História Super BaekHyun - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Tags Baekyeol, Chanbaek, Crack!fic, Exo, Repost
Visualizações 47
Palavras 1.803
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Comédia, Festa, Fluffy, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


OI GENTE.

Então, eu postei essa fanfic faz muito mais de um ano - dois anos, eu acho - quando ainda usava o user "Jiminnie-". Eu não gosto da forma que eu escrevia no passado e como melhorei muito, resolvi apagar aquela e repostar agora com algumas correções na ortográfia e afins. Eu espero mesmo que gostem!

Capítulo 1 - O dia em que beijei o senpai.


BaekHyun POV:


Segunda-feira, pior dia semana, e eu sou obrigado a ir para escola. Francamente, segunda não é dia de estudar, e nem um dia da semana. Se eu fosse presidente, minha primeira lei seria a proibição das escolas, e as pessoas teriam que ensinar seus filhos em casa. Eu tenho que ir para escola, mas enquanto isso, contarei uma história para vocês; o dia do aniversário do meu crush, Park Chanyeol.

Era uma sexta-feira, e eu já estava planejando tudo para no momento certo; Bang! Eu daria uns beijos nele. Como tudo na minha vida é uma merda, meus planos foram destruidos. Cheguei na escola e encontrei meus amigos brigando por causa de uma tal garota - que mais tarde identifiquei ser o LuHan - (o que me fez quase vomitar). Quase. Eu não ia sujar minha roupa nova, claro.

ㅡ Ei, Baek. ㅡ Ouvi Tao me chamar, e tive certo medo de me aproximar.

Ele estava segurando aqueles pauzinhos com uma corrente, que já deixaram ele no hospital uma vez por acertar aquilo no olho. O que ele tem de lind...é, vamos deixar pra lá. Ele é burro total mesmo.

ㅡ O que foi?

ㅡ Parece que o Sehun pegou o Luhan com o Xiumin. ㅡ Ele respondeu como uma boa fofoqueira.

Viaaaaaaaaado, eu sabia que aquilo aconteceria algum dia. Quando o Sehun não entrava na sala de aula, eu dizia que eram os chifres que não deixavam e era pisoteado verbalmente. Agora esse cara de porta tem que me pedir perdão de joelho no milho. Enfim, voltando ao foco principal, meu crush. Chanyeol parecia estar bem foda-se para tudo aquilo, até um lápis voar na direção dele e acertar sua lingua, mas não me pergunte como o lápis acertou a lingua dele. Eu estava avulso no meio daquela confusão, então pensei em fazer o mais correto, pegar uns lápis e sair acertando na lingua de quem estava fazendo baderna. O que aconteceu? Eu fui parar na sala da diretora, uma velha mais magra que a Sandara Park, sério, as pernas dela parecem dois hashis, e alem disso, ela é da altura de um poste. Quando ela se levantou e veio em minha direção, achei que ela ia se quebrar no meio como espaguete, mas infelizmente ela conseguiu chegar até mim inteirinha. Reparem que eu sou uma pessoa bem positiva e gentil.

ㅡ Byun BaekHyun, eu estou decepcionada.

Olha aqui mulher, eu também estou decepcionado por estar me sentindo uma pulga albina de cabelo rosa na sua frente. Respirei muito fundo, mais fundo que o poço da samara, para então me pronunciar.

ㅡ Eu estou realmente arrependido, senhora Kim, agora posso me retirar? ㅡ Perguntei, na maior tranquilidade.

Por fim, eu ganhei uma suspensão, o que não fazia sentido, já que era sexta-feira. Segui para casa na companhia de SuHo, Tao e o meu querido KyungSoo, que apesar de ser um macumbeiro, eu até que gosto dele. Peguei minha maquiagem da vult - sou um grande fã, o.k - e passei a ver a belezura no reflexo do espelho. Não sei como tudo aconteceu, mas só me lembro de ter caido de costas no chão e ter tido um sonho estranho.

ㅡ Nossa, Chanyeol, como você chup...

ㅡ Baekhyun! Você está vivo?

Droga! Foi só um sonho mesmo, e não vou entrar em detalhes de como foi . Eu... vou no banheiro e já volto.

Voltei. Bom, continuando de onde haviamos parado...eu fui chacoalhado bruscamente por algum viado cavalo, só notando ser o parente do Yoda quando abri meus olhos e encontrei suas belas orelhas, quer dizer, seus belos olhos me encarando.

ㅡ O que... o que está acontecendo, Geovana? ㅡ Proferi, ainda desnorteado.

ㅡ Eu te atropelei com meu patinete da hotweels, foi mal. Você está bem?

Eu não sabia se respondia ele de forma civilizada, ou se ria do patinete dele. Que garoto bobinho. Eu tenho um patinete muito mais bonito, da barbie. Por fim, levantei com a ajuda dele, aproveitando para tocar meu corpo esbelto no dele, fazendo-me ter alguns orgasmos interiores, se isso se quer existir.

ㅡ Eu estou bem.

Chanyeol sorriu... p* que pariu, se eu fosse mulher tinha engravidado e tido meu filho ali mesmo. Se bem que, um filho meu e do Chanyeol seria uma criança que sofreria muito bullying; magrelo, orelhudo e viado. Em outra vida, vou me lembrar de me apaixonar por alguém como o Zayn Malik que era daquela bandinha.

Chanyeol e eu não éramos amigos, mas éramos próximos, eu era amigo do amigo do amigo do primo desse outro amigo que tinha um outro amigo filho da tia do primo do outro amigo que é primo do Chanyeol, para você ver como somos bem próximos. Enfim, ele me convidou para festa de aniversário dele que aconteceria no sabádo, ou seja, já no dia seguinte. Eu estava ansioso, porque tinha esperanças do meu plano dar certo, na verdade, meu plano era apenas agarrar ele. A lingua dele ainda estava dolorida - provavelmente - e o mesmo estava falando que nem um pato esganiçado - sendo mais especifico, como a HyunA, nossa amiga - . Pelo o que Tao - o fofoqueiro de plantão - me contou, Chanyeol estava passando algum remédio para sua lingua melhorar até o dia seguinte, e é ai que começa a minha aventura. Assim que Chanyeol saiu, olhei para os meus pés, avistando um pequeno frasco, como um spray, notando ser o remédio do meu dumbo. Naquele mesmo momento, uma lâmpada se acendeu ao lado da minha cabeça, literalmente, pois já estava em casa e havia acabado de acender a luz. Então, passei a noite planejando uma maneira de agarrar o Chanyeol, e vendo que roupa usaria naquele dia importante.

-/-/-

O super BaekHyun salvaria a noite. Eu tinha que levar o remédio do Chanyeol e salvar sua lingua maravilhosa que eu sonhava em entrelaçar com a minha. O problema é que tudo resolveu dar errado. Primeiramente eu iria para a festa com os meus melhores amigos, que estavam comigo para o que der e vier; SeHun, ZiTao, Kyungsoo e JongDae. SuHo e os outros iriam á uma festinha de aniversário infantil. Aquelas crianças não podem ver nada que tenha o Ben 10 envolvido, pelo amor de deus. Enfim, o nosso primeiro imprevisto foi o transporte, pois da última vez que deixamos o KyungSoo dirigir, fomos parar dentro da casa da vó dele. Voltando ao assunto, resolvemos pegar o carro do meu pai, já que era o único ainda inteirinho - ou quase isso -. Era uma brasilia anos 1000 que mal conseguia sair do lugar, o motor já estava pedindo socorro e morrendo de asma. Eu tive que dar uma pequena dose de "boa noite, viado" para apagar meus pais por algumas horas, e então pegar a chave do possante do meu pai.

O macumbeiro, quer dizer, Kyungsoo implorou para dirigir e como sou uma boa pessoa, amada pelo povo, resolvi dar uma chance à ele.

ㅡ Se você bater esse carro, eu vendo sua alma para o capeta, garoto. ㅡ Resmunguei, enquanto a coruja ligava o carro para sairmos.

Ele tinha um olho enorme, tinha que ver a rua enorme na frente, por favor, né.

ㅡ Que viado burro esse Baekhyun. ㅡ Tao se pronunciou. ㅡ Satansoo é o próprio capeta.

E assim iniciou-se uma discussão, mas isso não foi pior do que o que aconteceu depois. A anta anã do Kyungsoo conseguiu entrar com o carro no quintal do senhor Lee, um velhinho caduco. Depois de discutir com o velho, seguimos a pé mesmo até o casarão do Chanyeol. Para piorar toda a situação, eu havia esquecido o convite para festa em casa.

ㅡ Cara, eu não acredito! ㅡ Gritei, frustrado, chamando a atenção de algumas pessoas. ㅡ O que foi? Nunca viram uma diva atuando?

ㅡ Calma, Baekhyun, vamos conseguir entrar nessa festa. ㅡ SeHun falou, com sua típica expressão de porta. Uma porta bem arrumada, por sinal.

Então mais uma brilhante idéia havia aparecido em minha mente, e por sorte eu havia trazido o remédio do Chanyeol. Se tudo desse errado, eu poderia alegar que vim trazer aquilo para ele. Certo, segui até o grande muro coberto com trepadeiras, estalando meus dedos e me agarrando ali, passando a subir. Eu estava me achando o fodão, com um sorriso descrevendo "vou agarrar meu oppa gostoso", quando do nada aparece uma cerca elétrica. Tipo, aquela cerca não estava ali, wtf. Eu senti meu corpo todo tremer, como se eu fosse algum vibrador ou um despertador, você escolhe. Cai de cara no chão, todo fritado, com o cabelo em pé e parecendo aquele chapeleiro maluco de "Alice no país das maravilhas". Mas pelo menos estava para o lado de dentro. Só conseguia ouvir as vozes ao meu redor, notando ser os meus queridos amigos, que inexplicavelmente estavam arrumadinhos como chegaram.

ㅡ P-porque vocês parecem bem? ㅡ Perguntei, levantando-me com a ajuda de Chen, que estava mais calado que o Chanwoo nas músicas do iKON.

ㅡ A gente passou pela entrada, cara.

ㅡ Verdade, nem precisava de convite. ㅡ Tao falou, e naquele momento eu quis enforcar esses garotos.

Respirei fundo para não surtar, tentando me concentrar, mas foi dificil, pois no mesmo momento eu pude ouvir um latido alto.

ㅡ Baek... não faça movimentos bruscos. ㅡ Chen ditou, olhando para algo atrás de mim.

ㅡ Corre! ㅡ Kyungsoo gritou e saiu correndo, abandonando todos.

Eu corri também, viado. Não ia servir de petisco para o cachorro do meu crush. Corri o mais rápido que pude, gritando "sebo nas canelas" para ver se ajudava. Tao foi pego, e quase perdeu a bunda com a mordida do cachorro . Foi dificil, mas tive que deixa-lo para trás. Só me lembro de suspirar aliviado quando cheguei na porta da casa, nem precisando tocar a campainha, já que a porta abriu-se sozinha, revelando um Chanyeol extremamente pegável.

ㅡ Seu... remédio. ㅡ Falei, estendendo a mão com o vidro de spray já vazio para ele.

Eu ainda sentia meu corpo tremer por causa do choque elétrico, fazendo-me fraquejar e quase cair no chão, mas os braços longos de Chanyeol me seguraram, impedindo que batesse a cara no piso.

ㅡ Baekhyun...

ㅡ Chanyeol...

ㅡ Baekhyun... você... está pesado!

E pronto, ele me deixou cair no chão, mas tratou de me levantar rapidamente, é claro. Não sei quando meu mundo parou, mas deve ter sido quando ele me beijou. Eu finalmente havia beijado o meu crush!

ㅡ SENPAI ME NOTOU! ㅡ Gritei, assim que nossos lábios foram separados.

Bom, como estamos hoje? Estamos muito bem, namorando, e bem felizes. Tao não perdeu a bunda, e por mais incrivel que pareça, o Kyungsoo tirou a carteira de motorista. Enfim, essa foi a história do Super BaekHyun, que arriscou a pele para salvar a lingua do senpai. 


Notas Finais


Quem gostou bate palma, quem não gostou, paciência.

Beijinhos ♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...