História Spoby- Worlds Crusaders - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Pretty Little Liars
Personagens Alison DiLaurentis, Aria Montgomery, Caleb Rivers, Emily Fields, Hanna Marin, Jason Dilaurentis, Personagens Originais, Peter Hastings, Spencer Hastings, Toby Cavanaugh, Veronica Hastings, Yvonne Phillips
Tags Alison Dilaurentis, Aria Montgomery, Ashley Marin, Byron Montgomery, Caleb Rivers, Ella Montgomery, Emily Fields, Emison, Ezra Flitzgerald, Ezria, Haleb, Hanna Marin, Jason Dilaurentis, Jenna Marshall, Jessica Dilaurentis, Lucas Gottesman, Maya St Germain, Melissa Hastings, Mike Montgomery, Mona Vanderwaal, Noel Kahn, Paige Mccullers, Pam Fields, Personagens Originais, Peter Hastings, Pretty Little Liars, Spencer Hastings, Spoby, Toby Cvanaugh, Verônica Hastings, Wren Kingston, Yvone Philips
Visualizações 73
Palavras 1.697
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Festa, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi peoples lindas

Então, demorei não é mesmo?
Vim postar essa linda bomba (do bem, pq agora eu sou do bem) e vou deixar as coisas se acalmarem pra voltar (na vdd, final de semana mesmo)

É isso ae, vamos lá.

Capítulo 2 - Parte I - Capítulo II


Spencer o olhou de maneira curiosa.

- Então? – Toby voltou a dizer, liberando a passagem com seu corpo e fazendo com que a morena o seguisse até o interior do apartamento. – Posso contar com você?

- Sim – Respondeu imediatamente sorrindo fracamente – Totalmente.

- Certo – O rapaz pegou sua gravata que estava localizada sobre o balcão da cozinha e tentou coloca-la – Todas as tarefas de Lexie estão naquele quadro – Apontou ele para o corredor.

Seus olhos castanhos se fixaram no local apontado e voltaram novamente para o rapaz que lutava contra sua gravata.

- Precisa de ajuda? – Perguntou ela se aproximando, segurando o riso.

Ele a olhou, com seus olhos azuis intensos brilhando e assentiu com a cabeça.

Estavam tão próximos que suas respirações se misturavam. Toby mantinha seu olhar fixo em Spencer e na ação que realizava.

A morena tomou a gravata em suas mãos, levantou o colarinho da camisa e a passou em volta de seu pescoço. A ponta larga ficou ao mesmo lado de sua mão dominante. A gravata já pendurada no pescoço, fez com que Spencer puxasse a ponta mais larga, de modo que ela ficou duas vezes mais baixa que a ponta mais estreita.

Passou a ponta larga por cima da ponta estreita, e deu uma volta completa. Com a outra mão, segurou as duas pontas onde elas se cruzavam. Atravessou novamente pela parte da frente. Passou a ponta larga por dentro do colarinho e virou a ponta para baixo, passando por dentro do nó. Com jeito, puxou a gravata para baixo, ajustando-a. Pegou a ponta estreita e levou o nó junto ao colarinho, abaixando-o em seguida e conferindo se todo o tecido da gravata em volta do pescoço ficou escondido.

O nó estava pronto.

Ela levantou seu olhar, de modo que se encontrou ao dele.

Spencer bateu no peito de Toby e se afastou um pouco.

- Prontinho – Constatou sem graça.

O rapaz olhou para o outro lado timidamente e voltou a olhar para Spencer sorrindo.

- Obrigado – Agradeceu enquanto pegava suas coisas.

Ele caminhou em direção a porta, sendo seguido pela moça.

- Não vai se despedir de Lexie?

- Não posso, estou atrasado – Respondeu passando pela porta e a fechando.

- Tchau para você também – Spencer resmungou em voz alta.

A morena caminhou na direção do corredor, onde quando chegou, observou o pequeno quadro colorido.

Foi tirada de seus devaneios quando ouviu o som da pesada porta de um dos cômodos a suas costas sendo aberta. Virou-se de imediato e fitou a pequena silhueta de cabelos cacheados na cor castanha, como os seus. Os pequenos olhos azuis a olhavam de maneira curiosa.

Um sorriso doce e carinhoso se formou em seus lábios.  A pequena arrastava seu ursinho de pelúcia pelo chão gélido.

- Oi Lexie – Disse Spencer de maneira divertida.

- Oi Spence – Respondeu a pequena olhando em volta – Onde está meu papai?

- Seu papai, precisou ir para o trabalho – Respondeu delicadamente ajoelhando-se na sua frente e depositando suas mãos no ombro da garotinha.

A morena menor pareceu triste com a resposta. Abaixou sua cabeça e se dirigiu até o sofá, onde sentou com dificuldade.

- Precisa de alguma coisa? – Perguntou Spencer ao seu lado. – Vou preparar seu café da manhã.

- Poderia colocar o filme do Nemo? – Perguntou a pequena em resposta.

- Claro – Respondeu enquanto mexia nos controles e mantinha seu olhar fixo na televisão – Você gosta?

- Sim – Respondeu Lexie de forma manhosa. – O Nemo se parece comigo.

Spencer pareceu não entender, e a pequena percebeu.

- Assim como o Nemo, não tenho mamãe – Começou sua explicação – E meu papai é distante, como quando o Nemo se perdeu.

- Eu sinto muito – As únicas palavras que a morena pôde pronunciar – Mas olha, tenho certeza que encontrará uma mamãe legal.

- Você vai ser minha mamãe? – Lexie a olhou, os olhos azuis como de seu pai, brilhavam.

Spencer sorriu e disse gentilmente em tom de brincadeira:

- Quem sabe, um dia.

Para ela não passava de uma brincadeira... mas para o destino; era algo certo.

- Vou preparar algo para comer – Disse levantando-se.

Spencer começou o procedimento:

Separou 1 e 1/4 xícara (chá) de farinha de trigo, pegou 1 colher (sopa) de açúcar e 1 colher (sopa) de açúcar. Os 2 ovos levemente batidos pela mesma momentos antes, 1 xícara (chá) de leite e 2 colheres (sopa) de manteiga derretida. Colocou uma pitada de sal e colocou o óleo próximo dela.

Em seguida; misturou em um recipiente: a farinha, o açúcar, o fermento e o sal. Em outro recipiente, misturou os ovos, o leite e a manteiga. Acrescentou os líquidos aos secos, sem misturar em excesso. Aqueceu e unte a frigideira com óleo, coloque a massa no centro, cerca de 1/4 xícara por panqueca. Virou a massa de modo que o outro lado pudesse ser assado também e retirou-as do fogo.

As colocou em um prato raso, de cor branca e derramou o suco de laranja no recipiente incolor de vidro.

Pegou-os em suas mãos e levou até Lexie, que assista o filme animado com atenção.

- Obrigada Spence – Agradeceu a pequena pegando seu café.

Spencer sorriu gentilmente e sentou ao seu lado.

- Papai nunca acerta – Constatou após um tempo de silêncio – Sempre sai um desastre.

- É porque ele não aprendeu com a melhor – A morena rebateu em tom de brincadeira.

- A melhor?

- Sim – Respondeu balançando sua cabeça levemente e apontando para si mesma – Eu.

Lexie sorriu, com a boca cheia.

- Realmente, você é a melhor.

Após o termino de seu café, Spencer levou as coisas até a pia da cozinha e voltou para o sofá.

- Posso assistir mais um pouco? – Perguntou a pequena cerrando os olhos, suas mãos unidas e os lábios contraídos.

- Porque não poderia?

- Tenho que estudar – Respondeu em um suspiro pesado.

- Faremos isso outra hora – Spencer constatou – Não se preocupe.

{...}

Lexie e Spencer passaram a tarde toda no sofá, juntas, assistindo filmes animados... como mãe e filha.

- Certo, está pronta? – A morena maior perguntou para a pequena.

- Estou – Respondeu Lexie.

Ambas colocaram seus óculos de proteção.

No exato momento a porta se abriu.

- Meninas, cheguei – Pronunciou Toby fechando a porta.

Quando o mesmo se aproximou foi atingido por um pequeno rolo de filme fotográfico, em sua testa.

- Aí – Resmungou ele quando a mão sobre o local atingido.

Spencer e Lexie começaram a rir, mas quando o rapaz abriu seus olhos, o riso da maior cessou.

- O que foi isso? – Perguntou ele em tom sério, fazendo Lexie se encolher.

- Física mágica – Respondeu Spencer cerrando os olhos.

- Spence me ensinou – Lexie se colocou no meio – Posso mostrar depois.

- Está na hora de dormir, Lexie – Toby constatou e a pequena levantou de seu lugar.

- Boa noite, Spence – Disse ela, abraçando-a – Espero você amanhã.

- Boa noite, pequena – Spencer respondeu ao abraço.

Toby se dirigiu até o quarto, junto de sua filha.

Spencer continuou no mesmo lugar que estava. Observando a sua volta. Sua visão caiu sobre o canudo de arquitetura posto ao seu lado.

Teve certeza de que estava sozinha e o abriu.

O desenho de uma planta estava sobre sua vista.

- Posso ajudar? – A voz do rapaz ecoou em seus ouvidos.

- Desculpe – Pediu Spencer – Eu só...

- Estava olhando o que não é seu? – Completou em tom de pergunta, rispidamente.

- Eu já estou de saída – Respondeu de cabeça baixa – É um ótimo projeto.

- Obrigado – Disse enquanto a morena pegava seu casaco e o colocava – Boa noite.

Spencer passou pela porta e resmungou:

- Boa noite para você também, senhor estressado.

{...}

Andava pelas ruas movimentadas da cidade de Nova York e sua mente viajou, até cinco anos atrás...

Spencer gritava de dor, seu rosto estava tomado pelo suor misturado das lágrimas que caiam devido à forte dor que sentia. Sentada na maca de seu quarto, de frente para os médicos que lhe auxiliariam. Estava tão assustada que mal podia respirar.

- Certo, está na hora – Disse Arizona terminando de colocar suas luvas – Preciso que abra as pernas, mamãe. E faça força.

A morena abriu as pernas, respirando com dificuldade e começou a fazer força para empurrar o bebê para fora.

A dor estava ficando cada vez mais intensa e dolorosa, suas mãos, que apertavam os joelhos, suavam frio e seu corpo estava com calor quente.

Sentiu o peito apertar, seu problema de asma podia estar voltando.

- Vamos Spence – Arizona incentivou-a – Estamos quase.

Ela tentou manter-se acordada, fez mais força, empurrando a barriga.

Foi quando sentiu um peso sair de seu ventre, um alivio percorreu seu corpo ao perceber que sua filha havia acabado de nascer e o choro ecoar por seus ouvidos.

- Olha só – Arizona disse sorrindo enquanto segurava a pequena criança em seus braços – É uma linda garotinha.

A doutora caminhou em sua direção com o pequeno embrulho rosa. Spencer a colocou em seu colo e passou a mão pela pequena face da garotinha.

- Ei pequena – Disse ela. A garotinha parou de chorar ao ouvir o som de sua voz, e ficou à procura de sua origem – Oi.

...

Estava em seu quarto, no hospital, com a pequena garotinha em seu colo, descansando.

- Spence – A voz de sua mãe ecoou pelo quarto – Está na hora.

Assentiu com a cabeça, sorrindo fracamente.

- Um minuto – Pediu, fazendo Veronica se retirar.

- Bom – Começou ela – Disseram que não lhe dar um nome ajuda a ser mais fácil. – Fez uma pausa, beijando o topo de sua cabeça – Eu sempre vou amar você, sempre.

- Oi, eu vim pegar ela – A mulher de cabelos castanhos abriu a porta, sem mesmo se anunciar.

Spencer manteve sua expressão amena e sorriu fracamente:

- Claro, ela acabou de mamar.

A mulher se aproximou e observou o pequeno embrulho.

- Eu sou Yvonne, sua nova mamãe – Disse pegando a pequena dos braços de Spencer. – Vamos para casa.

Antes mesmo que a morena pudesse se despedir, Yvonne já tinha saído, com sua filha nos braços.

Aquele era o plano desde o começo, mas naquele momento; apenas queria voltar atrás.

- Eu nunca vou te deixar, Alexandra.


Notas Finais


Ai ai ai ai, isso mesmo que vcs estão pensando, minhas caras.

Bomba, não é? BOMBAA

Mas assim, isso vai ser abordado com calma, só queria jogar essa bomba mesmo, pq eu sou terrorista.

AMO VCS (é assim que eu falo? nem lembro)

KISSES
-B


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...