História Tinha que ser você - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Juliana Paiva
Tags A Força Do Querer, Carol Duarte, Ivan, Juliana Paiva, Novela, Romance, Simone, Transexual
Visualizações 29
Palavras 1.545
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Famí­lia, Fantasia, FemmeSlash, Festa, Ficção, Romance e Novela, Saga, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Transsexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Espero que gostem e uma boa leitura pra todos.

Capítulo 3 - Capítulo 3


Fanfic / Fanfiction Tinha que ser você - Capítulo 3 - Capítulo 3

POV Simone

Fico paralisada analisando o seu corpo agora de frente e neste instante sinto a minha respiração falhar quando reparo em seu peitoral tão masculino agora, quer dizer quase não se nota mais as pequenas cicatrizes de onde foram retiradas as suas mamas, vou descendo o meu olhar sentindo uma coisa estranha no meu corpo quando os meus olhos se prendem por longos segundos em seu abdômen que aparentemente ele andou malhando bastante esses dois meses para deixa-lo mais definido, então de repente o meu cérebro quase tem um curto circuítos quando olho para sua cueca box e mil pensamentos pecaminosos que nunca pensei por nenhum cara antes invadiram a minha mente, neste momento sinto as minhas bochechas arderem, provavelmente devo estar mais vermelha que pimenta malagueta, neste instante saio dos meus devaneios ouvindo dedos sendo estrelados diante dos meus olhos então ouço Ivan indagar.

-Simone você estar se sentindo bem? —Ele pergunta com certa preocupação e confusão em seu rosto, pisco os meus olhos algumas vezes tentando raciocinar direito e me afasto dele adentrando o seu quarto e falo de costas pra ele, que estar ainda semi nu com a toalha branca que antes enxugava os seus cabelos estar em volta de seu pescoço.

-Isso depende Ivan!

-Como assim Simone eu não estou entendo, pode me explicar? —Tentando controlar a minha respiração para voltar ao normal sinto o meu corpo esquentar de uma forma estranha então falo.

-Então somos dois Ivan por que o senhor por algum motivo que desconheço estar me ignorando e se escondendo de mim nesses últimos dois meses sem me dar alguma explicão. —Me viro para ele que estar parado na porta me olhando de um jeito que não sei decifrar, e continuo a falar.

-Você nem sequer teve a dignidade de atender os meus telefonemas ou responder as minhas mensagens ou emeils, então você tem a cara de pau de me perguntar se estou me sentindo bem.

-Mas respondendo a sua pergunta estúpida, não Ivan eu não estou bem desde que você resolveu bancar o idiota me deixando fora da sua vida nos últimos dois meses.

-Você tem ideia das coisas que se passaram em minha mente esse tempo todo que você me ignorou? —Pergunto irritada enquanto ele me olha com a mesma expressão me deixando ainda mais irritada, jogo a minha bolsa em cima de sua cama e fico o encarando que abre a boca para falar algumas vezes e diz.

-E..u eu posso explicar, mas não sei se você vai gostar da minha explicação. —Ele fala tudo de uma vez só.

-Não importa se eu vou ou não gostar Ivan, porque eu estou puta de raiva com você que aparentemente não deixou de falar com a Biga e nem com o Notato até onde sei o seu problema seja lá qual for é comigo.

-Então vai me explicar porque já estou muito irritada com você. —Nunca pensei que algum dia em minha vida eu fosse explodir de raiva com qualquer pessoa, muito menos com Ivan meu primo e melhor amigo.

-Bom acontece que Simone eu precisava de um tempo para colocar as idéias em ordem sabe. —Ele fala se aproximando de mim, e a cada frase que ele fala fica mais próximo de mim.

-E você não faz ideia de como foi difícil e doloroso para mim ter chegar na conclusão que cheguei.

-Eu sei que o que fiz com você foi imperdoável, mas depois que eu te contar o motivo sei que você vai me perdoar... —Ele fala ficando na minha frente engulo em seco olhando pra ele tão próximo de mim do jeito que estar semi nu então falo interrompendo.

-Será que dar pra você Ivan colocar uma roupa pra gente poder conversar melhor, porque estar começando a me incomodar do jeito que estar.

-Te incomodar como? —Ele pergunta com um sorriso malicioso no rosto me fazendo olhar pra ele confusa.

-É que.... Que não estou acostumada a te vê assim. —Foi um sacrifício falar essas palavras com ele tão perto de mim, e isso realmente estar começando a me incomodar de um jeito que não sei explicar, mas que estar, estar, ele me olha de um jeito diferente e sorrir dizendo.

-Por que será que eu não consigo acreditar em você, em Simone?—Ele abre um sorriso ainda maior e pega a minha mão, fazendo o meu corpo estremecer com o simples toque inesperado e continua a falar levando a minha mão até o seu peito onde seu coração bater apressadamente de um jeito irracional pra mim.

-Sabe Simone eu estava tão cego que não percebi o que estava diante dos meus olhos, mas agora eu consigo ver tudo com mais clareza, tudo o que eu mais queria estar bem na minha frente.

Neste momento tenho certeza de que os meus neurônios tiveram um infarto ou alguma coisa do tipo para estarem agindo do jeito que estão dentro do meu cérebro, o que ele estar tentando me dizer não estou conseguindo raciocinar direito tá tudo confuso na minha mente.

-O que você quer dizer com isso, eu não estou entendendo Ivan você pode me explicar direito isso que estar dizendo, por que não estou conseguindo entender?

-Bom Simone eu posso fazer melhor, posso te mostrar.

Ele fala acariciando a minha mão que ainda permanece soube o seu peito e fita os meus lábios de um jeito faminto e quando eu menos espero ele acaba o espaço entre nós captando os meus lábios, estava tão chocada que não sabia como reagir e nem sei o que deu em mim, que quando ele pede passagem com a sua língua que simplesmente dou sem hesitar, como se eu não tivesse controle do meu corpo.

Estava me sentido tão quente cada vez que as nossas línguas se tocam de um jeito calmo, urgente e deliciosamente gostoso, me desperto do que estou fazendo quando sinto a sua mão se apossar da minha cintura me puxando para mais perto de seu corpo que não estava diferente do meu de tão quente que estar, abro os meus olhos parando o nosso beijo afastando ele de mim empurrando com as minhas duas mãos para longe de mim fazendo ele dar dois passos para trás me olhando confuso, ele tenta se aproximar de mim que afasto imediatamente dele, então falo ainda ofegante levando uma de minhas mãos até os meus lábios.

-Por que você fez isso Ivan?

-Não é óbvio Simone?

-O que é óbvio Ivan, não estou entendendo? —Ainda em choque e envergonhada pelo beijo que ele me deu inesperadamente, tenho que confessar que foi o melhor da minha vida.

-De que não consigo tirar você da minha cabeça nem por um instante, nem se eu quisesse eu poderia fazer isso e nem quero, você é o meu último pensamento que vem em minha mente antes de eu me deitar e é primeiro quando acordo.

-Você estar marcada em minha alma tão profundamente que se tornou a parte essencial dela que faltava, que eu não poderia encontar em lugar nenhum ou em parte alguma desse universo a não ser em você.

-Eu não sou mais o mesmo sem o seu cheiro, sem os seus abraços que sempre anseio, sem os seus gestos e manias e principalmente sem o seu lindo sorriso que é capaz de iluminar qualquer escuridão existente neste mundo.

Estou tão zonza com as suas declarações que mal percebi a sua aproximação novamente de mim então ele continua a falar.

-Eu sei que eu poderia passar horas e horas descrevendo o quanto você me faz senti a pessoa mais especial desse mundo, mas resumindo em poucas palavras eu posso dizer com certeza que eu te amo Simone, mais até do que eu pensava um dia amar o Cláudio, que eu pensava que era o amor da minha vida quando na verdade ele estava bem diante dos meus olhos.

Fico em choque sem conseguir dizer nada vendo ele enxugar algumas lágrimas teimosas que insistem em cair, estou fora de mim que sou despertada novamente de meu transe sentindo o seu hálito quente batendo no meu rosto, piscos os meus olhos vendo ele aproximando o seu rosto do meu para me beijar novamente, mas por impulso e confusa com tudo que acabei de ouvir inevitavelmente desfiro um tapa em seu rosto fazendo ele me olhar perplexo com a minha atitude até eu mesma estava, e tudo que eu mais queria era sair correndo de seu quarto para o mais longe possível, é o que eu faço saio correndo sem rumo ouvindo ele me chamar desesperadamente, quando dou por mim estou praticamente me jogando na frente do primeiro táxi que vi, fazendo o motorista pisar no freio parando a centímetros das minhas pernas vou até o lado passageiro e imploro para me levar pra longe daqui enquanto rapidamente olho para trás vendo Ivan vindo correndo em minha direção vestido apenas de uma calça de seu moletom, rapidamente adentro o carro e peço para o motorista pisar fundo no acelerador que ele faz sem entender o carro sai cantando pneu enquanto ouvia se destenciar os gritos de Ivan por mim.

Eu não sei o que me deu estou tão confusa que parecia que a minha cabeça literalmente iria explodir, eu não podia ficar ali ouvindo tudo que ele me dizia, como se fosse o que eu queria ouvir isso dele, tudo estar tão confuso em mina mente que eu precisava me afastar pois estava me sufocando.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...