História The Secret Love - Capítulo 22


Escrita por: ~

Postado
Categorias Demi Lovato, Emma Roberts, Evan Peters, Justin Bieber, Selena Gomez
Personagens Demi Lovato, Emma Roberts, Evan Peters, Selena Gomez
Tags Demi Lovato, Emvan, Selena Gomez, Semi
Visualizações 175
Palavras 3.070
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Orange
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá meninas, minha criatividade teve um surto e eu consegui escrever em tempo record. No capitulo de hoje Selena quebrará as regras da Dua e Demi voltará a usar as regras da Marina and The Diamonds. Boa leitura :)

Capítulo 22 - Transe


Corri com meu par de saltos em mãos pela sala, coloquei comida para Charlie e procurei por minhas chaves. Ao colocar os saltos escutei meu celular gritar e franzi o cenho ao ver um número desconhecido me ligar.

- Alô? - Atendi desconfiada.
- Alô? Selena? - A voz feminina denunciava quem era.
- Oi, sim.
- Sou eu, Margot. - Falou rindo. Peguei minha bolsa e tranquei a porta do apartamento.
- Oi Margot, posso te ajudar com algo? - Perguntei correndo até o elevador.
- Sim, não quero tomar seu tempo, mas eu quero dar um presente a Emma e não faço muito ideia do que. - Falou incerta. - Você pode me dizer as coisas que ela gosta ou alguma sugestão?

Apertei o botão do térreo no painel do elevador e mordi o lábio pensativa.

- Ela gosta muito de ler, tem vários livros e ama ganhar livro, ela também é amante de vinho e música pop. Também gosta de joias e esses dias a peguei namorando uma gargantilha em uma loja do shopping.
- Você sabe os detalhes da gargantilha?
- Era de ouro branco ou prata, não sei distinguir. Era simples e o pingente era um coração preto.
- Ah sim, vou tentar pensar em algo, Selena. Obrigada, não se atrase pra enfrentar a fera. - Soltou com uma risadinha e eu acompanhei. - Tenha um bom dia, Selena. Tchau!
- Bom dia, Margot. Tchau!

Encerrei a ligação e sai por entre as portas que se abriram no estacionamento. Corri até meu carro e me praguejei por ter dormido demais.

Eu estava 20 minutos atrasada.

Dei um sorrisinho para o segurança do estacionamento e bufei por minha vaga ser tão longe.

Coloquei minha mão na maçaneta da porta mas antes que pudesse puxar ouvi um clique e antes que eu pudesse fazer algo.

Minha vista foi tomada pela brasa.


POV Demi Lovato

- O QUE? - Me levantei atordoada andando até Emma.
- O carro dela, explodiu. Ela se machucou por estar perto, foi lançada por causa da explosão. - Explicou enquanto saíamos de minha sala.
- E como ela está? Aonde ela está? - Perguntei preocupada.
- Como ela se atrasou, ainda estava no prédio. A levaram para o hospital, acabaram de me avisar. Estou indo para lá. - Entramos no elevador e ela apertou o botão do estacionamento.
- Eu vou com você. - Falei rápido, estava nervosa.

Não demorou a seguimos para o meu carro depois de alegar para Emma que ambas estávamos nervosas demais para dirigir. Deixei que o motorista nos levasse e logo já estávamos correndo pela entrada do hospital. Após discutir com a recepcionista do lugar me dei por vencida indo sentar na sala de espera. Havia descoberto que Selena estava sendo examinada mas não sabia seu estado até falar com o médico.
Emma vinha ao meu lado enquanto íamos nos sentar, mas antes de chegarmos ela torceu o rosto. Andou até um homem e eu a segui mesmo não sendo convidada.

- O que faz aqui Evan? - Perguntou de cenho franzido e aparentemente estressada.
- Eu trouxe Selena para o hospital. - Ela cerrou os olhos.
- O que estava fazendo no prédio dela? - Cruzou os braços.
- Não é da sua conta Emma. - O homem se irritou e eu também.
- De qualquer forma, obrigada por trazê-la. Como ela está? - Intervir enquanto Emma ia se sentar bufando.
- Não sei direito, ela desmaiou e estava machucada.
- Ah sim, vou tentar falar com o médico. - Disse antes de acenar com a cabeça e ir me sentar ao lado de Emma que balançava a perna compulsivamente. - Quem é? - Perguntei me referindo ao homem de porte atlético.
- Evan Peters, conhecido como meu ex namorado. - Rolou os olhos.
- Pelo menos ele ajudou Selena. - Dei de ombros.
- Ele não gosta de Selena, achei isso muito estranho. Ele estava no meu prédio sábado e hoje no de Selena? Não estou maluca. - Aquilo era estranho.
- Ele não pode estar se mudando ou algo assim?
- Ele não se mudaria para o meu prédio e eu acho muito difícil ir para o de Selena. Não consigo acreditar que seja só coincidência.

Na hora que eu ia responder um homem de jaleco branco se aproximou de nós.

- Parentes de Selena Gomez? - Perguntou lendo uma folha branca em uma prancheta.
- Sou a melhor amiga dela. Como ela está? - Emma falou rápido.
- Senhorita Gomez foi lançada a uma distância considerável por causa da explosão, bateu a cabeça e teve um desmaio. Ela não teve lesões e nem nada grave, apenas alguns arranhões e deslocou o tornozelo. Seus ferimentos já receberam o cuidado adequado e ela está em um dos quartos se recuperando, deve ter alta depois do almoço ou pela tarde. - O médico explicou alternando o olhar entre Emma e eu.
- Podemos visitá-la? - Perguntei eufórica.
- Você é parente dela? - Perguntou assinando algumas coisas. Engoli em seco. Eu não diria que era chefe dela.
- Namorada. - Falei séria e ele me olhou por um tempo antes de acenar com a cabeça.
- Ela está no quarto 103, peçam os cartões de visitante na recepção. Tenha um bom dia. - Finalizou e eu acenei a cabeça o vendo se retirar.

 

-  

 

POV Selena Gomez

- Hey, como você está? - Emma perguntou preocupada adentrando o quarto sozinha.
- Não estou nos meus melhores dias. - Falei sorrindo fraco.
- Pense pelo lado positivo, você vai ficar o dia todo deitada. - Falou rindo e eu rolei os olhos achando graça.
- Não sei se gosto tanto disso. - Falei rindo fraco, sentia meu ventre doer quando eu tentava falar ou rir demais.
- Evan estava lá fora, ele que trouxe você. - Arregalei os olhos.
- Que?
- Você desmaiou e ele que te trouxe pro hospital, também achei estranho. - Franzi o cenho.
- Talvez ele só ainda tenha consideração por você, sei lá. - Dei de ombros.
- Talvez eu realmente esteja louca.
- Quando foi que você foi normal? - Me deu língua rindo.
- Eu vou sair, daqui a pouco volto. Demetria está louca pra te ver. - Arregalei os olhos.
- O que? Demi veio? - Um misto de felicidade me encheu.
- Sim, viemos juntas. Falei pra ela entrar primeiro mas ela preferiu me deixar ver você logo. Inclusive quando ia me contar? - Perguntou acusativa e eu franzi o cenho.
- Contar o que?
- Que vocês estão namorando. - Falou óbvia e eu arregalei os olhos.
- Que? Não estamos namorando. - Tentei me sentar na cama mas senti tudo doer, cerrei os dentes e soltei um gemido de dor. Emma tentou me ajudar.
- Ela se apresentou como namorada para o médico. - Arregalei os olhos.
- Surpresas demais no dia de hoje. - Suspirei pegando a garrafa de água que uma das enfermeiras havia deixado.
- Vou comer alguma coisa na cafeteria enquanto Demetria fala com você. Ela me liberou pra te fazer companhia, adoro a ideia dela ser sua namorada e me dar folgas. - Bateu as mãos e eu joguei a garrafa de água vazia nela.
- Interesseira. - Falei sorrindo.

Me mostrou a língua e soltou um beijo estalado antes de sair do quarto. Me remexi desconfortável mas sentia minhas dores melhorarem, o remédio deveria estar fazendo efeito.
Ouvi leves batidas na porta e vi Demi colocar a cabeça pra dentro me olhando como se estivesse com medo.
- Oi. - Sorriu fraco enquanto entrava no quarto. Ela estava de roupas sociais, o que revelava que tinha vindo da empresa pra cá.
- Oi. - Sorri de leve.
- Você quer me matar do coração? - Perguntou fechando a porta.
- Eu quero seu coração, mas não assim. - Falei de impulso.

Meu Deus.

O que eu havia falado?

Socorro.

- Na verdade você já tem ele. - Congelei e ela desviou o olhar para o painel que mostrava meus batimentos cardíacos. Sorri de leve.
- Sofri um acidente e não ganho nem um beijo? - Perguntei manhosa e vi ela sorrir voltando a me fitar. Jogou a bolsa na poltrona no canto do quarto e tirou o sobretudo preto que estava vestida. Andou até mim e tirou os saltos no meio do caminho. - Você está fazendo um striptease? - Arqueei a sobrancelha e ela riu.
- Eu só quero deitar com você e terminar de quebrar seus ossos. - Falou se encostando na cama e me dando um selinho demorado em meus lábios.
- Isso não foi nada romântico, eu já estou dolorida demais. - Ela sorriu me olhando nos olhos.
- Afasta. - Pediu e eu voltei a me deitar, afastando até a beira da cama. Demi se acomodou na outra beirada e colocou a cabeça sobre meu peito. Estávamos confortavelmente apertadas naquela cama. - Você tem que parar de me dar sustos assim, eu posso ter problemas de coração. - Disse enquanto desenhava com os dedos uma série de círculos invisíveis sobre minha barriga. Meus dedos foram de encontro aos seus cabelos, já que sua cabeça estava sob meu queixo.  Iniciei um carinho pelos fios negros e sedosos.
- Se for pra você ficar assim comigo, eu vou tentar ter mais acidentes. - Brinquei e recebi um tapinha no ombro, soltando um "ai" em resposta.
- Nem fale isso nem de brincadeira. - Me repreendeu e eu sorri fraco. - Falei com seu médico, e ele disse que você vai ter alta pelo fim da tarde, venho te buscar, ok? - Levantou a cabeça para me olhar. Fiz beicinho decepcionada.
- Queria que você ficasse. - Falei manhosa e ela sorriu.
- Não posso, amor. Emma ficará com você enquanto eu resolvo algumas coisas na empresa, eu a larguei para vir aqui e não tem nem uma secretaria pra avisar meu paradeiro. Rihanna vem nos visitar na quarta, preciso ter a empresa em ordem. - Se desculpou e eu me recordei de senhorita Fenty.
- Eu entendo. Estou com fome. - Falei mudando de assunto.
- Quando você não está, Selena? - Rolei os olhos e ela riu. - Vou pedir pro meu motorista trazer algumas das suas besteiras. - Olhei pra ela animada. - Se o médico autorizar. - Completou e eu bufei.

Batidas na porta puderam ser ouvidas e os fios, agora ruivos, de Emma apareceram.

- Ashley está aqui. Quer ver você. - Anunciou e eu senti Demi logo sair de cima de mim.
- Eu volto, não piora. - Pegou suas coisas que estavam em cima da poltrona e voltou apenas para me dar um selinho. - Cuide dela por mim, Merida. - Falou pra Emma e eu franzi o cenho confusa.
- Merida?
- É, por causa do cabelo. - Emma gesticulou rolando os olhos e eu comecei a rir.
- Eu prefiro mamão podre. - Demi falou risonha e eu prendi o riso.
- Eu vou matar Margot por isso. Sai Demetria. - Gesticulou emburrada e Demi riu.
- Tchau meninas. - Demi se despediu saindo pela porta e Emma foi junto.
- Volto quando Ashley sair, você está muito concorrida hoje. - Emma piscou e também saiu do quarto. Suspirei fitando o teto branco do quarto. Eu não sentia tantas dores por causa do remédio e as escoriações não ardiam mais. Eu estava bem e com fome.
Suspirei e ouvi alguém bater à porta. Sorri vendo os cabelos loiros de Ashley aparecendo brevemente pela porta.

- Senhora Benzo. - Ashley disse e eu me remexi. Quando namorávamos ela tinha a mania de me chamar pelo nome como se fossemos casadas.
- Senhora Gomez. - Sorri fraco dando corda.
- Você me ilude fazendo isso. - Rolou os olhos.
- Não foi eu quem começou. - Levantei as mãos em minha defesa.
- Te trouxe donuts da lanchonete do hospital, vi Lovato falando com o médico e ele autorizou você a comer suas besteiras. - Me entregou uma caixinha branca e sorriu. - Ela deve te trazer mais algumas coisas, não sei. - Gesticulou e se aproximou da cama. Me fitou nos olhos. Estava presa naquela imensidão azul, os olhos de Ashley geralmente eram meu ponto fraco.
- Não faça isso Ashley. - Desviei o olhar envergonhada.
- Eu adoro o jeito como você fica quando está com vergonha. - Senti seus dedos deslizarem por meu rosto me fazendo voltar a fitar ela. Ela iniciou uma carícia gostosa sobre meu maxilar enquanto ainda me olhava. Aquilo estava intenso demais. Seu olhar desceu até meus lábios e eu os umedeci sentido meu coração acelerar. Ela voltou a olhar em meus olhos e em um pedido mudo começou a aproximar seu rosto do meu. Apenas fechei os olhos e esperei. Seus lábios macios encostaram nos meus e como se eu estivesse saindo de um transe eu me lembrei do gosto deles.

Eu havia entrado em um transe depois que ela foi embora.

Um transe que tentava a todo custo me livrar da dor.

Eu tinha disso. Marie surgiu em um desses transes.

Marie foi sempre o pior. Ela tirava quase toda minha sanidade. Ela me fazia esquecer o que eu era e o que sentia.

Eu era outra pessoa, outra personalidade.

Os lábios de Ashley pressionaram os meus levemente e eu abri a boca dando passagem para que ela adentrasse, porém, ao invés disso, ela se afastou.

- Isso não é justo com você. Mesmo que eu queria morrer de beijar seus lábios, não é justo, não mereço isso. - Pontuou se afastando e eu suspirei.


-   

 

POV Demi Lovato

- Como alguém entra na porra daquele prédio enquanto um das merdas dos seus homens estão lá? - Esbravejei para Maurice que se mantia calado.
- Eu não sei, ele estava lá mas não viu nada. - Respondeu curto e eu rolei os olhos.
- Grandes merdas, não há nada nas câmeras? - Bebi um gole de uísque estressada.
- Não, invadiram o sistema e desligaram tudo. - De uma vez engoli o resto da bebida.
- E a bomba?
- Não queriam matar ela, apenas dar um susto.
- Quero você ou algum outro dos fudidos dos seus homens que eu pago a porra de uma fortuna fazendo a segurança dela. - Impus com raiva.
- Ok. Vou providenciar Lovato. - Se levantou da cadeira.
- Como anda nosso agente duplo? - Fitei Los Angeles pela parede de vidro que ficava em minha sala.
- Morto. - Joguei o copo de vidro na parede fazendo os estilhaços fazerem um barulho insuportável.


-   

Selena estava séria e calada.

Era aproximadamente seis da tarde. Havia acabado de sair do hospital com ela. Olhei pelo retrovisor vendo o carro de Margot que estava com Emma pronto para nos acompanhar.

- Você quer ir para o meu apartamento? Lá é melhor para você ficar, Moira pode te ajudar. - Perguntei ligando o carro.
- Não, quero ir para o meu. - Respondeu curta olhando para a janela.
- Você está bem? - Perguntei dando partida no carro.
- Estou. - Monossilábica.
- Foi tratada bem no hospital? - Apoiei o cotovelo na janela mordendo o dedão enquanto olhava o sinal vermelho.
- Fui. - Mais uma vez seca. Resolvi não perguntar mais nada. Um silêncio desconfortável nos assolava enquanto estávamos dentro daquele carro.
- Não entre na garagem, não quero que perca seu tempo. - Selena falou com o tom seco novamente
- Por que? - Perguntei confusa.
- Você não vai descer, te poupa tempo. - Deu de ombros e eu estacionei enfrente ao seu prédio.
- Que porra você tem? - Me estressei.
- Meu dia não foi bom Demi, preciso de tempo. - Ri sarcástica escutando aquilo.
- Porque a porra do meu dia foi ótimo. - Meneei em negativo com a cabeça rindo, olhei para frente de seu prédio e o que vi me deixou com mais ódio. - Vejo que quer mesmo tempo. Se não me quer por perto para ficar com a sua ex, avise. - Apontei para a loira segurando um celular na calçada do prédio de Selena. - De qualquer forma não tenho nada haver com sua vida amorosa, certo? Eu sou uma otaria mesmo, caralho. - Soquei o volante com força. Antes que Selena pudesse falar algo, Emma bateu na janela e eu destravei o carro.
- Tá tudo bem? - Margot perguntou ao lado de Emma.
- Tudo ótimo, desça Selena. - Falei olhando na direção contrária a ela. Emma ajudou Selena a sair do carro e logo após, a fechar.
- Posso passar na sua casa mais tarde? - Margot me perguntou pela janela.
- Você não vai me encontrar em casa. - Passei a marcha do carro e acelerei sumindo dali.

 

-   


Eu estava uma pilha de nervos.

Meus músculos estavam tensos.

Aquilo tudo era muito pra minha cabeça.

Eu nem ao menos tinha alguém a recorrer.

Eu precisava transar.

Transar não, foder.

No mais realista sentido da palavra.

Eu precisava foder com alguém até deixar a pessoa sem andar.

Eu era capaz disso, sabia com toda certeza.

Disquei o número conhecido no celular.

Em poucos toques a voz rouca atendeu.

- Quem é viva sempre aparece. - Perrie falou risonha.
- Hey, gostosa. - Sorri fraco enquanto ajeitava meus cabelos de forma rebelde.
- O que você precisa? - Ela me conhecia tão bem. Passei o batom vermelho, sorri com o resultado final refletivo no espelho. Foderia quem quisesse essa noite.
- Preciso de uma das nossas noites. - Suspirei calçando meus scarpins negros. Contrastava perfeitamente com o vestido de couro também negro que usava.
- A velha Demi está de volta? - Perguntou animada. - Quero te mostrar um lugar incrível que conheci. - Falou maliciosa. Sorri lascívia.
- Chego na sua casa em vinte minutos, não se atrase, estarei de motorista. - Anunciei para ela enquanto passava o perfume forte que costumava usar para ocasiões assim.
- É segunda feira e você quer perder a consciência assim? - Falou risonha.
- Que se foda a segunda feira, eu preciso extravasar Edwards, além de que dia nunca foi problema pra você.
- Ok Demetria. - Rolei os olhos. - Vou esperar.
- Não se atrase. - Avisei antes de desligar o celular.


Notas Finais


Não me matem, vou tentar atualizar rápido, PROXIMO CAPITULO TEM MUITO BIFE, tchau.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...