História The Hot Sister - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton, Personagens Originais
Tags Ally Brooke, Camila Cabello, Camren, Dinah Jane, Lauren Jauregui, Normani Kordei, Norminah
Visualizações 214
Palavras 7.302
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Hentai, Mistério, Orange, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa noite meus amores. Eu queria agradecer a todos vocês porque nós chegamos a mais de 1,000 visualizações com 6 capítulos, eu amo todos vocês. Queria agradecer também a todos que favoritaram e acompanham a fanfic e aos que comentam, vocês são fodas demais!!
Eu amo interagir com vocês, anjos, a melhor parte do meu dia é quando eu posto um capítulo e vejo que alguns de vocês comentaram. Então obrigada de coração.
E sem mais delongas...

Boa leitura!!

Capítulo 7 - The Weekend (Part 2)


Fanfic / Fanfiction The Hot Sister - Capítulo 7 - The Weekend (Part 2)

Point Of View Camila Cabello

Minha visão estava turva pelas lágrimas que insistiam em cair, eu mordia meus lábios fortemente, em uma tentativa de conter toda a angústia que eu estava sentindo. E mesmo com a visão embaçada, eu podia ver Lauren, me olhando com um olhar triste, enquanto me assistia desmoronar apenas ao lembrar sobre o passado.

Lauren não parecia mais querer uma resposta sobre as cicatrizes em meu pulso, muito pelo contrário, ela parecia apenas querer que eu me recuperasse e me sentisse bem novamente.

A mulher de olhos verdes se aproximou de mim com cautela e agilmente me envolveu em um abraço caloroso e reconfortante. A abracei de volta, passando meus braços ao redor de seu corpo e descansando minha cabeça em seu peito, fechei os olhos e permiti que minhas lágrimas se misturassem com o seu corpo molhado.

Naquele abraço eu me sentia segura, Lauren transmitia-me a mais pura paz e em seus braços, eu me sentia segura, era como se nada pudesse me atingir enquanto Lauren estivesse ali. E ela estava ali. Ela estava ali por mim. Eu sentia que esse abraço era como uma promessa, uma promessa que dizia que ela sempre estaria ali.

Nos afastamos após longos minutos, Lauren segurou meu rosto com as mãos e limpou as lágrimas que ainda caíam, ela me olhou, analisando-me com cuidado, enquanto suas mãos faziam um gesto carinhoso em minha mandíbula. Lauren grudou nossos lábios por alguns segundos, não nos beijamos intensamente como antes, apenas colamos nossos lábios e nos separamos.

Não tardou para que sua mão se entrelaçasse a minha, e ela me guiasse para fora da piscina. Entramos na casa sem nos importar se estávamos inundando a casa inteira com os pingos de água que caíam de nossos corpos. Lauren apenas me levou de volta para o nosso quarto, fazendo com que sentássemos na cama.

- Camila... – Ela sussurrou e eu olhei para ela. – Eu não vou exigir que você me conte seus motivos, porque eu acredito que tudo tem o seu tempo e quando você se sentir confortável, você irá me dizer o que a levou a fazer tamanha besteira... – Ela dizia com a voz baixa e fraca, eu apenas a olhava e sentia as lágrimas voltando a cair. Lauren rapidamente as limpou. – Hey, não chore! – Ela sorriu. – Eu só quero saber sobre uma coisa, tudo bem?

Eu assenti, olhando para ela, e me esforçando ao máximo para que não deixasse que as lágrimas caíssem. Lauren abria a boca e logo a fechava novamente, como se tentasse usar as palavras certas, mas nada saía.

- Você fez esses cortes recentemente? – Finalmente sua voz saiu, porém saiu tão baixo, que se não fosse pela proximidade eu não escutaria. – Chris tem algo a ver com esses cortes? – Sua voz ainda saía baixa, mas em um desespero evidente. –

- Não, Lauren. – Neguei com a cabeça e desviei meu olhar do seu. Abaixei a cabeça e encarei minhas mãos entrelaçadas em meu colo. – Eu não me corto há anos. – Admiti enquanto ainda encarava minhas mãos, sem ter a mínima coragem de encarar seus olhos verdes tão cativantes. – E Chris nunca teve nada a ver com os cortes, muito pelo contrário... – Um sorriso melancólico apossou-se de meus lábios. – Ele me ajudou.

Um suspiro de alívio saiu dos lábios de Lauren, ela se aproximou ainda mais de mim, me puxou contra seu peito, permitindo que eu descansasse minha cabeça ali por um tempo. Sua mão estava em meu braço, me puxando mais para si em um abraço desengonçado, mas confortante.

Ficamos em silêncio por um longo tempo, eu apenas ouvindo seu coração, e sua respiração bater contra minha cabeça. O silêncio não era desconfortável, longe disso, o silêncio era preciso, era como se estivéssemos pondo os pensamentos em ordem e de alguma forma, nos conectando ainda mais.

Lauren limpou a garganta e se mexeu desconfortável, mas sem quebrar o contato de nossos corpos naquele abraço. Eu pude ouvir seu coração acelerar aos poucos, eu sabia que ela queria dizer algo, estava apenas tentando escolher as palavras certas.

- Camila... – Ela começou a dizer, mas sua voz foi perdendo a força. – Eu não quero, de forma alguma, que você me ache invasiva e é exatamente por esse motivo que eu não irei te questionar sobre os cortes... – Ela dizia tudo calmamente, enquanto me apertava em seus braços ainda mais, como se dissesse para eu confiar nela. O que era estranho, pois de certa forma, eu confiava nela, mesmo a conhecendo tão pouco. –

- Mas? – Sussurrei, sabendo exatamente que havia um “mas” naquela história toda. –

- Mas... – Ela continuou. Lauren estava insegura de suas palavras, o que me deixava admirada, já que desde que a conheci, ela era totalmente arrogante e segura de si, porém, ela parecia querer escolher as palavras corretas e não simples falar qualquer coisa, como ela estava acostumada a fazer. – Eu quero saber sobre as marcas vermelhas em seu braço.

Assim que aquelas palavras foram assimiladas pelo meu cérebro, meu corpo ficou rígido e eu arregalei um pouco meus olhos, piscando freqüentemente, e pensando em uma maneira de fugir daquele assunto.

- Lauren, eu não quero falar sobre isso. – Falei sincera, me desvencilhando de seus braços e me levantando bruscamente da cama. Lauren veio ao meu encontro, me segurando pela cintura e trazendo meu corpo de encontro ao seu. –

- Mas nós vamos falar sobre isso. – Ela me olhou séria. – Vamos fazer um acordo então, tudo bem? – Ela falou. Um acordo, dependendo de seus termos, não me parecia uma má ideia. –

- Que acordo? – Engoli em seco, quando ela abriu um leve sorriso. –

- Eu não quero estragar nosso final de semana. – Ela admitiu. – Então, vamos nos esquecer de absolutamente tudo o que aconteceu e aproveitar nossos dias juntas, porém, amanhã, antes de voltarmos para a realidade, você me dará respostas.

- Não! – Minha voz saiu desesperada. –

Eu não queria contar que Chris havia, ultimamente, passado dos limites e sendo um pouco agressivo em nossas discussões. E apesar de odiar o comportamento de meu marido, não era nada demais, certo? Quero dizer, ele nunca havia levantado a mão para mim, ou coisa do tipo, então estava tudo bem.

- Ótimo! – Ela falou e eu a olhei desconfiada. – Pode começar a me dizer agora então! – Ela afirmou e eu arregalei os olhos. –

- Não! – Quase gritei desesperada, Lauren mordeu os lábios para não rir. Vadia! –

- Então temos um acordo, senhora Cabello? – Ouvi-la pronunciar meu sobrenome de forma tão sexy, fez meu corpo esquentar em um estalar de dedos. Assenti freneticamente e ela riu. Céus, eu amava o som genuíno de sua risada. –

- Temos um acordo, senhorita Jauregui. – Afirmei em um tom de voz sério e audível. – Por hora, vamos cumprir a primeira parte desse acordo... – Aproximei meus lábios dos seus, enquanto meus braços rodeavam seu pescoço e eu me esforçava para ficar nas pontas dos pés para alcançar seus lábios. – Vamos aproveitar nosso fim de semana juntas. – Sussurrei contra seus lábios e a beijei. –

Primeiro veio o contato de nossos lábios tocando uns aos outros, seus lábios tão perfeitamente macios levava-me para a mais pura insanidade. Não tardou para que Lauren pedisse permissão e eu cedesse no mesmo segundo. Nossas línguas se encontraram e se conectaram de forma insana, diferente dos outros beijos, não tinha malícia, muito menos era um beijo desesperado.

O beijo era calmo, apenas tentávamos aproveitar cada sensação, cada toque de nossas línguas na mais singela sincronia, por mais que o beijo fosse calmo, era também intenso. Eu sentia que havia algo a mais naquele contato simples, como se algo mais forte estivesse nos conectando cada vez mais, eu não sabia o que era, mas amava a sensação.

Eu me sentia na adolescência novamente. Meu coração batia desesperadamente, como se quisesse saltar de meu peito, eu sentia borboletas voarem em meu estômago como em meu primeiro beijo, eu sentia a necessidade de tê-la por perto tomar conta de todo meu ser.

Quando cortamos o beijo, um sorriso invadiu tanto seus lábios quanto os meus, Lauren grudou nossas testas sem que nós quebrássemos o contato de nossos olhares fixos um ao outro. Nossa respiração estava totalmente desregulada, nosso peito subia e descia constantemente, e tentava tomar todo o oxigênio presente naquele quarto.

Eu sentia como se o mundo estivesse parado, como se o tempo estivesse congelado e apenas restássemos nós duas ali, em uma bolha só nossa, conectadas e unidas, como se nada fosse capaz de nos tirar dali. E nada seria capaz disso, não nesse fim de semana.

- Tome um banho e se troque. – Lauren sussurrou e eu fechei os olhos ao ouvir aquela voz suave e rouca preencher meu interior. Ainda tínhamos as testas coladas, e a respiração desregulada. Eu abri um pequeno sorriso no rosto, sem mostrar os dentes. –

- Por quê? – Sussurrei. Lauren colou ainda mais nossos corpos e deu um beijo estalado em minha bochecha antes de voltar a colar nossas testas. Meu sorriso se alargou ainda mais, achei que seria capaz de rasgar minha boca. –

- Porque eu quero aproveitar o dia com você. – Ela disse simples. – Vamos almoçar em um bom restaurante, caminhar por aí durante a tarde, visitar Coney Island pela noite e quando voltarmos... – Sua voz morreu e eu abri os olhos para vê-la. Ela tinha um sorriso malicioso nos lábios e eu dei-lhe um leve tapa nos seus braços. – O que? – Ela disse se fazendo de inocente. – Eu não fiz nada!

- Você não é nada santa, Lauren! – Ela riu suavemente enquanto segurava com mais força minha cintura e um sorriso brincava em seus lábios. –

- Eu apenas ia dizer que quando voltarmos já estaria tarde, mas poderíamos ver um filme qualquer nessa TV enorme, com nossos corpos colados, enquanto damos leves amassos...

Meu corpo estremeceu diante de mais uma promessa e Lauren sorriu largamente ao perceber o efeito que suas palavras haviam causado em mim.

- Parece que você já planejou tudo. – Ela deu um leve beijo em meus lábios e se separou de mim, fazendo com que meu corpo logo clamasse pela falta de seu corpo ao meu. –

- Acredite ou não, mas meu único plano é passar o dia ao seu lado. – Ela piscou e entrou no banheiro. Joguei-me na cama e fechei os olhos. –

O que essa mulher anda fazendo comigo? Eu a conhecia tão pouco e já sentia meu mundo desmoronar com a falta de seu corpo junto ao meu, ou de suas palavras sacanas sussurradas de forma tão sexy ao meu ouvido, ou o modo que meu nome saía perfeitamente de seus lábios tão bem desenhados.

Oh céus, eu estava perdida. E Lauren é a culpada disso.

Creio eu que fiquei olhando para o teto por longos minutos enquanto tentava organizar o turbilhão de pensamentos em relação a Lauren em minha cabeça. Eu não sei o que estava acontecendo comigo ou o motivo de eu estar tão entregue a alguém, antes eu abominaria minha pessoa por trair meu marido, mas agora? Eu sinto que não poderia me importar menos com Chris.

O que me tirou da confusão que era meus pensamentos nesse exato momento, foi o som da maçaneta virando e a porta do banheiro se abrindo. Minha boca quase alcançou o chão e eu poderia jurar que estava babando enquanto olhava a figura em minha frente.

Meu corpo havia congelado, mas meu coração batia velozmente, meus olhos estavam levemente arregalados e eu sentia meu corpo borbulhar de desejo e excitação.

Lauren estava com uma toalha em volta de seu corpo magnífico. Seu corpo estava levemente molhado pelo banho, seu cabelo estava molhado e caía perfeitamente sobre seus ombros nus. Ela tinha um sorriso cafajeste nos lábios, pois sabia exatamente a forma como eu a estava olhando. Com desejo.

- Pode ir tomar banho, babe. – Lauren pronunciou da forma mais sexy que pôde, o que fez meu corpo inteiro vacilar e estremecer. Meu corpo era um perfeito traidor quando se tratava de Lauren. –

Seu rosto estava livre de qualquer maquiagem, seu corpo com poucas gotas de água, aquela toalha cobrindo sua nudez. Eu me sentia um leão analisando sua presa. E assim como um leão faria, eu a ataquei.

Caminhei a passos largos em sua direção, Lauren que antes sorria tinha os olhos levemente arregalados, eu riria de sua mudança repentina, porém eu estava cega de desejo pelo seu corpo. Assim que me vi próxima o suficiente, tomei sua cintura com minhas mãos e capturei seus lábios com proeza.

Dessa vez sim era um beijo desesperado, não havia nada de inocência no beijo, muito pelo contrário, era selvagem. Eu invadi sua boca sem pedir permissão alguma, suas mãos puxavam meus fios de cabelo sem delicadeza alguma.

Eu explorava sua boca com gana, minha mão estava cravada em sua coxa exposta enquanto minha outra mão agarrava sua bunda por cima da toalha. Lauren tinha uma de suas mãos em meu cabelo enquanto a outra mão brincava com o nó de meu biquíni.

Separei nossos lábios e capturei seu lábio inferior com meus dentes, sem medir minhas forças ali. Um gemido tímido escapou de sua garganta, o que apenas me enlouqueceu ainda mais, eu olhei para aqueles olhos verdes, que me olhava em uma intensidade descomunal.

Caminhamos até que Lauren colidisse com a parede atrás de si e eu logo tratei de lhe dar um beijo rápido e logo descer meus beijos para seu pescoço, onde fiz questão de torturá-la. Meus lábios se fecharam em seu ponto de pulso, enquanto minha língua brincava naquele lugar com a única intenção de enlouquecê-la.

Meus dentes se fecharam naquele local, mordi sem medir forças e o chupei em seguida. Eu sabia que ficaria um enorme roxo naquele local, mas quem se importa? Eu apenas a queria ali e agora. Meu sexo pulsava de excitação, minha mão explorava todo o seu corpo, mesmo coberto por um único tecido. Lauren explorava meu corpo da mesma forma, enquanto seus olhos estavam fechados e ela mordia os lábios tentando conter o desejo.

- Camila... – Um gemido rouco e baixo escapou de seus lábios e eu fui obrigada a não revirar os olhos de prazer. Ataquei seus lábios outra vez, eu estava no comando e nada mudaria isso. –

Eu explorava com desespero e malícia cada parte de sua boca, minha língua deslizava com maestria enquanto vez ou outra Lauren tentava iniciar uma briga pelo poder, mas logo desistia ao sentir minha mão estapear levemente sua bunda enquanto com a outra, eu cravava minhas unhas em sua coxa descoberta.

Sanidade era a última coisa que existia entre nós, o que havia ali era desejo, nada mais. Eu não queria quebrar o beijo, mas o ar nos faltou e eu afastei nossos lábios por alguns segundos, antes de colá-los novamente em um selinho rápido.

- Chega de ter controle sobre a situação, Camila! – Sua voz soou rouca e provocativa e foram questão de segundos para que eu a sentisse inverter nossas posições e para que meu corpo colidisse com a parede gelada, fazendo um gemido escapar de minha garganta. – Eu que mando aqui.

E então eu senti sua língua adentrar minha boca sem pedir permissão alguma, em minha defesa, eu bem que tentei travar uma batalha pelo poder, mas perdi de forma deplorável ao sentir suas unhas cravarem em minha bunda enquanto sua outra mão apossava-se de meu seio direito, o apertando sem gentileza alguma.

Céus, ao sentir seu corpo colado ao meu, eu simplesmente tremi por inteiro e me derreti de vez em seus braços, me rendendo a ela. Lauren me segurou firmemente e eu envolvi sua cintura com minhas pernas. Eu tentava de uma forma desastrada retirar a toalha de Lauren enquanto ainda sentia seus lábios apossando-se dos meus.

Assim que consegui retirar a toalha e a jogar longe, abri meus olhos desnorteada e separei meus lábios dos de Lauren que suspirou frustrada. Olhei para o corpo de Lauren já sentindo todo o desejo carnal presente em meu corpo, mas logo o desejo foi substituído pela frustração e raiva.

- Lauren! – Exclamei irritada e ela riu com vontade. Minhas pernas se desvencilharam de sua cintura e eu a empurrei para longe de mim. –

- Eu sei que você esperava ver meu corpo nu, Camila! – Ela riu ainda mais alto e eu acertei em cheio, um tapa em seu braço direito, o que resultou em uma pequena careta de dor em seu rosto. –

- Sua idiota! – Esbravejei. Cruzando os braços abaixo do peito e pondo em meus lábios um enorme bico enquanto fazia manha. Lauren sorriu completamente admirada e logo mordeu os próprios lábios, suas mãos prenderam minha cintura enquanto olhava calmamente para cada traço de meu rosto. – Não me toque! – Tentei tirar sua mão de minha cintura, porém Lauren apenas forçou mais sua mão em minha cintura. –

- Acredite, Camila, eu não sabia que essa seria sua reação ao me ver de toalha. – Ela riu levemente e eu a olhei como se pudesse matá-la com um simples olhar. – Mas eu me arrependo amargamente de ter colocado esse biquíni novamente ao sair do banho.

- Então o tire! – Exclamei o óbvio e ela riu ainda mais. Juro por Deus como que eu queria esganá-la naquele momento, eu estava frustrada e ela havia me deixado na mão. Meu corpo ainda pegava fogo e meu bico ficava ainda maior em meus lábios. –

- Mas nós precisamos ir almoçar, Camila... – Lauren falou como se abominasse sua maldita ideia e eu também abominava, não somente a ideia, mas Lauren também. Imbecil, isso teria troco! –

Não serei hipócrita, duvido que algum dia isso tenha o troco, pois quando Lauren me toca com segundas intenções, ou sussurra com a voz mais rouca que o normal em meu ouvido, eu simplesmente me esqueço de tudo e perco todo o meu juízo, me entregando a ela de corpo e alma. Então possivelmente não teria troco algum, eu apenas faria birra por um longo período de tempo.

- Eu não estou com fome! – Lauren sorriu acariciando meu rosto com delicadeza e carinho. – Quer dizer, eu até que estou, mas não é de comida. – Sorri maliciosa e Lauren negou com a cabeça. –

- Vá tomar um banho e apague esse fogo, Camila. – Ela falou e eu bufei irritada, colocando o mesmo bico de segundos atrás de volta em meus lábios. – Sabia que você fica adorável com esse biquinho nos lábios? – Ela sorriu e aproximou seus lábios dos meus, mordendo o bico em meus lábios fortemente. –

- Lauren! – A repreendi e ela riu. Empurrei seu corpo para longe do meu e lhe mostrei a língua. – Odeio você! – Exclamei e ela riu ainda mais negando com a cabeça. –

- Você me adora! – Ela se aproximou de mim novamente, envolvendo seus braços em minha cintura e puxando meu corpo para si, fazendo com que seus seios batessem em minhas costas e minha bunda pressionasse seu sexo. Sorri divertida. –

- Eu adoro seu corpo. – Levantei minha cabeça e minhas mãos alcançaram a sua cabeça, a trazendo para mim e fazendo nossos lábios se encontrarem novamente em um beijo tão desesperado quanto os outros. –

Empinei mais ainda minha bunda e Lauren gemeu entre o beijo. Foi impossível conter o sorriso presente em meus lábios ao ver o quão fácil era provocar Lauren. Mordi seus lábios, o puxando levemente e logo o soltando. Lauren me olhava, seus olhos verdes estavam escuros e repletos de desejo, era graciosamente fofo a forma como a coloração dos olhos de Lauren mudava constantemente de acordo com o que ela sentia.

- Eu não quero mais sair para almoçar. – Lauren admitiu baixinho e foi a minha vez de rir. –

- Sério? – Ela assentiu. – Pois não é que agora me deu uma fome?... – Ela fez uma careta e eu ri alto, me afastando dela, pelo canto dos olhos pude vê-la com a cara indignada e o olhar raivoso. Mordi meus lábios para não rir de sua cara. –

Entrei no banheiro, fechando a porta em seguida. Liguei o chuveiro, após colocar no frio, eu precisava de um banho frio se quisesse fazer com o calor extravasasse de meu corpo. Assim senti a água gelada entrar em contato com meu corpo quente, um enorme suspiro escapou de meus lábios.

Não demorei muito ali, apenas fiz questão de ficar tempo o suficiente para que meu corpo se acalmasse e eu pudesse respirar normalmente. Assim que isso foi possível, eu desliguei o chuveiro e enrolei uma toalha em meu corpo, saindo do banheiro e logo recebendo um olhar devorador de Lauren.

Puta que pariu. Lauren!

Ela estava fodidamente perfeita. Ela usava um vestido gracioso, da cor verde claro, com alguns detalhes simples, como pequenas flores brancas em todo o vestido, ela estava linda, gostosa e fofa. Isso era possível? Digo... Era possível uma mulher ficar tão maravilhosa em um vestido, parecendo sexy e ao mesmo tempo fofa?

- Você está linda, Lauren. – Falei admirada, observando com calma cada pequeno detalhe de seu corpo, cada pequeno traço. Ela abriu um pequeno sorriso, mas seus olhos estavam presos em meu corpo. –

- Você está maravilhosa, Camila! – Exclamou com um sorriso nada inocente nos lábios. – Porém ficaria ainda mais perfeita sem essa toalha no corpo... – Ela fez menção de se aproximar e eu neguei com a cabeça. –

- Nem ouse, Lauren! – Ela fez uma pequena careta e eu ri suavemente. – Se você tentar se aproximar, nós não vamos sair daqui hoje. – Ela cruzou os braços e me olhou indignada. –

- Eu só iria dar um beijo inocente nos lábios dessa mulher maravilhosa. – A risada escapou de meus lábios e sua expressão de indignada era maior ainda. –

- Lauren a última palavra que se ligaria a você é inocente. – Me aproximei, mantendo uma distância segura entre nós, mas sem que nosso contato visual fosse interrompido. – Você é gostosa... – Passei minha língua sobre meus lábios, a analisando de cima a baixo. – Muito gostosa. – Ela sorriu e eu mordi meus lábios. – Você é fofa, ainda mais com esse vestido... – Ela sorriu de forma meiga. – Você é gentil... – Aproximei-me ainda mais envolvendo seu pescoço com meus braços e lhe dando um beijo casto nos lábios, mas me afastei antes que as coisas perdessem o controle. – Mas você definitivamente, não é inocente.

Ri suavemente e caminhei em direção a minha mala, tirando de lá uma lingerie e um vestido de onça. Sorri graciosamente na direção de Lauren e voltei para o banheiro, eu sentia seu olhar queimando na minha parte traseira e eu sorri largamente com isso.

Já no banheiro, retirei a toalha de meu corpo e coloquei a lingerie, logo em seguida, o vestido. Olhando-me no espelho em seguida e fazendo uma leve careta. O vestido não era feio, tinha um decote nada discreto e era curto, o que fazia minhas coxas ficarem totalmente expostas naquele tecido. Fiz uma maquiagem não muito pesada.

Abri a porta do banheiro e não demorou para que eu sentisse os olhos de Lauren em mim, querendo me despir naquele exato momento. Olhei em seus olhos, diferentemente de antes, eles estavam em um tom mais claro e suave, pareciam serenos. Ela se aproximou de mim, apenas encostando nossos lábios uns nos outros e logo se afastando.

- Nunca imaginei que alguém ficaria tão linda em um vestido quanto você está nesse. – Foi impossível não ruborizar diante do elogio, enquanto um sorriso tímido estava em meus lábios. –

- Lauren, você se olhou no espelho? – Ela assentiu. – Então olhe novamente e veja o quão sexy e fofa você está nesse vestido. Você está deslumbrante, perfeita! – Ela sorriu e entrelaçou seus dedos nos meus, dando outro rápido selinho em meus lábios. –

- Não discutiremos sobre quem está mais bela, pois eu perderia feio. – Ela pronunciou. – Agora vamos! – Ela me puxou pela mão e me levou para fora de casa. –

- Iremos a pé? – Ela assentiu e minha expressão caiu. Eu fazia academia, mas não era com tanta freqüência, o que me tornava uma pessoa sedentária em relação a exercícios. –

- Não andaremos muito, então não faça essa cara. – Ela disse enquanto começávamos nossa caminhada em direção a algum restaurante próximo a Coney Island. – Sua casa é perto de Coney Island, Camila. – Ela me advertiu e eu a olhei incrédula. –

- Lauren, eu não tenho o costume de andar tanto assim! – Admiti e ela riu. –

- Camila, é perto, para de drama! – Ela falou e se aproximou mais de mim, seu braço rodeou meu pescoço e minha mão rodeou suas costas pousando em sua cintura. Rapidamente me acalmei e percebi que não me importava se eu andasse por aí o dia inteiro, desde que eu estivesse com ela. –

Caminhávamos grudadas, em silêncio, fazendo um trajeto para um restaurante qualquer, próximo a praia que nós já víamos de longe, era simplesmente lindo aquele lugar. Era belo todo aquele azul da praia e o parque que era em frente a praia? Céus, era mais do que belo.

Ficava ainda mais belo a noite, quando as luzes da roda gigante iluminava tudo ao seu redor, diante da admirável luz do luar. Eu tinha um pouco de pânico de altura, então nunca havia ido naquela roda gigante e não pretendia ir nunca.

Assim que chegamos em um restaurante, escolhido unicamente por Lauren, entramos e nos acomodamos em um assento com vista para a praia. O lugar era lindo, era levemente colorido e sofisticado, sem contar que quem sentava próximo a janela, poderia comer calmamente enquanto apreciava a paisagem da praia.

Não conversamos muito, apenas algumas bobeiras irrelevantes, porém eu sentia que cada vez mais, dávamos a chance de nos conhecermos melhor e de alguma forma, toda aquela proximidade me confortava. Nossas mãos se tocavam constantemente sobre a mesa, o que gerava alguns olhares e sorrisos durante o almoço.

Porém, por um momento, enquanto eu falava sobre algo irrelevante, Lauren desviou sua atenção de mim e passou a encarar uma moça que havia acabado de entrar sozinha no local. A moça era bela, tinha um corpo esbelto, os cabelos eram loiros e caíam livremente pelos ombros, ela usava um vestido azul bebê curto, quase dava para ver o útero daquela mulher. Oferecida! E Lauren ainda dava a maior atenção.

- Lauren! – A chamei pela quinta vez e ela nada me respondia, continuava com os olhos presos naquela mulher. Eu voaria no pescoço de Lauren ou deveria esperar chegar a noite para que ninguém desconfiasse? – Lauren! – Elevei meu tom de voz, quase que gritando e sua atenção voltou para mim, revirei os olhos. Eu definitivamente queria matá-la. – Limpe a baba, sua estúpida!

Lauren piscou os olhos algumas vezes, eu bufei indignada, querendo alcançar seu pescoço naquele exato momento. Eu sentia a raiva acumular em minhas veias e percorrer por todo meu sangue.

- O que? – Ela falou da maneira mais inocente possível. Cínica! Vadia! –

- Limpe a baba. – Repeti e joguei um guardanapo em cima dela. Levantando-me da cadeira e jogando alguns trocados em cima da mesa. –

- O que você está fazendo e do que está falando? – Ela perguntou e eu ajeitei melhor meu vestido no corpo, eu sabia que meu olhar fulminava e que meu ódio estava quase transbordando. –

- Eu estou indo embora e você pode convidar aquela ali para te fazer companhia. – Falei trincando os dentes, Lauren arregalou os olhos e eu saí daquele restaurante como um furacão. –

Eu sabia que nada poderia exigir de Lauren, mas eu não sei o que me deu, a raiva simplesmente tomou conta de meu ser e eu explodi. O ódio simplesmente me invadiu ao ver Lauren olhando de maneira tão descarada para aquela loira oxigenada.

Claro que isso não era ciúmes, eu não sabia o que era, talvez fosse o estresse do trabalho, ou... Eu não sei.

Meus passos eram firmes e pesados, porém meu corpo cambaleou para trás quando mãos firmes prenderam meu braço com um pouco de força e me puxou para trás. Quando olhei para aqueles olhos verdes, minha raiva não poderia ser maior.

- Largue-me ou eu farei um escândalo no meio da rua. – Ameacei e ela sorriu. Merda, eu odiava seu sorriso tão... tão... perfeito. –

- Isso foi ciúmes, Camila? – Ela provocou e eu trinquei ainda mais os dentes. Eu poderia e iria matá-la. –

- Solte meu braço, Lauren! – Repeti sem conter minha raiva. –

- Você fica adorável com ciúmes, sabia? – Ela sorriu. Oh merda, eu queria matá-la e ao mesmo tempo, beijá-la. Eu não sabia se sentia ódio dela, por ter olhado tão descaradamente para outra mulher, ou se sentia ódio de mim por não conseguir resistir ao seu sorriso. Porra! –

- Vai se foder, Lauren! – Esbravejei. Nós estávamos fazendo um show na rua, quer dizer, eu estava fazendo um show na rua, porém eu não poderia me importar menos. –

- Então estava mesmo com ciúmes? – Ela arqueou uma sobrancelha e sorriu. –

- Eu odeio voc... – E então seus lábios se apossaram dos meus com agressividade e urgência, meu corpo relaxou imediatamente e toda a minha raiva se transformou em desejo. – Sua... Sua... – Eu tentei falar, mas desisti quando senti seus lábios nos meus novamente e sua língua explorando cada pedacinho de minha boca. –

Assim que beijo ardente se encerrou, eu nem ao menos lembrava qual era o meu nome, muito menos o motivo de eu estar tão brava com Lauren. Ela sorriu sutilmente e arrancou de mim um sorriso sincero.

- Ainda me odeia, Camila? – Ela perguntou irônica e eu mordi o lábio inferior. –

- Com toda certeza, Lauren.

Demorou cerca de alguns segundos para que ela me agarrasse com firmeza novamente e seus lábios macios se chocassem com os meus, fazendo um suspiro aliviado sair de meus lábios. Lauren conduzia o beijo com maestria, mas este não durou muito, ela logo se afastou e entrelaçou nossos dedos.

- Ainda me odeia? – Repetiu a pergunta e eu sorri amplamente. –

- Não... – Admiti e ela sorriu perfeitamente. – Mas se dizer que sim significa ter seus lábios nos meus, então sim.

Lauren riu alto, com nossos dedos entrelaçados. O sol já se despedia no céu, dando lugar para a lua que estava prestes a surgir em algumas horas, Lauren agora me guiava para a praia de Coney Island, mais especificamente, o parque.

Logo que chegamos, Lauren se admirava com as luzes dos brinquedos já ligadas, o clima mesmo ao anoitecer era quente e abafado, nós duas ficamos por um bom tempo apenas caminhando e conversando. Eu já havia esquecido o episódio de mais cedo.

- Vamos, Camila! – Lauren insistia pela milésima vez e eu negava com premência. –

- Lauren, eu não vou naquela coisa gigante e alta. – Disse simples enquanto pegava o algodão doce e andava em direção a um banco, sentando-me e Lauren se sentou ao meu lado. –

- Eu juro que não vou sair do seu lado, eu seguro sua mão o tempo todo, vamos. – Ela insistiu mais uma vez e eu ri suavemente, tendo uma ideia mirabolante em minha mente. –

- Certo... – Ela abriu um enorme sorriso, dando um beijo estalado em minha bochecha. – Com uma condição... – Seu sorriso se desmanchou e ela arqueou uma sobrancelha. – Na realidade, duas condições.

- O que você quiser, babe. – Ela falou e eu sorri convencida. –

- Primeira condição, nada de olhar para outras mulheres enquanto estiver em minha presença, Lauren Jauregui! – Meu tom de voz saiu sério e raivoso, ela riu alto, o que apenas provocou ainda mais minha irritação. –

- Eu não estava olhando para ela. – Ela se defendeu em meio a risadas e minha mão estapeou seu braço com força, ela parou de rir no mesmo segundo. – E eu sabia que isso era ciúmes!

- Ok, Lauren, vá sozinha naquela roda gigante. – Cruzei meus braços abaixo do peito e fiz birra. – Aproveite e vá a merda também!

- Não, me desculpe. Fale suas condições. – Ela se agarrou a mim, suas mãos estavam me abraçando e seu rosto estava enterrado em meu pescoço, sua respiração batia em minha pele, fazendo meu corpo se arrepiar por completo. –

- Bem... – Suspirei tentando me concentrar no que iria falar e não em seu corpo tão próximo ao meu. – A segunda condição é... – Olhei para o parque, pensando em algo que Lauren não conseguisse fazer nem de longe, para que eu não fosse obrigada a ir naquele brinquedo horrendo. – Você terá que ganhar um urso de pelúcia gigante para mim.

Eu podia senti-la sorrindo contra meu pescoço, antes de beijar com delicadeza o local e se afastar de mim, me olhando nos olhos. Ela deu um beijo casto em meus lábios, distribuindo de forma carinhosa por todo o meu rosto, fazendo-me franzir levemente o nariz e um sorriso transparecer em meus lábios.

- Isso vai ser fácil! – Ela falou e eu mordi os lábios levemente. Levei o algodão doce até minha boca, arrancando dali um pedaço. Lauren fez uma careta e riu. – Você sempre se suja assim comendo um algodão doce? – Ela sussurrou e aproximou seu rosto do meu, passando a língua no canto de meus lábios e fazendo-me fechar os olhos, em seguida, depositou um beijo em meus lábios. –

- As vezes... – Admiti e ela sorriu diante da confissão. Ela pegou o algodão doce de minha mão e se afastou de mim. – Lauren! – A repreendi e ela fez menção de correr com o objeto na mão. – Se você queria um era só comprar, bobona. – Mostrei-lhe a língua e ela riu, se divertindo com situação. –

Após isso, Lauren me provocou e correu com o algodão doce nas mãos, eu tentei acompanhá-la, mas como eu disse, eu era sedentária. Nós corremos pelo parque, parecendo duas adolescentes apaixonadas, porém a magia toda perdeu a cor para mim, quando Lauren sem querer, deixou o algodão doce cair e se espatifar no chão.

Obviamente eu briguei com ela por longos minutos e ela se desculpou com uma carinha fofa de quem era culpada, as vezes, Lauren era simplesmente o ser mais fofo e adorável do mundo. Lauren pagou-me outro algodão doce e eu claramente, a perdoei. Digo, quem não perdoaria Lauren? Ainda mais quando a mulher te compra comida e fica te olhando com um carinha angelical até que você aceite como forma de desculpas.

A noite já se fazia presente, o céu estava escuro e estrelado, a lua iluminava as ruas, a paisagem era linda de se admirar. Eu e Lauren brincávamos em diversos brinquedos e ela já estava há uns vinte e cinco minutos tentando conseguir um urso de pelúcia grande para que pudéssemos ir a roda gigante. Eu apenas sorria vitória e dava meu suporte, encorajando-a a conseguir, mas é claro que ela não conseguir...

Meus pensamentos foram interrompidos por seus lábios nos meus e o meu corpo rodopiando no ar enquanto suas mãos apertavam com firmeza minha cintura. Assim que ela me colocou no chão e separou seus lábios dos meus eu a olhei sem entender nada.

- Eu consegui, Camila.

Minha boca abriu-se no mesmo segundo, eu podia sentir meu queixo no chão e meus olhos arregalados, sua expressão era serena e feliz, ela logo me esticou um enorme bichinho de pelúcia, era um unicórnio e por Deus, eu estava apaixonada pelo bichinho de pelúcia. Ou esses sentimentos seriam pela pessoa que me deu o bichinho de pelúcia?

Não. Claro que eu não estava me apaixonando pela maravilhosa e arrogante Jauregui. Seria estupidez.

- Você o que? – Repeti tentando entender, virei para o moço que estava nos olhando com admiração. Era um senhor de idade, mas que nos olhava admirada. – Ela não trapaceou não, senhor? – Perguntei incrédula, eu recebi um tapa de minha companheira e o senhor riu. –

- Não. Ela não trapaceou. – Ela confirmou e eu voltei a encarar Lauren e recebi mais um tapa leve em meu braço. –

- Sua idiota, você disse que acreditava que eu era capaz. – Ela disse incrédula. –

- Honey, é claro que eu sabia que você era capaz. – Tentei esconder minha voz trêmula, mas foi impossível. – Agora que você conseguiu, podemos ir para casa!

Afirmei e logo apressei meus passos para longe dali, mas não demorou para que eu sentisse sua mão segurar meu braço e logo eu estava encarando o verde de seus olhos novamente.

- Trato é trato, Camila. – Eu fechei a cara assim que ouvi aquelas palavras e ela riu. Um bico se apossou de meus lábios, eu estava em desespero. –

- Lauren, por favor, não. – Minha voz saía desesperada a cada passo que a gente dava em direção a roda gigante. –

- Babe, olhe para mim... – Lauren segurou meu queixo, fazendo-me olhá-la e então sorriu, o que me acalmou por alguns segundos. – Você não vai nem perceber quando estiver lá em cima, eu prometo. – Um suspiro escapou de meus lábios, mas meu coração batia forte e aceleradamente. – Você confia em mim?

Eu a olhei sem acreditar em suas palavras, era uma pergunta insana, digo, não nos conhecíamos muito bem, claro que ela me trazia paz e tranqüilidade. E claro que uma parte de mim confiava nela...

- Sim. – Falei de repente, surpreendendo até a mim mesma, ela sorriu carinhosamente. –

- Então vamos. – Ela segurou em minha mão, entrelaçando nossos dedos e me fazendo entrar naquele brinquedo. –

Meu corpo ficou rígido e minha respiração estava pesada, eu estava enlouquecendo, eu fechei meus olhos com força ao sentir o brinquedo se mexer, senti um aperto em minha mão e tomei coragem para encarar Lauren.

Lauren olhava para mim com um sorriso brilhante nos lábios, ela colocou uma mexa de meu cabelo atrás da minha orelha e não demorou para que toda minha preocupação esvaísse, eu apenas enxergava nós duas, não havia mais roda gigante, não havia mais altura, eram apenas nós duas.

A mão de Lauren pousou em meu rosto, fazendo um carinho reconfortante em minha pele. A mulher de olhos verdes se inclinou um pouco mais em minha direção e beijou meus lábios com destreza.

Ao sentir seus lábios nos meus, um suspiro escapou de meus lábios, fazendo-me entreabrir a boca, deixando que sua língua aveludada escorregasse para dentro de minha boca, me trazendo paz constantemente.

Perdi o tempo de quantas vezes nos beijamos ali, até que uma hora, Lauren simplesmente se afastou e apreciou o céu, me esforcei para sair de nosso mundo e olhar para ela. Seus olhos brilhavam enquanto admirava o céu estrelado, nossas mãos permaneciam juntas e entrelaçadas. Ela me puxou mais para perto, minha mão pousou em seu peito e minha cabeça em seu ombro, enquanto sua mão rodeava minha cintura.

- É lindo, não é? – Ela perguntou, mas diferente do que ela imaginava, eu não admirava o céu, admirava apenas o semblante relaxado de seu rosto e o formato angelical. –

- Demais. – Eu suspirei, mas eu não falava de forma alguma do céu e sim da bela mulher de olhos verdes que estava virando meu mundo de cabeça para baixo. –

- Parece até que é possível tocá-lo. – Ela suspirou e um sorriso brincou em seus lábios, eu sorri admirada por vê-la daquela maneira. –

Porém assim que deixei de admirá-la por alguns segundos, eu foquei em onde estávamos, fazendo meu coração querer pular para fora e eu perder a cor de meu rosto, entrando em pânico.

- Camila! – Lauren se pronunciou ao perceber meu estado, eu nada conseguia falar, eu estava com medo. Céus, por que eu topei uma idiotice dessas? – Camila! – Ela me chamou de novo e eu nada dizia. – Camz!

E então eu a olhei.

Camz?

Camz?

Camz soava bem vindo de seus lábios acompanhado por sua voz. Eu gostei de Camz.

- Camz? – Questionei-a e ela sorriu tímida, ela me puxou novamente para seus braços e fez uma carícia reconfortante em minhas costas, fechei meus olhos evitando olhar o espaço em que estávamos e me concentrando somente em sua voz. –

- Você se lembra quando eu disse que dava apelidos para pessoas que fariam parte da minha vida? Pessoas especiais? – Meu coração acelerou e eu olhei para as grandes esmeraldas que eram seus olhos. Eu me perdi ali, apenas vendo o quão claros estavam, estavam serenos e calmos. –

- Lembro. – Foi o que consegui dizer sem que minha voz fraquejasse. Ela sorriu dando-me um beijo esquimó. –

- Você é parte da minha vida, Camz. – Meu coração esquentou e eu a puxei para mais um beijo. –

Eu não sabia expressar em palavras o que estava sentindo, mas era intenso e forte, era real. Sem saber o que expressar em palavras, eu demonstrei a beijando da forma mais intensa e carinhosa que consegui.

Eu não tinha certeza do que Lauren seria para mim no futuro, nem o que ela era para mim agora, porém eu sabia que ela era especial, que de alguma forma, ela havia entrado em minha vida e eu não queria deixá-la sair nunca, pelo simples fato de que ela me cativou o suficiente para não existir uma parte sequer de mim que a queira longe.

Não sei por quando tempo ficamos ali, na nossa bolha, no nosso mundo, mas um pigarro nos tirou de nossa bolha, fazendo-me piscar diversas vezes para me acostumar com a realidade.

- Não quero ser indelicada, mas vocês precisam sair. – A mulher sorriu sem graça, mas ela não se dirigia a mim, se dirigia a Lauren com aqueles olhos gigantes e azuis, gulosos em Lauren. –

Ao perceber a morena com traços americanos olhando de forma gulosa Lauren, eu fechei a cara no mesmo instante, dei um beliscão em Lauren e a tirei dali pisando fundo. Lauren nada entendeu, claro, essa estúpida nunca entende nada.

Caminhamos em silêncio de volta para casa, assim que chegamos, não olhei para ela, apenas prossegui meu caminho até meu quarto, quando ia fechar a porta atrás de mim, seu pé me impediu de fazê-lo. Ela entrou no quarto assim que teve a oportunidade, me olhando com as sobrancelhas arqueadas.

- Camz, o que aconteceu? – Eu revirei os olhos e fui em direção ao banheiro pisando firme, porém as mãos de Lauren me impediram de continuar meu caminho, me forçando a olhá-la. –

- Me solta, Lauren. – Esbravejei e ela fez uma careta, suas mãos grudaram em minha cintura me trazendo mais para perto. Eu fechei os olhos e prometi a mim mesma que não deixaria o desejo me vencer. –

- Me diga o que eu fiz. – Ela olhava em meus olhos, buscando por sinais do que ela poderia ter feito. – Eu vou morder esse bico adorável novamente. – Ela afirmou aproximando seus lábios dos meus e eu juntei todas as minhas forças para afastá-la. –

- Eu disse para você que o nosso trato era você não olhar para ninguém. – Ok, ela não havia olhado para ninguém, a mulher que havia olhado para ela, mas continuava sendo culpa dela. –

- Mas eu não olhei para mais ninguém. – Ela disse e eu arqueei a sobrancelha. Respirei fundo antes que eu pulasse em seu pescoço e a matasse. –

- Para mais ninguém? – Eu perguntei irônica e ela negou com a cabeça. – Então admite que olhou para aquela loira oxigenada no restaurante? – Lauren arregalou os olhos e negou com a cabeça. Cafajeste. –

- Claro que não, Camz. – Ela tentou se aproximar. – Eu estava distraída em meus próprios pensamentos. – Ela se apressou em dizer e se aproximou de mim me segurando pela cintura novamente. –

- Pensando nos peitos de silicone daquela vadia? Ou no quanto seu vestido era curto e mostrava seu úte...

- Eu estava pensando em você, idiota. – Eu me calei no mesmo instante, olhando para ela, sentindo a culpa me invadir. Engoli em seco. –

- Mentirosa. – A ataquei. –

- Camz, não vamos brigar, tenho planos pendentes para essa noite. – Ela piscou e meu corpo se arrepiou, no mesmo momento eu me derreti em seus braços e a puxei para um beijo, que a mesma correspondeu no mesmo segundo. –

- Essa noite você será só minha, Laur. – Falei em um tom sério e ela sorriu, antes de grudar nossos lábios novamente. –

- Essa noite eu serei só sua, Camz.


Notas Finais


Essa Camila tá bipolar né? KKKKK Bem, meus amores, espero que tenham gostado do capítulo, eu particularmente, amei escrevê-lo, porque na minha opinião, é um marco para o relacionamento delas... Anyway... O que tenho a dizer a vocês é que o próximo capítulo é quente demais u.u
Quero me desculpar pela demora também, eu não tive muito tempo essa semana, mas aqui está. Aos que fizeram enem hoje, estou torcendo por vocês, meus anjos!
Comentem e digam o que acharam. Nos vemos no próximo capítulo, amores.
PS: Desculpem-me pelos erros.

Beijão!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...