História The Land of Hope and Glory - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Guardiões da Galáxia, Os Vingadores (The Avengers), Thor, X-Men
Personagens Anthony "Tony" Stark, Dr. Bruce Banner (Hulk), Dr. Henry "Hank" McCoy (Fera), Drax, o Destruidor (Arthur Douglas), Feiticeira Escarlate (Wanda Maximoff), Gamora, Groot, Heimdall, James "Logan" Howlett (Wolverine), Jane Foster, Jean Grey (Garota Marvel / Fênix), Loki, Natasha Romanoff, Personagens Originais, Peter Quill (Senhor das Estrelas), Professor Charles Xavier, Rocket Raccoon, Scott Summers (Ciclope), Steve Rogers, Thor, Visão
Tags Drama, Guerra Infinita, Loki, Loki Laufeyson, Mitologia Nórdica, Romance, Thanos, Viking
Visualizações 54
Palavras 1.433
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Hentai, Luta, Magia, Romance e Novela, Sci-Fi, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi! Quero começar agradecendo aos novos favs, fico toda felizona quando vejo notificação de fav, sério kkkkkkk S2
Então, esse cap não existia até horas atrás, o capitulo 4 deveria ser da narrativa do Loki mas eu vi essa imagem no pinterest e pensei: preciso dela! Kkkkkkkkkkk sim, fiz esse cap só pra colocar essa imagem de capa.
Me deu um PUTA trabalho escrever esse capitulo só pela história que a vovó conta porque quando escrevi do meu jeito ela ficou muita curta, ai a história do livro que eu tenho era GIGANTE, então lembrei que em um jogo eles contavam de uma forma bonitinha e lá fui eu atrás de cada trecho, sério, foi chato!
E aproveitei pra falar um pouco sobre a luta contra o Thanos, porque eu sou péssima em narrar cenas de ação e ia simplesmente pular e foi até bom, assim o próximo cap não fica tão confuso.
Enfim, é isso.
Boa leitura! S2

Capítulo 4 - Corajosa Como Sigurd e Curiosa Como a Mãe.


Fanfic / Fanfiction The Land of Hope and Glory - Capítulo 4 - Corajosa Como Sigurd e Curiosa Como a Mãe.


"Is a draw the only win?
Would a tie double the loss?
A fight
For existence
Life-death: 0-0
Long is the way we have come
Still nothing changes under the sun
Firmly we keep our course
Fighting for fields of gold"

Turisas - Fields of Gold

- Vou contar a vocês sobre um grande herói chamado Sigurd, nada menos que filho de Sigmund. Nascido depois da morte de seu pai, Sigurd foi cuidado pelo anão Regin. Mas Regin não amava o garoto. Em vez disso, ele planejava usa-lo para seus próprios objetivos. Sabe, o pai de Regin possuía um grande tesouro dado pelos deuses. contudo, o Fafnir, irmão de Regin, matou seu pai e pegou todo o ouro para si mesmo. Fafnir escondeu o tesouro em um urzal distante e não pôde sair de lá. Com toda a ruindade em seu coração, ele se tornou uma criatura sombria, um dragão. O único desejo do anão Regin era o de possuir o tesouro amaldiçoado desse dragão, e ele usou Sigurd para recupera-lo. Ele contou a Sigurd a história do ouro de Fafnir e o herói de bom coração prometeu matar o dragão se Regin forjasse uma espada robusta para ele. Sigurd lembrou que o pai dele possuía uma espada dada a ele por Odin. Odin quebrou a espada para provocar a morte de Sigmund mas a mãe de Sigurd ainda tinha as partes e, assim, Regin forjou a famosa espada novamente. Sirgurd, primeiramente, usou a espada para vingar seu pai e depois ele e Regin foram em busca de Fafnir. O dragão Fafnir era tão grande e mortal que seria impossível mata-lo frente a frente. Mas, a cada dia, Fafnir rastejava pelo urzal para encontrar água. Então, Sigurd cavou um poço no caminho do dragão e se deitou nele em espera. Quando Fafnir serpenteou por cima dele, Sigurd afundou sua espada no dragão até o punho. Sigurd pulou do poço e Fafnir viu seu assassino, ele avisou que o tesouro o levaria a morte assim como levou cada um que o possuiu. Sigurd respondeu que a morte chega para todos os homens e que cada homem gostaria de ser rico até aquele dia. E pegou o tesouro. Embora Sigurd tenha matado o dragão, Regin queria manter todo o tesouro de Fafnir para si mesmo, além disso, Regin também queria a força e a sabedoria do dragão. Para isso, bebeu do sangue do dragão e pediu para Sigurd assar seu coração. E Sigurd fez isso, mas quando tocou no coração para ver se estava pronto, ele se queimou o dedo e sem pensar o lambeu e sentiu o sangue do dragão. Naquele momento ele entendeu o idioma dos pássaros e os escutou conversando nas proximidades. Eles diziam: " Sigurd deveria comer o coração sozinho, Regin quer o ouro de Fafnir", " Sigurd deveria matar Regin antes que Regin mate ele Sigurd deveria encontrar Brynhild, a Valquíria que dorme em sono encantado". E Sigurd acatou os conselhos dos pássaros, matou Regin, comeu o coração assado de Fafnir e pegou o seu tesouro. E embarcou em uma nova jornada, encontrar a valquíria.

Quem contava a história era Helmi, a matriarca da família, uma velha de mais de oitenta anos com ralos cabelos esbranquiçados, pele enrugada e olhos sem cor devido a cegueira. As crianças deitadas no chão ouviam cada palavra fascinadas, todas amavam a cultura de seu povo, mesmo ela não sendo mais a lei desde antes de seus nascimentos. E os pequenos dormiram após o termino da história, sonhando em como seria possuir uma espada tão poderosa, a espada capaz de matar um deus, mas enquanto seus meio irmãos dormiam uma pequena criatura de dez anos e cabelos cacheados rastejou até a cama da velha.

- Vovó? - A pequena chamou por Helmi, tocando-a no braço. - Sou eu, a Agnetha. 

- Eu sei que é você querida, sempre curiosa. O que deseja saber? - A velha sorriu.

- Por que os pássaros disseram para Sigurd procurar uma valquíria?

- Oh sim, eu estava mesmo esperando que você fizesse essa pergunta, pequena. Uma vez Brynhild desobedeceu Odin e foi punida espetada com o espinho do sono e trancafiada em um calabouço protegido com chamas, apenas um guerreiro que não conhecia o medo poderia alcança-la e Sigurd, assim como você minha pequena, era provido de uma coragem divina. Então ele a resgatou e como agradecimento Brynhild o ensinou a sabedoria secreta das runas, runas de vitórias, runas de navegação, runas de persuasão, runas para a verdade, runas de cura, runas de poder e magia. Sabe, pequena, assim como Sigurd, um dia você também aprenderá os segredos das runas.

- Por que diz isso vovó? Nossa fé não é mais aceita em todas as terras e nossos deuses não nos visitam mais... - A pequena Agnetha franziu os lábios chorosa e a velha não pôde ver, mas ouvir a tristeza e decepção em seu tom de voz. - Eu nunca conheci um...

- Um dia conhecerá, tenho certeza que conhecerá, assim como tenho certeza que um dia você será uma grande guerreira e lutará ao lado deles. - Helmi falou convicta em suas palavras. - Agnetha Horiksson, a Bela.

Agnes reassistia a cena vez após vez, de todo o universo, em todos os tempos, aquela era a unica cena que sentiu necessidade em assistir. Sentia-se conflitante, por um lado sentia-se vazia, mas sentir-se vazia era sentir algo, então ainda sentia. Era confuso, mas era exatamente a confusão que a mantinha agarrada ao resto de humanidade que aquela forma cósmica ainda possuía.

Em algum momento durante a batalha contra Thanos, Agnes viu a morte de Bruce aproximar-se, Steve já havia partido minutos antes assim como a filha azulada de Thanos e Visão, mas nenhuma daquelas mortes a afetava tanto quanto a que viria a seguir. Agnes viu Natasha chorar todas as noites após conferir o sono de seu filho, com seus poderes aprimorados procurou o mais longe que conseguiu na vida da ruiva e mesmo em seu leito de morte, não houvera um dia em que não recordasse o trauma naquele campo de batalha e a ausência de seu amado.

Desde pequena a viking entendia que a morte era algo tão natural quanto a vida, então nunca sofreu com perdas, nem as mais próximas, e mesmo quando temeu pela vida de Loki fez aquilo porque ainda havia como reverter, mas uma vez morto ela aceitaria. A verdade era que Agnes invejava a futura dor de Natasha, não ansiava conhecer o sofrimento agudo da perda, mas desejava poder sentir quando acontecesse. E ao mesmo tempo que invejava, colocava-se no lugar da mulher e aquilo, pela primeira vez em sua longa vida, a fez questionar a morte.

Poucos minutos antes da sentença de morte Agnes ainda estava pensando sobre as consequências da batalha, que não parecia nem próxima do fim. Por um segundo perguntou-se se Loki estaria bem, trancado onde estivesse, então lembrou-se do beijo, de suas poucas tardes juntos jogando e por fim, como um fio de luz na escuridão, sua própria frase, explicando ao deus a diferença entre a origens de seus genes: " Eles não sentem, então não encontram uso para seus poderes, mamãe foi uma grande exceção." sua mãe havia sido uma exceção por sentir-se curiosa em relação aos humanos, a mesma curiosidade que herdara, então por que ela também não podia ser uma exceção? Seria o uso perfeito para seus poderes, a vida

A técnica que Agnes tentou usar para alcançar Loki foi o que ela usou para levar Thanos daquele planeta, o titã não a mataria nem se quisesse, pelo menos não naquela forma cósmica. Mas Agnes também não era capaz de mata-lo, mesmo não possuindo todas as jóias ele parecia imortal, restando a viking lança-lo no multiverso o mais distante possível da Terra. Todos assistiram aquilo surpresos e até incrédulos, se qualquer pessoa perguntasse como foi ver Agnes levando Thanos para fora da atmosfera não saberiam responder, ainda esperaram mais algumas horas para confirmar se a batalha havia realmente acabado ou se algum dos dois retornaria, felizmente o titã não retornou, infelizmente a viking também não.

E como consequência de seu ato heroico e altruísta ela acabou presa, não no universo, mas em seu interior, Agnetha Horiksson ou Agnes Hankson, estava perdida dentro daquele ser cósmico azul, violeta e branco que repetia vezes e mais vezes a cena de Helmi contando a história de Sigurd. Talvez, em algum momento, ela recuperasse a humanidade, mas em anos terrestres aquilo poderia levar dias ou milênios. E quando acontecesse quem sabe nem os deuses estivessem mais vivos.
 


Notas Finais


Ah vovó Helminha nem tem poderes e já prevê o futuro.
PS: Publiquei esse cap ouvindo É Por Você Que Canto do Leandro e Leonardo as quatro da manhã, a vida não ta fácil. Não tá mesmo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...