História The Love Between Opposite Worlds - Capítulo 99


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Boruto Uzumaki, Fugaku Uchiha, Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hinata Hyuuga, Hyuuga Hiashi, Ino Yamanaka, Jiraiya, Kabuto, Kakashi Hatake, Kizashi Haruno, Mebuki Haruno, Mikoto Uchiha, Naruto Uzumaki, Neji Hyuuga, Orochimaru, Sakura Haruno, Sarada Uchiha, Sasori, Sasuke Uchiha, Shizune, TenTen Mitsashi
Tags Medieval, Naruhina, Naruto, Nejiten, Sasusaku
Visualizações 268
Palavras 3.360
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Famí­lia, Hentai, Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá queridos e queridas, quinta-feira, dia de capitulo novo dessa fanfic maravilhosa!!! Ufaaa, consegui terminar o capitulo a tempo, espero que gostem, e , digo a vocês que esse é o antepenúltimo capitulo... Bom... Pelas minhas contas aqui né '-' . Era pra ir até os 100 capitulos, mas, esse capitulo, o 99, ia ficar muito grande e com muita informação ( coisa q eu n gosto) então, decidi cortar ele, então, The Love Between Opposite Worlds irá até os 101 capitulos ( 99% de certeza né... mas aquele 1% '-' kkkkkk)




BOA LEITURA!!!

Capítulo 99 - Me Perdoe


 

 

 

A luz do sol, que já estava se pondo no horizonte, adentrava a pequena janela ali, pelas grossas grades de ferro, os feixes iluminavam até onde podia, uma pequena tocha na parede, iluminava o outro lado da cela, mas, ainda sim, o lugar era escuro.

O barulho das ruas da cidade, da floresta, ou de qualquer outro som, eram abafados , e, quase totalmente silenciados pelas grossas paredes de pedras brutas.

Sentado no chão, com suas costas apoiadas na parede de um dos cantos daquela cela, se encontrava o traidor. Itachi tinha uma argola de ferro grossa em volta de ambos seus pulsos, a corrente se prendia na parede atrás de onde ele estava sentado.

Ele mantinha seus olhos levemente abertos, encarando o chão sujo e úmido desde que chegou, deixando seus pensamentos irem longe, se perdendo totalmente neles, ficando cada vez mais inerte a qualquer coisa que acontecia à sua volta.

Um guarda, acompanhado de mais outros dois, adentraram o corredor que levava a cela do traidor. Era um lugar que se localizava debaixo da área de treinos do castelo. Bem escondido e bem vigiado, nenhum servo era autorizado a entrar ali, apenas aqueles com permissão apenas do rei, diziam até que nem mesmo a rainha tinha conhecimento de tal lugar.

Pelo corredor pouco iluminando, os três andaram até chegar a única cela ali.

Olharam diretamente para o traidor, o vendo sentado no chão, com sua cabeça abaixada, totalmente imóvel, nem mesmo a respiração o fazia se mover.

_ Será que ele já estás morto? ( perguntou um dos guardas, enquanto olhava para o Uchiha com suas sobrancelhas franzidas)

_ Espero que já esteja ( respondeu um dos guardas entre dentes)_ Filho da puta, devia ter morrido na guerra, para assim dos demônios do submundo cuidarem dele

_ Pensei que ele havia morrido na guerra

_ Pelo visto não morreu ( falou o guarda mais próximo a porta, com seu semblante sério)

Ele pegou o molho de chaves e, pegando a certa, ele abriu a porta da cela, adentrando o lugar, ouvindo o barulho das espadas dos outros dois guardas serem puxadas e empunhadas.

_ O que estão fazendo? ( perguntou ele olhando para trás, vendo ambos com suas espadas nas mãos)

_ O que acha que estamos fazendo? ( perguntou um deles)_ Esse desgraçado pode muito bem tentar fugir

_ És bom que tente mesmo, só assim para eu ter uma chance única de matar o traidor, e lhe dar o destino que merece ( disso o outro com um sorriso maligno no rosto)

_ Se fizer isso, então você será punido com a execução por ter desobedecido uma ordem do rei ( disse o guarda que estava dentro da cela)

Ele se virou novamente para o prisioneiro e se aproximou do mesmo, já com a chave das correntes nas mãos, ele as destrancou, vendo as mãos do Uchiha traidor cair no colo do mesmo.

Ficou, o guarda, parado diante dele, apenas esperando que o Uchiha o olhasse, ou se movesse, mas não aconteceu nada, ele permaneceu imóvel.

_ Itachi?... Vamos Itachi, seu julgamento irá começar ( falou o guarda, quebrando o silêncio que ali se formou, vendo ele continua imóvel)

Soltando o ar rapidamente por sua boca, o guarda se afastou do Uchiha, e olhou para os outros dois guardas.

_ Vamos, levem ele ( disse ele vendo os dois entrarem na cela e se aproximarem)

_ Tome, fique de olho nele ( falou o guarda, entregando sua espada para ele, que, respirando fundo, a pegou)

O outro guardou sua espada e ficou ao lado do Uchiha, vendo o outro guarda ficar do outro lado. Assim, os dois pegaram o prisioneiro por seus braços e o ergueram para cima, o colocando de pé. Tal ato pareceu despertar o Uchiha, que levantou sua cabeça e olhou para os guardas, que já ficaram em alerta.

_ Que bom que voltou a si Itachi ( disse o guarda com a espada na mão)_ Vamos, chegou a hora de ser julgado

_ E condenado à morte ( completou um dos guardas que o seguravam, sorrindo de forma maligna, para o ex general)

Sem resistir ou dizer qualquer coisa, Itachi se deixou ser levado pelos guardas, saindo daquela cela, andaram, eles, pelo corredor pouco iluminado, o silêncio ali era bem presente, parecia que, naquele momento, tudo havia se silenciado… O barulho das ruas, o canto dos pássaros nas árvores, ou voando…

Subindo uma longa escada, os quatro logo passaram pelas grossas portas dupla de madeira negra e , um pouco envelhecida, e, andando mais um pouco, chegaram a área de treinos, que no momento, estava totalmente vazia.

Itachi mantinha sua cabeça um pouco abaixada, enquanto era levado, seus pensamentos, agora, estavam em sua amada, e , não sabia o porque mas, não conseguia parar de pensar nela, sentia até mesmo seu coração se apertar a cada passo que dava em direção a sala do trono. Não havia sentido isso quando estava na cela, pelo menos, não com a intensidade que estava sentindo, era como se , a qualquer momento fosse perder a forças em suas pernas… A tristeza finalmente o abateu, e ela possuía nome… Konan.

Seu doce sorriso, sua fala , decidida e firme quando podia, seu jeito, sua pele… Seu olhar de tristeza, sua lágrimas… Perguntou-se ele se ela choraria por ele… Se sofreria por sua morte, se estava sentindo a mesma dor no peito que estava sentindo naquele momento… Não sabia.

Uma dor forte em seu queixo, seguida de um empurrão, fez o traidor saí de seus devaneios.

Sentiu as mãos dos guardas o segurarem mais forte, enquanto ele se recuperava do recente soco que havia levado.

_ Príncipe! ( disse um dos guardas, enquanto olhava para Daisuke)

Com a respiração um pouco desregulada, Daisuke olhava para o tio a sua frente. Suas sobrancelhas estavam totalmente franzidas, e , parecia que podia se ver o ódio emanar dele.

Ele apertava seu maxilar com força, tentando controlar o ódio que sentia.

_ Por favor príncipe… As ordens foram claras ( disse o guarda, próximo ao príncipe)

_ Espero que seja condenado ao esfolamento, para que assim, sua morte seja lenta e dolorosa ( disse Daisuke o olhando, vendo que ele sequer o encarou de volta)_ Não se preocupe, eu mesmo terei o prazer…

_ Meu príncipe… ( falou Itachi o interrompendo, levantando sua cabeça lentamente, encarando seu sobrinho logo em seguida)

As palavras haviam, estanhamento, sumido naquele momento. Os olhos negros de Itachi se encontrava com os olhos verdes de Daisuke, e tanto eles, quando os guardas, ousaram quebrar o silêncio que se formou ali… Até que Itachi o quebrou.

_ Me perdoe

A seriedade e sinceridade jamais vistas naqueles olhos negros, fez Daisuke perder as palavras e a vontade, mesmo que pequena, de rebater. Se manteve calado, enquanto via os guardas voltarem a andar e passarem por ele.

Soltou o ar preso em seus pulmões de uma só vez por sua boca, fechando seus olhos durante o processo, ouvindo as palavras de seu tio se repetirem em sua mente.

Percebendo, ele,  a presença de alguém ali, ele soltou uma leve risada, enquanto abria seus olhos.

_ Por quê estás aqui?... Devia está na sala do trono, o julgamento vai começar ( disse ele de maneira séria, sem olhá-la)

_ Eu não vou assisti-lo ( respondeu Sarada, com o triste, mas o semblante sério)

_ Por quê não?... É o julgamento daquele que traiu nossa família, do desgraçado que levou nossa mãe…

_ Daisuke! ( disse a princesa o interrompendo, vendo ele virar-se em sua direção e lhe encarar)_ Você nãos és burro, então, deve está pensando, ou já pensou o mesmo que eu estou pensando

_ E o que seria?

_ De que tens algo errado… Nosso tio nunca nos trairia… És nosso tio, tens nosso sangue

_ E daí? Isso não impediu ele de levar nossa mãe para o Norte, para o inimigo! ( disse ele com raiva, se aproximando de sua irmã)

_ Mesmo assim meu irmão...

_ O que aconteceu com você? Hã?! ( perguntou ele a interrompendo, sem deixar de olhá-la)_ A poucos dias você queria matar ele com as próprias mãos… Queria, até mesmo, está na função do carrasco, não é? O que aconteceu?

_ Eu não sei… Eu não sei ( respondeu ela, soltando o ar por sua boca, apoiando suas costas na parede atrás de si, enquanto mantinha sua cabeça levemente abaixada)_ Acho que… Acho que eu estava nervosa com o fato de nossa mãe está nas mãos do inimigo…

_ Você não pode mudar sua opinião assim Sarada, você é a princesa do povo bárbaro ( disse Daisuke a interrompendo novamente)

_ Eu sei disso, meu irmão ( falou ela)_… Talvez eu só…Não sei... Esteja cansada

_ Do que?... Da vida de princesa? ( perguntou ele com ironia, sorrindo )

_ Não… Da vida de Uchiha ( respondeu ela o encarando seriamente)

O sorriso dele se desfez imediatamente, enquanto ela desviou o olhar dos olhos confusos de seu irmão, e , respirando fundo, Sarada se afastou da parede, e , passando por seu irmão, começou a andar em direção a saída do castelo.

_ Para onde você está indo? A sala do trono fica na outra direção

_ Eu sei, e disse para você que não iria assistir ( disse ela sem deixar de andar)_ Saberei o resultado de qualquer forma… Disso não poderei fugir



 

(...)




As grandes portas de madeira, com detalhes em ouro, com algumas pedras preciosas a enfeitando, foi aberta lentamente por dois guardas que a guardam, revelando a espaçosa sala a frente, com seis colunas que iam do chão ao teto, em fileira, com alguns desenhos feito a mão com ouro.

As várias janelas estavam fechadas, mas, suas cortinas não as cobriam, o que fazia a pouca luz do final da tarde e o começo da noite, adentrar ali. Mas, a iluminação vinha das tochas acesas, e presas nas paredes, e os três grandes lustres no teto.

Ainda segurando pelos braços, o traidor, os guardas adentraram a sala do trono, onde, ao final no mesmo, no alto de uma pequena escada, de quatro degraus, o rei Sasuke estava assentado em seu trono. Seus olhos negros, frios e sérios, não saia do prisioneiro, por quem chamava de primo, de irmão.

Já Itachi, se recusava a levantar seu olhar e encarar seu rei, ou qualquer outro nos olhos, se limitando assim, a manter seus olhos no chão que pisava, enquanto se aproximava de seu rei.

Ao lado direito de Sasuke, de pé no terceiro degrau daquela pequena escada, estava o conselheiro Kakashi, e , ao lado esquerdo, se encontrava o conselheiro Jiraya. Ambos olhavam para o traidor, até mesmo os outros guardas, espalhados pela sala do trono, a guardando e protegendo a mesma e o rei, olhavam para o traidor, desejando, como nunca, sua morte.

Ficando diante do rei, os guardas pararam de andar, e curvaram sua cabeça diante do rei.

O silêncio a seguir serviu apenas para aumentar a tensão que ali já estava. Sasuke apertava, com força, o braço do trono, tentando controlar suas emoções.

_ Itachi Uchiha… Você foi acusado de traição contra seu rei e seu sangue… Você nega? ( perguntou Kakashi de maneira séria, quebrando o silêncio)

_ Não ( respondeu Itachi, levantando sua cabeça)

_ Você sequestrou e levou a rainha, cujo jurou proteger e honrá-la , para o Norte, para as mãos do inimigo… Você nega? ( perguntou Kakashi )

_ Não

_ Você tramou contra seu rei e seu povo, fazendo aliança com o inimigo… Você nega?

_… Não

_ Sendo assim, a lei és clara, meu rei. Traição és crime, e deve ser pago com a morte ( disse Jiraya, olhando para seu rei)_ Ele deve ser condenado, ser morto da pior e mais dolorosa forma possível… Sugiro o esfola…

_ Por quê fez isso Itachi? ( Sasuke o perguntou, interrompendo Jiraya, que o olhou com dúvida em seus olhos)_ Por quê me traiu?... Eu não te considerava como a um irmão? Por quê traiu seu irmão? Por quê traiu seu povo?   

Sem nada para responder diante das perguntas de seu rei, Itachi se manteve calado, abaixando sua cabeça, novamente.

_ Eu o envergonhei alguma vez?... Sua honra foi abalado em algum momento em meu reinado? ( perguntou o rei, sem deixar de encarar o Uchiha a sua frente)

_ O rei está lhe perguntando, traidor ( disse Jiraya, voltando a olhar para o mesmo)

Levantando sua cabeça lentamente, os olhos negros de Itachi encontraram-se com os de seu rei, tão sérios como nunca tinha visto antes.

_ Perdão meu rei, mas… Nada do que eu disser vai mudar meu destino… Só me resta aceitá-lo… E és o que farei… Meu rei ( respondeu ele )

_ Pois bem… Se és assim ( disse Sasuke)_… Itachi Uchiha, por cometer o crime de traição contra seu rei, contra seu sangue, e contra seu povo, eu lhe condeno a morte… Por enforcamento… A sentença será executada amanhã, assim que o primeiro raio de sol surgir no céu, você, itachi… Será morto, em praça pública, para que sirva de exemplo que, nem mesmo aqueles de minha família, escapam de meu julgamento e da minha justiça




 

(...)


Não demorou muito e logo a noite chegou completamente, com seus ventos gélidos que, volta em meia sobrava.

As ruas de Heinz, aos poucos iam ficando vazias, as pessoas iam para suas casas, descansar, deixando as ruas quase desertas e silenciosas. Apenas os guardas do rei, que protegiam a cidade, eram vistos ali. O único barulho que se ouvia era o som dos insetos e das folhas das árvores, quando o vento soprava.

Em Rafrum, o mesmo silêncio era visto naquelas ruas do vilarejo dos Hyuuga’s. As ruas também desertas, mostrava que todos já haviam ido para suas moradias.

A tarde da noite era escura e silenciosa.

Na casa separada para a líder do clã, nos aposentos principal, Konan ainda se encontrava deitada sobre a cama, mas, diferente de todos no vilarejo, e em Heinz, ela estava bem acordada.

Estava deitada de lado, olhando fixamente para a janela na parede a frente, que estava aberta, deixando o vento frio adentrar o aposento, e fazer sua pele se arrepiar com o toque gelado do vento em seu braço descoberto. Mas, não se importava, na verdade, talvez nem percebia tal coisa, estava tão longe em seus pensamentos, tão distraída com os sentimentos que estava sentindo, com a dor em seu coração, a tristeza que insistia em lhe fazer companhia o dia inteiro, e , agora, a noite também.

Uma solitária lágrima escapou por seu olho, quando pensou novamente no último momento que teve com Itachi… Pensou na situação que o mesmo estava no momento, e , isso apenas serviu para a dor em seu coração aumentar, fazendo ela fechar seus olhos com força, e deixar que o choro viesse novamente, com fez o dia inteiro.

Instintivamente, ela levou sua mão ao seu ventre, que ainda estava liso, pensando na criança que carregava ali, pensando no futuro, talvez incerto, que ela teria, na tristeza que, com toda certeza sentiria por não ter seu pai ao seu lado, por nunca tê-lo conhecido.

Levou sua outra mão a boca, tapando-a, impedindo assim, que os soluços do choro fossem altos, enquanto ali, sozinha… Se despedaçava.

O barulho da porta sendo aberta, a despertou de seus devaneios, fazendo ela olhar, por cima de seu ombro, para a porta, esperando ver a senhora Hinata, ou sua amiga Tenten, mas, estranhou quando viu  um homem alto e loiro adentrar o aposento, e se aproximar  com certa pressa.

_ Konan… Que bom que estás acordada. Levante-se, temos que ir ( disse o homem ficando ao lado da cama, sem deixar de encará-la)

_… O… O que?... C-como assim? ( perguntou ela confusa, o encarando com suas sobrancelhas franzidas)_ Que és você?

_ Sou Naruto Uzumaki, Hinata és minha esposa, e ela me pediu para levá-la ( disse Naruto se afastando da cama, tirando a grossa capa que vestia)_ Vamos, não temos muito tempo

_ O que está a-acontecendo? ( perguntou ela se sentando sobre a cama)

_ Vamos, levante-se ( disse Naruto se aproximando dela novamente, e a ajudando a se levantar da cama, e ficar de pé)

_ O que és isso?...

_ Hinata me pediu para levá-la ( respondeu ele a interrompendo, colocando sua capa sobre os ombros da mulher a sua frente, a protegendo, assim, do frio lá fora)

_ Me levar? Me levar para onde?

Olhando nos olhos cor de mel da mulher, Naruto sorriu levemente para a mesma, enquanto pegava em seu braço, de maneira gentil, e a puxou levemente em direção a porta.

_ Para aquele que és seu lar…


 

(...)



O barulho alto da porta da cela sendo destrancada, despertou Itachi, que, estava de volta, sentando no chão, apoiando suas costas na parede atrás de si, onde as correntes que o prendiam pelos pulsos, estavam presas.

Ele olhou com estranheza para a porta, vendo um guarda ali, que adentrou sua cela, e se aproximou dele com a chave das correntes nas mãos.

Se mantendo em silêncio, Itachi apenas observou ele destrancar as correntes que o prendia, fazendo um movimento com sua cabeça para ele se levantar. Ele se levantou do chão, desconfiado, sem deixar de olhar para o guarda a sua frente.

_ Não se preocupe… Ele não está aqui para lhe fazer mal

A voz grave e bem conhecida, fez Itachi arregalar seus olhos levemente, enquanto voltava a olhar para a porta de sua cela, vendo seu rei e primo, Sasuke, ali parado, e , logo depois, adentrar sua cela.

_ Deixe-nos a sós ( disse Sasuke sem desviar os olhos dos olhos surpresos e confusos de Itachi)

Curvando sua cabeça levemente, o guarda saiu da cela, deixando os primos a sós.

O silêncio, mais uma vez, reinou ali, naquela cela. Ambos se encaravam sem dizer nenhuma palavra sequer, Itachi tentava descobrir o que seu rei estava fazendo ali em sua cela.

Voltou a si quando viu ele colocar um saco no chão, a sua frente, o que o fez ficar mais confuso.

_ Você tens que ser rápido, e não pode ser visto ( disse Sasuke, enquanto abria o saco, no chão, e pegava um outro saco, um pouco menor, em mãos)_ Há uma cavalo te esperando, ao Oeste do castelo, não terá nenhuma guarda por lá, isso te garanto. E, isso aqui…

_ O que está acontecendo, meu rei? ( perguntou ele quando finalmente conseguiu falar)_ Não estou… Entendo

_… Hinata… Ela me contou tudo… Tudo o que você fez ( disse Sasuke o olhando com seriedade)

_ Meu rei, eu…

_ Não precisa dizer nada Itachi… Eu já tomei minha decisão ( disse ele se aproximando de seu primo)_ Você não morrerá amanhã, Itachi… Espero que viva por muitos anos… A condenação, de mais cedo, foi apenas uma encenação, pelo menos da minha parte

_O que?... Por quê? Eu... E-eu não entendo

_ Para te libertar ( respondeu ele)_ Mas não posso lhe perdoar pelo que fez, porque, apesar de tudo, foi traição… Mas, eu entendo suas razões, e por isso… Não lhe condeno a morte, mas sim… Ao exílio

Os olhos de Itachi se arregalaram no instante seguinte, não acreditando no que ouvia.

_ O… O q-que? ( perguntou ele confuso)

_ Não temos tempo Itachi, você deve ir… Agora ( disse Sasuke, entregando o saco menor, para ele)_ Aqui tens ouro o suficiente para que até mesmo seus netos desfrutem de maneira confortável

Ele pegou o saco, sentindo o peso das peças de ouro, enquanto seus olhos ainda se encontravam arregalados, e sua boca entreaberta.

_ Exílio? ( perguntou ele, com suas sobrancelhas franzidas)

_ És o único jeito Itachi... Como Hinata sempre diz... És o único caminho

Um leve sorriso surgiu nos lábios do rei, enquanto Itachi ainda o olhava, ainda não conseguindo acreditar no que estava acontecendo.

Se aproximando de seu primo, Sasuke o olhou em seus olhos e levou sua mão ao ombro dele, apertando levemente o local.

_… Adeus Irmão   

 

 

 

 

 


 


Notas Finais


O que acharam??? Espero mesmo que tenham gostado minha gente, dessa vez eu que revisei o capitulo, e , confesso não ser muito boa nisso '-', então, já peço desculpas por qualquer coisa, ta bem ^-^
Exílio, acho que por essa ninguém esperava, não é mesmo XD. e acho que já deu pra entender o que vai acontecer com ItaKonan, não é mesmo ( ͡° ͜ʖ ͡°)

Enfim minha gente, até quinta que vem
Bjs^^

ARMADURA DOS GUARDAS=>https://i.pinimg.com/564x/c4/d4/98/c4d49815cdb98f14784629169732da95.jpg

ROUPA DO DAISUKE=>https://i.pinimg.com/564x/b5/8e/f5/b58ef5c134aeb867200f2cd4a996d482.jpg

ROUPA DA SARADA=>https://i.pinimg.com/564x/5c/80/c0/5c80c03486757d0c5e70bcdc7c2dbfaf.jpg

ROUPA DO SASUKE=>https://i.pinimg.com/564x/6a/b8/8e/6ab88ed68dada57c8b3fd7f80da4940b.jpg

<3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...