História Uma amizade estranha esquisita particularmente bizarra - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias It: A Coisa
Personagens Benjamin "Ben" Hanscom, Beverly "Bev" Marsh, Edward "Eddie" Kaspbrak, Georgie Denbrough, Henry Bowers, Michael "Mike" Hanlon, Pennywise - o Palhaço Dançarino ("A Coisa"), Personagens Originais, Richard "Richie" Tozier, Stanley "Stan" Uris, William "Bill" Denbrough
Tags fera, Maduxpennywise
Visualizações 38
Palavras 1.265
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Fantasia, Ficção, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Nesse capítulo Madu conhece alguns dos membros do The Loser's Club, e conhece alguém através do tabuleiro Ouija. Quem será que ela conhece? Bem leõezinhos, só vão saber lendo então, vamos conferir o capítulo!

Capítulo 2 - Novos amigos parte.1 - Ouija


Fanfic / Fanfiction Uma amizade estranha esquisita particularmente bizarra - Capítulo 2 - Novos amigos parte.1 - Ouija

Narrador

Madu desceu do ônibus e foi recepcionada pela grande placa "Bem vindo a Derry". Saiu da rodoviária com apenas uma mochila bem rechonchuda, já que fazia questão de ter poucas coisas. Ela trajava uma regata preta, com um casaco xadrez por cima, vestia uma calça jeans preta rasgada ( rasgos que ela mesma fez) e calçava coturnos da mesma cor que sua calça. Todos que passavam por ela, a olhavam torto, coisa que ela nem dava a mínima, já estava acostumada, ela tinha os cabelos presos a um coque feito de qualquer jeito, tinha as grandes unhas afiadas pintadas de preto ( bem gótica não?) e um tipo de pirsing pontiagudo dos dois lados atravessando as abas de uma das orelhas ( transversal), e uma pequena argola no lábio inferior.

Andava sem rumo, mascando um chiclete com suas presas enormes, chegou em uma rua completamente deserta, onde havia uma escola bem perto, passou por um beco, como que de impulso, olhou para o escuro e silencioso beco, viu um balão vermelho saindo de trás de um contêiner de lixo. Ela foi tomada por uma curiosidade que não sabia explicar, deu dois passos para perto do balão, ia pegá-lo quando ouviu um voz com o tom elevado " V-você é um ba-babaca Bowers, deixa a-agente em paz!". Ela tinha virado a cabeça em direção a voz, quando voltou seu olhar para o balão, o mesmo havia estourado na sua cara, restaram apenas pedaços do hipnotizante balão no chão. Madu ficou encabulada, mas foi em direção aquela voz que parecia encrencada.

Quando chegou no final da rua, viu quatro garotos encurralados por outros quatro, bem maiores que eles.

- Ah B-b-bill, o que você vai fazer se eu não for embora? - O garoto loiro se aproximou violentamente dos meninos.

- E-eu vou te-t-t-te da uma surra! - O garoto gago enfrentou o loiro, que segurou seu rosto bruscamente.

- É mesmo bichinha?! Vamos ver se tem coragem? - O loiro ergueu a mão com o punho fechado, na mira do rosto do garoto gago.

Ele pegou impulso para socar o rosto de Bill. Com alguns centímetros do rosto dele, Bowers sentiu seu punho ser interrompido por uma outra mão que entrou na briga, a mão parou o punho do loiro a poucos centímetros do rosto do moreno. Quando olhou para o lado viu uma garota morena ficando entre ele e o Bill.

- O que tá fazendo sua pirralha? Não se meta onde é chamada! - Ele gritou e Madu apenas mantinha sua postura com o rosto sem nenhuma expressão.

A princípio, ela apenas segurou seu punho, mas depois que Bowers gritou com ela, a mesma torceu sua mão. Os outros três garotos que acompanhavam o loiro não tinham nenhuma reação, só ficaram olhando com as bocas abertas e os olhos arregalados.

- Da próxima vez, mexa com alguém do seu tamanho. - Ela sussurrou em seu ouvido, depois soltou sua mão.

Henry Bowers tinha sido humilhado por uma garota, ele levantou do chão, pois na hora em que Madu torceu sua mão, ele se ajoelhou de dor. Ele empurrou seus comparsas para irem embora, olhou pra trás e gritou.

- Isso não vai ficar assim!

E foram embora com seu carro. Em seguida, um garoto de óculos chegou perto dela e disse.

- Caralho! Você humilhou o bostinha do Bowers. - Ele apoiou seu braço no ombro dela, que não deu a mínima.

- Você foi demais, pensei que ia morrer! - O menor dos garotos disse pegando de uma pochete que ele tinha na cintura, uma bombinha pra asma.

O menino de cabelos cacheados o olhou e depois e revirou os olhos.

- Q-qual é s-seu nome? - O gago perguntou.

- Maria Eduarda, mas gosto que me chamem de Madu. - Falava sem esboçar uma reação facial.

- Bem, eu sou Richie my lady. - Falou de forma engraçada o garoto de óculos. - Aquela florzinha delicada ali é o Eddie. - Apontou para o baixinho do grupo, e recebeu um " Ei! " como resposta. - O gago é o B-B-Bill. - Mostro-lhe a língua e acenou com a cabeça para a menina. - E a vítima do império nazista aqui, é o Stanley. - O judeu lhe mostrou o dedo do meio. - E juntos formamos o clube dos otários! - Falou entusiasmado.

- É um prazer conhecê-los, mas preciso ir, tenho que encontrar um lugar pra ficar.

-Ok! Nos vemos por aí garota! - Richie tirou o seu braço do ombro de Madu e apontou pra ela com os dois dedos indicadores.

Pela primeira vez, Madu da um meio sorriso sincero.

- Até mais pessoal.

- Até mais Madu! - Dizem em uníssono.

Ela foi andando, a procura de alguém que estivesse vendendo ou alugando uma casa, até que avista uma lanchonete. Estava com tanta fome, que não pensou duas vezes, foi logo entrando. Tinham poucas pessoas no local, ela sentou nos bancos do balcão, perto de uma garota ruiva que lia algo com muita atenção, ela carregava consigo, outros livros e um estojo. Madu pediu um misto-quente com suco de laranja, comeu com um pouco de pressa, ela queria muito encontrar um lugar pra morar e já estava ficando tarde, quando procurava o dinheiro pra pagar, uma garota loira com outras duas morenas atrás, derrubou os livros da ruiva e disse.

- Aí vadia! Caiu. - Saiu da lanchonete rindo com as duas pau mandadas, enquanto a pobre menina catava suas coisas.

Madu deixou o dinheiro no balcão e abaixou para ajudar a garota que pareceu surpresa ao perceber que estava sendo ajudada.

- Qual o problema das pessoas nesse lugar? Parecem que só sabem implicar com os outros! - Ela falava calma séria.

A ruiva sorriu.

- Bem, aqui os valentões e implicantes dominam, enquanto os fracos nerds sofrem.

- Mas isso não é justo. - Disse inconformada.

- De qualquer forma, obrigada, por me ajudar. Eu sou Beverly. - Estendeu a mão.

- Eu sou Madu. - Apertou a mão de Beverly.

- Ah! Agora devo procurar um lugar para morar. - Suspirou.

- Você é nova na cidade certo! - Madu confirma com a cabeça. - No meu prédio, tem um apartamento para alugar, talvez sirva até você encontrar um lugar fixo. - Completou.

- Vai ser ótimo! - Disse Madu.

As duas foram conversando, tirando dúvidas uma sobre a outra. Madu ficou surpresa, nem os garotos e nem a Beverly, mostrou-se assustados ou incomodados com sua aparência. Talvez o calor das situações recentes não permitiram que eles prestassem atenção, ou seja lá o por que disso. Enfim, chegaram no prédio, resolveram todas as borocracias e foram a nova moradia da Madu.

-É aqui, ao lado do meu apartamento. - Disse Beverly. - Foi bom te conhecer!

- Igualmente. - Pensou ter sido seca demais, mas deu um sorriso, a menina lhe deu um abraço, se sentiu um pouco diferente, mas mesmo assim, não ligava para essas emoções que as pessoas insistiam em demonstrar.

Ela entrou no seu apartamento, era pequeno e já contia os móveis. Era o lugar perfeito. Terminou de guardar sua roupas em uma cômoda, e se arrumou para dormir, apesar de não estar com um pingo de sono, deitou na cama e viu alguma coisa encima do guarda roupa. Pegou uma cadeira, subiu, e puxou o objeto misterioso. Era um tabuleiro Ouija, ela conhecia bem esse jogo, como estava sem sono e com muito tédio, decidiu jogar, mesmo que não fosse recomendado jogar sozinho.

Começou se apresentando, em seguida perguntou se tinha alguém ali com ela. Ela ficou minutos repetindo, repetindo e repetindo a mesma pergunta, até que o indicador se moveu e foi para o sim. Ela perguntou então.

- Quem é você?

O indicador demorou alguns segundos, depois vai nas seguintes letras.

G.E.O.R.G.I.E

-Georgie?


Notas Finais


É isso, aqui segue algumas das fanfics que estou lendo!

Floating Love:

https://spiritfanfics.com/historia/floating-love-10666944

IT a Coisa - The fear of Tom:

https://spiritfanfics.com/historia/it-a-coisa--the-fear-of-tom-10519897

Seus Olhos Não Demonstram Amor:

https://spiritfanfics.com/historia/seus-olhos-nao-demonstram-amor-10681291

Até o próximo capítulo e tchau!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...