História The Case 71 - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO, Got7
Visualizações 8
Palavras 2.874
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Hentai, Lemon, Mistério, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Canibalismo, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Demorei mas voltei...

Boa leitura e boa noite S2

Capítulo 14 - Você prometeu-me, Hobi...


Fanfic / Fanfiction The Case 71 - Capítulo 14 - Você prometeu-me, Hobi...

Hospital- 7:23 (mesma manhã)

O único som que preenchia o local velho era dos metais chocando-se contra a superfície de uma mesa.

Taehyung já desistia de lutar contra as algemas em seus braços que possuíam marcas arroxeadas devido sua tentativa de escapatória.

Seu olhar encontrava-se com o do Jung que acordara a pouco... porém o mais velho não estava bem.

Yoongi pegou uma luva e o barulho da borracha em contato com sua pele foi escutado pelo Kim que estremeceu ao vê-lo pegar também um bisturi.

Os passos do Min eram lentos e cautelosos, planejando como agir e o que dizer aos dois.

Sua mente transbordava ira e seu modo racional já não estava presente neste momento. Apenas lembrava das palavras do Jung ao Kim: “Eu acho que te amo...”

Sua boca era maltratada por seus dentes ao pensar nisso. Hoseok deveria ser seu e mais de ninguém...

A mão esquerda do Min posicionou-se no pescoço do Jung e a outra passou de leve a ponta do bisturi pelo mesmo, causando um leve corte na região.

-Para! -Taehyung suplicava debatendo-se contra a cadeira. 

Yoongi soltou uma risada assim que parou de cortar o mais novo.

-Você não viu a morte de Minseok... que tal presenciar a de Hoseok? -provocou o mais velho passando o objeto pelo braço do Jung.

Taehyung não conseguia ver aquilo, Hoseok gritava com a dor e seu sangue escorria pelo seu corpo.

Era horrível assistir aquilo, seu estômago embrulhava e sua visão ficou fraca.

Lembrou das palavras do Jung e soltou uma lágrima.

Taehyung sabia que errou ao não dizer nada... o silêncio pela primeira vez não foi uma escolha sábia. 

-Por que você o matou? O que você tem contra mim? -gritou o Kim inconformado com a situação.

O Min não poderia ser essa pessoa... fazer alguém assistir a morte de quem ama?

Sim. Neste momento Taehyung admitiu seus sentimentos. 

Desde o primeiro olhar, o primeiro toque, o primeiro beijo... parecia que ambos conheciam-se a anos.

O maior esticou o braço e pegou uma faca, essa que cortava os braços do Jung que chorava e gritava pela dor.

-Você é um desgraçado, Taehyung! Você arruinou minha vida assim que pisou em Daegu e resolveu o caso das transações de drogas! A família Jung estaria viva se você não tivesse sido um detetive cretino! -Yoongi respondeu friamente.

Suas palavras chocaram Taehyung que pensou naquele caso... Minseok, a família, Yoongi, toda sua dor e sofrimento saiu em formas de lágrimas.

Hoseok implorava para Yoongi parar e o mesmo apenas olhava para o Kim que virou a cabeça para o lado.

Não queria continuar vendo aquilo...

-Olha para cá! -gritou o mais velho e Taehyung o ignorou fechando os olhos com força.

Yoongi aproximou-se do Kim e segurou seu queixo com força.

-Você irá olhar! -ordenou.

A faca desferiu um corte na região de sua bochecha, fazendo-o gritar de dor.

Seu olhar encontrou com o de Hoseok que pedia desculpas mentalmente ao Kim. Ambos estavam sofrendo e sabiam que aquilo não iria acabar bem.

Seria assim? O terrível final... sem ninguém para ver ou testemunhar.

-Deixa ele em paz... -a voz de Hoseok eminou fraca e rouca de sua boca.

Seus braços possuíam cortes juntamente ao seu pescoço. O Min não deixou barato por este comentário e socou o rosto do Jung que cuspiu sangue no chão. 

O mais novo sabia que ele não aguentaria muito e começou a chorar por sentir mais uma dor.

Mais uma cicatriz iria ser deixada em seu coração destruído.

Hoseok tombou a cabeça para trás apenas sentindo a dor ponderar de seu corpo lentamente. Sua morte seria lenta e dolorosa, como Yoongi sempre fez... só que sentimentalmente.

-Yoongi... -começou Taehyung que sentia as lágrimas caírem sem parar. -Não seja essa pessoa a quem se tornou... vingar-se não irá tirar esse ódio que tanto sente. Hoseok não tem culpa, por favor pare. -sua voz saía trêmula e tinha medo de errar alguma palavra.

O Min balançou a cabeça negativamente enquanto um sorriso formava-se em seus lábios.

Ele sabia que o Kim não conhecia nada, nem ninguém conhecia. Seu passado foi conturbado demais... até os dias de hoje sua vida tem estado estranha.

Sua tristeza e ódio conviviam juntos a anos, porque são oriundos do mesmo lugar e do mesmo motivo.

Daegu.

Sua antiga e velha amiga, cidade natal. Yoongi odeia comentar sobre seu passado porque sabe que qualquer pessoa pode o ferir assim como a morte de si mesmo.

Yoongi, aquele adolescente, ao seu próprio olhar era alguém repleto de sonhos e sabia que cada um deles podia ter sido real.

Tudo acabou durante aquela noite no baile de inverno de seu colégio.

...

Já era o décimo copo de soju que descia por sua garganta e junto seu corpo ficava longe, possuía a sensação de leveza e livre de todos seus problemas.

Todos naquele baile possuíam um par e um sorriso estampado em seus rostos. O Min apenas observava os casais e seu semblante mostrava o quanto triste estava.

Sem perceber alguém havia sentado ao seu lado e o cheiro de cigarro chegou em suas narinas.

-Tem par? -a voz rouca do rapaz foi escutada por Yoongi que abaixou a cabeça. -Por que veio então? 

Ele não queria responder... não sabia como. Sua boca estava dormente devido a bebida e sentiu ânsia.

-Você está péssimo! -comentou o rapaz.

Yoongi o olhou e pode olhar melhor o outro. Este que possuía um sorriso malicioso ao ver uma menina com um vestido curto passar por ele.

Não conseguiu ver muito por causa de seu estado de embriaguez. 

-Qual é o seu nome? -perguntou arrastado.

O outro riu do estado alheio e Yoongi apenas olhou seu sorriso encantador.

-LuHan. -respondeu enquanto pedia uma bebida.

A mão do Min foi segurada pelo mais velho que o guiou até um corredor vazio da escola.

Tirou do blazer um maço de cigarro e um papel dobrado. Esticou para o Min que pegou curioso.

Nunca havia fumado mas seus amigos diziam que a sensação era incrível e única.

Acendeu o cigarro e tragou fundo engasgando ao sentir a fumaça em sua garganta.

-Nunca fumou? -o mais velho estava surpreso. -Perdeu muito tempo, hein? 

Yoongi apenas não pensou nas consequências e entrou nesse mundo sem volta. 

No dia seguinte apenas saiu com LuHan e então “divertiu-se” o dia inteiro. 

Meses passaram-se e então descobriu que sentimentos são para fracos assim que soube da overdose do mais velho e logo após sua morte.

Perdeu então seu primeiro amor. Se podia o chamar de amor...

...

Hoseok gritou alto ao sentir a faca entrar em seu ombro, o Min descontou sua raiva ali.

Deixou o objeto metálico ali e chutou a mesa. Os metais caíram no chão e o Kim fechou os olhos ao escutar novamente o Jung gritar pela dor.

-Cala a porra da boca, Hoseok! 

Yoongi foi até o Kim segurando seu rosto.

-Você não sabe nem metade do que aconteceu! -socou o rosto do Kim que ficou com o mesmo virado para o lado.

Dor era apenas mais uma coisa a mais ali. Sua mente apenas preocupava-se com o Jung.

Taehyung apenas sentiu suas lágrimas voltarem a escorrer por seu rosto ao ver Hoseok desistindo de continuar aguentando isso.

-Eu te amo, TaeTae. -sussurrou alto o suficiente para suas palavras serem escutadas.

-Hobi! -gritou o mais alto que conseguia. -Eu te amo... -essa frase saiu fraca e ninguém pode escutar, pois foi para si que disse.

Suas palavras foram sinceras e então o mais velho fechou os olhos completamente.

O Min soltou uma risada ao ver o Jung com a cabeça tombada e levantou-se do chão.

-Como se sente, Taehyung? Todos que te amam sofrem. A culpa é sua! 

O mais novo com lágrimas nos olhos negou com a cabeça.

Seus lábios comprimiram-se e seus olhos fitaram a face do Jung que parecia estar sereno e já sem vida.

Seu coração falhou ao pensar que não o disse o que realmente sentia.

-Eu o tirei dessa vida que você o deu. Ele está livre deste sofrimento que você o fez passar. -argumentou o menor.

Seu rosto ardeu ao sentir mais um soco do Min, o Kim continuou firme e olhou no fundo dos olhos de Yoongi.

Estes que eram repletos pela escuridão. 

-Você está morto, Yoongi. Por que continua tentando? -o Kim jogava com o psicológico do outro.

Entretanto suas palavras eram fracas ao sentir seu coração apertar ao pensar no Jung.

Taehyung estava magoado ao pensar na possibilidade de ter apenas notado o verdadeiro valor de Hoseok após sua morte. De ter notado tarde demais a falta do outro.

-Minha angústia é culpa sua! Você merece mais do que todos a morte! -protestou o mais velho.

Yoongi pegou a faca do ombro de Hoseok e a levantou contra Taehyung que cerrou os olhos esperando por aquilo.

=============================

Delegacia-7:00 (mesma manhã)

Seokjin tombou sua cabeça para trás ao escutar pela milésima vez alguém bater em sua porta.

Seu dedo clicou no mouse retirando as fotos do apartamento do Park que eram reproduzidas na tela de seu notebook.

-Entre... 

Passou a mão por seu rosto e suspirou alto. A porta abriu revelando Namjoon que entrou com os resultados em suas mãos.

Ambos entreolharam-se e o mais velho bufou colocando os papéis na mesa do outro.

-Eu não consigo ficar assim. -Namjoon disse indo até Seokjin e pegando em sua mão.

Tocou o anel de noivado que o mais novo usava e um sorriso formou em sua face.

Pensou na tarde de primavera que curvou-se perante o menor e retirou de seu bolso o pequeno e delicado objeto.

Apenas um anel, que significa a união... uma coisa perfeita e magnífica entre duas pessoas.

Várias ainda perdem o sentido disso. Deixam de amar e então tudo acaba... mas uma coisa todos sabem, nada será como antes.

-Quando eu te pedi em casamento, eu sabia que nada seria fácil. Sabia também que nunca te deixaria... mas deixei. -respirou fundo ao olhar intensamente para Seokjin que possuía os olhos vermelhos. -Cometi erros que te machucaram, nunca quis isso porque a partir do momento que você disse “sim, eu aceito” eu prometi que cuidaria e te protegeria...

Namjoon segurava firme a mão alheia, sua boca movia-se a cada palavra que o mesmo dizia, seus olhos estavam fixados na face do outro que soltava algumas lágrimas.

O relacionamento deles estava repleto do passado... e ele morreu.

-Eu te amo, Seokjin. Sempre irei amar mesmo que você desista e encontre outro, saiba que meu coração sempre pertencerá a você. -por fim, finalizou.

O mais novo não pensou duas vezes e puxou o outro para um beijo.

Conseguiram sentir seus gostos misturarem-se nele de um jeito incrível... como na primeira vez.

Sentiam falta disso, sentiam falta desse contato, desse carinho... desse amor recíproco.

-Eu deixei meu trabalho estragar tudo por favor perdoe-me. -desabafou Namjoon.

Seokjin apenas o abraçou forte e sussurrou palavras confortantes, essas que tocaram o coração do mais velho.

Precisavam fazer isso. Foi apenas uma recaída em seu relacionamento que quase desabou.

Namjoon afastou-se do outro e pegou os papéis, entregando em seguida a Seokjin.

Sentou-se então na cadeira e não podia conter sua felicidade. 

-O sangue na cama pertence a Jeon e as digitais na banheira a Min Yoongi. -explicou Namjoon.

Seokjin folheava os papéis e analisava cada detalhe para não faltar nada.

-Você foi ver Taehyung hoje? -perguntou o mais novo sem tirar os olhos da papelada.

Chegou então a parte que mais o intrigava: a camisinha. Leu então que pertencia a Park Jimin e uma pessoa sem identificação.

Bufou angustiado e frustado por não terem conseguido o que queriam.

-Se fosse Jeon nós teríamos descoberto. -completou Namjoon vendo o estado de conflito de Seokjin. 

Namjoon então lembrou de quando deu carona para Hoseok e Taehyung para o hospital e das palavras proferidas pelo mais novo.

-Jimin vai matar Taehyung, se ele não conseguiu ainda então irá tentar novamente. -Namjoon disse enquanto levantava-se rapidamente.

Seokjin confuso pegou o telefone de sua mesa e esperou na linha.

-Quero reforços no hospital do centro de Seul. -disse rápido. 

Pegou uma arma de sua gaveta e a colocou presa a sua roupa. Seus passos eram rápidos e seus olhos percorriam em busca de Im Jaebum e Choi Youngjae.

Entrou exasperado na sala de descanso dos policiais e ambos encontravam-se deitados no sofá com seus respectivos chapéus de autoridades cobrindo seus rostos.

-O detetive Kim está em perigo. -disse Seokjin.

Foi o suficiente para os dois levantarem prontos e meio zonzos indo até a saída da delegacia.

Seokjin suava frio, era questão de tempo para-talvez- o Kim morrer. O desespero já era presente e suas mãos tremiam quando procuraram a chave da viatura.

O barulho da sirene ecoava pelas ruas da cidade movimentada, pessoas assustavam-se e sentiam receio por saberem que algo estava errado.

Mais viaturas juntavam-se em frente ao hospital, Seokjin fechou a porta do veículo e iniciou uma corrida até o balcão da recepção.

As enfermeiras continham os repórteres que, curiosos, tentavam filmar esse inédito acontecimento.

A moça da recepção tentava acalmar Seokjin que gritava para conseguir informações o mais rápido possível.

-Ele está em perigo! -gritou mais uma vez. 

Ela então cedeu as informações rapidamente e Seokjin correu até o quarto do Kim.

Jaebum entrou primeiro sendo seguido de Youngjae, porém, nada adiantou essa entrada já que a sala estava vazia.

Os outros policiais ajudavam a manter os paparazzis e os repórteres para fora do hospital.

-Jaebum, procure no andar de baixo. -disse Seokjin. -Youngjae vai junto a ele. 

-E quanto a voce? -perguntou o Choi inconformado em deixar o outro sozinho.

Seokjin apenas correu indo em direção ao outro lado e começou a abrir as portas das salas assustando alguns pacientes e visitas.

Não tinha tempo para desculpar-se apenas voltava a correr com a mente focada em achar o Kim.

Taehyung poderia estar ferido... poderia estar morto.

No entanto, o mais velho não pensava nessa possibilidade e sim em achá-lo seguro.

Seu rádio fez um barulho e logo uma voz eminou do mesmo.

-Seokjin? -uma breve interferência ocorreu. -Na escuta?

Pegou o objeto rapidamente em mãos enquanto continuava a olhar para os lados em busca de seu objetivo.

-Pode falar. 

Chamou alguns policiais que escutaram o rádio também e começaram a correr em direção ao andar de baixo, ou melhor, ao depósito.

-Precisamos de reforços. -concluiu o Im.

A mão de Seokjin foi precisa para abrir rapidamente a porta e logo o depósito foi revelado diante dos olhos dos presentes ali.

Tudo foi tão rápido...

Os gritos de Taehyung e uma risada psicopática de fundo eram os sons que todos presenciavam ali.

Seokjin então empurrou a porta com força e apontou a arma em direção a Yoongi que mantinha um semblante de indiferença. Não possuía medo, nem surpresa... 

-Solte a faca! -gritou o Kim mais velho e o Min soltou sem desmanchar o sorriso. 

Os policiais correram para mobilizar Yoongi que ria alto e olhava para seu trabalho bem feito. O orgulho estava presente ali em seu espírito.

Taehyung chorava alto devido seu trauma ali passado, seus braços estavam cortados e seu rosto possuía cortes.

Seokjin o soltou e o mesmo correu até Hoseok, caindo em joelhos antes mesmo de chegar perto do mesmo.

Um médico entrou com uma maca e, com a ajuda de outras pessoas, colocou o Jung nela.

-Pulsação fraca! -gritou e começaram a correr para longe dali.

Taehyung ainda no chão chorava feito uma criança traumatizada... ninguém nunca entenderia o que teria ocorrido ali.

Por fim levaram o Kim para receber atendimento mas para isso o sedaram já que o mesmo ainda estava em choque.

Seokjin ficou cada minuto com Taehyung que olhava para um ponto fixo.

Mal sabiam o tanto de coisa que passava em sua cabeça. Ele apenas sentia medo... medo de continuar.

-Está liberado, detetive. -disse um médico enquanto anotava algo em uma prancheta.

Taehyung apenas levantou da maca e começou a caminhar em direção a saída. Toda sua tristeza era perceptível... um trauma que dessa vez não se recuperaria.

Seokjin correu até ele o virando pelo ombro e o abraçando forte.

Não precisavam dizer nada, pois Seokjin sabia o motivo de todo o seu sofrimento e sabia que Hoseok era o motivo de Taehyung ainda ter tentado enfrentar esse mundo.

-Hoseok precisa descansar e você também. -disse tentando o animar.

Taehyung olhou para baixo e depois olhou sorridente para Seokjin que soube na hora que aquele sorriso não era verdadeiro.

Saiu então finalmente daquele lugar que jamais o veria como antes.

Os repórteres tentavam um maior contato com o Kim que passou reto tentando buscar um ar daquilo tudo.

Começou a caminhar até perceber que seu corpo o levou para a beira de um lago. 

Agachou-se e observou seu reflexo na água.

-Eu quero descansar de tudo isso de uma vez... -sussurrou sentindo as lágrimas tomarem conta de seus olhos.

Levantou-se olhando em volta... a paisagem não era como antes. Seu olhar para o mundo mudou a partir do momento que Hoseok desistiu de continuar sofrendo naquele lugar nojento e traumatizante.

-Por favor... -olhou para o céu cinzento dessa manhã peculiar. -Fique comigo e não me abandone... você prometeu-me, Hobi.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...