História The Apocalypse - Capítulo 3


Escrita por: ~

Visualizações 6
Palavras 1.958
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Ficção Científica, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oie! Hoje provavelmente vai sair mais de um capítulo porque a inspiração tá atacando sz sz

Só avisando, esse cap tem muita troca de Pov, prestem atenção pra não bugar rs

Boa Leitura!

Capítulo 3 - The Blue Car


Fanfic / Fanfiction The Apocalypse - Capítulo 3 - The Blue Car

Pov Tess

Acordei e abri meus olhos rapidamente, sentindo uma dor de cabeça extremamente forte que latejava mais e mais a cada instante.

-Oi, consegue levantar? - Sarah perguntou. Ela parecia preocupada.

-De boa - falei e me sentei, peguei impulso e levantei aos poucos, parecendo uma velha com dor nas costas.

O estúdio era bem grande, todos tinham uma cópia da chave, e por isso tinha tralha de todo mundo. Eu e Sarah dividíamos um quarto, mas a maioria ocupava quartos separados. Equipamentos pra gravações, roupas, comida, bebida, literalmente tinha de tudo por ali.

-Cadê todo mundo? – perguntei, olhando ao redor.

-Por aqui só tá o Castanhari, o Gusta, a Kéfera, a Sasa e...

Nesse momento, Cellbit apareceu descendo loucamente as escadas.

-... o Cellbit

-Aconteceu alguma coisa, Rafa? - perguntei, desinteressada.

-Nada, só tô brigando muito com a Sasa – ele respondeu, se sentando no outro sofá, já que um estava sendo ocupado por mim.

Não sabia como ajudar, então apenas assenti com a cabeça e fiquei pensando no que ele falou.

-Espera... - fiquei paralisada por alguns segundos. - Eu sabia que tinha esquecido alguma coisa

Saí correndo até o quarto sem olhar pra trás, mas percebi que eles ficaram me encarando, confusos.

Pov Sarah

-O que você acha que ela foi fazer?

-Não sei, mas parece que o que eu falei fez ela lembrar de alguma coisa

-Pois é...bem, vou lá espionar ela

Subi as escadas, de um jeito silencioso e rápido, sinceramente estava me sentindo uma espiã tentando descobrir o que ela estava fazendo. Cheguei no fim do corredor e vi a porta do quarto entreaberta, era o suficiente pra mim passar sem fazer quase nenhum barulho. Quando entrei, vi Tess mexendo no celular e falando sozinha, porém, com voz baixa.

Fui andando vagarosamente, até me encontrar de pé atrás dela, a mesma se encontrava sentada no chão. Coloquei a mão em seu ombro, ela parecia não ter se assustado, e sim ter ficado surpresa em me ver ali.

-Falando com o crush?

-É, pra falar a verdade, eu tô

-Nossa, assumida hein...onde ele tá?

-É isso que eu quero saber, mas ele visualiza e não responde

-Ah, deve tá sendo atacado por um zumbi...

-Cala a boca

-Não deixou eu terminar, ou pode tá cagando, é a vida ué

-Pera, ele respondeu, ele tá na casa dos pais em Ribeirão Preto

-Ele vai vir pra cá ou não? Ele tá bem?

-Ele disse que tá bem mas sabe, é cidade pequena, não é seguro lá

-Fala pra ele vir pra cá ué, tem uma segurança maior pelo menos

-Acabei de dizer isso e... - ela parou de falar e leu uma nova mensagem. - Ele disse que vai tentar vir de carro, mas se eu tiver certa as rodovias ainda tão trancadas. Acha que ele vai conseguir?

-Sim, não, talvez, quem sabe

-Valeu pela ajuda

Terminamos de conversar e fomos para a sala, onde Castanhari, Gusta, Kéfera, Cellbit e Sasa estavam discutindo quem iria para a ronda. Como eu não queria que Tess fosse e não estava fazendo nada, decidi ir.

Pov Tess

Algumas horas se passaram desde que Sarah se ofereceu pra fazer uma ronda e cada segundo contava até que T3ddy chegasse. Ele sempre foi meu melhor amigo, não conseguia parar de pensar se ele tinha conseguido passar de carro, já estava a ponto de enlouquecer quando resolvi pegar um ar.

Subi as escadas até o telhado e me sentei no mesmo, enquanto meus cabelos voavam e o tempo continuava passando. Alguns pássaros voavam entre as árvores e a brisa balançava as folhas, e por incrível que pareça, não havia nenhum zumbi por perto. Fiquei imaginando se aquela horda teria se dispersado pela floresta ou continuado seu caminho pela rodovia quando ouvi o som de rodas sobre o cascalho. De longe avistei um carro prata, que passava pela pequena trilha até parar na frente da casa.

Desci as escadas e passei pela sala correndo, até chegar na porta da frente.

-TESS!

-LUCAS!

Abracei ele tão forte que nossos corpos poderiam se fundir em um só, algumas lágrimas escaparam, mas limpei elas antes que ele visse.

-Ei, o que aconteceu? - ele falou, colocando um dedo sobre o corte no meu queixo.

-Briguei com um gato – falei, rindo.

-Ué, mas faz tempo que a gente não briga

-Convencido – falei e fechei a porta, dando espaço para que ele entrasse. Todos pareciam surpresos por vê-lo ali.

-T3ddy? Cara, onde cê tava? Tá tudo bem?- Gusta perguntou e deu um abraço, assim como todos os outros.

-Eu tava em Ribeirão com meus pais, mas...sabe, eles foram... – nem deixei ele terminar a frase, apenas coloquei as mãos em seus ombros.

-Por quê não me disse isso? – perguntei indignada.

-Sei lá, só não queria pensar muito nisso - ele disse, claramente se segurando para não chorar.

-Sinto muito por eles - consolei ele da melhor forma que podia.

Lucas me deu mais um abraço e ficou conversando com os outros enquanto eu fui para a cozinha comer alguma coisa. Inevitavelmente acabei me lembrando de Sarah, ela estava demorando demais, e comecei a me preocupar com ela.

-Tô com fome, o que tem pra comer aqui? - T3ddy perguntou, entrando na cozinha.

-Só comida fitness - falei e joguei uma maçã pra ele.

-Cadê a Sarah? - ele perguntou. -Ah não, ela também f...

-Não, ela tá bem, só tá fazendo uma ronda lá fora. Você não viu ela no caminho?

-Não... – ele respondeu, pensativo.

Terminamos de comer e fomos pra sala, tinha alguma coisa passando na Tv mas eu não me importei em assistir. Sarah realmente podia estar morta, e isso estava me enlouquecendo. T3ddy percebeu isso.

-Ei, vem cá - ele disse e me abraçou. -Fica calma, ela vai voltar

Fiquei ali com ele e acabei adormecendo, acredito que tenham se passado uns 20 minutos até alguém estragar tudo. Alguém que eu realmente não queria ver.

Pov Sarah

Fazia uma hora ou mais que tinha saído para a ronda, só eu e meus pensamentos sobre como iríamos sobreviver naquela porcaria de apocalipse. Estava andando pela beira da floresta, onde podia ver a rodovia sem que fosse vista por um zumbi ou algo do tipo. Imaginei que aquela horda estaria perto agora, mas estava enganada, o caminho estava limpo a não ser pelos milhares de carros abandonados.

Percebi que já tinha ido muito longe do estúdio e estava prestes a voltar quando algo me chamou a atenção: era um carro azul, que se destacava no meio de todos os outros.

Acabei agindo por impulso e indo até aquele carro. Havia algo familiar nele, algo que me dava segurança, apesar de estar passando entre vários automóveis com zumbis dentro.

Em passos silenciosos, finalmente parei ao lado do carro: reconheci a placa de imediato.

-Jonathan?

Vi um movimento dentro do carro e logo um garoto surge debaixo de uma coberta, segurando uma faca de cozinha. Quase como uma reação automática, abro um sorriso enorme e em seguida entro no lado do motorista.

-Sarah! – ele me abraçou, e o tempo parecia ter parado naquele instante. Queria que aquele momento durasse pra sempre se pudesse, mas como sonhos não se tornam realidade, a magia foi cortada por um barulho do lado de fora, provavelmente um zumbi que me seguiu.

-Como você veio pra cá, como me achou? – ele perguntou com os olhos arregalados.

-Com as pernas

-Haha...mas então, cadê a Tess?

-Digamos que é uma longe história, mas ela tá em uma casa pra dentro da floresta junto com uns amigo, um pouco machucada, mas bem - respirei fundo. -E você, como que você tá?

-Bem, sozinho mas bem

-Nossa que dó de você - disse me jogando pro lado -Mas e aí, o que acha de ir comigo pro estúdio? Temos comida, água e uma casa arrumada

-Com vocês lá pode ser tudo menos arrumada

-Nossa, valeu o elogio - dei uma risada falsa. – Então, vamos agora ou você tem algum compromisso?

-Agenda lotada bebê – ele disse, brincando. -Bora

-Partiu...ei espera, você tem armas?

-Tenho essas aqui

Ele tirou uma Katana e um revólver do banco de trás. Fiquei até impressionada com o fato dele ter armas, ele não tem cara de ser esse tipo de pessoa.

Assim que abrimos a porta fomos surpreendidos por "uma Tess quando acorda" que foi morta com um golpe da Katana e seguimos nosso caminho.

Quebra de Tempo

Após alguns minutos de caminhada já havíamos adentrado a floresta, estava tudo indo bem até ouvirmos passos rápidos demais para serem de um zumbi.

-Ouviu isso?- ele disse sussurrando.

-Sim, o que você acha que é?

-Sobreviventes?

-Não vamos ter certeza até descobrir, certo? Você vai na frente.

-Por quê eu?

-Porque eu tô me cagando de medo, e você é meu senpai

Ele olhou pra mim surpreso, o mesmo olhar que vi quando abracei ele pela primeira vez.

-Tá, eu vou

-Aw, meu herói - disse abraçando ele.

Andamos mais um pouco e ficamos encarando um ao outro pensando no que fazer quando senti algo, ou alguém, me agarrar por trás, fazendo com que eu caísse de cara no chão - o mesmo que aconteceu com Jonathan. Senti um leve arrepio nas costas ao perceber que havia alguém em cima delas, e não demorou muito para o que eu mais temia acontecer: senti uma lâmina afiada próxima ao meu pescoço e logo ouvi uma voz nem um pouco ameaçadora.

-Quem são vocês? Como chegaram aqui?

Estava prestes a falar, mas Jonathan me poupou desse pequeno trabalho, ele sabia que no meio da minha fala ia começar a chorar ou coisa do tipo, dificultando a situação.

-Pergunto o mesmo de vocês - Jonathan disse.

-É melhor vocês responderem logo, ou essa faca vai entrar de vez no pescoço dela.

-Jonathan, moro em um carro na rodovia e Sarah, minha amiga que mora em uma comunidade próxima. Estamos indo pra lá. Satisfeitas?

-Podem levar a gente junto?

Senti uma virada brusca e enxerguei duas meninas. Era quase impossível acreditar que segundos atrás elas estavam ameaçando me matar em troca de abrigo.

-Vocês têm armas? – perguntei, e elas assentiram com a cabeça. –Podem, se nos derem suas armas são bem vindas na nossa comunidade

-Pode ser, concorda Ana?

A garotinha pequena gesticulou um sim com a cabeça e finalmente pude me levantar.

-Ah, antes que eu me esqueça, meu nome é Jasmin, e essa é Ana

Ela deu alguns passos à frente e me deu um abraço, aparentemente o mais apertado que pôde.

-Por quê nós deveríamos levar vocês? Vocês já mataram algum zumbi, sabem sobreviver sozinhas? - Jonathan perguntou, ainda com um pé atrás.

-Estamos sozinhas desde ontem e ainda estamos vivas - a mais nova falou.

-Nada mal pra duas pirralhas...agora vamos, melhor chegar lá antes que escureça

Ana fez uma cara feia e se enfiou debaixo do braço da mais velha.

-E quanto ao nosso combinado? - Jonathan perguntou

-Deixa elas por enquanto, não acho que elas vão atacar a gente no caminho...ou vão?

Jasmin suspirou, recolheu as armas da mais nova, pegou a faca que estava no seu bolso e me entregou, fazendo com que eu sentisse sua mão gelada. Talvez ela estivesse nervosa, mas resolvi não incomodá-la.

Continuamos andando e nos deparamos com um pôr do sol lindo, aquela imagem ficou na minha cabeça o caminho todo. Coisas simples pareciam fazer toda a diferença num apocalipse zumbi.

Quebra de Tempo

Finalmente chegamos ao estúdio. Entrei primeiro, logo depois Jonathan, Ana e por último Jasmin. Assim que abri a porta ouvi alguns gritos e me deparei com Coelho e T3ddy no chão da sala, no meio de uma briga, que se não fosse interrompida por mim poderia ter tomado um rumo muito pior.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...