História Você é digno - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Os Instrumentos Mortais, Shadowhunters
Personagens Alexander "Alec" Lightwood, Magnus Bane
Tags Alec Alfa, Magnus Ômega, Universo A/b/o
Visualizações 109
Palavras 4.534
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Famí­lia, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 10 - Epílogo


3 anos depois

"Apenas os cupcakes tenham refeito. Ah ... e diga a Jordan para fazer a glacê. Sim, tudo bem. Tchau. "Magnus entrou em seu apartamento, terminando seu telefonema, enquanto segurava três sacolas de compras em cada mão. Izzy logo atrás dele.

Ao longo dos anos, Magnus abriu sua própria padaria e adorou trabalhar lá. Ele era o gerente de seus colegas e ele estava orgulhoso de si mesmo por conseguir tal posição.

O apartamento cheirava deliciosamente bom como o cheiro das ervas e especiarias, Alec gostava de usar em suas refeições, estava em toda parte. Ele seguiu o cheiro na cozinha e encontrou Alec de costas para ele, trabalhando no balcão da cozinha. Magnus sorriu para a vista antes de se aproximar e deslizar os braços em torno da cintura do alfa. "Ei, você." Ele sussurrou na orelha de Alec, e dando ao lóbulo da orelha uma pequena mordida. Alec mordeu o lábio e estremeceu antes de se virar nos braços de Magnus. "Ei." Ele respondeu antes de se inclinar para beijar seu noivo, oi.

Ah, sim ... Depois de dois anos de vida juntos, Alec finalmente havia proposto, para a surpresa e alegria de Magnus.

"Ahem." Alguém limpou a garganta. Alec gemeu e olhou para a irmã com uma expressão irritada. "Eu esqueci que você foi fazer compras com Izzy." Ele murmurou, fazendo Magnus sufocar suas risadinhas no pescoço de Alec. Izzy revirou os olhos e decidiu pousar no balcão dizendo a Alec sobre a viagem de compras com a ajuda de Magnus. Alec assentiu enquanto cozinhava, tentando acompanhar o entusiasmo.

Magnus sentiu a luz brilhar em seu rosto e ele gemeu com aborrecimento. Com a pressa de se despirem ontem à noite, eles se esqueceram de fechar a cortina. Ele se afastou da janela e acariciou-se no peito de Alec, respirando-o. O braço de Alec passou pela cintura, enquanto dormia e puxou Magnus contra ele mais apertado. Magnus suspirou, ele amava o aroma de seu alfa. Era tão ... calmante. Seu cheiro era o calor, Magnus não queria apenas, mas precisava . Ele sabia que não poderia viver sem aromatizar Alec pelo menos uma vez por dia.

Magnus acariciou o nariz contra sua pele, tentando encontrar um local confortável, quando uma onda de náusea atravessou seu estômago. Ele rapidamente moveu o braço de Alec e jogou as cobertas de lado e correu para o banheiro, onde ele entrou no banheiro, vomitando todo o jantar da noite passada. Ele não percebeu que Alec saiu da cama e caminhou em direção ao banheiro, olhando Magnus com preocupação, até sentir as mãos gentis em seus cabelos. Magnus gemeu e olhou para Alec, miseravelmente. Alec lavou o banheiro e deu uma toalha úmida para que Magnus limpasse os lábios, antes de colocar uma mão em sua testa, verificando uma febre. "O que aconteceu?", Murmurou Alec, mantendo a voz baixa para a apreciação de Magnus. Magnus levantou-se devagar e arrumou a boca com a boca, livrando-se do sabor desagradável do vômito. "Eu não sei. Eu me senti bem um minuto e depois eu vomitava.

"Talvez você devesse ficar em casa hoje?", Sugeriu Alec, esfregando uma mão pelas costas nuas de Magnus. O ômega sacudiu a cabeça. "Eu não posso. Não haverá pessoal suficiente. Aline está de férias com sua namorada e Bat está ausente no funeral de sua avó. O que simplesmente deixa Jordan e eu e eu não posso deixar Jordan para cuidar de tudo por conta própria. "Ele explicou e Alec suspirou. 
"Bem. Mas eu quero que você me ligue todas as horas me dizendo como você se sente. Ok? ", Disse Alec severamente. Magnus revirou os olhos, mas assentiu. 
Alec fez café da manhã, enquanto Magnus se banhava. O alfa teve o dia de folga hoje e ele planejou ir à academia e terminar a novela que não conseguiu ler. O ômega entrou na cozinha e logo os dois estavam ocupados comendo.

Magnus comeu rapidamente, beijou Alec, adeus, e saiu correndo da porta. Alec sorriu com carinho após Magnus e foi buscar suas coisas para levar pra academia.

"Mags, você vomitou por três dias seguidos agora. Precisamos ir ao médico, pode ser grave. "Alec sublinhou, depois de ver Magnus vomitar. Ele estava realmente preocupado com a saúde de seu ômega.

Todas as manhãs, Magnus sentiu a náusea correr por ele, resultando em correr para o banheiro. Ele tinha uma pequena ideia do que estava errado com ele, mas ele não tinha 100% de certeza, então ele não queria contar ainda a Alec. Magnus suspirou. "Alexander, estou bem. Mas se isso te faz sentir melhor, chamarei Catarina e falarei sobre os vômitos. Ok? "Ele respondeu e viu Alec relaxar um pouco e acenar com a cabeça.

Alec teve que ir ao trabalho naquele dia, já que não podia perder mais dias, então ele rapidamente tomou café da manhã e correu para trabalhar depois de beijar Magnus adeus. O ômega suspirou e entrou no banheiro. Ele abriu o armário para encontrar o teste de gravidez que comprou ontem. Ele estava meio assustado porque ainda não falaram sobre crianças e não tinha certeza de como seu alfa reagiria.

Antes de fazer o teste, ele pegou o telefone e ligou para o Cat. Eles ficaram muito perto e ela se tornou família para ele. "Ei Magnus." Ela cumprimentou. 

"Ei, Cat. Você pode vir? Eu acho ... acho que estou grávido. Ele praticamente sussurrou, sentindo uma onda de medo correr por sua coluna vertebral.

"Meu Deus! Magnus você tem certeza? "Ela gritou e Magnus a ouviu abrir a porta da frente.

"Ainda não. Eu tenho que fazer o teste. Não posso fazê-lo sozinho. Eu preciso de você. "Ele murmurou. Cat imediatamente ficou séria. 

"Eu estarei aí em cinco minutos." Ela respondeu antes de desligar. 

Depois de chegar, Cat viu o olhar assustado no rosto de seu amigo e imediatamente o abraçou com um abraço. "Vamos. Vamos descobrir. "Ela sussurrou, gentilmente. Magnus assentiu e ambos caminharam em direção ao banheiro. 

Cat esperou na porta enquanto Magnus fazia xixi na vara. Enquanto esperava o teste para mostrar os resultados, Magnus deixou sua mente vagar. Como ele contava a Alec? Alec quer mesmo crianças? e se ele não querer isso? 

Ele ficou surpreso com seus pensamentos ao bater na porta. "Magnus? Tudo bem aqui? "A voz de Cat passou pela porta.

" Sim. Apenas um segundo. "Ele respondeu e olhou para o teste. Os batimentos cardíacos aumentaram ao ver o resultado. 

Ele estava grávido. 

Magnus virou-se para olhar para o espelho do banheiro e afastou a camisa para que a barriga aparecesse. Ele gentilmente colocou uma mão em sua barriga e soltou uma pequena risada. Naquele momento, Cat abriu a porta e atravessou. Ela viu o teste de gravidez na mão de Magnus e sorriu de orelha a orelha. "Parabéns!" Ela exclamou e puxou Magnus para um abraço. Magnus sorriu de volta antes de sentir lágrimas em seus olhos e antes que ele soubesse, ele estava soluçando no ombro de Cat. 

Cat não ficou surpresa com a reação de Magnus. Ela apenas acariciou seus cabelos e manobrou-os suavemente para ambos, então ficaram sentados na borda da banheira. "Ei." Ela sussurrou suavemente na orelha de Magnus. "Fale comigo." 

O ômega lentamente se afastou do ombro de Cat e olhou para ela. Ele tinha olhos vermelhos e lágrimas manchadas de lágrimas. "Estou com medo." Ele sussurrou. "Eu já amo tanto esse bebê. Mas ... E se Alec não? Não falamos sobre ter filhos." Sua frase terminou com um soluço. Cat acariciou o cabelo de seu amado e suspirou. "E se eu não for um bom pai?" Magnus perguntou. "Minha infância não era exatamente ... bom. E se isso interfirir com a forma como eu crio meu filho? " 

"Magnus." Ela sussurrou. O ômega olhou-a com os olhos arregalados. "Alec ama você . E ele estará sobre a lua quando descobrir que você está carregando seu filho. E eu sei que isso tudo parece uma grande mudança. Mas você tem Alec ao seu lado, seu alfa. Você me tem, Ragnor e Raphael. Você tem os irmãos de Alec. Você tem sua família ao seu lado. Para ajudá-lo a cada passo do caminho. E deixe-me dizer-lhe uma coisa. Você não é seu pai. O que significa que você não vai tratar seu filho como seu pai o tratou. Você me ouve? "Ela olhou diretamente para os olhos de Magnus. "Você e Alec vão fazer grandes pais". 

"Você realmente pensa assim?" Magnus perguntou, hesitante. Cat sorriu. 

"Eu sei que sim." Ela respondeu e beijou Magnus em sua testa. 

Falaram por mais uma hora, antes que Cat tivesse que chegar ao turno no hospital. Ela prometeu a Magnus que não pensasse demais e conversasse com Alec, antes de partir. Magnus sentiu-se mais leve e entusiasmado por Alec chegar em casa. 

Ele estava grávido . Ele ainda não podia acreditar. 

Uma mistura de Alec e ele próprio estava crescendo dentro dele e ele não podia ser mais feliz.

Ele ficou na frente do espelho em seu quarto e olhou para a barriga com um enorme sorriso no rosto. Ele esfregou suavemente a pele antes de sussurrar: "Eu amo você". Ele sabia que ele basicamente estava falando consigo mesmo, mas falar com o filho não nascido em voz alta tornou tudo mais real. Ele sabia que não importava como Alec reagisse, ele amaria seu filho de qualquer maneira.

Alec deixou escapar um suspiro exagerado enquanto se dirigia para casa. Ele estava exausto e tudo o que ele queria fazer era ter um banho de espuma com Magnus. Ele havia enviado mensagens de texto ao ômega antes para ver como ele estava e Magnus respondeu que ele estava bem, o que relaxou um pouco Alec.

Quando ele chegou em casa, Alec entrou e gritou para Magnus, mas não recebeu resposta. Alec tirou as botas e a jaqueta e caminhou em direção à porta do quarto, que estava ligeiramente entreaberta. Magnus estava na cama, enrolado ao seu lado e adormecido, com a mão esquerda sobre a barriga protetora. Sua expressão facial era calma e pacífica, fazendo sorrir Alec. O ômega parecia tão lindo.

Alec tirou a camisa e se aconchegou atrás de Magnus, que imediatamente sentiu seu alfa e se virou, enquanto dormia, de frente para Alec para enterrar o rosto no pescoço do alfa. Alec soltou uma pequena risada, e a movimentação de seu peito fez a o ômega se agitar em seu sono. Ele piscou lentamente os olhos abertos e sorriu um sorriso dopado para Alec. "Ei." Ele murmurou, seus olhos meio abertos. Alec sorriu para trás e inclinou-se para a frente para beijar a testa do outro homem. "Ei, você mesmo", respondeu Alec. "Você está se sentindo melhor?"

Magnus acenou com a cabeça, seu sorriso ainda no rosto, antes que seus olhos se arregalassem e desaparecesse de seu rosto. Ele sentou-se, vestindo um olhar solene no rosto e olhando para todos os lados, exceto reunir os olhos de Alec. "Magnus?", Perguntou Alec, sentindo a mudança de humor em seu ômega. "O que está errado?"

Magnus ficou em silêncio por alguns batimentos, antes de piscar rapidamente e olhou para Alec. "Eu preciso te contar uma coisa." Ele sussurrou, olhando as mãos dele, mexendo nervosamente com os dedos.

"Baby, o que está errado?" O alfa perguntou novamente, sentindo preocupação e medo de que algo estivesse errado com o ômega. "Eu ... eu sou ..." Magnus fez uma pausa e respirou profundamente, antes de olhar Alec nos olhos, novamente. "Estou grávido."

Alec congelou, sentindo seu coração parar, mas também batia rapidamente ao mesmo tempo. Seus olhos cresceram e as sobrancelhas levantadas por eles mesmos. Sua boca caiu aberta, ligeiramente e sua garganta decidiu fechar-se sobre ele.            

"R - realmente?" Ele perguntou, querendo verificar novamente. Magnus assentiu, olhando as mãos para baixo.
"Nós vamos ser pais." Alec declarou, em voz baixa. Magnus assentiu mais uma vez. "Nós vamos ser pais." Alec repetiu, desta vez mais alto. "Oh, meu deus Magnus!" A cabeça do ômega se ergueu e olhou para Alec surpreso. "Baby, Oh meu Deus! Eu ... vamos ter um bebê! "Alec gritou, sorrindo amplamente. Magnus assentiu, desta vez sentindo o seu próprio sorriso crescer. Quando viu o sorriso irradiando do rosto de Alec, todas as preocupações do passado voaram pela janela ao ver a alegria completa no rosto do alfa. "Mags ... eu te amo tanto!" Alec esmagou os lábios com os do ômega, que sorriu para o beijo deles. "Você não está bravo?" Magnus perguntou hesitante, sentindo estúpido, mas ele tinha que saber.

A excitação de Alec tornou-se preocupante. "Bravo? Por que eu ficaria bravo? " 
" Porque nós não conversamos sobre ter filhos, e eu pensei que você não queria ... " 
" Magnus. Não. É o que você pensou? Não. Ele balançou a cabeça, o cabelo caindo na frente dos olhos. "Eu amo você e eu amo o nosso bebê. E pensei em crianças, mas não queria falar, porque não queria que você pensasse que eu estava empurrando a você ou algo assim. "Alec respondeu, e Magnus olhou para Alec com tanto amor. Quão sortudo ele encontrou um companheiro como Alec. "Você ... você está feliz por ter um bebê, certo?", Perguntou Alec. Na sua excitação, ele se esqueceu de perguntar a Magnus, sua expressão de repente séria.

Magnus riu e assentiu. "Sim! Claro. E se você tivesse falado, você não estaria me empurrando. "Ele colocou as duas mãos nas bochechas de Alec. "Eu não posso acreditar que vamos ser pais." Alec concordou com a cabeça e se inclinou para beijá-lo novamente. Magnus cantarolou enquanto abriu a boca para deixar seu alfa entrar, e ambos gemeram quando suas línguas entraram em contato.

Alec se afastou de Magnus e olhou-o nos olhos. "Eu preciso fazer amor com você", disse Alec, sem rodeios e surpreendendo Magnus. Os olhos de Alec estavam agitando com amor e luxúria e algo que era ao longo das linhas de possessividade que tornava ainda mais Magnus. Ele gemeu e quando Alec o empurrou suavemente para deitar de costas, Magnus voluntariamente obrigado, mas não antes de tirar sua própria camisa.

Alec mordeu o lábio ao olhar Magnus, meio nu, colocado à sua frente. Ele se inclinou e pegou o lábio inferior do seu ômega entre os seus e sugando, fazendo Magnus gemer em voz alta. Alec sorriu antes de deixar seu lábio ir e enterrou o rosto no pescoço de seu ômega, onde ele inalava seu cheiro intoxicante. "Hmmm, você cheira tão bem." Alec murmurou, fazendo Magnus soltar um pequeno gemido. Alec beijou o pescoço de Magnus e lambeu onde sua mordida de acasalamento era, pois era uma área muito sensível, fazendo com que o ômega gemesse mais alto quando se arqueou, enviando vibrações diretamente para o pau de Alec.

Alec beijou o pescoço, o peito e o abdômen onde ele parou. Ele beijou o barriga do ômega e mergulhou a língua dentro do umbigo, fazendo o ômega gemer. Ele beijou pequenos beijos em toda a barriga de Magnus e quando o ômega percebeu que Alec estava beijando-o onde estava o bebê, ele gemeu com mistura de prazer e quão doce foi o gesto. Para não mencionar fofo. Não que Magnus se queixasse. 

Depois de sufocar a barriga de Magnus com pequenos beijos, ele se moveu para remover as calças de Magnus, mas não antes de olhar para Magnus para consentimento para o qual o ômega assentiu ansiosamente. Essa foi uma das muitas coisas que ele amava sobre Alec. Mesmo depois de estar juntos por três anos, ele ainda pediu o consentimento. Mesmo para as pequenas coisas.

Naquela noite, à medida que o casal fazia amor, todas as preocupações do passado de Magnus derreteram-se quando ele sabia que com Alec ao seu lado eles iriam fazer grandes pais.

Eles disseram a seus amigos e familiares no dia seguinte e, uma semana depois, Izzy jogou-lhes uma festa de bebê e convidou todos os que conheciam. Tinha sido uma experiência esmagadora, perceber que eles teriam uma pessoa pequena que era meio Alec e meio Magnus, entrando em suas vidas. Mas sempre que Magnus pensava sobre isso, ele sentiu a alegria vibrar através dele.

Magnus percebeu que Alec se tornou muito protetor e possessivo sobre ele, desde que descobriram que estava grávido. Alec nem permitiu que ele levante a mão para fazer qualquer coisa, muito para o aborrecimento de Magnus. Ele sempre se queixou, mas Alec apenas sorriu, beijou-o em sua testa e sussurrou como deveria descansar.

A primeira vez em que Magnus sentiu seu bebê chutar, ele sentiu lágrimas em seus olhos. Ele estava parado na frente do espelho, sem camisa, com uma mão gentil na barriga. Alec tinha vindo buscá-lo, desde que Magnus havia dito que ele seria apenas um minuto, e quando o alfa o viu olhando para a barriga. O sorriso do alfa cresceu tão grande que as mandíbulas começaram a doer. Ele passou os braços pela cintura de Magnus e cobriu as mãos do ômega com as suas próprias, protetoramente sobre o bebê. Magnus suspirou e voltou para o peito de Alec. "Eu te amo. Ambos. "Alec lhe sussurrou na orelha, antes de levar o lóbulo entre os lábios, mordiscando a pele macia fazendo Magnus rir e se contorcer. "Eu também te amo". Ele respondeu.

Agora, Magnus, que tinha três meses de gravidez, seu bebê comia mais do que antes, ele mergulhou na cozinha em busca de seu noivo e comida. O que pode ou não ser o mesmo na opinião de Magnus, já que devido à gravidez ele sentiu-se excitado o tempo todo . O noivo estava cozinhando na cozinha, de costas para Magnus. "Aleeeeeeecc. Venha para a cama. Magnus gemeu e esmagou o rosto contra as costas de Alec, tomando seu cheiro.

"Você é o único que disse que queria panquecas de mirtilo." Alec respondeu, revirando os olhos com carinho. Era verdade. Magnus pediu a Alec que fizesse algumas. "Mas você está demorando demais." Ele gemeu novamente. Alec riu e desligou o fogão e virou-se para encarar Magnus. "Você é tão carente". Alec provocou e foi o fato de Magnus ter crescido tanto desde que se conheceram que sabia que Alec não significava nada por isso. "Com licença? Posso lembrar que estou carregando seu filho. "Ele retrucou e Alec sorriu. "O que significa que você tem que ser legal comigo".

Alec levantou uma sobrancelha. "E se eu não fizer isso?" 
Magnus abriu a boca para responder, antes que outra ideia surgisse em sua mente. "Hmm, então eu vou tirar todos os seus privilégios sexuais de você." Ele sorriu. Alec franziu a testa antes de um sorriso sorridente no rosto. "Sim, mas não sou uma pessoa excitada como você 24 horas por dia". Alec apontou e Magnus gemeu no pescoço de Alec.

"Eu odeio você." Ele resmungou. Alec sorriu para o cabelo de Magnus.

"Você não estava dizendo isso na noite passada." Alec respondeu, e Magnus sentiu um rubor em suas bochechas.

Ele enterrou a cabeça mais adiante no pescoço de Alec e gentilmente pegou a pele entre os dentes, apertando o alfa, que estava ao redor de sua cintura. "Magnus". Alec zumbiu e Magnus sorriu, afastando-se de Alec, que lhe deu um brilho. "Você é uma provocação!" Ele acusou, estreitando os olhos fazendo Magnus jogar a cabeça para trás e rir, depois de afastar a língua.

Ele olhou para a barriga e sorriu. "Seu pai não está jogando de forma justa." Ele sussurrou, para o bebê, alto o suficiente para Alec ouvir. 
Alec bufou. "Eu não estou jogando justo? Você é o único que  provoca. "Ele resmungou, voltando para o fogão, fingindo estar chateado. Magnus adorou quando seu noivo agia como uma criança. O ômega aproximou-se e abraçou Alec por trás e enganchou o queixo no ombro de Alec. "Estou a céu aberto." Ele sussurrou, infantilmente e Alec mordeu o lábio, difícil , para parar de rir. Ele deveria estar chateado agora. "Por favor, me perdoe?" Magnus continuou, deixando uma pequena trilha de beijos pelo pescoço de Alec.

Assim que seus lábios tocaram a pele de Alec, o alfa esqueceu tudo por que ele deveria estar bravo com o ômega. Ele suspirou e virou a cabeça para melhor acesso, fazendo Magnus sorrir e mordendo seu ponto de pulso. "Eu estou perdoado?" Magnus perguntou, e Alec assentiu rapidamente, antes de se afastar e virar-se para

Magnus. "Sim. Mas só porque você é fofo. "Ele sussurrou antes de bater seus lábios com Magnus fazendo o ômega gritar. Sua mão voou pelo pescoço de Alec e dentro de seus cabelos onde ele puxou suavemente e fez Alec gemer em seu beijo.

Alec apoiou Magnus contra o balcão da cozinha e, quando suas costas atingiram o balcão, ele estava sendo levado e suavemente colocado no balcão. O ato fez o gemido de Magnus em voz alta e morder o lábio inferior de Alec com força. A força de seu alfa nunca deixou de ativar Magnus, então agora não era uma exceção. Ele envolveu as pernas ao redor da cintura de Alec e aproximou-o, enquanto isso Alec tinha as mãos na bunda de Magnus, apertando-o através do jeans.

As mãos de Magnus vagaram de seu pescoço até o peito e até o jeans de Alec, onde lutou para abrir a frente de seu jeans. Todo o tempo, beijando seu alfa ferozmente. Assim como ele empurrou o zíper para baixo e colocou as mãos sob a cintura do jeans de Alec, dando um aperto em Alec, uma dor entrou em erupção dentro de seu estômago, fazendo ele se inclinar e gritar. Ele se afastou dos lábios de Alec e olhou para a barriga como se o tivesse ofendido. "Bebê? O que há de errado? ", Perguntou Alec sem fôlego. 
Magnus abriu a boca para responder, mas sentiu outro movimento dentro do estômago. "Eu ... eu acho que nosso bebê simplesmente me chutou." Ele sussurrou, olhando para Alec com os olhos arregalados. Os próprios olhos de Alec se ampliaram junto com o sorriso dele. "Realmente?" Ele perguntou e Magnus assentiu.
"Sim, olhe." Ele pegou a mão de Alec e guiou-a para o lugar onde ele sentiu o movimento. Eles esperaram por alguns segundos, antes que Alec sentiu o pequeno chute. "Magnus." Ele sussurrou, lambendo seus lábios e lutando para manter suas lágrimas à distância, o que caiu de qualquer maneira. Magnus soltou um riso surpreendido, que foi contagioso, já que Alec logo se juntou a ele. 
"Parece que nossa diversão despertou o bebê." Magnus sussurrou. Alec acenou com a cabeça e mordeu o lábio, seus olhos brilhando de amor e admiração para Magnus e seu bebê. Ele se abaixou lentamente, ergueu a camisa de Magnus (que era realmente de Alec) e colocou um pequeno beijo exatamente onde o bebê estava chutando. Magnus gentilmente girou o cabelo de Alec com os dedos enquanto seu coração ameaçava bater fora do peito no gesto fofo.

"Aleeeeccc ..." Magnus gritou, ele estava deitado no sofá e esfregando a barriga, distraído, que cresceu nos cinco meses desde que descobriram que estava grávido. Alec ergueu os olhos do trabalho e Magnus e não conseguiu evitar o sorriso que apareceu quando ele fez. "Sim meu amor?" Alec provocou. Magnus bufou. 
"Eu estou ansiando alguma coisa." Ele respondeu e Alec levantou uma sobrancelha. 
"O que você está ansiando?", Perguntou Alec. 
"Sexo". O ômega deixou escapar, fazendo com que Alec bufasse.
"Vocês nem sempre desejam isso?" Ele provocou e Magnus gemeu. "Sim, mas não posso ajudar. Você parece tão bom, apenas sentado com a caneta na mão e a concentração no seu rosto. Faz coisas para mim. "Magnus respondeu, afastando o lábio inferior em uma calda. Alec sentiu suas faces corarem e Magnus sorriu em triunfo. 
"E o que você propõe que fazemos?", Perguntou Alec, fazendo crescer o sorriso de Magnus. 
"Apenas venha aqui." Ele respondeu, agarrando as mãos de seu noivo, parecendo muito fofinho. Alec não era um para objetar enquanto se aproximava de bom grado do ômega e beijava seus lábios com um pequeno selinho. "Você não faz ideia do que você faz comigo." Alec sussurrou, contra seus lábios. Desta vez, foi a vez de Magnus ficar vermelho brilhante.

Alec se afastou e se levantou, fazendo Magnus se queixar, mas ele parou quando Alec pegou o ômega, estilo de noiva, e o levou para o quarto deles.

Ele tinha sete meses de gravidez, quando percebeu que seu bebê não conseguia dormir sem o pai dele. Alec estava trabalhando até tarde e Magnus estava cansado de esperar por ele. Mas seu bebê não o deixaria dormir, muito para o aborrecimento de Magnus. Ele simplesmente continuou chutando e se movendo. "Eu também sinto falta dele." Magnus gemeu e saiu da cama e caminhou em direção ao guarda-roupa, tirando uma das blusas de Alec. Esperando que o aroma do alfa acalmasse o bebê. Embora tenha se sentido bem, tendo o cheiro de Alec em torno dele. Nada superou o verdadeiro. 

Ele suspirou e rolou, repetidamente. Até que ele finalmente ouviu a porta se abrir. Ele não se incomodou em sair da cama, mas acendeu a lâmpada. Alec entrou e seus olhos se arregalaram quando viu que Magnus ainda estava acordado. "Por que você ainda está acordado?" Ele perguntou, tirando a camisa e as calças e rastejando na cama. Magnus imediatamente se arrastou para Alec e enterrou o rosto no pescoço do alfa e suspirou quando sentiu o exato momento em que seu bebê sentiu a presença de Alec e parou de se contorcer. "Agh. Isso é melhor. Magnus suspirou. Alec olhou para ele com confusão. "O bebê sentiu sua falta e estava se movendo demais para eu dormir", explicou Magnus. O rosto de Alec se livrou da confusão e ele sorriu. Alec moveu os dois para que ele estivesse no topo de Magnus, de todos os quatro. Ele se abaixou e afastou a blusa dele da barriga de Magnus. "Você estava sendo um garoto mal para papai?" Ele sussurrou e beijou a barriga de Magnus. Como se o tivesse ouvido, o bebê chutou bem no lugar que Alec acabara de dar, que o fez sorrir. 

Quando seu bebê nasceu, ele realmente era uma mistura de ambos. Ele tinha os olhos de Alec e o nariz de Magnus. Suas maçãs do rosto eram afiadas, como Magnus e seus lábios eram gordurosos, assim como os do alfa. E naquela noite, enquanto Alec segurava seu ômega e seu bebê em seus braços, sentia-se como o homem mais sortudo do mundo. "Alexander?" Magnus murmurou, segundos de adormecer. Alec zumbiu. "Devemos nomeá-lo de Max." Alec ficou rígido, mas relaxado após alguns segundos depois. Naquele momento, Alec ficou mais apaixonado por seu ômega, se fosse possível. Magnus sabia que seu irmão mais novo significava muito para Alec, e o fato de ele querer nomear seu filho pelo mesmo nome, fez com que o coração de Alec inchasse de felicidade. 

Inclinou o queixo de Magnus e esmagou os lábios juntos. "Obrigado." Ele sussurrou.

"Não é necessário agradecer-me ... Eu amo você." Magnus respondeu. Alec beijou a testa de Magnus suavemente.

"Eu também te amo. Muito. Ambos. "Ele respondeu.

Logo eles estavam todos adormecidos. Max estava entre os dois, e eles estavam todos envoltos uns aos outros em um casulo grande e quente cheio de amor.

 

 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...