História The Flashes - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Justin Bieber
Tags Barbara Palvin, Ídolo, Justin Bieber, Sexo
Visualizações 51
Palavras 2.473
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Romance e Novela
Avisos: Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi amores...
Eu escrevi esta fanfic quando tinha 14 anos (há 4 anos atrás) e publiquei ela aqui mas o spirit eliminou a fic e eu perdi o animo e não voltei a publicar ela... Hoje encontrei a fic e como algumas pessoas me pediram para publicar de novo decidi publicar. Desculpem qualquer erro...

- Plágio é crime.
- Fanfic da minha total autoria.
- Boa leitura amores.

Capítulo 1 - The Beginning


Fanfic / Fanfiction The Flashes - Capítulo 1 - The Beginning

Sophia Carter Point Of View

Quarta-Feira, 15 de Julho de 2015 – Lisboa, Portugal

- SOPHIA! ACORDA SOPHIA! – Tayla gritava como uma louca.

Peguei no meu celular e ele marcava 6:30pm. Levantei-me e abri a grande janela do quarto do hotel, apreciando a bela vista de Lisboa. Eu e Tayla, minha melhor amiga, estávamos hospedadas em um hotel de Lisboa.

Eu e a Tay somos do norte do país, do Porto, mas viemos a Lisboa realizar o nosso maior sonho. Ver o Justin Bieber. Ele estava em turnê com o seu novo álbum e – graças a Deus - não se esqueceu de Portugal.

Hoje, 15 de julho, dia do meu aniversário, Justin está em Portugal para um incrível concerto. E a prenda dos meus queridos pais foi deixar-me viajar apenas com a minha melhor amiga para Lisboa no meu 16º aniversário, para assistir ao concerto do Justin.

Não foi fácil. Eu e Tay tivemos que tirar as melhores notas da turma e tivemos que prometer que para o ano ainda teríamos melhores notas que este ano para os meus pais e os dela deixarem-nos vir para cá, mas com muito esforço nós conseguimos e por isso hoje estamos aqui.

(…)

- Você está louca? Eu não vou usar este vestido! – Gritei pela milésima vez com Tayla. Ela queria que eu fosse com um vestido super curto e apertado. – Eu vou para um concerto, não para uma boate Tay.

- Ok amiga, você que sabe. Eu vou com estes calções e essa blusa.

- Tudo bem, você fica linda com qualquer coisa mesmo.

- Até parece que você não.       

- Não tanto como você.

- Cala a boca Sophia. Que roupa você vai usar afinal?

- Não sei ainda, estou indecisa entre estas calças e esta saia. – Disse mostrando-lhe as duas peças.

- A saia sem dúvida.

(…)

Ambas já estávamos prontas. Os portões já estavam abertos e todas as fãs que ficaram por dias à espera já estavam dentro do MEO Arena. Para ser sincera eu também ficaria um mês se fosse preciso à espera do concerto mas meus pais apenas me deixaram vir ontem e eu tive de prometer que só iria vir na hora do concerto. Eu queria um bom lugar, mas os nossos lugares não eram assim tão bons por isso não fazia diferença se nós fossemos mais cedo ou mais tarde.

Saímos do hotel e logo estávamos no táxi dando o destino ao taxista. Eu olhava pela janela. Eu nunca tinha estado em Lisboa, então eu tentava guardar o máximo das coisas que via na minha memória.

Tay estava histérica do meu lado, ela falava, gritava e assustava o taxista. Eu estava calada, tentando acreditar que eu iria ver o meu ídolo dentro de uma hora e pouco.

- Você está bem Soph? – Tay perguntou assim que notou que eu estava quieta demais. Ela conhecia-me como ninguém. Eu nunca me calava. Se ela era histérica eu era 3 vezes pior, e o facto de eu estar calada quando eu deveria estar surtando era algo estranho.

- Sim, apenas tentando acreditar que finalmente nós vamos vê-lo. – Disse olhando-a. – Isto é de loucos. Depois de anos sonhando com este dia nós vamos finalmente vê-lo ao vivo e quem sabe conhecê-lo.

- Eu sei amiga, eu estou tão feliz por estar aqui hoje com você. – Tay abraçou-me.

- Eu também. – Murmurei dando um pequeno sorriso.

O taxista tossiu um pouco sem graça por estar a estragar o nosso momento, e logo disse que já estávamos no nosso destino. Pagamos e logo saímos do veículo.

O meu relógio marcava 8:00pm. O hotel ficava mais ou menos a meia hora do local do concerto. Caminhamos até a nossa porta e quando chegamos perto dela Tayla me puxou pelo braço. Olhei para ela e ela estava com os olhos marejados.

- Ei Tay, o que aconteceu? – Perguntei assustada.

- Eu… - ela começou a chorar. – Eu esqueci o meu bilhete.

- Tay, você o quê? – Perguntei assustada. Meus olhos se encheram de lágrimas. Ela só poderia estar brincando. Eu não iria no concerto sozinha e se fossemos a casa buscar o seu bilhete seria tarde de mais e o concerto já estaria a mais de meio quando chegássemos cá.

- Eu lembro-me de ter colocado ele na minha bolsa mas ele não está aqui. – Ela disse remexendo na sua bolsa.

- Você tem a certeza?

- Sim, eu tenho quase a certeza que sim.

- Então ele tem de estar aí. 

- ELE NÃO ESTÁ. – Ela gritou fazendo-me arregalar os olhos. – Me desculpe. – Ela disse logo que percebeu que eu não tinha culpa de nada para ela gritar comigo.

- Tudo bem.

- Espera… - ela disse. – Eu deixei a minha bolsa cair no carro. Com certeza ele caiu. Vamos chamar o táxi de novo!

- Esqueça. Você acha mesmo que vamos ter a sorte de chamar o mesmo táxi? E além disso, com certeza esse táxi já tem um passageiro nele que acabou de ganhar um bilhete para o concerto do Justin Bieber. – Suspirei. – Vamos voltar para o hotel.

- Claro que não. Eu vou, você fica. Você não vai deixar de ver o Justin porque eu fui estupida o suficiente para perder o bilhete.

- Eu não vou sem você Tay.

- SIM VOCÊ VAI. – Tay gritou.

- NÃO!

- SIM VOCÊ VAI! VOCÊ ESPEROU ANOS POR ISSO E VOCÊ NÃO VAI DEIXAR DE REALIZAR O SEU SONHO SÓ PORQUE EU SOU ESTUPIDA! VOCÊ VAI NEM QUE EU TENHA QUE TE EMPURRAR!

- NÃO VOU SEM VOCÊ TAYLA, ESQUEÇA ISSO. TALVEZ ELE VENHA AQUI PARA O ANO E NÓS IREMOS O VER. MAS NESTE SHOW SEM VOCÊ EU NÃO VOU.

- Me desculpe. Me desculpe por estragar seu aniversário. – Tay disse chorando fazendo-me chorar de novo.

- Ei, não se preocupe. Você não o estragou. Vamos voltar para o hotel e passar a noite assistindo filmes como fazemos em todos os meus aniversários. – Disse abraçando-a e tentando animar ela, e principal tentando animar-me a mim mesma.

Eu estava imensamente triste, com vontade de chorar toda a noite, e acredito que Tayla também. Não seria hoje que eu iria realizar o meu sonho.

Sentimos alguém juntar-se ao nosso abraço o que fez com que nós nos separássemos. A pessoa era um homem. Vestido com calças pretas e uma camisola branco com o capucho em sua cabeça.

- O que aconteceu? – Ele perguntou com o rosto baixo impossibilitando-nos de ver o seu rosto.

- Eu perdi o meu bilhete e por isso não posso ir ao concerto. E Soph diz que não vai sem mim, o que me faz sentir mal porque eu estou a estragar o seu aniversário.

- É o seu aniversário? – O homem perguntou apontando para mim. Assenti. – Parabéns.

- Obrigada. – Agradeci. – E você está aqui por quê? Não tem bilhete? Se você quiser eu posso lhe dar o meu. Não vou mais precisar dele.

- Acho que eu não preciso de bilhete para entrar. – O homem falou enquanto tirava o capucho da sua cabeça e levantava a mesma.

Eu fiquei em choque. Eu estava cara a cara com ninguém mais ninguém menos que Scooter Braun.

Estou sonhando? Eu só podia estar sonhando! Scooter Braun está aqui mesmo à minha frente? Eu não conseguia acreditar!

Scooter balançou a cabeça em concordância como se soubesse que eu não acreditava que ele estava ali mesmo na minha frente.

- Oh meu Deus, Scooter Braun! – eu e Tay gritamos ao mesmo tempo. Não me perguntem porque, mas isto acontecia inúmeras vezes, nós sempre dizíamos coisas ao mesmo tempo ou adivinhávamos o que a outra estava a pensar.

- Shhh, não gritem meninas! – Scooter disse colocando o dedo na boca em sinal de silêncio.

- Oh meu deus, o que você faz aqui? – Perguntei agora num tom de voz mais baixo.

- Eu estou aqui porque ouvi vocês a discutir e sou muito curioso por isso quis saber o que se passava, e agora que sei, o que vocês diriam se eu vos desse um bilhete para o concerto do Justin?

- Eu não sei, eu provavelmente iria morrer de alegria. – Tay disse exagerando como sempre.

Scooter tirou um bilhete do seu bolso e entregou a Tayla que começou a gritar e abraçou Scooter. Ela já chorava. Chorava como se não houvesse amanhã. Scooter aproximou-se de mim com um bilhete na mão e esticou-o para mim.

- Oh não, não é preciso, eu tenho o meu bilhete. – Respondi.

- Para a primeira fila? – Scooter perguntou voltando a esticar o seu braço com o bilhete na sua mão.

Eu peguei o bilhete e abracei Scooter chorando.

- Obrigada – disse. – Muito obrigada mesmo. Eu pensei que isto só acontecia nos filmes do Justin. - Ri. 

- De nada, agora vamos lá porque o concerto está prestes a começar.

Scooter guiou-nos até a porta de entrada e depois até aos nossos lugares. Eram bem perto do palco. Tão perto que nós conseguíamos tocar nele.

(…)

Todas as luzes apagaram-se e começou a contagem regressiva a partir do 30. Todas as fãs gritaram e quando a contagem acabou os gritos aumentaram. Justin apareceu no palco fazendo com que todas fossem à loucura. Eu comecei a chorar abraçada a Tay de lado que chorava também. Justin Bieber estava à nossa frente. Bem perto de nós. Aquilo era melhor do que eu imaginei. Ele ali, cantando e dançando de um lado para o outro. Tão lindo. O mais lindo que já vi.

Eu cantava todas as músicas com ele assim como todas as outras beliebers. Todas elas choravam, mas tinham um sorriso enorme no rosto – tal como eu. Aquilo era lindo de se ver. Todas estavam felizes por ver Justin sorrindo, o que mostrava o quanto elas amavam ele. Todas nós amamos.

O concerto ia decorrendo maravilhosamente bem. Aquele homem era TUDO de bom. Depois da música que Justin cantava neste momento, Justin iria cantar a One Less Lonely Girl, onde, como sempre, uma fã teria a sorte de receber uma serenata do Justin. Teria a sorte de sentir o seu toque, o seu cheiro e de ouvir a sua voz de perto. Sortudas aquelas que já tinham sentido tudo isso. Quem não queria ser a OLLG do Justin Bieber? Esse é o sonho da maioria das beliebers com certeza.

Neste momento a OLLG da noite já tinha sido escolhida, ou então seria escolhida agora.

Senti Tayla apertar meu braço chamando a minha atenção. Quando olhei para ela, ela saiu da minha frente me deixando ver quem estava atrás dela.

Allison sorria para mim.

- Você quer ser a One Less Lonely Girl?  – Alisson perguntou em ingles.

Aquela pergunta repetia-se na minha cabeça. Eu não conseguia acreditar. Eu não conseguia responder. Eu estava em choque.

- Você quer ser a One Less Lonely Girl? - Uma mulher que se encontrava ao lado de Allison perguntou em português. Provavelmente era uma tradutora que pensou que eu não sabia falar inglês.

Eu apenas assenti. Eu não estava em condições de falar. Eu mal conseguia respirar devido às imensas lágrimas que caiam sem parar. Tay deu-me um abraço rápido e depois Alisson me levou para trás do palco.

Durante o caminho para trás do palco eu apenas chorava. Quando chegamos lá Alisson me levou até um banco e me deu uma garrafinha de água, porque eu estava muito nervosa e não parava de chorar.

Lá estavam os dançarinos que vieram até mim me cumprimentar e todos eles me desejaram feliz aniversário, o que achei estranho. Como assim a Team Bieber sabia que hoje era o meu aniversário? 

Eu estava lá, apenas observando todos os detalhes de lá até que Alfredo e Ryan aproximaram-se de mim me desejando feliz aniversário também e tentando acalmar-me já que eu estava muito nervosa e não parava de chorar. Eu já tinha ganho o dia só de ter conhecido eles.

- Você quer colocar um pouco de maquilhagem? – Alguém me perguntou. Eu apenas limpei o meu rosto, mas não serviu de nada já que as lágrimas não paravam. – Acho que não vale a pena. A verdade é que você também não precisa. Você é linda!

- Obrigada. – Falei enquanto – mais uma vez – limpava o meu rosto. Eu estava um pouco mais calma por isso parei de chorar.

- Feliz aniversário.

- Obrigada. - Respondi sorrindo.

Até pensei em perguntar como ela sabia que era o meu aniversário mas assim que ouvi a música OLLG começar eu não disse mais nada.

A tradutora caminhou até mim e começou a me explicar que não podia agarrar ele, beijar ele, e nem falar com ele, era apenas para eu curtir o momento ao lado dele sem histeria, pois caso contrário, eu seria expulsa do palco. Ouvi todas as recomendações com atenção, afinal eu não queria ser expulsa do palco.

Faltavam poucos minutos pra eu entrar no palco, e a Alisson me chamou para ficar em pé atrás da cortina. E lá estava eu segurando a mão de Alisson e esperando para ter o melhor momento da minha vida. Quando as cortinas se abriram, o meu coração disparou. Os dançarinos vieram me buscar e me levaram até o Bieber. Quando ele pegou na minha mão todo meu corpo se arrepiou. Ele levou-me até à cadeira e me sentou lá colocando uma coroa de rosas roxas na minha cabeça.

Justin cantava para mim, acariciava meu rosto e eu apenas olhava nos seus olhos. Eu não chorava nem gritava. Eu estava apenas em choque. Sem reação. Justin percebeu que a qualquer momento eu desmaiaria e então me deu um beijo na testa como se quisesse me passar energia. E conseguiu. Eu comecei a sorrir e a cantar com ele.

Naquele momento nada importava. Tudo o que eu via era Eu e Ele. Eu não me importava se estava em frente ao amor da minha vida com a cara inchada do choro. Eu não me importava se a minha maquilhagem não estava perfeita, nem me importava se eu estava cheirando mil vezes pior que ele. Tudo o que importava era ELE ali COMIGO.

Justin puxou-me para que eu ficasse de pé, juntou os nossos corpos e dançou comigo. Oh meu deus eu ia desmaiar. O calor do seu corpo contra o meu. O seu cheiro. Tudo nele era perfeito. Eu queria muito beijar ele, mas eu sabia que não podia.

Justin voltou a me guiar para a cadeira e me sentou lá. Depois afastou-se de mim e foi dançar com os dançarinos, mas logo voltou para perto de mim de novo.

Ao terminar a música Justin se virou para mim – de costas para a plateia – e depois de afastar o seu microfone da sua boca, agarrou no meu rosto e juntou os seus lábios nos meus num selinho.

O QUÊ? COMO ASSIM? HAN? JUSTIN ACABOU DE ME BEIJAR?


Notas Finais


Deixem os vossos comentários com a vossa opinião, obrigada!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...