História Triângulo de Sangue - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Mitologia Brasileira, Mitologia Egípcia, Mitologia Grega
Personagens Personagens Originais
Tags Mistério, Referencias, Sangue Trino, Sobrenatural
Visualizações 6
Palavras 871
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Harem, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Policial, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Cross-dresser, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir culturas, crenças, tradições ou costumes.

Capítulo 8 - Projeto Mors part.2


Fanfic / Fanfiction Triângulo de Sangue - Capítulo 8 - Projeto Mors part.2

- Pierre? O que houve? 
- Não sei só... um aperto no peito... esta me faltando ar.
_______________________________________________________
- Luna, você não vai atirar? 
- O PESCOÇO DELA!
- Eu... estou sufocando... 
- RÁPIDO AJUDEM ELA.
_______________________________________________________

- SETE! RESPIRA! TRAGAM A MACA! - eu gritava segurando a garganta dele, se caso ele não tivesse deixado tempus se alimentar de sua vitalidade, as balas não fariam efeito. Agora até que seu corpo volta-se ao normalidade ele estaria em perigo.
- Patrem, perdão... eu... - o soldado estava desesperado.
-COMO VOCÊ OUSOU ATIRAR NO MEU FILHO? ERA PARA ATIRAR NELAS! - Patrem pegou sua pistola de plasma e atirou na cabeça do soldado que caiu frio no chão.
- Porque você fez tudo isso seu idiota -tentava me controlar- droga esta sangrando muito - apesar de esta cuspindo  sangue e quase se engasgando com o mesmo, ele ainda sorria.
- Eu precisava ver a criança. - ele sorriu.
- IDIOTA! - Gaia chorava abraçada a Tempus. - NÃO MORRA!

   Todas as meninas agora estavam inconsoláveis. Elas não temiam o fim ou a dor, mas sim a morte de Sete, Patrem gritava culpando a todos por seu ''filho'' esta morrendo. Apesar de ele ser o chefe de tudo isso ele tinha um amor afetivo por Sete , mas não como eu, era mais possessiva e doentia como se fosse a relação de um artista e sua obra perfeita. 
    Assim que a maca chegou colocamos ele em cima e levamos para a central de operação, Gaia  e seus demônios estavam agora consolando todas. Tempus pacificamente aceitou colocar a roupa de contenção , se fossem outros tempos elas tentariam matar todos mas agora elas apenas esperavam ele.
________________________________________________________
- Rápido, ela esta cuspindo sangue!
- O que esta acontecendo?
- Não sei, essa marca apareceu nela e agora ela esta cuspindo muito sangue.
- Droga! Será que envenenaram ela?

_________________________________________________________
- My candy, calma , bota tudo para fora, vai melhorar.
- Meu vestido... vai sujar.
-Foda-se o vestido, eu compro outro, agora você tem que melhorar.

___________________________________________________________
- Droga, droga...
- Patrém, ele vai melhorar. Vocês, levem todas as meninas para a ala zero. - eu disse já controlado.
- EU NÃO VOU VOLTAR! - Sibila estava abraçada a sua pelúcia.
- Sibila - olhei para o alto afinal ela tinha 2 metros e eu 1,60. - acredito que você não vá querer que o Sete se machuque mais... ou vai?

    Não precisei dizer mais nada, elas simplesmente seguiram os soldados. Se eu tivesse dado mais atenção ao projeto Vetiti teria percebino que Sapphirus havia quebrado a barreira de plasma e se comunicava com Christiano mentalmente. E também saberia que todas estavam com as Bestias desenvolvidas em seus úteros, isso era praticamente impossível pois todas eram inférteis mas agora... vejo que tenho que ser mais atencioso com as cobaias e seus resultados.

- Você acredita que as Bestias se desenvolveram por causa dele?
- An? - estava imerso em meus pensamentos - As Bestias, creio que sim, porém terei de fazer testes antes.
- Anos estudando para criar os seres perfeitos, mas nenhuma das cobaias sobreviveu, elas quase morreram mas... o Sete, ele tem algo a mais que ainda não entendemos.
- Se sua irmã não tivesse morrido talvez, talvez conseguíssemos chegar aos resultados perfeitos. 
- Mas ainda há um irmão.
- Sim, mas creio que não seja aconselhável nos envolvermos com *ela*.
-Mas precisamos de resultados, desde que encontramos esses gêmeos minhas esperanças voltaram.
-Creio que esperança não seja a palavra certa.

   Patrem apenas sorriu fingindo não ser atingido por aquelas palavras. Ele sinalizou com a cabeça e uma de suas amantes e ela removeu seu braço mecânico o fazendo suspirar mais aliviado.
    Eu me lembrava de quando o conheci, eu era filho de um dos cientistas que Patrem subornava , cresci no meio dessa corrupção mas ela nunca me prendeu. Eu poderia sair a qualquer momento pois minha família era poderosa, porém, não bem isso que eu queria, a ciência me atraiu mas eu não queria algo comum como aparecem em televisores e jornais e também por ser ser proibido me parecia muito mais atrativo. 
   Quando tinha 13 anos eu estava na casa de Patrem e estava sendo entretido por uma das empregadas peitudas dele, mas isso não me prendeu por muito tempo, eu poderia ser jovem mas ser tratado como um neném por uma mulher com seios maior que seu cérebro e que ainda saber que ela fazia tudo isso por medo não fazia parte de meus planos. Eu acabei fugindo e entrando em um cômodo no qual nunca tinha entrado e era completamente óbvio que eu vasculhei aquele lugar até achar algo diferente, e achei, achei uma porta secreta e descobri seu código facilmente... digamos que eu já havia lido no caderno de anotação de meu pai, ele não era lá um homem muito cuidadoso. 
    Assim que adentrei encontrei vários robôs trabalhando e é óbvio que fui pego por eles , mas não fui atacado e sim protegido, naquela época Gaia já havia sido criada e com seus poderes ela estava destruindo a instalação subterrânea inteira. E foi assim que descobri o que eu queria fazer, brincar com a vida.


Notas Finais


Espero que gostem, como sempre eu demorando. Desculpa.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...