História Writer - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Hailey Rhode Baldwin, Justin Bieber
Personagens Hailey Baldwin, Justin Bieber
Visualizações 148
Palavras 3.364
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 7 - 7


- O que ela fez meu amor? – levei sua cabeça ao meu peito.

Eu parecia mãe do Justin, ele estava totalmente bêbado e meu coração estava doendo.

- Não quero falar disso agora. – se aconchegou em mim como se fosse dormir.

- Depois que você e idiota se resolverem me liga. – Cameron falou batendo a porta.

- Vamos tomar um banho, cuidar desses ferimentos e depois tirar um cochilo, certo?! – perguntei tentando levantar ele sem sucesso.

- Certo magrelinha. – dessa vez ele me ajudou a levantar ele e gemeu de dor.

Justin não era muito leve e o peso dele estava todo nos meus ombros.

- Lexi você é a melhor amiga do mundo. – assenti – Acho que quero vomitar.

- Aguenta um pouquinho que estamos chegando ao banheiro. – só tive tempo de afastar os pés e ele vomitou no meio da minha sala.

O cheiro de vodka com suco de laranja invadiu o ambiente e eu prendi a respiração se não vomitaria também.

- Desculpa Lexi.

- Não se preocupe depois eu limpo. – sorri para ele e continuei o caminho até o banheiro.

- Droga eu faço tudo errado. – resmungou.

- Não faz não baby, não se preocupe.

Entramos no banheiro e coloquei Justin sentado na tampa da privada.

- Você vai me dar banho? – perguntou rindo.

- Vou. – sorri – e você vai se arrepender desse sorriso.

Deixei o chuveiro no frio e saí do box. Tirei o tênis dele, as meias, calça e por ultimo a camiseta.

- Faltou a cueca. – falou rindo indo cambaleando para o box.

- Isso eu me poupo de ver. – rimos e eu o empurrei na água fria.

- Droga Alexis isso está muito frio e meus cortes estão ardendo. – falou batendo o queixo.

Segurei-o em baixo da água até ele estar melhor.

- Vou pegar uma roupa para você e já venho, se segura porque se cair a queda vai ser feia. – assentiu rindo por estar meio bêbado ainda.

Eu estava encharcada dos pés a cabeça. Peguei uma toalha para ele e uma cueca que eu tinha para o caso de Cameron precisar. Entrei no banheiro e Justin estava pelado.

- Justin! – repreendi tapando os olhos e ele gargalhou.

- Pode olhar se quiser, ele não morde, só se você quiser. – não consegui segurar a risada.

- Você é ridículo! – falei ainda gargalhando.

Saí do banheiro em uma crise de risos terrível.

Fui até a lavanderia ainda rindo e peguei as coisas para limpar aquela nojeira na sala. Andei rapidamente até a sala e joguei muita água sanitária e outros produtos com cheiro em cima daquilo. Coloquei o pano no rodo e comecei a limpar, fui jogando os sujos em uma balde até estar tudo limpo e cheiroso como antes. Joguei os panos no tanque e depois pensaria no que fazer.

- Ok, eu cheguei, está vestido? – perguntei da porta.

- Eu não consigo levantar do chão sweetie. – segurei a risada o encontrando sentado com a cabeça entre as pernas.

Que droga!

Entrei no box desligando a água e o ajudando a se levantar vendo aquele negocio se mexendo e tentando ao máximo manter meus olhos longe.

- Eu vou te zoar tanto mais tarde Justin Bieber. – falei secando ele.

- Não vai, porque você vai ficar com dó de mim. – ri.

- Você que pensa. – riu comigo – Termina de se secar. – falei saindo do box e assim ele fez.

- Como é ver um homem nu pela primeira vez? – ri.

- Não foi como eu imaginava, era para esse treco estar em mim agora, mas está sendo divertido te ver nesse estado. – ele riu cambaleando para fora do box.

Agachei para ajudar ele a colocar a cueca e olhei para cima me arrependendo disso.

- Droga! – praguejei baixo subindo a cueca e ele ajeitou o amiguinho dentro da mesma.

- Confortável. – deu dois toques leves no pênis me fazendo gargalhar.

Coloquei Justin sentado na tampa da privada de novo e tirei o excesso da água dos seus cabelos com uma toalha. Depois coloquei só bandeide nos seu supercílio, era a única coisa que eu tinha em casa para quando usava sapatos que me machucavam. O nariz já tinha parado de sangrar e o canto da boca não tinha como fazer um curativo.

- Você quer comer ou o que? – perguntei exausta.

- Não estou com fome, preciso deitar um pouco ou vou vomitar.

- Tudo bem. – o ajudei a se levantar e fomos até o meu quarto onde ele se deitou de barriga para cima – Não, deita de lado ou você vai vomitar de novo. – me obedeceu.

- Você poderia abrir uma empresa: “Cuidadoradebêbados.com”. – gargalhei olhando ele de cima – Deita comigo?

Fui até o meu guarda-roupa e tirei a camiseta molhada colocando outra e me deitando ao lado dele ficando cara a cara.

- Porque bebeu tanto? – perguntei.

- Ela está com outra pessoa e eu estou aqui sofrendo por ela. Quando doer, não beba vodka, não vai adiantar, ainda está doendo.

- Eu sinto muito sweetie, desculpe dar o conselho errado. – beijei a ponta do nariz dele e comecei a fazer carinho nos seus cabelos.

- Você não tem culpa. – suspirou de olhos fechados.

- Justin? – chamei.

- Hum magrela?

- Porque bateu no Cameron? – riu.

- Eu estava com raiva e ele foi a primeira pessoa que abriu a porta. – dei risada.

- Isso é a sua cara.

- Obrigada por mandar ele embora e cuidar de mim. – falou abrindo os olhos e olhando no fundo dos meus.

- Você é mais importante e você precisava de mim, hum?! – cutuquei a barriga dele o fazendo rir.

- Você parece a minha mãe. – gargalhei.

- Eu gosto de cuidar de quem eu amo.

- E eu dou trabalho para quem eu amo.

- Será um prazer cuidar de você baby. – mexi em seus cabelos.

- Será um prazer te dar trabalho sweetie. – ele sorriu de olhos fechados.

[...]

- Ele só estava mal com tudo Cameron, me desculpe por ter gritado com você, mas eu mandei parar de bater nele caralho. – falei irritada.

- Você gosta mais dele do que de mim.

- São amores completamente diferentes Cameron, não confunda as coisas. – suspirei – Eu te amo amor. – soltei.

- É bom ouvir isso. Porque eu também te amo e nenhum babaca vai te tirar de mim. – sabia que ele estava sorrindo – Mas, meu olho ainda está roxo e eu ainda tenho fotos amanhã.

- Fala que a gente estava brincando de futebol americano e eu te dei uma cotovelada no olho.

– Mentirosa número um. – rimos.

- Eu vou desligar, boa viagem, nos vemos na volta.

- Se cuida. – encerrei a chamada.

Já eram 20h e Justin ainda dormia, o celular dele tocou muitas vezes com ligações dela, até que eu desliguei o celular em uma trégua.

Esparramei-me no sofá vendo as noticias do dia e não tinha nada demais. Graças a Deus não saiu nada sobre um Justin bêbado em lugar nenhum. Só tinha bobagens como meu namoro com Cameron, minha amizade com Justin, que os dois estiveram na minha festa ontem e os dois passaram a noite comigo aqui em casa. Bufei jogando o celular no sofá e esfregando o rosto com as mãos.

- Quem irritou o amor da minha vida? – Justin me assustou.

Ele estava de cueca com uma cara inchada, aqueles cabelos loiros ridículos bagunçados e coçando a nuca sabendo a merda que tinha feito.

- Amor da sua vida? – levantei as pernas para ele sentar.

Justin invés de sentar se jogou em cima.

- Você é pesado. – reclamei.

- O que nós vamos fazer? Não quero ficar em casa.

- Não está com ressaca?

- Acho que você salvou a minha vida. – rimos – Cameron está muito bravo?

- Sim. – rimos.

- Adoro a sua sinceridade. – rimos.

- Mas eu tenho que gostar de você não ele.

- Exatamente. – foi subindo mais em cima de mim e ficando entre as minhas pernas.

- O que você está fazendo? – perguntei rindo.

- Fica bem quietinha tem um bicho em você.

- Hã?! – falei assustada tentando me mexer e ele me beijou – Justin! – empurrei seu peito para longe.

- Deixa rolar Lexi. – o empurrei saindo de baixo do mesmo.

- Você está me usando e isso não é legal. – falei incomodada.

- Cala a boca ridícula, nunca faria isso, só que você largada nesse sofá de calcinha e camiseta...

- Nossa Justin! – revirei os olhos.

- Duvido que você me dê um beijo e a gente não termine na sua cama lá no quarto.

- Nós não vamos transar Justin. – falei brava.

- Eu estou carente.

- Sou virgem, chata e estou com fome. – bufei.

- Ok. O que vamos comer?

- Vamos sair desse apartamento ou eu vou matar você.

- Hard Rock da Time Square? – perguntou.

- Pode ser. – respondi emburrada me jogando no sofá.

- Até você está irritada querendo uns amassos quentes. – ri.

- Eu tenho namorado.

- O que os olhos não veem o coração não sente Alexis.

- Eu odeio essa frase. – revirei os olhos.

- Quando seu namorado estiver na cidade você é comprometida, diferente disso você deixa eu me aproveitar de você um pouquinho. Seria tão errado assim? – gargalhei por ouvir tanta bobagem.

- Essa é a proposta mais ridícula que eu já ouvi na vida.

- Só se deixa levar, você é tão travada às vezes.

- Você traia as suas namoradas? – perguntei.

- Eu me sentia muito sozinho nas turnês, mas eram só prostitutas, nunca passou disso.

- Vou ser a sua prostituta? – riu.

- Nunca Alexis, você vai ser a minha melhor amiga colorida.

- Não Justin. – me virei para ele e fui atacada.

Em um movimento rápido ele me colocou sentada de frente em seu colo. Nosso beijo era intenso, ele apertava minha bunda com uma mão e com a outra ele embolava os dedos nos meus cabelos me deixando louca.

- Ok, para! – falei ofegante e ele riu.

- Está sentindo isso? – levantou um pouco o quadril e eu senti seu membro ereto contra a minha intimidade – É só um pedaço do desejo que eu tenho por você. – passou o polegar nos meus lábios e me puxou de volta para ele.

- Você é pervertido. – rebolei em seu membro chupando seu lábio inferior.

- Todo esse charme para no final fazer o que eu pedi. – rimos – Você é bonita demais. – me fez parar segurando meus cabelos e olhando no fundo dos meus olhos.

- Cala a boca e mata a sua carência.

Justin me jogou no sofá e ficou entre as minhas pernas de novo. Nossas línguas travavam uma batalha nada amigável, com chupões e mordidas. As mãos de Justin foram subindo por dentro da minha camiseta e seu pênis roçava na minha intimidade me deixando totalmente louca, resultando em minhas unhas por toda as costas dele.

- Você está sem sutiã. – afirmou e eu assenti constrangida.

Justin desceu os beijos pelo meu pescoço e minhas mãos passaram por seu peito entrando em seu cueca e arranhando o membro dele também. Ele se arrepiou no mesmo momento e me olhou chocado me fazendo rir.

- Eu não vou transar com você. – falei beijando ele enquanto o mesmo tentava tirar a minha camiseta.

- Nós vamos brincar. – trocamos um olhar e eu ri.

Justin tirou minha camiseta e jogou longe voltando a ficar em cima de mim. Sua língua fez o formato dos meus lábios e entrou na minha boca de novo ganhando uma leve mordida. Passou as pontas dos dedos de baixo para cima das minhas coxas até apertar meus seios e me fazer gemer.

Os beijos dele foram descendo pelo meu pescoço, meio dos meus seios e encheu a minha barriga deles me arrepiando. Justin puxou o elástico da minha calcinha e eu neguei com a cabeça e ele assentiu fazendo o mesmo caminho de volta só que dessa vez chupando meus seios e me fazendo colocar minha intimidade mais na dele. Seus dedos voltaram a descer e brincar comigo por cima da calcinha me fazendo suspirar alto. Ele voltou a descer os beijos e eu deixei que a calcinha fosse embora.

Ele me lambeu de baixo para cima me prendendo ao sofá e eu gemi alto o fazendo soltar um riso de satisfação e ganhar um beliscão. Suas mãos me apertavam e ele me chupava cada vez mais rápido fazendo movimentos circulares com a língua e me tirando da terra. Naquele momento eu estava em um mundo paralelo onde só existia Justin e aquele trabalho maravilhoso que ele fazia.

Puxei os cabelos dele quando ele pensou em parar, ele terminou o serviço e eu fiquei ofegante olhando para ele tentando entender o que tinha acabado de acontecer.

- O que eu faço agora? – ele riu e eu dei uma joelhada na costela dele que era o que estava ao meu alcance.

- Só é fofa essa sua inexperiência. – revirei os olhos e inverti nossas posições ficando com a minha intimidade na coxa dele e a esfregando ali.

- Eu sei bem provocar, então cala a boca. – sussurrei em sua orelha mordendo o lóbulo da mesma e o vendo se arrepiar.

Mordi seu lábio inferior e o chupei, logo depois seu queixo, pescoço, peito e dando uma lambida em seu membro por cima do pano da cueca.

- Nunca fiz isso na vida. – confessei e ele assentiu.

- Pelo amor de Deus cuidado com os dentes e use a delicadeza que você não tem pelo menos agora.

- Não use Deus agora, você corta o clima – gargalhou e eu enfiei minha unha em suas coxas.

- Isso não doeu, foi muito excitante. – revirei os olhos.

- Me sinto péssima. – confessei abaixando a cueca dele e passando a unha lentamente por seu membro.

- Por- por quê? – falou agarrando o estofado do sofá.

- Isso é ridículo, melhor dar logo do que ficar nos joguinhos. – riu com ar de eu te disse – Não se esqueça de onde eu estou, posso te morder...

- Desculpa! – ergueu os braços.

Passei a língua no membro dele e ele fechou os olhos agarrando o estofado de novo. Cobri os dentes com a boca e tentei colocar aquilo na boca sem sucesso tirando e colocando de novo.

- Use as mãos onde não couber. – assenti fazendo o que ele mandou.

Colocava até onde dava na boca e conforme ia tirando minhas mãos ocupavam a minha boca. Justin gemia e jogava a cabeça para trás, não podia estar tão errado assim. Comecei a fazer mais rápido, a respiração dele ficou mais forte e ele agarrou meus cabelos.

- Os dentes. – reclamou e eu ri – Não ria, vou morder a sua periquita. – gargalhei.

- Desculpa, que cena constrangedora. – gargalhou.

- Continua Alexis, quando estava ficando bom você para. – passei minhas unhas na coxa dele o fazendo se arrepiar e voltei ao que estava fazendo.

- Depois vamos no Hard Rock mesmo? – assenti e continuei indo cada vez mais fundo sentindo ânsia.

- Quando for... Você sabe... Avisa. – assentiu.

Passei minha língua pelo membro dele e usei a bochecha. Depois de algum tempo Justin bateu no meu braço e eu o larguei imediatamente que correu para o banheiro com a cueca meio abaixada me dando visão da bunda dele que eu já tinha visto hoje.

Lembrar da cena me fez rir tanto que eu caí do sofá e continuei rindo no chão com a mão na barriga.

- Do que está rindo? – me ajudou a levantar.

- De alguém bêbado mais cedo... – rimos.

- Vamos tomar banho e ir jantar, eu estou faminto de comida agora. – assenti.

Entramos no banheiro juntos, tentei tirar Justin de lá, mas ele acabou no chuveiro comigo.

Acho que não fiquei tão envergonhada por ele ser meu melhor amigo e eu já ter visto o pênis dele. Foi bom, eu gostei, senti coisas surreais e foi com alguém que manteria o segredo. Não tinha essa confiança no Cameron.

- Que tipo de música você gosta? – perguntou tirando o shampoo do cabelo.

- Gosto de um rock mais leve, tipo kings of Leon, The Police...

- Beatles?

- Odeio Beatles. – rimos.

- Oh can't you see
You belong to me
How my poor heart aches
With every step you take – assenti.

- Amo essa música do The Police, ela é divinamente linda. – assentiu - Every move you make
Every vow you break
Every smile you fake
Every claim you stake. – cantei a próxima estrofe e ele sorriu.

- Agora do Kings of Leon…

- Hum… - pensei - You... Your sex is on fire
Consumed with what's to transpire
Hot as a fever, rattling bonés
I can just taste it, taste it. – cantei.

- Nunca ouvi essa banda. – ri.

- Vai ter que ouvir agora, a sua amante gosta. – gargalhamos.

- Porque eu gostei tanto disso?

- Porque você é um grande idiota. – me deu um beijo e abraçou meu corpo me trazendo para baixo do chuveiro.

- Você é linda, a garota mais maravilhosa que eu já conheci, só falta jogar vídeo game comigo.

- A gente tenta um dia se você ouvir Kings Of Leon e adivinhar minhas músicas favoritas.

- Fechado. – batemos as mãos.

- Precisamos de regras... – fiz bico e ele me deu um selinho – Na rua não existe isso, apenas carinho de amigo. – assentiu – Mensagens falando sobre o assunto, nunca e se for necessário temos que inventar um código.

- Algo que tenha a ver com a gente... – pensou.

- Toda vez que você quiser alguma coisa e não puder ligar, você vai mandar um trecho de uma música.

- Ótima ideia. – rimos.

[...]

- Vocês estão juntos? – os paparazzis gritavam todos juntos se aproximando demais e os seguranças também me sufocavam.

- E Selena e Cameron?

- Droga! – bufei e Justin me fez passar na frente dele segurando minha cintura.

Assim que entramos eu respirei aliviada.

- Tudo bem Lexi? – Hugo perguntou e eu assenti.

Ele bagunçou meus cabelos e eu ri

- Boa noite, mesa para dois? – uma garçonete perguntou ao Justin e ele assentiu.

- A mais reservada que você tiver. – assentiu.

- Vou voltar para o meu posto. – Hugo se afastou e acompanhamos a moça até um canto mais escuro.

- Obrigado. – Justin deu cem dólares a ela e eu revirei os olhos.

Acomodamos-nos um na frente do outro e ela nos entregou o cardápio.

- Eu volto já. – assentimos.

- Para uma virgem você foi muito bem hoje. – gargalhei tampando o rosto.

- Cala a boca. – riu.

- Gosto da sua risada.

- Sem veadagem. – mandei e ele riu.

- Não, você é minha melhor amiga, eu posso ser veado às vezes. – ri assentindo – Você tem que dizer três coisas que gosta em mim.

- Ok. – apoiei o cotovelo na mesa e a cabeça na mão encarando bem ele – Gosto dos seus olhos, das tatuagens e com certeza da boca. – rimos.

- Agora por dentro...

- Gosto de como você me faz rir, do otimismo e definitivamente do carinho. – sorriu – Sua vez. – mandei.

- Você tem olhos misteriosos que me fazem pensar a todo momento no que se passa na sua cabeça, - sorri – tem uma boca que eu beijaria sem parar se não precisasse respirar e gosto de seu corpo. Tenho uma queda por modelos. – rimos – Também gosto dessa coisinha que a sua bochecha faz quando você sorri.

- Isso se chama maçãs do rosto baby. – riu.

- Isso aí, não me interrompa. – assenti – Por dentro eu gosto da sua personalidade forte, dos conselhos que você me dá e de como você consegue rir da vida não importando o tamanho da merda em que esteja.

- Yolo. – rimos.

- Sim a vida é uma só. – trocamos um sorriso.

- Justin? – três garotas pararam em frente à mesa e olhamos para elas imediatamente.

- Oi, vocês querem uma foto? – perguntou e elas assentiram - Você tira Lexi?

- Lógico. – sorri e elas retribuíram.

Tiramos as fotos e elas quiseram uma comigo também, o que me assustou, mas eu tirei sem problemas.

- Obrigada! – uma delas disse e assentimos.

- Eu que agradeço. – Justin falou sorrindo.

- Vocês deveriam namorar, formam um casal bonito!

Continua...

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...