História Trust me, trust us. - Capítulo 1


Escrita por: ~

Visualizações 40
Palavras 2.892
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Slash, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá criaturas!
Essa fanfic foi feita em homenagem a minha marida Cardine. E também ao Jimin <3
Tô meio atrasada para ambos, mas PARABÉNS MEUS LINDOOS.
Sério Cardine, você muitas vezes me ajudou a continuar escrevendo.
Espero que você goste.
A história é dividida em infância, adolescência e adulta.
Essa é a fase kids *u*
Boa leitura!

Capítulo 1 - Um por todos e todos por um.


Fanfic / Fanfiction Trust me, trust us. - Capítulo 1 - Um por todos e todos por um.

Era domingo de manhã, o dia mais importante de toda a semana. Pelo menos, era o que pensava os pequenos Min Yoongi e Kim Namjoon. Os grandes e mais perigosos piratas do forte de madeira. Que na verdade era uma casa pequena em uma árvore. Agora o porquê piratas teriam um forte, nem eles mesmos sabiam. Mas sabiam que domingo é dia de lutar contra os inimigos.

— Capitão, capitão! Está ouvindo isso? — O pequeno Namjoon perguntou baixinho como se fosse um grande segredo direcionado a seu amigo Yoongi que tinha um chapéu feito de jornal em sua cabeça e segurava um bambolê com os braços esticados pra frente como se fosse o timão de um navio que no caso era um forte.

Eles também não sabiam o porquê teria um timão de navio em um forte. Mas isso não importava; o que importava era que agora o Capitão Min parava tudo que fazia para escutar o que quer que seja com atenção.

— Ouço sim marujo, acho que deve ser um inimigo se aproximando. É melhor ver com a luneta. — Yoongi falou sério para o outro.

— Sim senhor, capitão! — Namjoon bateu em continência e pegou sua luneta, também conhecido como rolo de papelão de papel higiênico, e apontou para a pequena janela retangular mirando pra baixo. Avistando uma criança tentando subir os degraus espaçosos com dificuldades, fazendo a escada e a casa da árvore toda ranger com o peso a mais — Senhor, avisto um inimigo, ele está se aproximando!

— Prepare para atirar marujo Nam!

Assim, o marujo correu para pegar suas “granadas” em uma sacola plástica, enquanto o capitão pegava sua “espada”.

Quando finalmente ouviram o ranger da pequena portinha de madeira abrir de baixo para cima e uma mão se poiar não chão de madeira para se erguer, os dois arrumaram suas posições com expectativa. Afinal, o inimigo enfim chegara.

Quando o inimigo terminou de erguer seu pequeno corpo, mal teve tempo de se piscar ao ouvir um forte: ATACAR!

Várias granadas feitas de bolinhas de papel voaram sobre ele e um pequeno espetar se fez bem no meio de sua barriga.  O perigoso e rebelde Min Yoongi com seu cabelo preto e chapéu de jornal apontava uma espada feita de palito de churrasco para ele, olhando bem firme em seus olhos como se realmente fosse matá-lo.

— Fale suas últimas palavras, intruso! — Disse o capitão Min.

— Aaaah! — Gritou horrorizado com as duas mãos para o alto — E-eu sou inocente eu juro!

— Como acreditarei em suas palavras?

— E-eu... eu... só... — Sua boca tremia e os olhos agora se mantinham fechados fortemente, mas antes que continuasse sua fala entre gaguejos ele foi interrompido.

— Ei, pera... Eu te conheço não? — Falou o outro garoto que era um pouco mais alto do qual o que o ameaçava. Ele olhou bem para o dono da voz e logo sua expressão de pavor foi se dissipando em uma de surpresa.

— Ah! Namjoon – ssi!

— Você é Jimin não é? — Perguntou o mais alto e outro assentiu animado.

Surpreso com tudo aquilo Yoongi abaixou sua espada alternando o olhar entre o garoto bochechudo a sua frente e o alto Nam ao seu lado.

— Vocês se conhecem? — Perguntou com a voz tão confusa quanto a cara.

— Ele é o novo vizinho. Mamãe conheceu a mãe dele e apresentou a gente — Respondeu Namjoon.

Yoongi pensou por um segundo, mas logo sua mão estendeu de novo o graveto de churrasco apontando bem no meio do peito do garoto que parecia ser mais novo.

— Isso não quer dizer que confio em você.

— Hyung! — Exclamou Namjoon colocando a mão sobre o braço fino do amigo a fim de abaixá-la — Ele não fez nada, ele não é nosso inimigo.

— Como pode ter tanta certeza? — Falou Yoongi com o olhar desconfiado.

— E-eu não sou inimigo, eu juro! — Falou Jimin, segurando a respiração com medo da espada.

— Se não é, então o que veio fazer aqui? — Yoongi lhe encarava sério.

— M-minha pipa... ela ficou presa em algum lugar dessa casa.

— Se ela ficou presa aqui, então é nossa agora — Falou Yoongi com os pequeninos olhos estreitos.

— Hyung... A pipa é dele, isso é errado, hyung... — Era incrível em como Nam achava aquilo tão injusto.

— Tudo bem, então pode pegar sua pipa, mas é só dessa vez — O pequeno capitão Min respondeu a contragosto abaixando sua espada novamente.

Com aquela oportunidade Jimin saiu correndo até umas das pequenas janelas da casinha e se esticando todo conseguiu puxar a pipa pela rabiola. Quando voltou até os dois com sua pipa nas mãos, deu um pequeno sorriso se curvando levemente para agradecer.

— Sabe... Por que você não brinca aqui com a gente? — Falou Nam com um sorriso sem dentes, mas que ainda assim era gentil e maravilhoso aos olhos do pequeno Jimin. Cujo, as órbitas agora brilhavam de animação. Porém ela não durou muito tempo.

— Quê? Ele brincar aqui com a gente? Por quê? Só nós dois já é bastante.

— Yoongi- hyung não seja mal educado, Jimin é legal! — O coração de Jimin agradeceu pelo elogio.

— Meninas não podem brincar — Argumentou Yoongi com uma face fria e quase sem expressão.

— Mas eu não sou menina! — Jimin falou com raiva, obviamente ofendido.

— Hyung! Não seja mau! — Nam se direcionou para Jimin com um olhar de quem se desculpa — Não liga pra ele Jimin-ssi, o hyung é chato assim, mas depois ele fica bom. Você pode brincar sim com a gente.

— Ele não pode não! Nem conhecemos ele! Como vamos saber se ele está do nosso lado?

— Eu não quero incomodar vocês... — Jimin falou se jeito. Querendo ou não, as coisas que o garoto de chapéu dizia mexiam com seu coraçãozinho, mexia de um jeito ruim.

Namjoon surpreendentemente se aproximou e pegou nas mãozinhas pequenas do menor, dando um sorriso que aparecia pequenas covinhas.

— Não se preocupe Jiminie, você não vai incomodar, quanto mais gente melhor.

Naquele momento o coração de Jimin bateu tão fortinho em seu peito que ele pensou que poderia sair voando. Ninguém ali sabia, mas desde que Jimin se mudou para a nova vizinhança seu maior medo era ficar sem amigos, e completamente sozinho, já que todos seus amiguinhos que ele tinha antes, ficaram todos no antigo bairro, bem longe dali. Então Namjoon sem mesmo saber estava sendo seu salvador.

Assim, Jimin deu um grande sorriso mostrando os dentes banguelos, que deixou Nam e Yoongi levemente sem graças com aquela animação repentina.

— Eu juro que vou mostrar que sou bom, muito bom! Eu nunca vou trair vocês! — Apesar do sorriso seu olhar era tão sério, como se o que estivesse dizendo fosse caso de vida ou morte.

Rendido, Yoongi se sentou no chão soltando um suspirando cansado, afinal aquela casa da árvore não era só dele, ela foi construída tanto para ele quanto para seu amigo Namjoon. Então, brigar por conta do intruso só tornaria as coisas mais irritantes e chatas. Yoon só queria brincar com seu melhor amigo, e não brigar com ele.

Assim, como um ritual para receber o novo pirata na tripulação, os três sentaram em uma rodinha no meio do chão de madeira. Ao lado deles estavam o urso de pelúcia Ryan que tinha um tampão preto em um dos olhos, devido a uma grande luta entre os piratas e os alienígenas do mal, também conhecidos como a irmã de 1 ano do Namjoon e seus primos também bebês. E ao lado de Yoongi tinha o urso Kumamon Junior, conhecido pela sua fofura extrema que afastavam seus inimigos.

— Ok, vamos começar. Capitão Min apresente-se — Namjoon falou sério dando um tapinha nas costas do amigo emburrado para ele seguir em frente com a fala.

— Sou o Capitão Min Yoongi... tenho 9 anos... — Falou baixo evitando olhar para o novo intruso.

— Sou o pirata marujo Kim Namjoon! Tenho 8 anos. Agora é você Jimin.

— Sou Park Jimin — Ele começou envergonhado, com uma voz baixa — Acabei de fazer 7.

Fez-se um silêncio constrangedor, o que fez Namjoon olhar para o capitão e dizer baixinho:

— Yoon-Hyung, é sua vez.

Yoongi fez uma careta de contragosto, mas continuou com desanimo.

— Eu, Capitão Min, faço Park Jimin um oficial membro do clube dos piratas.

Jimin ao ouvir aquilo soltou mais um belo sorriso fazendo suas enormes bochechas incharem ainda mais. Como o Yoongi não fez mais nada, Namjoon cuspiu na própria mão e estendeu para o novo recruta.

— Seja bem vindo ao clube pirata Jimin — O menor, meio incerto acabou fazendo o mesmo, cuspiu na própria mão e apertou a do novo amigo. Meio que esperando algo, os dois olharam para Yoongi com expectativa. Então ele sem animação, cuspiu na própria mão e pôs em cima das dos outros dois, completando assim o pequeno ritual.

Jimin finalmente era um recruta oficial.

................................

Semanas se passaram e sempre que podiam, depois da escola, os três se encontravam, ás vezes era na casa de Namjoon, outras na casa de Yoongi e mais outras na casa do pequeno Jimin. Não importava realmente, já que eles moravam na mesma rua, só a casa do mais novo que ficava um pouco mais ao fim da rua, mas nada longe o bastante para impedi-los de brincar. Porém eram os domingos que eram esperados, pois domingo era o dia da casinha de madeira e o dia oficial para brincar de piratas.

Yoongi ainda era contrário a ter Jimin como recruta, por algum motivo ele não conseguia se aproximar do garoto, ele só falava com ele quando Namjoon estava junto. Porém o pior disso tudo, é que ele sentia que seu melhor amigo Kim estava se afastando dele e se aproximando cada vez mais do mais novo. Ele não conseguia entender o que Nam conseguia ver de tão especial naquele menino bobo e bochechudo.

Jimin, apesar de útil por simplesmente fazer praticamente qualquer coisa que os mais velhos pediam, ele também era uma criança que acreditava em tudo o que lhe falavam, e claro que o esperto garoto Min adorava brincar com esse fato, falando coisas que não eram verdade.

Porém um dia em que ele falou para Jimin que viu seu cachorro fugindo, fazendo o pequeno chorar, Namjoon ficou com tanta raiva de Yoongi que quase gritou com ele. O mais velho, com isso, logo contou a Jimin que na verdade ele viu a mãe do garoto levar o cachorro para ir tomar banho em um pet shop, aliviando as lagrimas do menor e logo pedindo desculpas.

O Min não tinha a intenção, mas por mais que odiasse admitir, sentir que seu melhor amigo agora tinha outro melhor amigo, fazia seu coração doer. Já tinha sido tão difícil fazer um amigo sequer e agora sentia que voltava a não ter nenhum.

Entretanto, em um sábado em que os pais dos três levaram as crianças para um parque ali perto, foi quando as coisas mudaram.

Eles estavam no playground brincando nos escorregadores, balanços e gira-gira, depois de terem passado a tarde comendo no piquenique que as famílias fizeram. Até que quando Yoongi estava indo até seus pais para pedir um picolé, ele ouviu. Eles falavam palavras ríspidas um para o outro, os palavrões vinham a cada final de frase. Os outros adultos apenas olhavam para o casal com desgosto, afinal falar frases assim no meio de crianças deveria ser uma vergonha. Yoongi não entendia o porquê seus pais de uns tempos pra cá vinham brigando assim praticamente todo o dia, mas ele sabia que era ruim, afinal seu peito doía e ainda mais quando via seu pai empurrando sua mãe e segurando seus braços tão fortes a ponto de deixar marcas. Isso ocorria praticamente todo dia em sua casa, e ali apesar da situação não estar tão agressiva, os olhares alheios miravam tanto os pais quanto a criança, com pena e desgosto.

O pequeno Capitão Yoongi já não se sentia tão corajoso, aqueles inimigos adultos lhe pareciam grandes demais para se entender ou combater. Ele por vezes ouvia a palavra dinheiro e contas entre as discussões de seus pais. Assim, acabava se perguntando se seus pais não tinham dinheiro por sua causa, se estar ali no parque porque ele pedira era a razão de seus pais estarem brigando agora. Então com o olhar triste, ele desistiu do picolé.

Yoongi não queria que ninguém brigasse por causa dele.

Mas ao voltar para o playground dessa vez ele foi correndo, a respiração ofegante. Yoongi queria apenas se esconder e sumir, afinal talvez as coisas ficassem melhores sem ele. Seus pais não brigariam tanto se ele não tivesse nascido.

Então ele nem viu quando esbarrou em um garotinho fazendo-o cair, Yoongi parou e olhou o ser caído tão bruscamente no chão, seus olhos se arregalaram assustados, pois era Jimin que agora chorava, de novo por causa de algo que ele fez. Yoongi era o culpado pela dor dos outros mais uma vez.

Por que doía tanto ver os outros sofrerem por causa dele?

Antes que ele se antecipasse para ajudar o mais novo, Namjoon logo veio para ajudar o garotinho. Assim que ajudou o menor a se levantar Nam olhou ferozmente para o melhor amigo.

Logo veio as palavras de reprovação. “Deveria ter mais cuidado Hyung”, “Por que você é tão mal com o Jiminie, Hyung?”. Eram frases assim que saiam da boca de Namjoon, e ao olhar nos olhos do melhor amigo ele finalmente percebeu.

Min Yoongi já não tinha mais ninguém, porque Min Yoongi só machucava as pessoas.

Com lágrimas nos olhos Yoongi saiu correndo, sem olhar para trás e sem olhar para onde ia. Quando percebeu estava abaixado sob a copa de uma árvore, abraçando os joelhos e lágrimas escorrendo livremente em suas bochechas.

Ele não soube quantos minutos ficou com o rosto enterrado entre os joelhos, deixando os soluços soltos no ar. Quando sentiu uma pequena mão tocar seus ombros e uma voz aguda dizer baixinho.

— Hyung...? Por que tá chorando? — Jimin estava ajoelhado ao lado do outro menino, com os olhos transbordando preocupação pelo amigo.

Yoongi surpreso com aquilo levantou a cabeça com os olhinhos vermelhos arregalados, enquanto se encolhia sob o toque em seus ombros. Ele se acalmou por um momento e enxugou a lágrimas rapidamente com o antebraço. Envergonhado, olhou bem para Jimin, e falou em uma voz que beirava a um sussurro.

— Me d-desculpe, Jimin... Eu não queria ter te...

— Não, não, Hyung — Jimi balançou a cabeça negando ao interromper o mais velho — Não me machucou, eu só me assustei, só isso. Mas porque está chorando? Aconteceu alguma coisa?

— Eu... Eu não gosto de machucar as pessoas... Namjoon tem razão eu sou mau.

— Hyung — Jimin colocou as duas mãozinhas nas bochechas do mais velho. Fazendo-o olhar bem em seus olhos — Você não é mau e Joon-hyung não acha que você é realmente mau. Tá? — Yoongi balançou a cabeça, assentindo. E antes que pudesse dizer alguma coisa, o pequeno Park começou a se levantar; com medo de ficar sozinho novamente Yoongi segurou a mão do amigo antes que ele se afastasse.

— Não vai embora...

Jimin lhe ofereceu um sorriso caloroso que esquentou o peito do outro.

— Eu não vou, Hyung, eu vou voltar, confie em mim. Tá?

Assim, Yoongi assentiu e esperou alguns minutos sentado, mas por mais que não tivesse demorado muito para Jimin voltar, para o mais velho pareceu uma eternidade.

Quando ele voltou em suas mãos ele carregava uma flor em que em suas pontas tinha uma cor azul e acompanhando o pequeno, Namjoon se aproximava com um ar de preocupação.

— Hyung? Não chore Hyung! — Namjoon rapidamente sentou ao lado do amigo e abraçou seus ombros, afinal ele nunca tinha visto o amigo chorar e ver aquilo pela primeira vez fazia seu coração doer.

— Eu não tô mais chorando... — Yoongi argumentou — Eu pensei que estivesse bravo comigo.

— Eu fiquei, mas eu ainda sou seu amigo, não é?

— Você ainda quer ser meu amigo? — Yoongi olhou para Namjoon quase implorando por uma resposta. E o garoto de covinhas estranhou aquela pergunta, para ele a resposta era óbvia.

— Claro que sim! Você é meu melhor amigo Yoon-Hyung.

— Você promete?

— Que sou seu melhor amigo?

— Você promete que sempre vai ser meu amigo?

— Claro que sim!

— Viu, Yoongi-hyung, Namjoon-ah gosta você. Eu também gosto de você — Jimin falou com um leve sorriso — Olha, isso é pra você — Ele entregou a flor branca com manchas azuladas para o mais velho que pegou com um leve sorriso no rosto — Azul é minha cor favorita, então quis te dar essa flor, assim você não vai mais se sentir sozinho.

Na cabeça do pequeno Jiminie, as flores duravam pra sempre, assim como ele queria que sua amizade com os mais velhos durasse, e as flores azuis são ainda mais preciosas por ser sua cor favorita e também porque pra ele Yoongi também era precioso.

— Obrigado — Yoongi não soube o que dizer além disso com mais um sorriso doce.

Mas antes que pudesse evitar, Yoongi sentiu um toque macio e rápido em um de suas buchechas, Jimin havia lhe beijado, e aquilo por mais estranho que fosse o deixou completamente vermelho. Além disso, ele recebeu mais uma vez aquele sorriso caloroso do menor, então ele finalmente soube o que seu melhor amigo via naquele menino. Jimin era especial, graças a ele, agora ele sabia que não precisava ficar sozinho.

Foi assim que em sua mente eles foram de piratas para os três mosqueteiros.

Um por todos e todos por um.


Notas Finais


Quando eu era pequena eu era como o Jiminie, eu acreditava em tudo. Mas hoje em dia eu aprendi. kkkk
E aí, gostaram?
Quero opiniões minhas criturinhas *w*
bye bye, até o próximo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...