História Um sonho de Vause - Capítulo 34


Escrita por: ~

Postado
Categorias Orange Is the New Black
Personagens Alex Vause, Personagens Originais, Piper Chapman
Visualizações 361
Palavras 954
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Mistério, Orange, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo, Suicídio
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Pra atualizar. ..
Perdoe os erros. .
Obrigado sempre pelos comentários.

Capítulo 34 - Parte do plano.


 

Acção e emoção andam juntas, definitivamente. Assim que Alex saiu do taxi, ordenei o caminho do apartamento dela ao motorista. Dando um percentual, se ele chegasse o mais rápido possível.

Agora, ali, nua, embaixo daquele lençol, precisava de um último ato de coragem.

Retirei o lençol, revelando minhas curvas, meus seios rijos pela excitação, com os mamilos pedíndo carinho. Havia decidido que, essa chance, eu daria a Alex e a mim. Por que eu precisava dela.

Sabia que meu sexo deveria esta reluzindo sob a luz fraca dö abajur, devido a umidade crescente.

 minha vontade dela era tão grande, que sentia fisicamente as contrações e pulsações de meu sexo.

Ela parecia não acreditar no que via, ao ver meu corpo revelado, implorando pelo dela. Seus passos eram instintivamente calculados.

Ao se aproximar da cama, ela ajoelhou, seus olhos verdes expressando tudo que sentia. Eu ergui o corpo, retirando os óculos que ela usava.

- é você? Eu não estou sonhando?

Eu sentia que poderia parar de respirar naquele instante.

Sem uma palavra, aproximou os lábios dos meus seios rijos, apontados pra cima e tomou um mamilo em sua boca. O calor da boca associado a maciez e rigidez do carinho da língua, me fizeram arquear o corpo de encontro à boca sequiosa, que sugava e lambia. A expressão de prazer do seu rosto, fazendo meu corpo doer de excitação, antecipando o momento que seu sexo se uniria ao meu.

Ela agora acariciava o outro com a mesma paixão. Eu emiti um gemido sem esperar, por conta dö desejo que se avolumava em meu corpo. Ela me olhou, seu rosto, uma máscara de desejo e luxúria.

- voce faz ideia dö quanto te desejo?

A boca agora, fazia um caminho com destino certo, abandonando os seios, passeando pelo abdômen e aproximando do umbigo, circulou a língua descendo até alcançar o início da minha intimidade sensível e sedenta.

- faz ideia?

Sua voz tornou a perguntar, me fazendo gemer alto, ao sentir a língua introduzir firme, em meus meandros doloridos de prazer

- Alex. .

A minha voz entrecortada entre um gemido e outro, entre um respirar e a falta de ar, era mais revelador que qualquer palavra, senti a língua entrar dentro de mim, Poderosa, Firme.

O coxão afundou com o peso dela, que me levantou os quadris para melhor me devorar. Ela estava feroz.

Meus gemidos tornaram se gritos, eu ouvia ela sussurrar meu nome sem parar entre um gemido e outro, abafado pelo carinho selvagem que ela fazia dentro de mim, dentro de meu sexo, que estava prestes a explodir em sua boca. E não tardou para que um orgasmo poderoso tomasse conta de mim. Eu gemi tão alto com a explosão de prazer e um formigamento intenso tomou meus sentidos, pensei que perderia a consciência. Mas ela não estava satisfeita. Seus olhos estavam verdes escuros, ela parecia esta até com certa raiva. Sem desviar o olhar, sua mão correu por minha coxa, entreabriu minhas pernas e penetrou suave e profundamente, ela moveu o corpo e deitou sobre mim, eu mal enxergava seu rosto, devido o prazer que seus toques precisos extraiam do meu corpo.

- senti tanto sua falta, Piper!

Os movimentos tornaram se vigorosos- voce sentiu a minha?

Ela queria uma confissão, eu queria a satisfação que só ela podia me dá.

- sim

Soprei em seu ouvido, ela acelerou o movimento, transformando em um prazer intenso e arrebatador.

Ela me puxou sobre ela pra que eu me recuperasse dos orgasmos. Mas eu também queria sentir seu corpo, seu sexo quente e molhado de encontro o meu.

- por que ainda está de calcinha?

Minha mente estava mais clara, mas, meu desejo por ela parecia não ter fim.

Me ajoelhei entre suas pernas, tirando sua calcinha, havia uma espera nos olhos verdes, a boca estava ligeiramente aberta, implorava silenciosa, o toque do meu sexo. Fui até seus lábios, e provei da boca deliciosa, retribuiu enfiando a língua na minha boca, lambendo meu queixo com lascívia enlouquecedita. Deixei meu pescoço para a exploração da boca inquieta e da língua sedenta, sentido um prazer genuíno e pessoal por ser alvo desse carinho em particular. Era como se ela quisesse cada pedacinho meu em sua boca. Me abaixei para retirar sua calcinha, ficando extasiada com a visão molhada e firme do sexo Pronto pra mim. Era irresistível, eu tinha que provar a maciez doce que era oferecida sem palavras â mim. Ela gemeu manhosa ao sentir meu carinho em sua intimidade, senti o meu sexo reagir, implorando contato, enquanto ela gemia cada vez mais alto, um gemido rouco, novo para mim, que só me deixava mais louca. Sem ignorar mais a minha vontade, cruzei minha perna sobre seu frente liso, unindo nossos sexos em uma dança prazerosa, em um ritmo que só os amantes ouviam e seguiam. Acelerando a busca pelo prazer, nossos sexos deslizavam, molhados, rijos e macios ao mesmo tempo. Ela segurou minha cintura, acelerando os movimentos. Sem tardar o orgasmo que veio tão poderoso que gememos juntas em conjunto com a explosão dos sentidos.

Me abracei a ela, sendo acalentada em seu corpo. Nossas respirações, aos poucos voltando ao normal. Me aconcheguei em seu pescoço, lembrando que ali é meu lugar preferido.

Eu não podia ceder assim tão fácil, mas, eu não tinha forças para resistir a ela.

- fiz valer a pena, Chapman?

- cada segundo.

Repondi, a mente clareando e formando uma estratégia- Não o posso negar, te desejo muito Alex.

- desejo?

Sua voz era inquisitorial, quase como se houvesse sido ofendida- Ê. Isso que sente por mim?

Eu sorri, escondida em seu pescoço branco e macio. A segunda parte do meu plano entrava em ação.

Continua. ..

 



Notas Finais


Capítulo curto, até a volta! !
Fim próximo.
Grazie mille! !!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...