História Survival - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), The Walking Dead
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Jhope, Jimin, Jin, Jungkook, Nanjoom, Suga, Zumbis
Visualizações 17
Palavras 3.414
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Luta, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Mais um Capítulo
Obrigada a: ~MinLeti, ~park11, ~LittleShyBaby e ~lailaja por favoritarem! Vcs são incríveis.

Música: Da Da Da - Loco

Capítulo 14 - Guerra Fria


Fanfic / Fanfiction Survival - Capítulo 14 - Guerra Fria


A minha risada cobria o quarto enquanto aquele homem me torturava com as mãos me fazendo cócegas.

-Para Jimin, por favor - Eu pedia em meios as risadas, lágrimas saiam dos meus olhos enquanto me contorcia naquela cama

-Então repete mais uma vez - ele pede parando de fazer cócegas em mim e me olhando com intensidade, estávamos nisso a cerca de 5 minutos.

Acordei deitada no peito dele, a sensação era incrível, sentir seus braços ao meu redor, me deixando com o sentimento  de segurança, onde nada no mundo poderia me ferir, ou me alcançar, e no meio disso sussurrei, esperançosa de que ele ainda não havia acordado porém, ele estava muito bem acordado e agora me torturava para escutar novamente aquelas palavras sairem da minha boca.

-Você foi a melhor coisa que me aconteceu Park Jimin, digo mais uma vez, me deixando vencer e admirar aquele sorriso lindo que aparecia em seu  rosto que ainda havia vestígio de sono.

-Eu sei - ele diz convencido e deita seu corpo por cima do meu, juntando nossos labios em um beijo calmo, que passa a ser urgente, suas mãos me apertam deixando marcas na minha cintura e bunda, um leve gemido sae dos meus labios quando ele ataca meu pescoço depositando chupões e mordidas na minha pele minhas mãos vão de encontro as suas costas, colocando as mãos pra dentro de sua camisa, e deixando linhas vermelhas com minhas unhas, ele xinga baixinho no meu ouvido e morde minha orelha antes de atacar meus labios novamente, suas mãos encontram meus seios por baixo da minha blusa e os aperta. Aquilo estava me levando a loucura, puxo sua camisa, e ele me ajuda a tira aquilo, eu queria sentir sua pele em contato com a minha, estava sedenta por aquilo, pra sentir Jimin por completo.

-Você e linda, ele diz sussurrando no meu ouvido, com a voz rouca, causando arrepios por todo meu corpo, antes que eu pudesse reagir aquilo somos interrompidos, por batidas na porta.

-Amelia? Preciso falar com você - escuto Elena falar do lado de fora.

-Ela esta ocupada - Jimin grita me fazendo rir

-Dá um tempo Jimin, e coisa seria, e sobre Vic - Elena diz nervosa

Olho pra Jimin, que também parece preocupado, ele sae de cima de mim e me ajeitando da melhor forma possível, vou ate a porta a destrancando encontrando uma cara desconfiada de Elena. Ela da um risinho e me puxa para um canto

-Eu fico tão feliz de ver vocês dois juntos - Ela fala com o olhar brilhando - Depois de mim e de V voces são meu casal preferido - ela diz fazendo nos duas rimos

-Eu estou feliz com ele, mas isso fica entre nós por que ele já e muito convencido - caimos na risada de novo quando ele aparece na porta do quarto

-Então o que houve? - ele pergunta me abraçando por trás

-Vic amanheceu essa manhã com febre, Jin disse que pode ser alguma crise de gripe

-Mas e algo serio? - pergunto a olhando

-Não, não e graças a Deus, mais como todo mundo está meio ocupado hoje, eu preciso ficar com ela, assim não vou poder ir caçar com você - ela diz meio constragida

- Está tudo bem Elena, fique com Vic e cuide dela, a saúde dela e mais importante, além do mais sei me virar sozinha - digo sorrindo para ela que parece aliviada.

-Voce não esta dizendo que vai sozinha não e? - Jimin me pergunta me virando para ele

-E exatamente isso bae, - digo colocando as mãos em torno do seu pescoço sorrindo

-De jeito nenhum, lá fora e perigoso - ele diz com a cara fechada, Elena sae as poucos e diz um "desculpa'' com a boca, e sorri quando eu pisco para ela.

-Eu sei me virar, e estamos precisando de comida - digo contariada, -E a minha vez de caçar, e voce sabe como isso me faz bem - tento fazer ele entender

-Não me sinto confortavel com voce lá fora, mas me prometa que irá tomar cuidado? - ele diz preocupado

-Eu prometo - digo e me inclino para beijar seus labios.

Jimin era a preocupação em pessoa, a cada dia nosso relacionamento se aprofundava e seu cuidado também, ele era incrível, e me fazia sentir boa e suficiente, eu estava enfim feliz, coloco o arco nas costas e amarro meu cabelo, quando me viro, o vejo escorado na porta me observando, seus braços estavam cruzados, mostrando seus braços musculosos.

Ele era lindo da cabeça aos pés, mas aquele sorriso era o que me desmontava.

-Jungkook vai com você - ele diz quando chego perto dele.

-Por que? Você não confia em mim? - falo divertida

-Vai que você foge, prefiro você com um guarda costas, mesmo que seja o Jeon. Ele faz uma careta e me puxa para seus braços.

- Eu queria ir com você - digo manhosa.

-Nem me fale, tô quase deixando Hoseok na mão- não contenho a risada.

-Vai ficar tudo bem relaxa, eu já fiz isso um milhão de vezes, lembra?

- Eu estou e com medo e dos pobres animais, de ter você  os caçando. Ele diz fingindo estar horrorizado.

-Idiota - bato em seu braço enquanto ele ri.

-Vamos - digo pegando em sua mão e indo em direção a escada.

Saímos pela porta, e o sol bate de frente com meu rosto, fecho meus olhos sentindo aquela sensação maravilhosa do quentinho do sol, eu estava de um bom humor incrível, e pretendia continuar assim pelo dia todo, Jimin me puxa mais uma vez pra si.

-Eu preciso ir, os meninos estão me esperando, Tome  cuidado tabom? - ele diz mais uma vez me fazendo sorrir

-Tomarei cuidado meu amor, agora vá - digo o beijando.

Ele se vira, e num ímpeto levo minha mão pra frente, sentindo a sensação maravilhosa do tapa na bunda de Jimin. Ele se vira surpreso e com a expressão mais inocente jogo um beijo no ar, e sigo em direção a Jungkook que está perto do portão.

-Isso não vai ficar assim princesa, espere até  você chegar- escuto ele gritar pra mim e caio na risada sem parar de andar.

-Eai Jeon, preparado pra caçamos? - digo quando chego até ele.

-Até estava, antes de Jin vim me avisar que a bomba estourou, terei que ir arrumar, tem água invadindo tudo.

-Meu Deus, hoje parece que o mundo está convencido que tenho que ir sozinha.

-Jimin, me pediu pra te acompanhar, se você esperar um pouco, podemos ir juntos - ele diz meio aflito.

-Não se preocupe Jeon, eu me viro - digo com calma

-Não se preocupe Jungkook, eu irei com ela - escuto uma voz vindo atrás de mim e me viro vendo um sorriso convencido no rosto de Rose que está com uma mochila nas costas.

-Não sei se é uma boa ideia, vocês duas lá fora sozinhas. Amelia me espere okay? Serei rápido - ele pede meio aflito quando Jin o grita na varanda da casa. Ele da uma última olhada pra nós duas e corre em direção a casa.

-O que foi bonequinha? Não tem coragem de ir sozinha comigo? Você está com medo? - os olhos dela brilham com a provocação.

- Me poupe Rose, quem saiu com o olho inchado não fui eu. - digo sem animação, meu bom humor ia embora cada vez mais.

- Por que você quer ir comigo afinal? - pergunto desconfiada

-Não quero, achei que seria o Jimin, e além do mais não consigo ficar muito tempo parada dentro dessa Fazenda, preciso andar. - ela diz dando de ombros

Aquela era a conversa mais longa que nós  haviamos tido sem ofender uma a outra.

- Eu me viro sozinha - digo me virando e começando a andar.

-Mesmo sem você querer eu vou bonequinha- ela diz andando ao meu lado.

Bufo com aquele apelido, ela era insuportável.

Os meninos não iriam gostar nada daquilo, mas precisava colocar Rose na parede, a inquietação que eu sentia em relação a ela ser próxima de Charles não saia de mim, e eu iria arrancar a verdade dela, e não queria ninguém por perto para atrapalhar.

Então seguimos nosso caminho, me preocupei primeiramente em achar algo pra caçar, fomos na direção do riacho, lá possuía animais pequenos, como coelhos e esquilos, o que eram fáceis de se pegar e levar, já se passavam quase 3 horas que havíamos saído da Fazenda, e nada. Estava frustrada e com dor de cabeça por causa das reclamações de Rose.

-Sera que da pra parar porra? - grito com raiva.

-Eu entendi que não consegui nada ainda, mas faça algo útil e vá pegar algumas frutas então - Vejo ela me olhar meia assustada mais logo vira os olhos e sae sem dizer nada.

Passo a mão pelo meu rosto suspirando. Estava quase na hora de voltar. Tinha em mente voltar antes do anoitecer, havíamos saído depois do almoço, onde havia sido comido a última peça de carne. E isso me deixava ainda mais estressada, eu tinha que levar pelo menos alguma coisa, vou até o riacho novamente e me abaixo e com as mãos tomo um pouco de água, o dia passou a ser quente, molho minha nunca virando a cabeça para direita, tenho um deslumbre de algo pequeno andando.

Com muito cuido pego meu arco e caminho em direção a ele, um coelho adulto, o acerto roubando sua vida. Não era a maior fã disso, mas precisava me alimentar e os outros, e a vida desse pobre animal valeria a pena. Sinto me melhor com aquela caça na mão. Vou até o rio e me agacho preparando pra limpar aquele animal, quando começo lembro da existência de Rose, ela havia ido, mas não tinha voltado.

-Merda - exclamo com frustação e tiro uma adaga da bota e vou em direção a qual ela foi.

Ando por alguns minutos e a vejo parada olhando pro outro lado estática. Bufo e vou em sua direção, quando chego mais perto vejo que ela está com medo. Fico mais atenta, não consigo ver o que ela está vendo, então caminho pra mais perto.

-Rose, - digo quando chego perto dela

Ela me olha assustada e eu me viro na direção que ela antes olhava, há dois homens nos encarando com um sorriso debochado no rosto

-Olha Clyde, não é ela? - O da direta exclama quando me vê, fico do lado de Rose e levanto minha adaga,

-Eu não acredito, já achava sortudo demais por achar a vadia dele, e agora a cachorra em que ele é obcecado aparece - O outro se gaba balançando a cabeça.

-Quem são eles? - pergunto pra Rose.

-Homens do Charles, - sua voz sae baixinho, ela diz mais pra si mesma do que pra mim.

Meu estômago embrulha e sem perceber vejo meus olhos procurando ele entre as matas, o medo lança arrepios pela minha pele, eu não podia ser fraca ali.

-Por que você não abaixa essa faquinha ai vadia, e se rende de uma vez? - o da direita fala manhoso me encarando, - Prometo cuidar bem de você antes de te entregar pra aquele lunático.

-Você consegue usar uma adaga? Pergunto pra Rose

-Não se preocupe, eu sei me cuidar - ela diz tirando uma machadinha debaixo da blusa e aponta para os dois.

-Opa, a vadiazinha tem uma arma Clyde.

Sem esperar muito eles vem pra cima da gente, se dividindo eu e Rose nos separamos tentando bater e desviar daqueles filhos da mãe, eles possuem armas, mas hora nenhum as pegas, ele precisa da gente vivas, e essa era uma vantagem que eu iria usar.

Ele tenta me pegar puxando meu braço, mas desvio tentado acertar um chute em seu rosto. Ele segura meu pé e me puxa e em um movimento rapido segura pelos ombros

-Ainda não entendo o motivo dele te querer tanto - ele diz perto do meu rosto, meu estômago embrulha e antes que ele fizesse outro movimento o acerto com uma cabeçada, ele fica tonto e mesmo fraca consigo enterrar minha adaga em sua cintura ele abaixa sentindo dor e eu chuto seu rosto com a bota e ele cae no chão sangrando, minha cabeça doe, me viro vendo aquele homem sentado em cima de Rose segurando seus braços com uma mão e a outra tentando rasgar sua roupa, sinto raiva e nojo daquela cena.

-Ei - grito chamando sua atenção pra mim, ele me olha e em seguida pro amigo no chão.

Ajeito minha adaga e a arremesso em sua direção, estava tonta ainda por causa da cabeçada então a adaga acerta seu ombro, ele exclama de dor e Rose aproveita para pegar a machadinha que havia caído no chão pra arrebentar o crânio do infeliz tirando aquele corpo mole de cima dele logo em seguida. Vou em direção a aquele verme no chão e pego sua arma. Pego outra adaga e o acerto na cabeça só por garantia.

Caio no chão, minha boca estava cortada é meu braço doia além da cabeça.

-Que merda aconteceu aqui? - grito ainda deitada.

-Eu não sei - ela diz também deitada no chão.

-Você sabe, Piper me contou, falou que você era próxima de Charles, e agora esses homens aparecem aqui, você tem que abrir o jogo - digo furiosa me virando pra ela

-Eu não tenho que fazer porra nenhuma que você quer Amélia, você não controla minha vida não mais - ela surta gritando e se levantando.

- Eu nunca controlei sua vida garota, a gente se conhece a pouco tempo, só se forem nos seus sonhos - grito indo atrás dela

-Você não só controlou minha vida, você destruiu ela, no momento em que fugiu de Charles, eu que sofri por você, eu que virei o brinquedinho dele por sua causa - ela explode batendo no meu peito me empurrando.

-Você me roubou tudo - ela diz respirando forte

- Do que você está falando? - pergunto desnorteada.

-Se você está tão curiosa eu vou te contar do por que eu te odeio tanto Amélia. - ela diz se sentando ela estava com uma expressão de dor no rosto, e aquilo me afligiu.

-Quando você chegou na comunidade eu já estava lá, tenho certeza que Jimin te contou o que aconteceu entre a gente, a comunidade não era o melhor lugar pra se viver mas era bom pra mim. Tudo seguia seu curso certo lá dentro, então você chegou, e as coisas começaram a mudaram quando você matou um dos homens de Marcos, todo mundo falava de você, te via como uma garota mortal - ela sorri com descrença- então você virou da elite e foi morar com Marcos, até aí você nunca me incomodou, só era mais uma do ciclo interno de Marcos, todos ali sabiam que Charles era louco por você, rolavam apostas nos bares de quando enfim ele tomaria você pra ele, e então aconteceu, da noite pro dia você fugiu, e Charles enlouqueceu, Marta aquela velha demoníaca apareceu na comunidade em uma manhã dizendo que tinha te encontrado e Charles foi como um cachorrinho atrás de você, e voltou com a perna quebrada e sangrando, dali pra depois foi pior, ele ficava pior a cada dia.

-Então ele me viu na rua, maldita hora que eu decidir caminhar - ela diz com descrença- ele fez de mim sua cachorra, abusava de mim chamando seu noite toda noite, e quando acabava e via que não era você ele me espancava, por sua causa eu viva cheia de marcas, até uma peruca preta eu usei pra ele parar de me bater, eu vivi um inferno dentro daquela comunidade por sua causa - ela grita e vem pra cima de mim me dando um empurrão, minha cabeça gira , Charles era um monstro ele havia feito coisas horríveis com nos  duas, sua raiva era visível, então fiquei queta enquanto ela me empurrava e me xingava enquanto chorava.

-Você acabou com a minha vida, e merda até o Jimin você me roubou - ele para se ajoelhando no chão chorando, - eu te odeio Amélia.

Sem dizer nada eu me ajoelho em sua frente e a abraço, ela tenta sair mais eu a seguro e ela chora, minha implicância com Rose se dava pela forma que ela agia, e ali depois de tudo isso eu a compreendi um pouco, ela chorou por longos minutos e ficamos nessa posição até ela se acalmar.

-Da pra me soltar? - ela diz ríspida - se você dizer pra alguém que me viu chorar eu te mato - ela me ameaça enquanto se levanta.

Não digo nada, recolho minhas adagas e a sigo em direção ao riacho onde ela lava o rosto. Fico um pouco afastada dela com a minha mente girando entre a história dela e a minha. Merda Charles havia nos matado por dentro por igual. E minha raiva por ele só crescia.

-Então fale alguma coisa vadia, vai ficar só me encarando? - ela diz ainda agachada perto do Rio.

-O que você espera que eu diga Rose? Você me culpa por algo que aquele homem fez, e a única coisa que passa na minha cabeça e a vontade de mata lo bem devagar- digo com a boca amarga de raiva.

-Não antes de mim - ela ri secamente - quero ouvi lo gritar por misericórdia- ela diz olhando pro Rio.

-Ele vai sofrer Rose, nos duas vamos garanti isso.

-Isso não significa que somos amigas agora entendeu? - ela me olha com as sobrancelhas levantadas.

- Não mesmo garota. - acabo rindo com aquilo.

- Você conseguiu algo? Ela pergunta em relação a caçada

-Um coelho digo, e ouço um galho quebrar logo em seguida. Olho pra ela é coloco o dedo por cima dos lábios pedindo silêncio. Pego meu arco perto da árvore que estou escorada e vou em direção ao som.

Quase choro por dentro quando vejo um cervo alguns metros longe, ele estava preocupado procurando por comida me preparo e minha flecha voa acertando seu olho e ele cae.

- Aí meu Deus - Rose exclama perto de mim - como você achou um bicho desse tamanho? - dou de ombros.

-Ele que nos achou- sorrio sabendo que temos carnes por algum tempo agora.

-E como você espera que levemos um monstro desse? - ela pergunta me acompanhado até o animal.

- Vamos carrega lo - digo pensando em como exatamente fazer isso.

-Você e louca- ela exclama

- Nem tanto. - digo voltando até onde está minha mochila pego um manta dobrada bem pequena,  abro ela vendo ela ficar cada vez maior, ela era de um material que parecia plástico, seria perfeito para arrastar aquilo.

E foi o que fizemos, nossas discussões durante o caminho continuava, eu via Rose com outros olhos agora, mas continuávamos a se evitar. Quase perto da fazenda ela para de arrastar aquilo me fazendo parar também.

-Você vai contar sobre o que aconteceu? - Ela pergunta seca tentando parecer indiferente mas percebo a preocupação em sua voz.

-Uns idiotas apareceram e acabamos com eles - dou de ombros vendo ela me encarar - foi o que houve de qualquer forma - vejo ela sorrir com a cabeça baixa mais finjo que não vi e voltamos a arrastar aquilo.

-Eu ainda te odeio Amelia, mas obrigada- ela diz

-Também te odeio Rose, mas agora estamos em uma Guerra Fria- digo divertida, ela ri com o termo e paramos em frente ao portão.

O portão  da Fazenda se abre e damos de cara com Jimin e Jungkook que nos pegam rindo uma pra outra, eles nos olham desconfiados

- Ótimo, vocês dois podem levar o resto do caminho não aguento mais- digo colocando as mãos no joelho.

Eles olham assustados para o bicho e depois pra duas.

-Isso, façam algo de útil por que  não consigo olhar mais pra cara de idiota da Amélia- Rose diz, e voltamos ao nosso normal.

-Você que quis vim comigo garota - rebato com um bom humor novamente.

Ela sae indo em direção a Fazenda me ignorando e Jimin me abraça.

-Por que você não esperou? E o que foi aquilo com Rose - ele pergunta, dou de ombro passando os braços pelo seu pescoço o beijando.

-Você é incrível mesmo Amélia, olha pra isso - Jungkook exclama em direção ao animal.

-Foi um bom dia de caça - digo indo com os dois em direção a Fazenda e a noite trazendo a lua no alto do céu. 

Realmente tinha sido um ótimo dia.


Notas Finais


Queria agradecer a cada um de você que tira um tempinho pra ler a fic, obrigada pelas 712 visualizações, me deixam extremamente feliz.
Obrigada a todo mundo que comenta, seus comentários me dão ânimos pra continuar. Se tiver algum erro, ou reclamação comentem que arrumo na hora.
Mas uma vez obrigada!
Até a próxima
Mary ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...