História The True Heirs of Blood - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Black Pink, IKON
Personagens B.I, Bobby, Chanwoo, Donghyuk, Jennie, Jinhwan, Jisoo, Junhoe, Lisa, Rosé, Yunhyeong
Tags Blackpink, Hentai, Ikon, Jennie, Junhoe, Lisa, Sobrenatural, Vampiro
Visualizações 25
Palavras 1.831
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 6 - Capítulo 6


Fanfic / Fanfiction The True Heirs of Blood - Capítulo 6 - Capítulo 6

Privado Lisa

Realmente naquele quarto estava um cheiro estranho, abro meus olhos vendo o sol entrar pela janela, e logo virando meu corpo. Ele não estava ali. Sento na cama olhando ao redor, e nada do sinal dele, olhando para o chão vendo ainda as roupas dele e a porta do banheiro encostada. Coloco meus pés naquele chão frio e pego a toalha que tinha ao lado enrolando no corpo, caminho e abro a porta. Lá estava ele, na banheira olhando para a parece sério, pensativo. Como queria saber o que se passava em sua mente. O mesmo virou o rosto em minha direção, olhando em seus olhos, por um momento parecia estar com outro tom, mais claro ou castanho, não consegui decifrar,quanto mais me aproximava percebi que estava na cor normal, assim como sua pele de uma hora para outra havia ficado mais morena e saudavel. Ele sorria de lado, como sempre.

_A água está fria?- Era a única coisa que havia se passado em minha mente, já que antes ele parecia mais pálido. Ele apenas sorriu e se levantou um pouco puxando minha toalha para baixo e puxando para ir com ele, não exitei obviamente, mas tomei um susto, sentando no colo dele.

_Não, ela está bem quente!-Falou animado, ele parecia radiante, sentindo seus lábios nos meus num beijo calmo e sexy ao mesmo tempo, suas mãos acariciavam meu rosto. Aquele garoto era como uma droga, coloco minhas mãos em seus ombros e sinto o último selar dele. Ele me olhava diferente, como se quisesse dizer algo, mas não estivesse com coragem, apertei seus ombros tentando balançar eles, mas ele era pesado demais.

_O que houve?-Pergunto sentando melhor no colo dele sobre suas pernas. Parecia estar tímido, e confuso o que fazia eu sentir o mesmo.

_Você quer namorar comigo?- Mais uma vez em menos de um dia Koo Jun Hoe me surpreendia. Abri levemente minha boca, estava sim, chocada com tal pedido. - Sei o que deve estar pensando, que tudo está acontecendo rápido demais, mas a culpa é toda sua, fique sabendo!-Falou num tom bem humorado mordendo os lábios envergonhado se aproximando de mim, passando suas mãos pelos meus cabelos fazendo eu fechar os olhos, aquilo era bom e eu estava confusa, como sempre ele me deixava.- Eu..eu estou apaixonado por você, nós nos damos muito bem. Você é linda, eu sou bonito!-Aquilo me fez rir e encarar ele mais uma vez, que sorria.-Um casal perfeito não acha, você me vem deixando maluco nos últimos dias, e essa noite apenas me fez ter certeza do que eu estava sentindo.- Ele insistia, e estava me convencendo, estava mais que certo das coisas.

_Eu aceito!-Falo interrompendo o rapaz, JunHoe apenas sorriu vitorioso segurando minhas mãos e me beijando. Apaixonado, assim como eu estava por ele.

 

Porém aquele dia não foi perfeito, uma hora depois uma chuva horrível começou a cair, e para completar tivemos que sair do dormitório as pressas, Lucy uma garota de dezenove anos do curso de direito havia morrido na banheira enquanto tomava banho de manhã, aparentemente escorregou desnorteada pelo álcool batendo a cabeça. Eu não a conhecia muito bem, estávamos do lado de fora, abraçada a JunHoe que segurava o guarda-chuva no meio da multidão, ele olhava sem parar para as pessoas que entravam e saiam, talvez estivesse triste pela situação, assim como eu.

 

Depois naquele fim de semana, tudo voltou ao normal. Mandei algumas cartas a Rosé contando o que tinha acontecido, sobre o incidente no prédio e sobre o pedido de JunHoe, e sobre nossa noite, óbvio que não havia contado os detalhes. Depois daqueles dias,ele agia normalmente comigo, mas sempre que andávamos juntos ele me abraçava e me beijava em quase todos os lugares, as vezes nos encontramos escondidos no emprego, o que não podia obviamente, mas ele estava me deixando assim. Mas tinha um assunto que me deixava curiosa, ele nunca havia me levado para sua csa, apartamento ou hotel, não sabia exatamente onde ele ficava. Se não me engano era um hotel de luxo no centro, ele parecia ser rico porém nunca estava com um carro e sempre de táxi, ele não sabia dirigir? Eu não me importava, mas era estranho. Perguntei a ele, disse que não sabia dirigir, que via necessidade naquilo. Parecia que ele sempre tinha uma resposta pronta para tudo.

Rosé havia me mandado cartas, dizendo que teria que ficar mais alguns meses com seus pais, e sobre JunHoe, disse que deveria fazer apenas o que me  fazia bem, e ele me fazia bem. Quase um mês desde o pedido de namoro e dois que havia o conhecido, em nenhum outro momento havíamos transado, se isso me incomodava? Muito! Fazia pensar se eu havia ido tão mal assim. Quando estávamos sozinhos, e os beijos ficavam mais quentes, podia sentir que ele ficava excitado, assim como eu estava, mas ele parava e dizia que tinha que sair, ou ligar para alguém do trabalho. Era frustrante, o único ponto negativo de ter começado a namorar ele, ele sempre me levava para jantar, cinema, festas, cafés e comprava presentes, havia me dado uma pulseira linda de ouro envelhecido, era até mesmo pesada na minha opinião,  com vários pingentes de símbolos estranhos, ele não me explicou o que tudo aquilo queria dizer, disse ser uma surpresa que cedo ou mais tarde eu descobriria. Todas as noites ficava olhando ela, tentando entender, nas costas dos pingentes podia ver pequenas luas, ou eram meus olhos mas parecia que cada um dos seis pingentes tinham uma letra que dava o nome dele JunHoe, mas parecia ser outros letras como p, f, m , u repetidos. Em um dia tive a audácia de ir até a relojoaria que ele havia comprado, mas não era daquela, mas perguntei o preço, havia sido absurdamente cara, e ele havia mentido para mim, não era daquele local. Não quis me informar mais sobre o assunto. Às vezes a noite sentia a presença de alguém em meu quarto, sentada na cama de Rosé mas nunca tinha ninguém em lugar algum, ou era a solidão de ter alguém no quarto comigo ou estava ficando maluca, mas todas as manhã a janela amanhecia aberta.

Nesse momento estava voltando para a meu dormitório ao lado dele, que ultimamente parecia com a cabeça em outro lugar, nos encontramos no campus e ele me levava até lá. Mas eu estava inquieta como sempre, ele sempre me deixava daquele jeito. Seguro o pulso dele fazendo ele parar a me encarar. Outra vez ele fazia tomar providências que não queria.

_O que está acontecendo com você?- Ele olhou pros lados sem entender nada e antes que falasse alguma coisa continue. -Desde aquele dia em que você me pediu em namoro estamos na mesma, parece que você não gostou de ter passado a noite comigo, ou esta me evitando, e outra coisa você nunca me levou onde mora? Por que? Eu não posso, tem alguém lá?- De última hora me fez surgir coisas em minha mente, ele estaria me traindo?  

_Não sei se você percebeu, mas…- JunHoe parecia aflito, passando as mãos pelos cabelos olhando para os lados.- Eu não estou bem, e eu preciso que você confie em mim.- Definitivamente eu não entendia nada, pela primeira vez JunHoe se portava como frágil na minha frente, os olhos do mesmo começavam a lacrimejar, abraço o mesmo naquele instante sentindo ele corresponder.

_Eu confio em você!-Foi apenas o que eu disse, e em seguida o mesmo separou nosso abraço, segurando minha mão e me guiando na direção contrária do meu dormitório. Não estava entendendo nada.- Onde você irá me levar, eu vou te ajudar mas preciso saber aonde estamos indo.

_ Estamos indo até o hotel onde fico hospedado, lhe contarei melhor quando chegar lá.- Foi apenas o que disse, não quis questionar, já que aquela era a vontade dele, e também teria a oportunidade de descobrir onde ele passava todas noites. Levamos mais ou menos meia hora caminhando sem dizer uma única palavra, ele disse me explicar. Era um hotel enorme de luxo, poucas pessoas transitavam no local já que era quase meia noite, mas eu mesmo pensei que como era fim de semana teria mais pessoas pelo local. O balconista me encarava assim como o homem ao lado dele, e não era só eles, como mais duas camareiras que passaram no nosso lado, seus olhares eram paralisados e sincronizados. Quando entramos no elevador as duas camareiras entraram conosco, e elas me encaravam, eram até mesmo mais altas do que eu, tinham a pele branca e os cabelos negros cacheados, seus olhos tinham uma tonalidade estranha, que não pude identificar já que estava com a cabeça baixa. Saindo dali caminhamos em um corredor enorme e elas ao nosso lado.

_O que está acontecendo?-Falo o olhando, mas parecia não me ouvir, as duas pararam exatamente ao lado de uma porta, como se fossem seguranças. JunHoe abriu essa porta que não estava trancada, fechando em seguida. Tudo estava escuro lá dentro, quando  finalmente acendeu as luzes ele já estava no outro lado do quarto fechando as janelas, como havia chegado lá em tão poucos segundos? Balanço minha cabeça e vejo ele se aproximar de mim me beijando, de forma desesperada me empurrando contra o espelho com certa força.

_Lisa, Eu amo você, mas tem coisas que eu preciso lhe contar e você precisa entender.- Ele segurava minhas mãos as beijando. Ele disse que me amava, apenas me fazia crer que o que eu sentia por ele não era em vão. Seguro o rosto dele o beijando mais uma vez.

_Eu também te amo. Eu vou te ajudar. Eu vou entender!- Ele sorria aliviado me abraçando, mordo meus lábios por conta do nervosismo. Sinto os lábios do mesmo contra a pele do meu pescoço, um hálito quente, bem quente.

_Você é muito quente!-Falou perto do meu ouvido, da mesma maneira como aquele dia no meu quarto, fazendo eu abraçar ele ainda mais. Sentindo ele se abaixar um pouco e pegar minhas coxas fazendo eu ficar suspensa do chão, segurando minhas pernas e começando a andar até a grande cama de tecidos brancos e finos. Eu o amava, sabia disso, pois nunca havia sentido e era uma sensação maravilhosa, faria o que ele me pedisse. Abri meus olhos vendo ele entre minhas pernas, suas mãos deslizavam em meu corpo, começando a tirar meu casaco. Ele não parecia mais aquele rapaz frágil de minutos atrás. Era naquela imagem séria e forte que me fazia querer ficar com ele. - Você confia em mim?- Sua voz séria e rouca, fazia eu me arrepiar, seus olhos estavam mais claros assim como sua pele, era a luz entrando pela janela? Parecia que ele queria me comer com os olhos.

_Eu faço o que você quiser!-Era tarde demais, estava anestesiada com a atmosfera dele, era embriagante seu cheiro, seu olhar, sua voz, suas mãos deslizando em meu corpo. Eu amava ele, eu daria minha vida a ele.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...