História Teoria do Caos - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Liana Liberato, Nash Grier
Personagens Nash Grier, Personagens Originais
Tags A Teoria Do Caos, Liana Liberato, Nash Grier
Visualizações 78
Palavras 1.346
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Crossover, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi amores.

Vocês já viram que minha criatividade para títulos é única rs
Capa com uma fotozinha do Noah (eu amo 1 homem)

Capítulo 7 - Balões de água e raiva


Fanfic / Fanfiction Teoria do Caos - Capítulo 7 - Balões de água e raiva

 

 

Sinto uma mão gelada em meu rosto acariciando minha bochecha com o polegar, a mão desce para meu pescoço e brinca com minha nuca por mais alguns instantes até que eu finalmente abro os olhos vendo Noah parado com um sorriso de lado. Bufo e viro de costas para ele ouvindo-o rir nasalado. Ele me balança algumas vezes, mas eu não me viro. Como ele pode sumir por toda a festa e apenas aparecer quando eu liguei para Lizzie?

— Me desculpe, Brooke. — ele diz me dando um beijo molhado no rosto. — Nos perdemos de você.

— Não acredito que você me trocou. — digo dando um tapa nele. — Ficou a festa toda com ela. — mais um tapa e mais um.

Noah segura uma das minhas mãos e começa a fazer cocegas em mim com a outra, ele sabe muito bem que sou a pessoa mais sensível a cocegas no mundo inteiro e ele está usando isso contra mim. Isso não é nada justo. Noah está em cima de mim quando Cameron bate na porta do quarto com força nos assustando.

— Sem garotos no quarto. — ele diz de cara feia, e com múltiplos ferimentos, e fica esperando até que Noah saia de cima de mim.

— Insuportável. — digo me levantando.

— Assim como você, pirralha.

Bufo e saio do quarto sendo seguida por Noah que continua com seu discurso de pedido de desculpas, algo bem típico dele quando faz alguma coisa que eu não gosto. Ao entrar na sala consigo ver pelas janelas e portas de vidro os garotos na piscina. Os gritos deles estão tão altos que, se tivéssemos vizinhos, eles chamariam a polícia.

Eles estão segurando balões com água colorida, o que está deixando o chão e alguns dos vidros das portas sujos. Saio do lado de fora vendo a zona que está ali. A piscina está totalmente colorida de azul, rosa, amarelo e roxo, as espreguiçadeiras manchadas e até a churrasqueira do meu pai está fora do lugar. Nenhum deles parecem se importar com toda a bagunça que estão causando.

— Cameron! — grito chamando atenção deles. — Olha essa bagunça.

— Alguém já te disse que você é extremamente chata? — Nash, que nem notei a presença, diz do outro lado da piscina com um balão na mão.

— Alguém já te disse que você é extremamente imbecil? — pergunto e ele revira os olhos.

— Vai colocar uma roupa antes que eles babem no chão, Brooks.  — Cameron diz se referindo a camiseta grande que estou usando, que está tampando quase completamente o short curto de pijama que estou usando. Ignoro Cameron e sua cena e volto a falar.

— Cameron, você tem dois segundos pra limpar essa bagunça e mandar esses primatas irem embora ou eu juro que vou... — não termino a frase já que Cameron me taca um balão de água colorida. Minha camisa cinza agora está molhada e levemente roxa. — ...matar você.

— Se não pode vence-los, junte-se a eles. — Noah sussurra em meu ouvido e me entrega um balão com liquido azul.

Miro em Cameron que está a alguns metros de mim e jogo o balão d’água com força, mas no último momento Cameron desvia e acaba acertando Gilinsky que está bem atrás dele. Coloco a mão na boca em surpresa, mas Gilinsky apenas começa a rir e mira seu balão em mim, mas eu desvio e acaba acertando Noah.

Dá pra imaginar o que aconteceu.

Não sei por quanto tempo corri em volta da piscina tentando desviar dos balões d’água e mesmo assim fui acertada em 90% do tempo. Noah não está melhor do que eu, sua roupa está completamente molhada, assim como seu cabelo e ele parece estar se divertindo. Ele está com um sorriso lindo e enorme no rosto, como se essa fosse a melhor coisa que ele fez esse ano e talvz realmente seja.

Algo encostando em mim me faz “acordar”, tento me virar, mas estou perto demais da piscina e acabo caindo nela, assim como a pessoa que se encostou em mim. A água colorida me impede de enxergar, então volto para a superfície vendo Johnson rindo, foi ele quem me derrubou. Bato a mão na água salpicando em seu rosto e tento parecer brava, mas a verdade é que eu me diverti muito.

— Se toda vez que nos falarmos você estiver molhada vou precisar andar com uma toalha. — ele diz e, apesar de sua piada ser horrível, eu rio.

— Brooke. — ouço a voz do garoto mais chato do mundo. — Me ajuda na cozinha.

Não foi um pedido e pela cara de bosta que ele está é melhor eu ir ver o que esse ser quer. Saio da piscina sentindo minhas roupas pesadas devido a água. Entro na cozinha já conseguindo imaginar perfeitamente minha mãe me xingando por eu estar entrando completamente molhada na cozinha e a deixando respingada.

— O que é? — pergunto grossa.

Nash não responde. Ele pega uma travessa com mousse de chocolate na geladeira, provavelmente minha mãe fez ontem a noite ou hoje de manhã antes de sair com meu pai. Nash parece gostar de ver minha paciência se esvaindo aos poucos bem na sua frente e então ele finalmente responde.

— Tenho novos trabalhos e preciso de ajuda pra pintar meu quarto.

— Como é que é? — pergunto confusa.

— Você sabe, B.

— Não, não mesmo. — digo dando um passo em sua direção. — Era apenas um favor e você ficaria calado.

— Eu nunca disse quantas vezes você teria que fazer o que eu mandar você fazer. — ele diz calmamente. Com uma calma extremamente irritante. — Isso só acaba quando eu decidir que acabou.

— Você não tem o direito...

— A menos que você queira que Noah sofra as consequências.

— O que Cameron acharia dessas ameaças? — pergunto em tom provocativo.

— Vamos ser sinceros, Brooke, Cameron não está nem aí para o que está acontecendo com você, muito menos com Noah. — ele diz dando mais alguns passo sem minha direção. O fato de o que ele está falando ser verdade me deixa incomodada.

— Vai se foder, Nash.

— Está tudo bem por aqui? — Noah pergunta da porta da cozinha encarando nós dois, ele não parece nada feliz.

— É claro. — Nash responde transbordando deboche. — Estávamos discutindo sobre quando Brooke vai pro meu quarto.

— Desgraçado. — Noah dá dois passos largos em direção a Nash e eu me enfio em sua frente antes que ele consiga. Apesar de Noah ser considerado o nerd da escola ele é duas vezes mais forte que o Nash e eu sei bem disso, mas não estou afim de ver meu melhor amigo em uma briga.

— Vamos subir. — digo olhando em seus olhos, mas ele está encarando Nash.

— Eu vou matar ele primeiro, depois a gente sobe. — Noah diz e Nash dá uma risada atrás de mim.

— Você pode tentar.

— Cala a boca. — digo a Nash. — Anda, sobe. — digo a Noah mais serio dessa vez. — Você não merece comer a deliciosa sobremesa da minha mãe. — digo pegando a travessa de mousse.

Caminho em direção a escada seguindo Noah que não parece nada feliz com a situação. Não é para menos, Nash está irritando Noah mais do que o normal e eu nem quero ver quando essa brincadeira for longe demais.

Deixo a travessa de mousse em cima da cama e me viro vendo Noah me condenando com o olhar. Ele está de braços cruzados, me encarando profundamente como se fosse me dar uma bronca gigante como meu irmão faria se descobrisse que eu fiz toda aquela travessura no halloween passado.

— Preciso trocar de roupa. — digo passando por ele.

— Precisamos acabar com essa palhaçada antes que alguém se de muito mal, Brooke. — Noah diz segurando meu braço carinhosamente. Sorrio de lado e entro no banheiro me enfiando embaixo do chuveiro para limpar toda a sujeira do meu corpo.

Noah tem razão. Essa situação só vai piorar se eu não tomar logo uma atitude. Talvez falar com o diretor e assumir toda a culpa seja o melhor a fazer, mas ainda assim Nash teria como provar que Noah está envolvido. A única maneira de evitar isso é fazer o que aquele imbecil de olhos azuis quer e isso inclui pintar seu quarto.


Notas Finais


Talvez amanhã eu poste o outro, já que esse ficou bem pequeno.
PRÓXIMO CAPÍTULO TEM UNS COISO QUE SOCORRO rs


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...