhosa. -Tarado e carinhoso ao mesmo tempo. -Mordeu-lhe o lábio inferior.

 

Sasuke sorriu.

 

 

Seus lábios eram quentes, e o interior de sua boca, bem macio. Ele colocou as mãos por dentro da blusa dela, puxando-a mais para perto. Quando desceu um pouco para apertar sua bunda, ela sentiu um calor se espalhar pela pele.

 

-Você quer me foder de novo Sasuke? -Ea murmurou com a boca colada à dele. -Não ficou satisfeito com a noite passada?

 

 

Soltando um grunhido baixinho em resposta, Sasuke inclinou a cabeça e tornou o beijo ainda mais profundo. Ele a puxou, fazendo-a se desequilibrar e jogar seu peso sobre ele. Ele aproveitou a oportunidade para erguê-la do chão e sentá-la no balcão, encaixando o quadril no meio das coxas dela. E todo latejar que Sakura sentia desde o momento em que ele a tocara se transformou em pontadas de dor. 

 

-Sasuke... -Gemeu baixinho.

 

 

Ele apoiou a testa molhada de suor contra a dela, com a respiração ofegante junto a seus lábios inchados.

 

 

-Eu quero te foder todo dia! -Ele apertou um dos seios dela. -Você é muito gostosa!

 

Com os dedos habilidosos, localizou o mamilo e o apertou, enquanto beijava sua orelha, ele murmurou:

 

 

-Você está toda meladinha para mim, não está? -Levou sua até o zíper do short que ela estava usando.

 

 

-Que é isso, Sasuke? -Ela ficou tensa, mas não negou.

 

 

-Eu tranquei a porta… -Com uma habilidade incrível, ele a ergueu um pouco e tirou-lhe o pequeno pedaço de jeans.

 

 

-Você está louco? -Ela rebateu, afastando a mão dele. -Estamos na casa da sua mãe!

 

 

O moreno a agarrou pela cintura, puxou-a para a ponta do balcão de mármore e encostou o pau duro na boceta quente dela.

 

 

-Estou. -Ele começou a mover os quadris, produzindo um atrito entre o clitóris, ainda coberto pela calcinha vermelha de renda e o tecido da roupa dele. Ela gemeu.

 

 

-Estou louco por você!

 

 

-Por mim e por todas as outras. -Tentou não transparecer o ciúmes na voz.

 

 

-Claro que não!  Ele exclamou, esfregando-se novamente contra ela. -Eu gosto de mulheres, lógico! Mas louco mesmo eu só estou por você. Porra Sakura! Você é gostosa pra caralho!


O atrito delicioso fez com que a boceta dela se comprimisse de vontade. Com o coração acelerado e respirando com dificuldade, ela sorriu sem humor.

 

 

-Para com isso… Não estou conseguindo pensar direito...

 

 

-Você pensa demais. -Ele a segurou com força e continuou esfregando o pau nela. Mantendo-a paradinha no lugar, ele tirou a calcinha e foi passando toda a extensão de sua impressionante ereção pela abertura dela. Ele era tão maravilhoso, tão gostoso, que só de vê-lo sentir prazer ela ficou à beira de um orgasmo.

 

 

-Eu quero você, Sakura. -Mordeu-lhe o lóbulo da orelha.

 

Já quase chegando ao clímax, ela segurou na beirada do balcão e remexeu os quadris contra o volume delicioso nas calças dele, usando-o para se masturbar. O gemido áspero de Sasuke forneceu coragem para fazê-la seguir em frente. Soltando um gemido ela se deixou levar pelas ondas de prazer que se espalharam pelo seu corpo, deixando-a até zonza.

 

 

-Assim mesmo. -Ele a incentivou com a voz rouca.

 

 

 -Ah, minha querida. Você é tão linda!

 

 

Ela se deixou afundar no peito dele, liberando toda a tensão. Com o rosto contra a o pescoço dele, Sakura sentia aquele cheiro masculino, que era estonteante. Sasuke grunhiu, desejando transar com ela ali mesmo, mas era arriscado! A última coisa de que não queria era ser pego no flagra! Mesmo a porta estando trancada. Eles estavam na cozinha e provavelmente alguém chegaria.

 

-Vamos para meu apartamento. -Ele acariciou as costas dela com suas mãos grandes.

 

 

-Não sei se consigo aguentar até chegarmos lá... -Ela não conseguiu controlar a sensualidade na sua voz. E isso só serviu para deixá-lo ainda mais louco de desejo.

 

 

-Não faça isso... -Ele se curvou um pouco para trás. -Desse jeito eu que não vou aguentar. -Ela deixou escapar uma risada contra sua vontade, e escondeu o rosto no ombro dele para disfarçar. Ele era charmoso, isso não havia como negar. 

 

-Vamos no carro! 

 

O abraço dele era muito forte que estava quase esmagando-a.

 

Ele abraçava e ao mesmo tempo sentia que estava perdendo suas forças. E com a mesma proporção, ela ia se afastando, e afastando. Até que ele não conseguiu mais vê-la.

 

E aos poucos ele foi despertando do sono. Quando acordou, estava agarrado com o travesseiro e de pau duro! Ótimo! Tudo que ele não queria!

 

-Droga! -Resmungou. -Essa mulher está me deixando maluco!

 

****

 

Sakura passou quase o dia inteiro dormindo. Quando chegou, tomou um banho gelado, vestiu-se com seu pijama mais confortável, e dormiu!

 

Quando seu celular despertou as cinco da tarde, ela viu que tinha recebido uma mensagem de Hinata.

 

"Eu estou bem. Não se preocupe. Depois a gente conversa." 

 

Ela sorriu aliviada. Provavelmente a prima não estava com raiva. Espreguiçou-se e se levantou, tomou um outro banho e pôs suas roupas e jaleco. Preparou algo rápido para comer e logo em seguida foi para o hospital.

 

Seu plantão iniciou às seis e meia da noite, mas ela havia chegado vinte minutos mais cedo. Conversou com Samui e lhe entregou os saltos que a loira tinha pedido emprestado. Foi até a máquina de café e apanhou um bem forte. Depois seguiu para sua sala.

 

-Sakura, boa noite. -Um homem se pronunciou antes que ela abrisse a porta.

 

-Boa noite, Lee! -Sorriu. -Precisa de algo?

 

-Bem... sabe... -Hesitou por um segundo. -Na verdade, queria saber se estará livre na sexta à noite? Soube que vão inaugurar um restaurante de comida italiana. Quer ir comigo.

 

Ela estreitou as sobrancelhas. Não era a primeira vez que Lee investia nela. Mas a rosada sempre deixou claro que eles eram apenas bons amigos. E que não passaria disso.

 

Depois de alguns segundos em silêncio, que pareceram incontáveis horas para ele, ela respondeu:

 

-Lee... -Suspirou. -Na verdade eu já tenho um compromisso sim. -Mentiu. -Vou sair com meu namorado. -Namorado? Como assim namorado? Nem ela mesma acreditou que tinha dito aquilo. Mas, era a única maneira de fazê-lo se afastar de vez. Tinha um carinho enorme por ele, sim, afinal trabalhavam juntos à anos. Mas nunca pensou em ter nada com ele! -Desculpe. -Sorriu sem graça.

 

Lee ficou um tempo calado. Estava digerindo essa informação. Namorado? Então ela arrumou um namorado? Seus olhos caíram sobre o chão e seu rosto ficou vermelho. Há tanto tempo que gostava dela. Pensou que quando a mesma havia sido cruelmente ferida pelo ex-noivo, ele finalmente teria uma chance. Mas então ela conheceu outro? Seu coração apertou e sentiu que estava prestes a chorar. Controlou-se da encarou.

 

-Tudo bem... me desculpe. -Segurou nas mãos dela. -Eu te desejo de todo coração que seja feliz! Mesmo que não seja ao meu lado. Você merece ser feliz rosadinha! -E então se afastou.

 

-Lee... -Sakura falou baixinho. Não queria o magoar, mas se ela tentasse dar uma chance pra ele, sabia que iria feri-lo. Então concluiu que fez o certo. Apesar de não ter sido certo mentir. Mas o que ela menos queria era fazer alguém sofrer, assim como já sofreu. 

 

Respirou fundo e adentrou para a sala. Logo alguns pacientes foram chegando. O plantão da noite sempre era mais tranquilo. As horas foram passando rapidamente e nos momentos que ela saia da sala, não havia cruzado mais com Lee. Melhor assim!

 

-Sakura, rápido! -Uma enfermeira a chamou. -Temos uma paciente na emergência!

 

-Oh, vamos! -Seguiu-a.

 

Correram até uma sala onde uma outra enfermeira atendia com os primeiros socorros. Uma mulher ruiva estava deitada na maca com um rapaz ao seu lado.

 

Sakura paralisou ao chegar na porta notar quem era a mulher! Não podia ser ela! Justo ela! A mesma safada que havia feito a rosada chorar e sofrer! A mesma vadia que havia roubado os planos e sonhos da Haruno! A vagabunda que há tempos tinha um caso com o calhorda do Yahiko! Mesmo sabendo que ele estava noivo, a safada não se afastou.

 

Suas pernas quase falharam e sua respiração ficou ofegante. Estreitou as sobrancelhas e cerrou os punhos. Mas, não podia simplesmente deixá-la lá e sair. Era uma médica afinal! Estava ali para atender quem precisasse. Mesmo que fosse a vadia da Karin!

 

-Qual a situação dela? -Indagou enquanto se aproximava devagar.

 

-Segundo ele. -Apontou para o homem. -Ela vomitou, ficou tonta e desmaiou. -A enfermeira explicou. -Ele então a trouxe rapidamente para cá!

 

-Entendo! -A rosada se aproximou e a examinou. Karin ainda estava um pouco tonta e não conseguiu reconhecê-lá. -Você disse que ela vomitou? -O rapaz anuiu. -Preciso que ela faça um exame de sangue! -Concluiu. -Vamos prepará-la.

 

-O que ela tem? -O homem indagou preocupado.

 

-Não posso afirmar nada ainda. -Respondeu calma. -Ela está a muito tempo sem comer? -Ele negou. -Fez algum exercício físico em excesso? -Negou também. -Vamos fazer o exame e medica-la! -Exclamou.

 

....

 

Depois de tudo preparado, uma enfermeira coletou um pouco de sangue de Karin e levou para o laboratório. Sakura a medicou e a pôs no soro. Aos poucos ela foi melhorando e se lembrou da Haruno. Mas não disse nada! Nenhuma das duas! Uma por que não estava em condições de fazer isso e a outra por que queria esquecer o passado. Queria seguir em frente!

 

-Qual o seu nome? -A rosada perguntou o rapaz que acompanhava Karin.

 

-Suigetsu.

 

-Venha comigo por favor. -Saíram da sala. -Você é um parente dela?

 

-Somos... -Hesitou um pouco. -Somos amigos.

 

-Certo. -Balançou a cabeça em forma de afirmação. -Você sabe se ela passou por algum aborrecimento? -Perguntou devagar.

 

-Estávamos conversando e de repente ela começou a falar de um homem. Um homem que ela gosta muito... -Seus olhos se entristeceram. -E depois começou a chorar e ficou muito nervosa. -Gesticulava com as mãos.

 

-Entendo... Ela bebeu? -Suigetsu negou. -Isso pode ter ocorrido por causa de estresses ou por ela ter ficado nervosa ao falar dessa pessoa. -Pontuou. -A pressão dela também estava baixa, e isso me preocupou. -Explicou. -Mas agora já se normalizou. 

 

-Ela vai ficar bem? -Sua voz soava de pura preocupação.

 

-Sim. Ela já foi medicada e agora só precisamos do resultado do exame. -O rapaz anuiu. -Fique tranquilo.

 

Sakura pediu para que ele voltasse para o quarto e ficasse ao lado dela. Enquanto isso foi até a máquina de café e apanhou outro copo do líquido fumegante e forte.

 

Sorveu um gole generoso e respirou fundo. 

 

-Será que ela está grávida? -Indagou consigo mesma. -É uma possibilidade! -Concluiu.

 

Balançou a cabeça afim de espantar esses pensamentos. Terminou de tomar todo o café e voltou para sua sala. 

 

Seu plantão já estava quase acabando.

 

Voltou ao quarto e verificou como Karin estava. A ruiva estava dormindo e parecia estar melhor. Suigetsu ao seu lado o tempo todo, preocupado. 

 

-Em vinte minutos meu plantão será encerrado. -Ela falou baixo. -Mas vou deixá-la com a doutora Hyuuga. Uma excelente médica! -O rapaz anuiu lentamente e ela se retirou da sala. 

 

****

 

Hinata chegou ao hospital um pouco adiantada assim como a prima. Ela geralmente era uma pessoa matutina. Gostava de acordar cedo, era animada, disposta! Mas naquela manhã de terça-feira, estava totalmente ao contrário. Isso tudo por que sua prima Yume estava chegando à cidade. Provavelmente já tinha desembarcado no aeroporto. 

 

Bufou pela terceira vez! Limitou-se a sorrir para as pessoas que passavam por ela e seguiu até a sala de Sakura. Bateu e logo a prima consentiu sua entrada.

 

-Sakura Haruno, onde você se meteu? -A rosada arqueou uma sobrancelha. O que deu em Hinata?

 

-Bom dia para você também! -Ironizou. -Estou bem, obrigada por perguntar! E você? -A morena estreitou os olhos.

 

-Sem gracinha! -Revirou os olhos. -Você me abandonou ontem! 

 

-Desculpe Hina! -Disse enquanto guardava algumas coisas na bolsa. -O Sasuke me convidou para um café e eu aceitei!

 

-Sei... ainda bem que o Naruto me deu uma carona até em casa!

 

-O Naruto? -A rosada a encarou. -Ele te levou foi? -Um sorriso malicioso se formou.

 

-Não me olhe assim! -Hinata exclamou. -Não aconteceu nada! Ele foi apenas gentil! Diferente de você!

 

-Boba! -Sorriu. -Eu sei que você não está brava comigo! Eu sou um amorzinho de pessoa! -Hina não se conteve e riu como resposta. Sim! Ela não estava brava e sim, Sakura é um amorzinho! -Viu como não está brava! 

 

-Mas o que aconteceu com vocês? 

 

-Eu dei pra ele! -Falou calma. Hinata levantou as sobrancelhas em espanto.

 

-Co-como assim?

 

-O que? -A rosada riu. -Dei pra ele, oras! A noite toda! Por sinal foi a melhor foda da minha vida! -Mordeu o lábio inferior. -Sério, Hina! Ele é delicioso!

 

-Sakura! Poupe-me desses detalhes! -A morena sentiu suas bochechas queimarem.

 

-Tenho muitas coisas pra te contar! -Respirou. -Você acredita que o safado do Yahiko apareceu lá no prédio ontem? -A outra estreiou as sobrancelhas. -Eu até me assustei! Disse que foi buscar uma amiga! Deu em cima de mim! Continua sendo o mesmo insuportável de sempre!

 

-E você? O que fez?

 

-Eu estava esperando o Sasuke! Mas é lógico que eu não dei bola pra ele! Até parece! -Bufou. -Dei uns foras nele! Logo depois i Sasuke chegou e saímos! Espero não vê-lo por lá novamente.

 

-Ele é mesmo um idiota! -Hina falou entre os dentes e a rosada anuiu.

 

-Tem mais! -Olhou pro relógio. -Vou falar rápido! Ontem o Lee me convidou para sairmos. -Respirou fundo. -Eu recusei e menti, disse que estava namorando.

 

-Você fez isso? Hinata balançou a cabeça. -Por que?

 

-Eu não vou alimentar falsas esperanças nele! -Exclamou. -Eu gosto dele, como amigo! E sei que ele sofreria ainda mais se eu o desse uma chance! Não dá!

 

-Eu te entendo... Mas você errou em mentir! -A repreendeu.

 

-E o que você queria que eu falasse? -Cruzou os braços. -Não quis deixá-lo mais triste!

 

-Eu sei, eu sei...

 

-Puta merda, já ia me esquecendo! -Sakura falou tão alto que Hina se assustou. -Você nem imagina quem chegou aqui passando mal!

 

-Não imagino mesmo! -Estreitou as sobrancelhas. -Quem?

 

-Karin! -Falou com nojo. -A vagabunda!

 

-Sério? -A morena arregalou os olhos. -Mas... 

 

-Um rapaz a trouxe. Me disse que são amigos... -Riu devagar. -Amigos? Amigos? Quais amigos passam uma madrugada de terça-feira juntos? -Revirou os obres verdes. -Ele pensa que me enganou! Ela deve estar dando pra ele! Isso sim!

 

-Com certeza! -A Hyuuga exclamou. -Estou estática! Então quer dizer que vou ver aquela safada novamente!

 

-Será que ela se lembra das bofetada que você deu nela? -Sakura sorriu marota.

 

-Lógico! -Uniu as sobrancelhas. -Você fala como se não tivesse dado umas boas bofetadas na vaca também!

 

-E você não imagina o quanto foi bom fazer isso! -As duas riram. -Seu plantão já vai começar. -Olhou as horas de novo. -Resumindo... ele me disse que ela estava falando sobre um homem que ela gosta muito.

 

-E aquela safada por acaso gosta de alguém? -Hina cruzou os braços. -Ela não gosta nem dela mesma!

 

-Eu também acho! Mas escute... ele disse também, que depois ela ficou nervosa e começou a chorar. -Bufou. -É uma vagabunda mesmo! Daí, segundo ele, ela vomitou, ficou tonta e desmaiou!

 

-Será que ela está...

 

-Grávida? -Hina concordou. -Foi a mesma coisa que pensei! -Apanhou sua bolsa.-Será que é do Yahiko?

 

-É uma possibilidade!

 

-Ela já foi medicada, e pedi um exame de sangue, que também já foi feito!

 

-Entendi. -Suspirou cansada. -Não podemos afirmar nada ainda!

 

-Deixo ela com você! -Sorriu marota. -Apesar de tudo, somos profissionais! Não podemos, jamais, negar ajuda a alguém!

 

-Com certeza! -Saíram da sala e caminharam juntas até a máquina de café. -Sua prima chega hoje! Aquela outra vaca!

 

-Sabe que eu até tinha esquecido! -Bufou. -Ninguém merece! Primeiro o Yahiko, depois a Karin, e agora a Yume! A quadrilha está formada!

 

-Ah Sakura... -Hina riu baixinho. -Só você mesmo...

 

****

 

Sasuke acordou mais cedo que o normal. Levantou-se e fez sua higiene matinal. Tomou um café da manhã saudável, e saiu para correr um pouco. Depois do sonho que teve, o moreno não conseguiu dormir! Quando estava quase dormindo, deus pensamentos eram invadidos com as cenas da noite passada. 

 

Demorou cerca de uma hora para voltar, e quando chegou, encontrou Gina organizando algumas coisas. A mulher de quarenta e poucos anos lhe sorriu.

 

-Bom dia senhor. Pensei que tinha ido trabalhar.

 

-Oi Gina. Bom dia. -Falou enquanto tirava os tênis. -Hoje não. -Sorriu para a mulher. -Ah Gina, que saudade da sua comida deliciosa!

 

-Saudade? -Ela riu baixo. -Fiquei fora só por um dia! E a pedido do senhor! -Voltou sua atenção para as louças que estava secando e guardando.

 

-Eu sei... -Coçou a nuca. -Mas... bem...

 

-Trouxe alguém para cá? -O moreno tossiu, e sem graça, anuiu lentamente. -Karin? -Sim! Ela tinha intimidade suficiente para perguntar. Trabalhava com ele há cinco anos já!

 

-Não. -Respondeu calmo. -Já não estou mais com ela!

 

-Entendi... -Ela até pensou em perguntar quem era a moça da vez, mas concluiu que não tinha nada a ver com isso e preferiu ficar quieta. -Ah, já ia esquecendo, seus pais ligaram. Virão almoçar aqui hoje.

 

-Tudo bem. -Beijou a cabeleira preta da senhora. -Vou tomar um banho rápido e dar um pulo no Walmart.

 

Sasuke tinha um enorme carinho por Gina. A senhora sempre fora muito boa com ele. Apesar de ser paga por isso, ela sempre o tratou com muito amor e carinho. Como um filho. E ele valoriza isso.

 

-Espere um pouco! -O fitou. -Você deve estar com o corpo quente! Vai pegar um resfriado menino!

 

Ele riu.

 

-Banho morno então! -E saiu.

 

-Quando for me avise! -Falou alto. -Vou anotar algumas coisas para você trazer de lá pro almoço.

 

****

 

Sakura saiu do hospital e seguiu para seu apartamento. Estava cansada, com fome e estressada! Sim. Estressada por ter cruzado com Karin! Lógico que ela jamais negará atendimento para quem quer que seja! Mas não conseguiu não sentir raiva da safada! Seus planos foram destruídos por ela e pelo calhorda do Yahiko, afinal.

 

-Mas foi melhor assim! -Falou consigo mesma. -Ele não vale nada e não me merecia! -Concluiu.

 

Voltou toda sua atenção para a estrada e logo chegou ao seu destino.

 

Estacionou o veículo na garagem do prédio e caminhou até o elevador, que não demorou para chegar no seu andar. Entrou e jogou a bolsa sobre o sofá, notando que suas roupas de noite passada ainda estavam caídas sobre ele. Logo seus pensamentos foram direcionados à Sasuke. 

 

-Será que ele não vai ligar? -Indagou consigo mesma depois de olhar o visor de seu smartphone.

 

Sorriu feito boba, sem perceber, enquanto lembrava-se da noite quente que tiveram. Das marcas que deixou pelo corpo delicioso dele, dos puxões de cabelo e dos tapas no bumbum que levou do moreno. Fechou os olhos e mordeu parcialmente o lábio inferior. Foi então que a realidade lhe atingiu, se ele não havia ligado ainda, nem

mesmo enviado uma mensagem, com certeza não o faria.

 

-Obviamente ele não irá me ligar! -Balançou a cabeça em forma de negação e depois se direcionou até o banheiro.

 

Seu banho foi morno e logo estava no quarto. Optou por vestir uma ciganinha ombro a ombro e um short jeans, calçou rasteirinhas cor-de-rosa, secou os cabelos e em minutos estava pronta. Olhou mais uma vez o celular, na esperança de que o moreno havia ligado, mas nada! Ele não deu sinal de vida. Ainda.

 

Bufou irritadiça. 

 

-Que merda! 

 

Enquanto se banhava, decidiu ir até o supermercado para comprar algumas coisas que estavam faltando. Fez uma lista, apanhou as chaves do carro, a bolsa e saiu.

 

Eram oito e quarenta da manhã quando ela, finalmente, procurava o último item de sua pequena lista. No caminho até o supermercado, ela pensou e pensou, até que chegou à conclusão que: Era muito cedo para Sasuke ligar. Provavelmente ainda estava dormindo.

 

Um pouco mais esperançosa, continuou suas compras. Olhou ao seu redor e avistou o produto na segunda prateleira. Girou seu carrinho e se direcionou até lá. 

 

-Minha deliciosa pasta de amendoim. -Cantarolou enquanto exibia seus dentes, perfeitamente alinhados e brancos. Resultado de anos de aparelho e visitas semestrais ao dentista.

 

Estava tão distraída lendo alguma coisa no rótulo que não percebeu o momento que alguém se aproximou e parou atrás dela. E nossa! Que perfume delicioso!

 

-Bom dia. -Uma voz rouca soou bastante sexy aliás, enquanto dois braços fortes a envolveram pela cintura. 

 

Ela arregalou os olhos e estava pronta para se virar e estapear a cara do atrevido, mas desistiu no mesmo instante que encarou o par de ônix a fitando de maneira sensual, cabelos bagunçados e um meio sorriso, desnecessariamente sedutor, que lhe tirou o ar. Como pode ser tão bonito?

 

-Oi. -Disse ainda embasbacada. Que homem!

 

-Você está muito distraída, querida... -Uniu as sobrancelhas. -Nem notou quando cheguei.

 

-É... -Não conseguiu pensar em uma resposta melhor. 

 

-Eu iria te ligar. -Afastou-se para apanhar algo na terceira prateleira. -Mas pensei que ainda estaria no hospital. -Sorriu. -Mas acho que desejar um bom dia pessoalmente é melhor do que por celular.

 

Ela anuiu lentamente.

 

-Entendo. -Desviou o olhar.

 

-Aconteceu alguma coisa? -Ela balançou a cabeça em uma negativa fervorosa, e teve a certeza de que suas bochechas estavam avermelhadas pelo aumento da circulação sanguínea.

 

-Não. Não aconteceu nada. -Tentou disfarçar o nervosismo. Por que um mero sorriso de canto poderia surtir esse efeito em uma pessoa? 

 

-Hm. -Jogou o que havia apanhado no seu carrinho de compras. -Espero que continue sem planos para hoje à noite. -Aproximou-se novamente. Ela engoliu em seco e levantou as sobrancelhas num sinal para que ele prosseguisse. -Você foi muito má comigo ontem, me deixando de pau duro. -Sussurrou para que apenas ela o escutasse. -Merece uma punição, de acordo? 

 

-Sasuke! -Ela exclamou fingindo estar irritada para logo depois sorrir. Suas bochechas ainda estavam coradas e então desviou o olhar.

 

-Mas eu vou ser bonzinho. -Ela revirou os olhos e riu.

 

Geralmente ele não era do tipo que insistia para que uma mulher saísse com ele, mas Sakura tinha algo diferente que fazia-o se render. Afinal, em apenas uma noite que passaram juntos, ela já fazia parte de seus sonhos. Não era amor, ele sabia. Mas ela sabia fazer um homem enlouquecer na cama, e isso já era suficiente para que ele quisesse outra, e talvez outra noite de sexo.

 

-Você já tomou café? -Indagou, colocando uma mecha de cabelo para trás da orelha. -Aqui perto tem uma ótima cafeteria.

 

-Está me chamando para sair, senhorita Haruno? -Mais uma vez ela revirou os olhos. Será que tudo era motivo de piada para ele? Com as sobrancelhas negras levantadas, ele esperou pela resposta, mas ela não o honrou com uma. -Ei, eu só estou brincando. Eu só vou apanhar uma coisa é nós vamos. -Ela sorriu satisfeita.

 

-Ah, que bom! Estou faminta! -Novamente seus lábios se curvaram em um meio sorriso, e ela soube que não devia ter dito isso.

 

-Estou faminto por você! -Sussurrou ao pé do ouvido dela.

 

-Te espero no carro. -Disse enquanto caminhava em direção ao caixa. -Por favor, não demore.

 

....

 

A rosada o esperou há cerca de dez minutos, até que finalmente ele vinha caminhando com algumas sacolas nas mãos. Parou ao lado do veículo, e depois que acomodou suas compras no porta-malas, sentiu-se no banco do passageiro.

 

Ela levou a mão até a ignição, para dar partida, mas rapidamente ele a impediu.

 

-Pra que a pressa, querida?

 

Sakura respirou fundo e o olhou de soslaio. Seu coração já estava batendo mais rápido que o normal, e suas bochechas novamente ficaram vermelhas.

 

-Estou com fome, se lembra? -Sua voz saiu vacilante, mas não se importou. -Você não?

 

-Na verdade, eu já comi algo em casa. Mas eu adoraria tomar outro café, com você. -Seu tom de voz era extremamente e desnecessariamente, sedutor. 

 

-Então vamos. -Ela mais uma vez tentou ligar o veículo, e mais uma vez a mão dele a impediu.

 

-Sabe, estou  pensando aqui... já que estamos aqui, sozinhos, que tal-

 

-Tá doido, é? -Ela o encarou com as sobrancelhas estreitas.

 

-Sim, por você! -Se aproximou, mas ela rapidamente, espalmou as mãos sobre o tórax dele, fazendo-o parar.

 

 -Espera aí! Se aparecer um segurança? Ou outra pessoa? Nós podemos ser presos!

 

-Fica quietinha, Sakura!

 

Ele então, a puxou pelos pulsos, com cuidado para não machuca-la, trazendo-a para mais perto e enlaçou sua cintura fina com um braço. Com a mão livre, e a segurou na nuca e selou seus lábios aos dela. Nesse momento, Sakura já havia se rendido aos encantos dele, e não pode fazer nada além de retribuir o beijo, os toques... Suas pequenas mãos pousaram nas costas largas do moreno, e arranhou-as de leve, fazendo-o arfar. Depois emaranhou os dedos nos fios negros dos cabelos do Uchiha.

 

-Gostosa, você me deixa louco! -Ele disse enquanto trilhava beijos pelo queixo dela, maxilar, pescoço. Suas mãos desceram até as coxas roliças, apertando-as com força, arrancando um gemido da boca dela. -Você quer que eu te foda? -Ela não respondeu. -Quer, Sakura? Quer que eu meta meu pau nessa sua boceta gostosa?

 

-Quero. -Sussurrou.

 

Ele abriu o zíper do short dela, e a ajudou a se livrar da peça. Sentiu seu pau doer, quando viu a pequena calcinha preta e de renda. Com a mesma rapidez, ele se livrou do pequeno pano, deixando exposta, a intimidade, já úmida, dela.

 

-Abre as pernas. -Ele ordenou, e ela o obedeceu. Se acomodou melhor no banco e fechou os olhos, esperando que ele a penetrasse com seu grande e delicioso pau. Mas ele não o fez. Introduziu um dedo, estocando com força, e o mais rápido que conseguia. 

Ela remexia seu quadril, indo ainda mais de encontro com a mão dele e gemia feito uma louca. Sasuke rosnou de prazer e então aumentou a velocidade, até que sentiu as paredes da vagina dela apertando seu dedo, ela estava gozando. Então ele tirou o dedo de dentro dela. E a fitou com um sorriso com o canto da boca, para logo levar o dedo até a boca e o chupar. Isso só deixou-a ainda mais excitada.

 

 

-Agora é minha vez! -Disse enquanto o fazia se recostar no banco, abriu e abaixou sua calça e a boxer, apenas o suficiente para tirar seu pau para fora. Passou o dedo sobre a cabeça dp seu sexo que estava molhado. Salivou, desejando-o dentro de sua boca. Ergueu seus olhos e assim que se cruzaram com os ônix dele, passou  levemente a língua em seu pau e o engoliu logo.

-Caralho! — Sasuke gritou ao primeiro contato da boca dela com seu membro. Com uma das mãos, o estimulou, para cima e para baixo. Ele agarrou seus cabelos com força e investiu fundo, chegando até sua garganta. Então, ela se engasgou e seus olhos ficaram cheios de lágrimas. Mas não se importou com isso e continuou chupando-o. Ele gemia e balançava os quadris em sua direção, enquanto a rosada chupava com mais vontade e mais rápido. Mas de repente, o membro saiu de sua boca.

 

-Sasuke? -Indagou fazendo beicinho.

 

Ele não respondeu. Se livrou da calça e cueca por completo, e tirou de dentro da carteira um preservativo. Sakura mordeu o lábio inferior, sem perceber, ao observá-lo deslizando a camisinha pelo membro ereto.

 

-Vem! -Ele a ajudou a se posicionar sobre seu pau duro e grosso, para logo começar a estoca-la forte e fundo. 

 

A rosada encostou a cabeça no ombro dele e deixou ser invadida. Seus olhos estavam fechados e então ela cravou as unhas nele enquanto gozava pela segunda vez.

 

-Gostosa!

 

Sakura novamente segurou em seus ombros, e ele firmou os pés no chão do carro para  começar a impulsionar para cima. Ela gemia a cada socada que a atingia bem fundo, sem preocupar-se mais por estarem em um estacionamento do Walmart. 

 

-Mais... -Ela pediu em um sussurro.

 

E ele continuava arremetendo em seu interior molhado. Abraçou-o bem forte, uma mão ele levou até a bunda dela e a outra na cintura, colando ainda mais os corpos. Sakura forçava para baixo sentindo a grossura dele abri-la. Aquele pau passando quente dentro dela, indo até o fundo, grosso, forte, fazia gemer, alucinada de prazer.

 

-Eu vou... -Sem conseguir mais suportar, ela gritou e mais uma vez se dissolveu em gozo em torno dele. Olhou-o e viu que sorria com satisfação.

 

Ele segurou as madeixas rosadas e continuou se movimentando dentro de Sakura, agora mais forte e depois de uma estocada funda, parou e enrijeceu, enquanto gemia e se liberava também.

 

Depois de algum tempo, Sakura sai de cima dele e retorna prata o banco do motorista, suas respirações estão ofegantes e descompassadas. Com calma, ele retirou o preservativo e o jogou em uma lixeira de plástico que estava no câmbio do veículo. Pegou a cueca e a calça e se vestiu. 

 

A rosada o olhou e notou como o corpo dele estava brilhoso de suor. Fiou excitada só de olhar, demonstrando isso ao morder o lábio inferior. 

 

-Eu daria para ele uma segunda vez fácil, fácil. -Pensou.

 

Balançou a cabeça em negação e também se vestiu. Olhou-se no retrovisor interno e ajeitou os cabelos. 

 

-Agora vamos, tomar um café? -Ele indagou com um sorriso.

 

-Acha mesmo que vou entrar em algum lugar fedendo a sexo? -Ela o encarou com os olhos cerrados.

 

-Você não está fedendo a sexo. -Aproximou-se e aspirou o aroma que vida de seus cabelos. -Na verdade você tem um cheiro delicioso!

 

Ela riu devagar.

 

-Vamos então! Mas se alguém me olhar torto, você vai me pagar! -Ligou o carro, finalmente, e deu partida.

 

-Com juros se você quiser, querida!


Notas Finais


Gostaram meus (as) queridos (as) leitores (as)? Espero de verdade que sim!! Bem, com o já deu pra perceber, essa fic é bem hentai, então pretendo sempre escrever um pedacinho pelo menos desse gênero em cada capítulo. Aguardo pelo seu comentários, críticas, sugestões!! A opinião de você sabe é muito importante!! Espero que tenham gostado!! Beijos!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...