História The Taste of Your Lips - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Neo Culture Technology (NCT)
Personagens Haechan, Jaehyun, Johnny, Mark, Taeyong, Ten
Tags Abo, Alfa, Jaeyong, Johnjae, Johnten, Markhyuck, Ômega, Taeten
Visualizações 99
Palavras 1.027
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Lemon, Romance e Novela, Slash, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 2 - Capítulo I


Um ano depois

 

Ten relia pela vigésima vez aquele convite. Havia sido entregue por um Donghyuck extremamente feliz e saltitante. Não que o Lee fosse antipático, mas era visível para todos o brilho em seus olhos e o sorriso largo que não abandonava seu rosto por nada. E o tailandês não podia evitar de ser contagiado pela alegria do amigo.

 

– Eu estou tão feliz. – O ômega mais novo comentava sorrindo bobo.

 

Estavam sentados no sofá enquanto comiam um pequeno lanche. Donghyuck não queria no começo, mas após tanta insistência de Ten, acabou por aceitar. Fazia um tempo que não se viam e não conversavam. Estava tão agitado que deixou todos os convites caírem no chão. Abaixaram-se juntos para pegarem os convites. O tailandês sorriu ao notar a marca escondida próxima a clavícula, mas nada comentou.

 

– Eu falei que aquele ódio todo de vocês era amor. – Ten riu ao lembra dos tempos de escola. Quando Donghyuck e Minhyung pareciam cão e gato, brigando e discutindo por tudo e por nada.

 

– Ele era um idiota, mas me faz feliz. – Rebateu mas também sorria com as lembranças. – E como anda as coisas com o Johnny? – Sorriu sugestivo.

 

Ten revirou os olhos.

 

– Somos apenas bons amigos. – Donghyuck continuava a lhe encarar com um olhar malicioso. – Temos nada, por que você não acredita?

 

O Lee fingiu pensar por alguns segundos antes de responder.

 

– Vocês moram juntos. – Começou contando com os dedos. – Ele é um alfa e solteiro. – O sorriso malicioso estava presento no rosto bonito. – Johnny foi a pessoa que mais lhe ajudou depois dele.

 

Ten desviou os olhos ao ouvir falar sobre ele. Sim, Johnny foi a pessoa que o ajudou a reerguer-se depois de tudo. Foi aquele que esteve presente em todos os seus momentos de tristeza, sempre o ajudando a superar todo aquele sentimento amargo do abandono. Suspirou pois ouvir sobre Taeyong ainda mexia com o seu coração. Donghyuck notou o clima pesado que havia se instalado no cômodo.

 

– Ele é um babaca. – O mais novo segurou a mão do tailandês. – Eu queria muito dar um soco nele por tudo o que ele fez, mas infelizmente ele é o irmão de Mark. – Revirou os olhos em desgosto. – Minha querida sogra surtaria se eu socasse o filhinho dela.

 

Sorriu na direção do mais novo agradecido.

 

– Eu já superei, Donghyuck. – O mesmo o olhou desconfiado, mas não contestou. – Obrigado.

 

Viu quando o mais novo desviou o olhar e mordeu os lábios em um claro sinal de nervosismo.

 

– Eu preciso falar uma coisa. – Suspirou. – Eu realmente não queria, nem o Mark queria. – Ten não entendia o olhar culpado que recebia. – Taeyong será um dos padrinhos.

 

Seu coração parou por uma fração de segundos ao perceber que teria que encará-lo durante a cerimonia. Ten seria um dos padrinhos ao lado de Johnny, mas não sabia se o seu psicológico estaria preparado para encontrá-lo depois de um ano.

 

– O casamento será em uma ilha, viajaremos para lá junto dos convidados. Ficaremos lá por duas semanas. – Donghyuck apertou a sua mão, lhe tirando do transe e caos que sua mente havia se tornado. – Você vai ficar bem o vendo? – Perguntou preocupado.

 

– Vou. – Tentou sorrir confiante, mas era visível que aquilo era mentira.

 

– Ele pediu para levar uma pessoa….

 

(…)

 

Ten segurou as lágrimas durante o tempo que Donghyuck esteve ao seu lado. No momento que o ômega foi embora, não aguentou mais segurar por muito tempo. Começou a chorar sentado no chão, escorando-se contra a porta. Sentia-se tão idiota por ainda chorar por Taeyong. Céus, o Lee havia o descartado sem qualquer remorso. O abandonou sem sequer preocupar-se com o que aconteceria. Ignorou todas as suas ligações e tentativas de contato.

 

Seu celular tocou, mas não tinha a mínima vontade de atender. Entretanto seu celular tocava sem parar. Na quarta tentativa, atendeu sem olhar o identificador.

 

Alô, Ten? Sou eu, Jaehyun.

 

– Oi… – Respondeu sem ânimo e o Jung notou que havia algo errado.

 

O que aconteceu? – Seu tom era preocupado e Ten sentia-se mal por preocupar as pessoas ao seu redor. – Tem a ver com ele?

 

– Ele vai no casamento e pediu para levar uma pessoa. – Não escondeu a voz embargada ao dizer aquilo. Sentia-se péssimo e precisava colocar aquele sentimento ruim para fora. Jaehyun ficou em silêncio por alguns segundos, mas o tailandês não importou-se. As lágrimas ainda desciam.

 

Ten, por que não leva alguma pessoa? – Sugeriu depois de um tempo.

 

– Outra pessoa? – Questionou sem entender.

 

Alguém que lhe ajude a mostra que superou tudo. – Jaehyun suspirou do outro lado. – Eu posso te apresentar algum amigo….

 

– Não. – Ten recusou rapidamente, seu choro havia diminuído. – Eu não quero ir com um estranho. – Murmurou.

 

Por que você não fala com o Johnny? Eu aposto que ele irá ajudá-lo. – Foi a vez de Ten suspirar.

 

– Eu não quero preocupá-lo ainda mais. – O alfa já havia feito demais. – Johnny já fez muito por mim, me sinto incapaz de pedir mais alguma coisa.

 

Johnny não se incomodaria de fazer isso. – Seu tom era sério. – Acredite em mim.

 

A chamada foi encerrada e Ten encontrava-se em um dilema. Felizmente as suas lágrimas já haviam cessado, mas ainda encontrava-se inquieto. Poderia deixar de ir no casamento, mas sabia que não seria justo com os seus amigos. Mark e Donghyuck não tinham nenhuma ligação com o seu problema com Taeyong. E apesar de alfa ser irmão de Taeyong, sabia que o mais novo não aprovava as ações do irmão. Não poderia fazer aquela desfeita.

 

(…)

 

– Finalmente largou esse telefone. – O Alfa reclamou. – Cansou de fingir-se de bom amigo? – Debochou.

 

Jaehyun estreitou os olhos em direção ao alfa, mas nada comentou. Apenas jogou-se na cama de casal ao lado do mais velho, mas virou o rosto para a direção oposta quando ele fez menção de beijar seus lábios.

 

– Estou apenas brincando Jaehyunnie. – Sorriu aproximando-se do ômega. Logo o segurava possessivamente pela cintura. – Eu não me importo com ele. – Sussurrou próximo do seu pescoço, apenas provocando.

 

– Você se importa com ninguém. – O ômega respondeu ainda fazendo-se de indiferente.

 

– Correção. – Beijou-lhe o pescoço. – Eu me importo com você. – Tomou-lhe os lábios. Finalmente o beijando como queria desde a última vez que passaram a tarde juntos.

 

 


Notas Finais


O capítulo ficou menor que o original. Tivemos a presença do Donghyuck e mais algumas mudanças. Até o próximo <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...