História The Saga XX - Antes de tudo - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Baseado Em Fatos Reais, Colegial, Drama, Ecchi, Escola, Fanfics, Luta, Musical, Original, Policial, Survival, Suspense, Yaoi, Yuri
Visualizações 4
Palavras 1.450
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Esporte, Fantasia, FemmeSlash, Festa, Ficção, Harem, Luta, Mistério, Musical (Songfic), Poesias, Policial, Romance e Novela, Saga, Slash, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência, Visual Novel, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Suicídio, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Reupload dessa temporada, vamos colocar a mão na massa.

Capítulo 1 - TSXX - O vírus...


Fanfic / Fanfiction The Saga XX - Antes de tudo - Capítulo 1 - TSXX - O vírus...

TSXX - O vírus...

Lá estávamos nós na aula de ciências, eram dias de prova (25/11/2017) e todos estavam extremamente nervosos. O professor Dr. Junior, explicava sobre vírus e falou algo que chamou minha atenção por um tempo:

-Como vocês podem ver na tabela, o maior risco de mortes na Europa é a peste negra. Ultimamente passou pelos jornais que uma doença desconhecida está matando várias pessoas no Brasil, esse vírus foi denominado como 1BR-VV por ser original desse país. É recomendável que vocês passem protetor solar, não vão com frequência ás piscinas e sempre respirem com auxílio de máquinas pois a doença é transmitida através de H2O, ar e é espalhada pela camada de ozônio. - Eu apoiei minha cabeça sobre a mesa e ao mesmo tempo pensei "Que besteira, é só uma doença qualquer como cancer de pele.". A Ludmila levantou a mão...

-Professor, essa doença é transmitida na água em que bebemos e tomamos banho?! - Ela perguntou.

-Sim, por isso o cuidado deve ser dobrado. - O professor respondeu e em seguida a Chafim levantou a mão. - Diga.

-Essa doença nos dá quais sintomas?! 

-Os sintomas descobertos até agora foram vômito de sangue, asma, dor de cabeça e os cientistas não querem revelar o resto. - Quando o professor terminou o sinal de troca dos professores tocou, eu fiquei meio pensativa apesar de acreditar que aquilo era balela. 

===

Finalmente o sinal do recreio tocou, eu esperava ansiosa para falar com as meninas do sexto B sobre o ocorrido, todos nós sentamos em uma mesa com lanches. Coloquei meu lanche ao lado da Anna Luiza e lá mesmo sentei.

-Oi, Anna. - Dei um abraço nela.

-Oi... - Ela retribuiu.

-O prof. Junior explicou para vocês sobre essa doença? - Perguntei enquanto comia pocky.

-Sim, os coordenadores pediram para que todos os representantes façam uma distribuição de máquinas com ar oxigênio puro em todas as classes. - Ela disse enquanto bebia um suco de caixinha. - Não imaginei que chegaria á esse ponto.

-Galera, descobri que tem uma célula zombie que está sendo estudada pelos professores de ciência e ela está num pote no laboratório. O  professor de informática está ajudando eles, a Bruna tem uma espécie de rastreador dessas células que usou para um trabalho e se juntarmos tudo nós podemos saber o que fazer. - Disse a Ludmila sussurrando para nós enquanto pegava o rastreador de dentro de uma bolsa básica e preta. O Rastreador era como uma máquina de supermercado mas a luz era verde, e toda vez que ela apontava para algo aparecia um olograma indicando os micro-organismos de cada. 

-CÉLULA ZOMB-... - A Ludmila tapou minha boca e fez "ssshhh..." enquanto colocava o dedo sobre os lábios.

-Ninguém pode saber. - A Ludmila colocou o rastreador na bolsa novamente sentando ao lado da Mendes. - Temos que ir agora, chamem a Bruna, a Livia e todo o resto da sala, Anna, você chama os amigos de vocês da sala ao lado!

-Okay mas agora?! - A Anna perguntou enquanto franzia a testa.

-Tem que ser agora, não vai dar tempo. - A Ludmila falou enquanto se levantava puxando as três.

===

Laboratório de ciências

Entramos no laboratório e cobrimos o vidro da porta, fechamos as janelas e desligamos as câmeras. Todos procurvam por essa célula que estava guardada dentro de um pote enquanto a Ludmila tirava certos resíduos do microscópio. A Lívia achou e pegou o vidro rapidamente para a Ludmila. 

-Alguém aí sabe como ajustar isso? - Perguntou a Ludmila tentando aumentar a resolução do microscópio.

-Pode deixar... - Eu empurrei ela e ajustei o microscópio. - Essas células são raras, eu vi isso num livro de ciências e física! Caso aconteça alguma mutação e alguém transmitir em vacina á outra pessoa as consequências podem ser graves, principalmente em pessoas com doenças ou com genética aguçada. Isso pode levar á morte. 

-Espera, espera... Você está dizendo que isso pode levar pessoas á morte e pode está em qualquer lugar? - Perguntou a Chafim desesperada enquanto colocava as mão sobre a cabeça e levantava.

-Fala baixo porra! - Disse a Bruna colocando a Chafim sobre a mesa.

-Sim, mas se alguém tentar sobreviver essa pessoa como um cirurgião ou até um médico especialista isso vai dar muito errado. Tem chances de virar um morto-vivo sem consciência como se estivesse na idade da pedra e quisesse matar qualquer um. Esse morto-vivo seria desgastado conforme a chuva ou o vento se passava.

-Eu pesquisei sobre e se essa substância juntasse com a célula ia trazer catástrofes enormes para todo mundo. - Disse a Lívia segurando o tablet. - Esse vírus que o professor citou já está em vários lugares do mundo como Horlanda, Rússia, China e América Central. Mais de 15 mil mortos.

-Alguém está disposto á levar para casa antes que esse vidro se quebre? - Perguntou a Anna.

-O que vai acontecer se o vidro quebrar? - Perguntou a Mendes pegando o vidro. 

-O vírus vai se expandir pelo ar como se fosse oxigênio. -  Respondeu a Lívia. - Não teríamos nem 1% de chance de sobreviver sem uma cápsula de ar na boca e no nariz, isso também se espalha através dos ouvidos e das veias que temos nos olhos.

-Então eu levo... - O Pietro puxou o pote da mão da Mendes.

-Eu peguei primeiro! - A Mendes repuxou o pote.

-Você não disse nada. - Os dois ficaram puxando o pote. 

-Disse sim... - A mendes tava tentando puxar o pote até o Pietro soltar o pote e a Mendes cair para trás e o pote quebrar em suas mãos.

-TAMPEM SEUS NARIZES E SUA BOCA E SAIAM RÁPIDO! - A Ludmila disse abrindo a porta e todos correram, acontece que alguém derrubou uma cadeira e deixou a Anna com o pé preso, ela caiu e ficou pedindo por ajuda, acontece que a porta estava fechada e não dava para ouvir quase nada. A Anna começou a inalar o ar entoxicado e estava tossindo até vomitar sangue no chão. Ela estava pálida até O Pedro V. parar...

-Esperem aí... - O Pedro V. disse.

-Que foi? Não temos tempo para parar... - Disse a Mendes. 

-Está faltando gente... 1, 2, 3, 4, 5, 6... Espera... Cadê a Anna Luiza? - O Pedro V. se espantou.

-ELA FICOU PRESA! - Disse a Isabelly. 

-Fiquem aí, eu busco ela. - A Bruna foi correndo até o Laboratório e abriu a porta.

-BRUNA, É MUITO ARRISCADO!!! - A Lívia gritou mas ela nem ouviu. A Bruna pegou e soltou o pé da Anna, ela colocou o braço dela em seu pescoço e trouxe-a. A bruna estava enfraquecendo mas ela era mais forte fisicamente do que psicologicamente. 

===

Casa da Anna (15:13PM)

A mãe da Anna estava colocando uma toalha na cabeça da Anna vagarosamente e acariciando sua cabeça enquanto sentava ao lado, ela lamentava por si mesma...  Era de dar dó.

-Muito obrigada mesmo meninas. Eu nem imaginaria minha filha morta...

-De nada, não nos agradeça, agradeça á Bruna. - A Lívia deu um sorriso simpático enquanto olhava ela.

-N-Não o-obrigada, não precisa m-me agradecer. - A Bruna estava corada, ela olhava para baixo extremamente envergonhada.

-Vocês querem algo para comer?! Se pudessem, por favor, passem o dia para alegrar ela. - A mãe da Anna se levantou da cadeira.

-Não precisa tia. - Eu disse enquanto me curvava para ela. - Iremos passar o tempo que for preciso para lhe ajudar numa situação tão tensa. 

-Muito obrigada novamente, se precisarem de mim vão até o quarto do Victor Hugo, eu estarei lá!

-Certo! - Afirmamos.

Após ela entrar no quarto do irmãozinho menor da Anna Luiza, fomos o mais rápido possível para a escadaria.  E começamos á conversar sobre o que aconteceu:

-Agora não podemos fazer nada, tudo já se espalhou mesmo. - Disse a Lívia sentando em um degrau.

-Agora tudo tá ferrado mano... - A Isabelly encostou na parede.

-Não sei se aquilo me afetou, de qualquer forma não se culpem... - Disse a Bruna colocando o boné para frente e encobrindo suas sobrancelhas, ela sentava um degrau acima ao dá Lívia. 

-Se fosse tão fácil Bruna... - A Mendes deitou no mesmo degrau que o da Bruna.

-Qual é?! Não fode. 

-EU ESTOU FALANDO SÉRIO, SE O PIETRO NÃO FOSSE UM IMBECIL NADA DISSO TERIA ACONTECIDO! 

-Controla as emoções Mendes. - A Isabelly disse olhando para ela. 

-Tudo vai piorar se você continuar assim... - A Bruna disse enfurecida.

-Tudo já tá uma merda mesmo! - Disse a Mendes.

-Acalmem-se... - Eu falei olhando para as duas. - É apenas uma questão de tempo.

===

Continua...


Notas Finais


AMÉM!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...