História The Bet - Capítulo 3


Escrita por: ~

Visualizações 41
Palavras 1.990
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Famí­lia, Festa, Romance e Novela, Saga

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa Leitura!!!

Capítulo 3 - Capítulo Dois


Justin Bieber enfiou as mãos nos bolsos. Droga, ela estava linda. Ele não esperava que a própria reação fosse ser tão forte. Depois de apenas alguns meses, esperava que tudo parecesse exatamente igual. Infelizmente, isso não aconteceu. Era tudo muito difícil. A mulher era o pecado ambulante, tinha curvas onde os caras mais gostavam. Sua roupa apenas destacava as curvas e fazia a luxúria atingir diretamente os locais errados de qualquer homem sentado em uma cafeteria.

O cabelo longo e castanho de Ariana ostentava mechas louras, e os olhos castanhos profundos pareciam destacar tudo lindamente. Acrescente-se a isso as duas covinhas mais lindas deste mundo, e ele estava pronto para jogá-la sobre a mesa e se dar bem com ela.

Se alguém poderia tirá-lo do mercado, esse alguém seria Ariana, não que ele jamais permitisse isso. Tinha feito esse caminho com Ariana várias vezes. Eles namoraram no ensino médio, mas logo descobriram que eram melhores como amigos. Ou talvez ele não conseguisse se controlar? Provavelmente era uma mistura das duas coisas, mas quem namora só uma pessoa no ensino médio?

A gota d’água do relacionamento dos dois aconteceu depois de uma noite de bebedeira na faculdade. Eles dormiram juntos. Foi uma longa noite, exceto pelo fato de que ele jamais se perdoaria pela dor que provocou nela no dia seguinte. Mas o que ele deveria fazer? Dizer “obrigado”? Transar com a melhor amiga não tinha sido uma escolha das mais inteligentes. Infelizmente, ele não percebeu isso até ser tarde demais. Ele foi o primeiro homem dela.

Deixar Ariana tinha sido uma das coisas mais idiotas e, ainda assim, mais necessárias que ele já fizera. Os dois continuavam sendo gentis um com o outro, mas a amizade nunca mais foi a mesma depois que dormiram juntos. O que sempre fora considerado um jeito de aumentar o vínculo entre duas pessoas acabou sendo o catalisador que arruinou uma vida inteira de amizade.

Eles se evitaram o máximo possível durante os anos seguintes. Na formatura de Justin, ele deu um abraço rápido nela e nunca mais olhou para trás.

Nem jamais pedira desculpas.

Não que fosse totalmente culpa dele, mas mesmo assim.

Vê-la novamente era assustador, mas era um mal necessário.

O conselho diretor tinha insistido que, se ele não limpasse a própria imagem, a empresa teria prejuízos. De acordo com eles, já estava tendo. Mas como ele poderia saber que a garota com quem estava dormindo era uma prostituta? Afinal, estava em Seattle, e ela era linda. Não tinha pensado que ela iria à imprensa ou que fotógrafos estariam convenientemente do lado de fora do W Hotel no centro da cidade depois de uma escapada noturna da qual ele ainda não conseguia se lembrar totalmente. A cereja do bolo foi quando a mãe dele ligou e disse que a avó tinha sofrido um derrame por causa da relação de Justin com prostitutas. É claro que não era culpa dele a avó ter um coágulo, mas mesmo assim.

Uma semana depois, a avó ligou para ele e lhe deu um ultimato. Se ele levasse Ariana para vê-la antes de morrer — palavras dela, não dele —, tudo seria perdoado. Ela insistiu tanto que Ariana fosse visitá-la no fim de semana do Dia do Trabalho que Justin não conseguiu dizer não. Por acaso, uma fotógrafa do Seattle Times também visitaria a família em Portland. Ela prometeu tirar umas fotos dos dois juntos no avião, além de ótimas fotografias da pedra gigante no dedo de Ariana.

Justin deu um sorriso irônico. Às vezes ele era tão brilhante que se assustava. O que poderia dar errado? Ele era o herdeiro do cargo de CEO da Malik Enterprises. A empresa valia um bom dinheiro. Depois de limpar sua imagem, a avó não apenas o apoiaria, mas daria um empurrão extra na diretoria para nomeá-lo o mais jovem CEO do mundo.

Ariana entenderia. Ela era esse tipo de garota. Tudo que ele precisava era explicar logicamente por que seria interessante para ela. Afinal, ser vista com ele não ia apenas ajudar os negócios de Ariana, mas ele estava praticamente investindo no futuro dela.

No mínimo, ela deveria agradecer!

O celular tocou, e ele olhou o relógio. Justin balançou a cabeça. Tinha passado tempo demais tentando convencer aquela garota linda a ser sua noiva. Agora teria que ficar no escritório por mais tempo do que seria necessário.

Dando de ombros, ele caminhou até o Range Rover e pulou para dentro. Finalmente, ele podia parar de se estressar com a avó e os negócios.

*

— Me desculpa. Pode, por favor, repetir o que acabou de dizer? Parece que você falou que estava noiva. — Demi estava sentada em frente a Ariana no restaurante favorito das duas em Belltown.

— Aham. — Ariana deu um golinho no vinho, embora tivesse pensado por um momento em pegar a garrafa toda e virar. — Foi o que eu disse.

— De Justin?

— É.

— Justin Bieber? — esclareceu Demi, dando um bom gole no vinho.

— Ele mesmo. — Por que Ariana não conseguia parar de tremer? Era um fim de semana. Ela conseguia fazer isso por um fim de semana. Caramba, ela nem precisava fingir que estava apaixonada, atraída por ele, excitada e...

Então, basicamente, ela não precisava atuar. Só precisava garantir que seu coração não fosse destruído em um zilhão de pedaços pelo bilionário.

— Não posso fazer isso.

— Claro que você não pode fazer isso — repetiu Demi, com a voz um pouco acima do normal. — Você tem alguma ideia do que esse cara fez com você na faculdade? As memórias ainda estão confusas? Porque eu tenho quase certeza de que ele dormiu com você e depois fingiu que nada tinha acontecido.

— Eu sei. — A voz de Ariana estava trêmula. — Mas, em defesa dele, eu também nunca tentei conversar...

— Não defenda o demônio, Ari. Sério. Vocês foram melhores amigos a vida toda! Lembra? Eu era a vela. Eu vi seu drama romântico se desenrolar muito bem e depois ser atropelado por um caminhão naquela noite. Não faz isso.

Ariana sabia que o que Demi estava dizendo fazia sentido, mas...

— Eu já disse a ele que faria.

— Então foge!

Ariana balançou a cabeça e disse baixinho:

— Não posso.

Os olhos de Demi se estreitaram. Ela respirou fundo três vezes e chamou a garçonete.

— Pois não? — disse a garçonete

— Precisamos de tequila. Agora.

— Demi, esse não é um momento pra tequila — protestou Ariana.

— Sério? Você acabou de ficar noiva do solteiro mais famoso de Seattle pra ser boazinha e fazer um favor a ele. De novo, Prova número um: ELE TE LARGOU!

— Fala baixo! — Ariana acalmou Demi e distribuiu sorrisos tímidos às pessoas que as encaravam nas outras mesas. — É só um fim de semana. — Além do mais, Demi não tinha ideia de que Ariana ainda tinha tantas dívidas da faculdade. Ela tinha escondido de todo mundo a questão da formatura, dizendo que faltava apenas uma disciplina, e não sete.

— Certo. — Demi bufou. — Se eu conheço o Justin, e acho que conheço, isso não vai ser só no fim de semana. Ele tem alguma carta na manga. Quanto mais lindos eles são, mais manipuladores. Acredite em mim.

A tequila foi colocada sobre a mesa, e Demi bebeu um shot antes de falar outra coisa.

— Além do mais, só porque você concordou com essa farsa de noivado, ele vai achar que pode colocar as mãos no seu corpo todo.

Ariana revirou os olhos.

— Ele namora modelos e, aparentemente, strippers. Olha pra mim, Demi. Pareço com uma dessas categorias? Não sou uma prostituta. Não vou deixar ele se aproveitar de mim.

Demi resmungou.

— Humpf! Não deixou ninguém se aproveitar de você desde aquela noite, e você sabe disso. Você ainda está apaixonada por ele e precisou da faculdade toda pra superar! E agora vai voltar ao ponto de partida.

Ignorando a evidente ofensa de Demi à sua incapacidade de prender um homem, Ariana desviou o olhar e bufou. Seus dedos tocaram a borda da garrafa de tequila e pensamentos sobre Justin surgiram do nada.

— O que eu estou fazendo?

— Agora ela percebe. — Demi balançou a cabeça e tomou outro shot.

— Quero dizer... — Ariana olhou para as próprias mãos. — Tenho que ficar sozinha com ele durante mais de três dias, e ainda tenho que mentir para a família dele toda!

— E, vamos ser honestas — criticou Demi, com o tom de voz um pouco mais alto do que o normal. — Você é tipo a pior mentirosa do mundo todo.

— Sou nada. — Zayn, projeto de irmão de Justin, era o pior. Mas Ariana se recusava a pensar em Zayn. Na última vez que o viu, ele gritou com ela por ter atropelado a caixa de correio deles no feriado de Natal. Ela chorou, ele gritou mais e depois se recusou a falar com ela pelo resto do tempo que ela passou visitando. Isso foi há três anos.

— É, sim! — Demi batucou com o dedo de unha bem cuidada sobre a mesa. — Lembra daquela vez que tentamos fugir de casa para ir à festa de aniversário do Justin no ensino médio?

— Não — mentiu Ariana, tentando desesperadamente engolir o enorme nó de culpa na garganta.

— É mesmo? De todos os momentos que você poderia dizer não hoje, você escolheu agora? Sério? O que aconteceu com o “não” quando estava conversando com Justin? E com o “não” quando ele te pediu...

— Totalmente diferente, e você sabe. Além do mais, eu gostaria de destacar que não contei uma mentira terrível pra minha mãe. Se o cachorro tivesse parado de latir...

Demi jogou a cabeça para trás e riu.

— Não vamos culpar o cachorro. Mesmo que o cachorro tivesse parado de latir, você usou isso como desculpa pra contar tudo pra sua mãe. E depois me disse que era um sinal de Deus de que você estava pecando.

Ariana desviou o olhar. Só porque a amiga estava totalmente certa, isso não queria dizer que ela tinha que reconhecer o fato. E daí? Sim, ela era um pouco moralista, mas na única vez, na única vez, que tinha decidido mergulhar de cabeça na vida...

Ela se ferrou de verdade.

De várias maneiras.

Ariana deixou escapar um suspiro profundo e fez sinal para Demi servir um shot.

— Apesar de tudo, eu disse sim, e você sabe como eu sou com compromissos.

Demi xingou.

— Você é mais fiel que o meu cachorro, e ele é cego, ou seja, depende de mim pra tudo, inclusive quando e onde fazer xixi.

— Seu estímulo é surpreendente. — Ariana sorriu com doçura e bebeu um gole enorme de água depois do shot. Precisava estar sóbria se quisesse planejar adequadamente como o fim de semana se desenvolveria. Uma coisa era certa. Justin não podia tocar nela; não podia colocar uma das mãos nela. Se fizesse isso, ela não tinha certeza se conseguiria dizer não.

— ... e outra coisa...

Ai, que droga! Demi ainda estava falando do maldito cachorro?

— Se você deixar ele te tocar ou te beijar... — Ela socou a mesa, com os olhos ligeiramente vidrados por causa da tequila. — Se uma das mãos perfeitamente bem cuidadas dele sequer roçar na sua pele nua, eu castro ele.

Ariana cerrou os lábios e fez que sim com a cabeça.

— Obrigada, Demi. Não sei o que eu faria sem você.

— Nem eu... — Demi soluçou, e Ariana fez sinal para pedir a conta. Sério, não é todo dia que uma amiga fica bêbada por você. Mas Ariana também sabia das coisas. Demi era o tipo mais verdadeiro de amiga. Quando Ariana chorava, Demi chorava. Quando Ariana ameaçava matar Justin, Demi se oferecia para pagar um assassino de aluguel. Quando Ariana finalmente superou Justin e só falava nele como o homem cujo nome não deve ser dito, Demi foi além e deu a ele o apelido de Canalha.

No mínimo, Demi só estava tentando ajudar, apesar de seus métodos serem um pouco radicais.

Ariana deixou algumas notas para pagar a conta e ajudou a amiga a sair, o tempo todo se perguntando como sobreviveria à próxima semana.


Notas Finais


Continua...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...