História Watch Boy e Lucky Girl: Primeira Temporada - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Ben 10
Tags Ben, Bwen, Gwen
Visualizações 104
Palavras 3.000
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Ficção Científica, Romance e Novela
Avisos: Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 16 - O Que a Magia Faz Conosco, parte II


 

O Que a Magia Faz Conosco, parte II

________________________________________________________________

Gwen

________________________________________________________________

A sala deveria ter cerca de 10 metros de comprimento. Magus Viridis estava em uma extremidade, enquanto na outra extremidade havia uma maçã em cima de um banquinho.

Accio!” Ben gritou, com seu braço esticado em direção a maçã. A mão dele brilhou em um tom verde pulsante, e a maçã voou pelo ar em sua direção até que ele pôde segurá-la.

Antes que Gwen pudesse dar os parabéns a ele pelo feitiço bem sucedido, a Charmcaster se antecipou e aplaudiu primeiro. “Isso aí, Ben!” Ela beijou a palma da própria mão, e soprou o beijo na direção do Magus.

Gwen revirou os olhos. A Charmcaster sempre procurava um jeito de irritá-la, a insinuação infame de que a mãe da Gwen era filha do Hex fora a principal ‘arma’ dela até então, mas agora que Charmcaster tinha descoberto que a Gwen gostava do Ben, dar em cima do Ben tinha se tornado o novo passatempo predileto da feiticeira de cabelos prateados. O melhor que Gwen podia fazer era ignorá-la, e esperar que a CC ficasse entediada com a brincadeira ao ver que a Gwen não estava ligando.

“Obrigado, CC.” Magus ficou todo vermelho de vergonha e sorriu timidamente. O Ben era um carente por atenção - principalmente quando a atenção vinha de moças atraentes, como a Charmcaster. Gwen estava queimando de ciúmes por dentro, mas tentou o seu melhor para disfarçar.

O Omnitrix expirou e o Ben Feiticeiro voltou a ser o Ben Humano de novo, e o treinamento teve que ser interrompido.

Ben se aproximou das duas bruxas adolescentes. “Nós temos que arrumar um jeito de fazer do Magus Viridis minha nova forma padrão!” Ele disse animado.

“É claro que isso não seria possível, mas você gostaria mesmo de mudar de espécie permanentemente, Boboca?” Gwen perguntou, arqueando a sobrancelha.

“Porque não, Panaca? Magia é demais!” Ben disse, animado. “Ninguém ia notar a diferença, nem meus pais, já que o Magus Viridis e o Ben humano são completamente idênticos na aparência e em tudo mais, com a única diferença que o Magus tem um par de genes mágicos que o Ben normal não tem! Só prós, sem contras.”

“Um ‘contra’ pra você pensar: Nós não poderíamos nem dar um abraço um no outro sem ficarmos chapados de magia.” Gwen disse.

“Ah, mas… er…  isso só é um problema porque, como a sua avó falou, nós dois estamos reprimindo certas coisas… Isso é… solucionável… se nós fizermos… você sabe… ” Ben disse timidamente.

“Comigo você não precisa de reprimir nada, Ben. Vem cá me dar um abraço, gatão.” Charmcaster disse, dando um passo na direção do Ben. Gwen rapidamente esticou o braço na frente da CC, fazendo uma barreira entre ela e o Ben.

“Vamos combinar uma coisa, CC. Você pode dar em cima do Ben o quanto você quiser, mas sem abraços e sem beijos, ok?” Embora a Gwen estivesse tentando não demonstrar ciúmes, havia limites. Definitivamente, ela não iria deixar a CC se esfregar toda no Ben.

De repente, um portal púrpura surgiu do nada no meio da sala.

Havia uma energia mística muito forte vindo daquele portal, uma aura com a qual Gwen não estava familiar. Mas a Vovó Verdona aparentemente estava. “Todos, pra trás de mim!” Verdona disse. “E mudem suas aparências!”

Gwen recitou o ‘Transfigura Apparentia’, o feitiço que a fazia se transformar na ‘Lyn Bezel’. Ben usou seu dispositivo para virar o ‘Bennet Nyson’. Charmcaster era a exceção, como Charmcaster ela usava sua aparência real e quando queria fazer alguma coisa normal é que ela usava um feitiço para se disfarçar, então ela permaneceu do jeito que estava.

Do portal saiu um grande ogro cinzento, e uma mulher que a Gwen só poderia descrever como uma ‘Lyn Bezel’ com vinte e tantos anos. Cabelo longo negro, olhos violetas, e até o rosto dela parecia com o rosto da Lyn e da Gwen.

“Verdy, minha irmã querida, há quanto tempo…” A mulher disse com um sorriso sombrio. “Ah, gostei do visual dessa garota” Ela olhou para a Lucky Girl. “É uma homenagem para mim? Eu estou lisonjeada que você me substituiu por outra pessoa após me mandar pra cadeia.”

Gwen se lembrou de que, realmente, a primeira vez que teve sua aparência mudada, foi a própria Verdona que havia conjurado o feitiço. Será que ela teria feito isso baseado na aparência de sua irmã? E as semelhanças no rosto faziam bastante sentido considerando que aquela mulher era tia-avó da Gwen.

“Sunny.” Verdona disse, apreensiva. A aura mágica de Sunny era mais forte até mesmo que a da própria Verdona, de um jeito que nem parecia natural. “Você quer vingança, eu sei. Mas essas crianças não tem nada a ver com isso. Vamos manter as coisas entre nós duas, ok?”

“Oh, na verdade, Verdy, sua presença é pura coincidência. Eu cheguei até aqui rastreando a assinatura energética do relógio daquele garoto de cabelos brancos.” Sunny apontou na direção de Bennet. “Eu tenho um parceiro que está interessado nesse tal ‘Omnitrix’…”

“Esse ogro aí?” Ben perguntou confuso.

“Ah, não, esse é o Antonio, ele tá mais pra capanga do que pra parceiro.” Sunny riu. “Eu to falando de outro cara…”

De dentro do portal saiu um alienígena cinzento cabeçudo, com três olhos vermelhos, e voando sobre um pequeno hovercraft.

“Albedo!” Bennet gritou.

“Que bicho feio é esse?” Charmcaster perguntou, surpresa.

“Ele é um galvaniano, mas a versão suprema de um galvaniano.” Ben disse, “Você tem que sair mais com a gente, CC. Você vai se acostumar a ver um monte de bichos feios por aí.”

“Eu não estou interessada em ver ‘bichos feios por aí’ mas mesmo assim eu aceito o convite pra sair com você.” Charmcaster disse.

“O Bennet NÃO está te chamando pra sair!” Lucky Girl interveio.

“Eu gostei do nome… supremo. É exatamente o que eu sou.” Albedo sorriu.

“O que nós somos.” Sunny o corrigiu. E então ela tirou a sua própria pele, e se transformou num ser púrpura de energia com longos ‘tentáculos’ de mana rosa substituindo o cabelo. Era por isso que a aura mágica de Sunny estava tão poderosa. Definitivamente aquilo não era natural.

“Rendam-se agora ou senão…” Albedo disse com um sorriso maligno.

“Tá na hora do herói!” Ben bateu no relógio, se transformando no Quatro Braços. Ele correu com tudo na direção deles, e estava prestes a atingir Albedo e Sunny quando Antonio se jogou em cima dele.

“Antonio ama Sunny!” O ogro deu um soco no Quatro Braços, “Antonio protege Sunny!”

“Antonio vai ter seu traseiro chutado!” Quatro Braços revidou com outro soco. Os dois enormes alienígenas se engalfinharam em uma luta violenta e brutal.

Petrus vita!” Charmcaster gritou, tirando várias pedrinhas de sua bolsa e as arremessando no chão. As pedras viraram criaturas semelhantes a cães que correram para atacar Albedo e Sunny.

Albedo destruiu um dos cães com uma rajada do seu terceiro olho, Sunny destruiu outro com raios de mana.

“Como treinamos, meninas, nós três juntas contra a Sunny!” Verdona gritou.

Mercuta Verditis!” Lucky Girl, Charmcaster e Verdona gritaram juntas, conjurando um enorme raio de mana azul, magenta e rosa contra Sunny. No último segundo, Sunny conjurou um escudo místico para conter o ataque. Um ataque triplo daqueles destruiria qualquer escudo de um feiticeiro normal em menos de um segundo, mas graças a seus poderes evoluídos, o escudo de Sunny estava aguentando o golpe. Mas não aguentaria para sempre.

“Está quebrando! Continuem firme meninas!” Verdona disse para que as três continuassem concentradas no ataque.

Porém Albedo conseguiu se desvencilhar dos cachorros de pedra, e lançou uma rajada de seu terceiro olho contra Verdona.

“ARGH!” A bruxa mais experiente gritou de dor, o que também tirou a concentração de Lucky Girl e Charmcaster, interrompendo o ataque contra Sunny.

Sunny aproveitou e usou seu mana para juntar os destroços de alguns ‘cachorros’ de pedra da Charmascater já destruídos. Ela montou uma criatura muito maior do que as demais e sob o seu controle.

“Droga!” Charmcaster praguejou, enquanto a criatura de Sunny destruía as suas.

Segma Sofom!” Lucky Girl gritou, usando um feitiço para tentar obter controle do hovercraft sobre o qual Albedo flutuava. O Galvaniano evoluído se concentrou, usando seus poderes mentais para manter o controle de sua locomoção. Ele viu que o feitiço vinha da Lucky Girl e disparou uma rajada de seu terceiro olho contra ela. Lucky Girl usou sua agilidade - adquirida com a prática de vários anos de karatê - para desviar.

Mas Sunny também disparou uma rajada de mana contra a Lucky Girl sem que ela percebesse. Felizmente, Charmcaster a defendeu conjurando um escudo magenta.

“Obrigada!” Lucky Girl disse.

“Você me deve uma!” Charmcaster respondeu com um sorriso, enquanto tirou uma bombinha de mana explosiva de sua bolsa para jogar na Sunny.

A criatura de pedra da Sunny correu na direção de Charmcaster, e iria atingi-la, mas Lucky Girl conjurou um feitiço, “Tornare Ventus!” lançando um pequeno tornado contra a criatura, que a levou para longe da CC.

“Está pago.” Lucky Girl sorriu de volta.

Mas as duas adolescentes foram imobilizadas no ar pelos poderes telecinéticos de Albedo. “Estou farto de vocês.” O alien cabeçudo disse.

Ignis sphaera!” Verdona gritou lançando uma bola de fogo contra Albedo, que gritou de dor, libertando Lucky Girl e Charmcaster.

Porém logo em seguida Sunny enlaçou o pescoço de Verdona em seus cabelos de tentáculos de mana. “Eu não vou mentir, quebrar o seu pescoço vai doer muito mais em você do que em mim, Verdy.”

“NÃO!” Lucky Girl gritou desesperada.

Charmcaster colocou a mão na bolsa, mas Sunny disse, “Nem pense nisso, criança.” apertando mais forte o pescoço de Verdona com seu cabelo.

Quatro Braços, em uma impressionante demonstração de força, foi capaz de erguer Antonio e arremessá-lo contra a criatura de pedra de Sunny, destruindo a criatura e ganhando vantagem sobre o ogro. Mas quando viu que Verdona estava imobilizada e poderia ser morta a qualquer instante, ele também não soube o que fazer.

“Não... se... importem... comigo... continuem... lutando...” Verdona disse, se esforçando para respirar.

“Ninguém precisa se machucar.” Albedo disse. “Só nos deem o que nós queremos.”

“Você já tentou tirar o Omnitrix de mim uma vez e não conseguiu, Albedo. Desista.” Quatro Braços falou.

“Eu vou tentar uma abordagem diferente dessa vez.” Havia um tipo de manopla vermelha tecnológica no pulso de Albedo. “Já há algum tempo eu venho trabalhando numa réplica do Omnitrix. Mas eu ainda preciso da sua contribuição para fazê-lo funcionar.”

Quatro Braços olhou para a Lucky Girl, como que perguntando a ela o que fazer. Ela não queria que Albedo conseguisse seu próprio Omnitrix, é claro, mas também não queria que sua avó fosse morta. Com o coração pesado, ela acenou para o Quatro Braços não lutasse.

Verdona mantinha vários equipamentos de ferro em casa caso precisasse usá-los contra algum feiticeiro maligno. Antonio prendeu Verdona com as próprias correntes de ferro dela. Sunny entregou sua irmã para o ogro e disse, “Esmague o crânio dela se alguém tentar resgatá-la.”

O Omnitrix expirou, transformando o Quatro Braços de volta no Bennet. Sunny e Albedo se aproximaram do jovem, e Sunny colocou uma mão no Omnitrix de Bennet e a outra mão na réplica de Albedo.

TRANSFERA POTENTIA!” Sunny gritou, e uma luz vermelha esverdeada momentaneamente cegou a todos na sala.

Alguns instantes depois, Lucky Girl viu Bennet caído no chão inconsciente, e de pé ao lado dele outro Bennet - com exatamente a mesma aparência, mesmos olhos vermelhos, cabelo branco, e rosto idêntico - só que mais velho, aparentando ter uns 30 anos de idade, e mais forte. Ela sabia que aquele Bennet mais velho era Albedo.

“Não, não, não, não, não…” Albedo lamentou, desesperado. “Eu me tornei um humano imundo. Não era pra isso ter acontecido...”

“Você conseguiu seu Ultimatrix, Albedo.” Sunny disse. “Isso é uma vitória. Resolvemos esse problema depois.”

Albedo acenou, concordando. Ele discou sua manopla, temporariamente se transformando em um Galvaniano Supremo.

“O garoto? Bennet?” Ele perguntou.

“Eu consigo sentir alguma vida nele, mas ele não está nada bem… Provavelmente em coma.” Sunny respondeu.

“NÃO!” Lucky Girl gritou, imediatamente se arrependendo de ter se rendido a Albedo e Sunny. Ela correu na direção dos vilões para atacá-los, mas Sunny a conteve dentro de uma bolha de mana facilmente. Charmcaster tentou ajudá-la, mas o Galvaniano Supremo a segurou com sua telecinese.

“O que você quer fazer com sua irmã e as duas protegidas dela?” Albedo perguntou.

“Uma morte rápida seria muito misericordioso.” Sunny disse. “Eu vou fazer com minha irmã o mesmo que ela fez comigo. Nós damos uma dica anônima para a S.E.C.T. e deixamos eles prenderem elas. Verdy cometeu muitos crimes no passado usando nomes falsos, assim que passarem as digitais dela no sistema vão descobrir. Essa garota de cabelo prateado, Charmcaster, é aliada notória de um dos criminosos mais procurados pela S.E.C.T., o Hex. A terceira eu não conheço, mas com certeza a minha sósia adolescente será presa só por estar associada com as outras duas.”

“Verdy,” Sunny falou, sorrindo sinistramente para sua irmã, “Eu tenho certeza que a S.E.C.T vai colocar você e suas parceiras-mirins para fazerem parte do ‘Esquadrão Sombrio’ secreto deles assim como fizeram comigo antes. Só como aviso, a taxa de mortalidade no grupo é muito alta e todos os membros são descartáveis. Eu espero que você goste da experiência.”

Sunny, Albedo e Antonio prenderam Lucky Girl, Charmcaster com correntes de ferro junto com Verdona. Sunny abriu um portal e os três vilões foram embora.

“Ben…” Lucky Girl chorou baixinho olhando para seu primo caído.

“Não se preocupe, nosso garoto é forte.” Charmcaster disse, tentando animá-la. “Você me contou que ele já sobreviveu há bastante coisa até agora. Eu tenho certeza que ele vai ficar bem.”

“Nós vamos ajudá-lo.” Verdona disse confiante. “Nós três juntas, com um feitiço para restaurar a saúde dele.”

“Só podemos ajudar ele se não nos prenderem…” Lucky Girl disse. “Talvez nos deixem ir. Vocês só roubaram algumas coisas aqui e ali, certo? Não são procuradas por crimes graves como assassinato.”

Charmcaster e Verdona fizeram um silêncio constrangedor.

“O quê? Vovó, eu ouvi você mesma dizendo que matar é errado e-”

“Eu disse que matar pessoas inocentes é errado, tem uma grande diferença. Eu já matei muita gente, Gwenny.” Verdona disse num sussurro.

“Eu também.” Charmcaster falou.

“Estamos ferradas…” Lucky Girl disse.

“Não se tivermos sorte.” Charmcaster sorriu.

As três mulheres tentaram se libertar por longos minutos, mas dessa vez não tiveram sorte. Até que em certo momento, ouviram passos. Com certeza eram os agentes da S.E.C.T. que haviam sido chamados anonimamente por Albedo e Sunny para prendê-los.

O agente que entrou na sala onde elas estavam, entretanto, era bem conhecido da Gwen.

“Ben!” Vô Max gritou, correndo na direção do Ben. “O que vocês fizeram com ele? O QUE VOCÊS FIZERAM COM ELE?” Ele gritou para as três, especialmente com raiva da Lucky Girl, provavelmente pensando que ela havia traído o Ben.

“Vô Max, não fomos nós…” Lucky Girl disse.

“Vô Max?” Vô Max perguntou confuso.

“Sou eu, Vô, a Gwen.” Lucky Girl disse, revelando sua identidade. “E essa é minha avó materna, Verdona.”

“Olá, bonitão.” Verdona disse. “Talvez você se lembre de mim, nos conhecemos no casamento dos nossos filhos e nos encontramos duas ou três vezes depois. Eu não envelheci um dia, eu sei. Por favor, nos tire daqui e não conte a nenhum dos outros agentes da S.E.C.T sobre nós.”

Vô Max corou ao reconhecer Verdona - Gwen não entendeu porque - mas ele ainda estava confuso quanto a acreditar nelas. “Charmcaster…” Ele disse, dando voz a sua preocupação quanto a terceira integrante do grupo.

“É difícil explicar, mas ela está do nosso lado. Por favor, vovô, nos solte para nós podermos ajudar o Ben. Eu preciso salvar o meu priminho...” Lucky Girl disse chorando.

“Gwen.” Vô Max finalmente aceitou que Lucky Girl não estava tentando enganá-lo e libertou as três. Imediatamente Charmcaster e Lucky Girl correram na direção do Ben, enquanto Verdona foi pegar uma faca.

Verdona voltou alguns segundos depois. “Ok, meninas, a aula de hoje vai ser sobre magia de sangue. Vamos usar um pouco do nosso.” Ela disse, fazendo um corte profundo na mão, e passando a faca para a Charmcaster, que sem hesitar fez o mesmo. Lucky Girl também repetiu o procedimento imediatamente.

As três colocaram as mãos ensanguentadas sobre o Ben e repetiram todas as palavras em Latim que a Vovó Verdona falava. Alguns instantes depois Ben acordou, expirando profundamente.

“Priminho,” Lucky Girl o abraçou o mais forte que pode e cobriu seu rosto de beijos. Ela só o soltou de seu abraço depois de quase um minuto.

Logo depois, Charmcaster abraçou o Ben bem forte também “Não assusta mais a gente tá, Ben? A nossa prima quase morreu de preocupação aqui… E eu também.” Ela disse timidamente, e plantou um beijo no rosto do Ben.

Antes, a Charmcaster estava se jogando pra cima do Ben para irritar a Gwen, mas Lucky Girl percebeu que agora era diferente. CC estava sendo sincera, ela se importava com o Ben também… Lucky Girl só esperava que quaisquer sentimentos que a Charmcaster tivesse pelo Ben fossem apenas platônicos. Mas não era o momento de se preocupar com isso agora. Ben estava se recuperando, era tudo que importava.

“Acho que eu podia me machucar mais vezes…” Ben disse, ainda fraco, mas sorrindo de orelha a orelha, certamente feliz por ter recebido beijinhos da Gwen e da Charmcaster.

“Você já se machuca mais do que o suficiente.” Lucky Girl disse, abraçando novamente seu primo carente de atenção.

Verdona olhou para Max. “Então, bonitão, você pode guardar o nosso segredo?”

“Aqui é o agente Tennyson…” Vô Max pegou seu comunicador. “A ligação anônima que nós recebemos antes era um trote. Não tem ninguém nesse endereço. Podem voltar para a base. Eu estarei lá com vocês logo.”

Então ele desligou o comunicador, e olhou para a Gwen. “Nós precisamos conversar.”


Notas Finais


* Albedo e Sunny agora são versões supremas adultas de 'Bennet Nyson' e 'Lyn Bezel'. Espero que vocês tenham gostado.

* Obrigado a todos pelos comentários e favoritos! O apoio de vocês é essencial pra mim!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...